Jornal Brasileiro de Pneumologia

ISSN (on-line): 1806-3756

ISSN (impressa): 1806-3713

Busca avançada

Ano 2001 - Volume 27  - Número 1  (Janeiro/Fevereiro)

Editorial

1 - Jornal de Pneumologia: agora também on-line

Thais Helena A. Thomaz Queluz

J Bras Pneumol.2001;27(1):5-7

PDF PT


Artigo Original

2 - Bronquiectasia localizada e multissegmentar: perfil clínico-epidemiológico e resultado do tratamento cirúrgico em 67 casos

Localized and multisegmental bronchiectasis: clinical-epidemiological profile and surgical treatment results in 67 cases

Antero Gomes Neto, Marcos Lima de Medeiros, José Mauro Mendes Gifoni

J Bras Pneumol.2001;27(1):1-6

Resumo PDF PT

A bronquiectasia, doença rara no Primeiro Mundo, tem alta prevalência nos países em desenvolvimento. No Brasil, as principais causas são infecções respiratórias, virais ou bacterianas na infância e tuberculose. A antibioticoterapia diminui consideravelmente a morbidade, mas nos pacientes com sintomatologia persistente, a ressecção cirúrgica oferece maior possibilidade de cura ou melhor qualidade de vida. Objetivos: Avaliar prospectivamente o perfil clínico-epidemiológico de pacientes com bronquiectasia e o resultado do tratamento cirúrgico em dois hospitais da rede pública de saúde de Fortaleza (CE), na região Nordeste do Brasil. Casuística e método: Foram estudados dados demográficos, etiologia da doença e complicações e sucesso terapêutico da cirurgia de 67 portadores de bronquiectasia operados de agosto de 1989 a março de 1999. Resultados: Os pacientes, 39 mulheres e 28 homens, tinham idade média de 32,5 ± 14,1 anos e as causas mais freqüentes da bronquiectasia foram infecções bacterianas ou virais (44,8%) e tuberculose (31,3%). A doença era localizada em 46 pacientes e multissegmentar em 21, sendo bilateral em seis. Não houve óbito cirúrgico e as complicações pós-operatórias foram mais freqüentes nos pacientes com bronquiectasia multissegmentar (9/21 versus 6/46, p = 0,011). Dos 62 pacientes com seguimento, 49 foram curados, dez melhoraram e três não obtiveram benefícios. O resultado foi excelente em 39 pacientes com doença localizada e em dez com doença multissegmentar (p < 0,001). Conclusão: O resultado mostra dois grupos distintos de pacientes: os com bronquiectasia localizada, que apresentam menos complicações cirúrgicas e melhores resultados pós-operatórios, e os com bronquiectasia multissegmentar.

 


Palavras-chave: Bronquiectasia. Perfis epidemiológicos. Diagnóstico clínico. Resultado de tratamento. Procedimentos cirúrgicos operatórios.

 

3 - Aprendizado do uso do inalador dosimetrado após explicação por pneumologista

Metered-dose inhaler technique learning after explanation given by pulmonologist

Alessandra Sandrini, Andréia Jacomossi, Sonia Maria Farensin, Ana Luisa Godoy Fernandes, José Roberto Jardim

J Bras Pneumol.2001;27(1):7-10

Resumo PDF PT

Introdução: O uso do inalador dosimetrado para administração de drogas inalatórias tem sido preconizado há vários anos. Apesar disso, um grande número de pacientes deixa de ser tratado por essa via de administração. Médicos deixam de prescrever drogas inalatórias por esse dispositivo por acreditar que os pacientes serão incapazes de realizar a técnica corretamente. Por outro lado, os médicos não despendem tempo apropriado para ensinar a técnica correta de uso dos inaladores dosimetrados. Objetivo: Avaliar a percentagem de pacientes, nunca ensinados a usar inalador dosimetrado, que aprendem a utilizar corretamente este dispositivo, após explicação fornecida por pneumologista. Material e métodos: Foram estudados, prospectivamente, 119 pacientes em uma clínica privada em São Paulo. Os pacientes eram ensinados exaustivamente a utilizar o dispositivo na primeira consulta e orientados a retornar em dez dias, quando eram solicitados a realizar a técnica exatamente como estavam fazendo no domicílio. Foi classificada em quatro categorias a técnica de uso: correto, pouco errado, erro intermediário, muito errado. Resultados: Foram excluídos 26 pacientes, devido ao não comparecimento à consulta de retorno no tempo previsto. A amostra resultou em 93 pacientes. A idade dos pacientes variou de 9 a 81 anos, com média de 42,6 (± 21) anos; 59,2% eram do sexo masculino e 40,8% do feminino. Após dez dias, 45 pacientes (48,4%) realizaram a técnica correta. Usaram de forma totalmente errada o inalador dosimetrado 16,2% dos pacientes; 19,3% apresentaram técnica pouco errada e 16,2%, erro intermediário. Os erros mais freqüentes foram: colocação do dispositivo dentro da boca; inspiração antes de acionar o jato; inspiração rápida; inspiração pelo nariz. Apenas 33,3% dos pacientes abaixo de 15 anos e acima de 75 anos souberam realizar a técnica de forma totalmente correta. Conclusão: Este estudo demonstrou que a maioria dos pacientes aprende a usar corretamente ou quase corretamente a medicação por esse dispositivo após uma primeira explicação, desde que exaustivamente ensinada.

 


Palavras-chave: Nebulizadores e vaporizadores. Administração por inalação. Aprendizagem.

 

4 - Apresentação clínica da alergia ao leite de vaca com sintomatologia respiratória

Clinical presentation of cow milk allergy symptoms

Fábio Ferreira de Carvalho Junior

J Bras Pneumol.2001;27(1):17-24

Resumo PDF PT

Os alérgenos do leite de vaca são os primeiros antígenos a entrar em contato com a criança. A sintomatologia, em geral multissistêmica, pode estar relacionada ao trato gastrointestinal, à pele e, raramente, ao aparelho respiratório. Objetivo: Descrever algumas características clínicas e epidemiológicas de crianças com alergia ao leite de vaca com sintomas respiratórios. Casuística e método: Foram avaliadas retrospectivamente 17 crianças com acometimento do trato respiratório imediato à ingestão de leite de vaca que, com a exclusão deste tipo de alimento por quatro a seis semanas, se tornaram assintomáticas e, posteriormente, voltaram a apresentar sintomas respiratórios com a reintrodução, em ambiente hospitalar, do leite de vaca. Resultados: Não houve diferença quanto ao sexo e 14 das 17 crianças tinham antecedentes atópicos familiares. O tempo médio do aleitamento materno exclusivo foi de 2,9 meses e o do início dos sintomas, de 3,6 meses. Oito dos dez testes de hipersensibilidade cutânea imediata ao leite de vaca foram positivos. As manifestações clínicas foram: lactente chiador (nove), asma (cinco), otite de repetição (duas), deficiência seletiva de IgA associada com broncoespasmo (duas), rinoconjuntivite alérgica (uma). Conclusão: Em lactentes chiadores a alergia ao leite de vaca deve ser incluída no diagnóstico diferencial e em pacientes com antecedentes familiares atópicos deve ser estimulado o aleitamento materno exclusivo. Entretanto, o diagnóstico preciso é importante para evitar privações alimentares desnecessárias.

 


Palavras-chave: Hipersensibilidade ao leite. Substitutos do leite humano. Sinais e sintomas respiratórios. Doenças respiratórias.

 

5 - Sensibilidade a antimicrobianos de bactérias isoladas do trato respiratório de pacientes com infecções respiratórias adquiridas na comunidade: resultados brasileiros do Programa SENTRY de Vigilância de Resistência a Antimicrobianos dos anos de 1997 e 1

usceptibility to respiratory tract isolated bacteria to antimicrobial agents in patients with community-acquired respiratory tract infections: 1997 and 1998 Brazilian data of the SENTRY surveillance program of resistance to antimicrobial agents

Hélio S. Sader, Ana C. Gales, Adriana O. Reis, Cassia Zoccoli, Jorge Sampaio, Ronald N. Jones

J Bras Pneumol.2001;27(1):25-34

Resumo PDF PT

O tratamento da pneumonia adquirida na comunidade (PAC) é habitualmente empírico e o uso de antimicrobianos é baseado em estudos de vigilância. O programa SENTRY foi desenhado para monitorar a resistência a antimicrobianos através de uma rede internacional de laboratórios. Três centros no Brasil participaram do Programa SENTRY em 1997 e em 1998. Métodos: Um total de 344 isolados bacterianos coletados de pacientes com PAC em 1997 e 1998 foram testados contra mais de 20 agentes antimicrobianos pelo método de microdiluição em caldo. Resultados: Entre os S. pneumoniae (176 isolados), 71,6% foram sensíveis à penicilina. Alto nível de resistência à penicilina e resistência à cefotaxima foram encontrados em 2,3 e 4,0%, respectivamente. As novas quinolonas levofloxacina (MIC90, 2mg/mL) e gatifloxacina (MIC90, 0,5mg/mL) foram ativas contra 100% dos isolados testados. Entre os outros antimicrobianos não b-lactâmicos testados, os mais ativos foram (% de sensibilidade): cloranfenicol (97,5%) > clindamicina (94%) > azitromicina (90,3%) > claritromicina (89,4%) > tetraciclina (76,4%) > sulfametoxazol/trimetoprim (60,2%). A percentagem de Haemophilus influenzae (101 isolados) resistentes à amoxicilina foi de 90,1%, enquanto entre Moraxella catarrhalis (67 isolados) somente 9,0% foram sensíveis. O ácido clavulânico restaurou a atividade de amoxicilina contra H. influenzae e M. catarrhalis. Porém, H. influenzae demonstrou níveis aumentados de resistência para sulfametoxazol/trimetoprim (55,1% de sensibilidade), claritromicina (80,4% de sensibilidade) e cefaclor (88,2% de sensibilidade). Todos os isolados de H. influenzae e M. catarrhalis foram sensíveis à levofloxacina (MIC90, £ 0,5mg/mL para ambos) e gatifloxacina (MIC90, £ 0,06mg/mL para ambos) apresentando MICs muito baixos. Conclusões: Os resultados indicam que a prevalência de S. pneumoniae com alto grau de resistência à penicilina é ainda baixa no Brasil; porém, a prevalência de S. pneumoniae com resistência intermediária à penicilina e resistência cruzada a outras classes de antimicrobianos é relativamente alta em nosso meio. Por outro lado, as novas quinolonas são altamente ativas contra S. pneumoniae e outros patógenos responsáveis por infecções respiratórias adquiridas na comunidade.

 


Palavras-chave: Infecções respiratórias. Pneumonia bacteriana. Resistência microbiana a drogas. Avaliações de programas. Vigilância de resistência. Teste de sensibilidade.

 

6 - Resposta a broncodilatador na espirometria: que parâmetros e valores são clinicamente relevantes em doenças obstrutivas?

Spirometric response to bronchodilators: which parameters and values are clinically relevant in obstructive diseases?

Roberto Rodrigues Jr., Carlos Alberto de Castro Pereira

J Bras Pneumol.2001;27(1):35-47

Resumo PDF PT

Respostas estatísticas dos parâmetros funcionais são largamente utilizadas após administração de broncodilatador (Bd) nos laboratórios de função pulmonar em doenças com obstrução ao fluxo aéreo. Sua relevância clínica é discutível. Objetivo: Determinar que parâmetros espirométricos refletem a melhora na tolerância ao exercício e na dispnéia em resposta a broncodilatador em doenças pulmonares obstrutivas. Métodos: 50 pacientes com DPOC e/ou asma (VEF1/CVF = 41 ± 11%) realizaram manobras de CV lenta e forçada, VVM e um teste de caminhada em corredor de seis minutos após treinamento, antes e após salbutamol, 400mcg fornecido por spray com espaçador. As respostas a broncodilatador foram expressas em valores absolutos, como incremento em relação ao valor inicial e em relação aos valores previstos. Resposta após Bd foi considerada clinicamente significante quando a distância percorrida se elevou 30m ou mais e/ou a dispnéia foi reduzida dois ou mais pontos com qualquer aumento na caminhada. Resultados: 32 pacientes foram considerados respondedores (R) e 18 não respondedores (NR). Como a distância caminhada em seis minutos se correlacionou com a idade (rs = -0,38; p < 0,01), análise dos dados espirométricos foi realizada incluindo a idade como covariada e expressa como x ± EPE. O incremento do VEF1 não diferiu nos dois grupos: R = 255 ± 57ml, NR = 256 ± 43ml. Idem para a VVM: R = 11 ± 2L/min, NR = 10 ± 2L/min. A melhor separação (p < 0,01) foi dada pela mudança da capacidade inspiratória (CI) seguida da mudança da capacidade vital lenta (CV): CI% da inicial nos R = 23 ± 3% e os NR = 3 ± 4%; CI absoluta: R = 411 ± 58ml, NR = 163 ± 77ml; CI% previsto: R = 19 ± 3% e NR = 3 ± 4%. Para a CV os valores observados foram: CV% do inicial - R = 18 ± 2% e NR = 9 ± 3%; CV absoluta - R = 448 ± 52ml e NR = 256 ± 70ml. Incrementos para a CI > 15% do inicial e 0,3L e da CV > 15% da inicial e 0,4L separaram os respondedores com valor preditivo positivo (VPP) em torno de 90%. Conclusão: A melhora do VEF1, CVF e VVM não prediz melhora na capacidade de exercício após Bd. Esta é melhor refletida por aumentos na CI e/ou CV acima de 15% dos valores iniciais.

 


Palavras-chave: Pneumopatias obstrutivas. Espirometria. Valor preditivo dos testes. Broncodilatadores. Tolerância ao exercício. Dispnéia.

 

Relato de Caso

7 - Pneumonite de hipersensibilidade ao tabaco

Hypersensitivity pneumonitis to tobacco

Sílvia E.C. Macedo, Elicarlos Zago, Vítor F. Torres, Fabiano Bergamaschi

J Bras Pneumol.2001;27(1):48-51

Resumo PDF PT

Pneumonite de hipersensibilidade (PH) é decorrente da inalação de antígenos orgânicos e/ou inorgânicos por indivíduos suscetíveis. Relata-se o caso de uma mulher de 18 anos, plantadora de tabaco em Pelotas, no Sul do Brasil, com dispnéia progressiva, tosse seca e emagrecimento havia 35 dias. Apresentava crepitações finas no tórax e a radiografia evidenciou infiltrado intersticial difuso. O diagnóstico de PH foi estabelecido pela história de exposição, achados tomográficos e exame anatomopatológico de pulmão obtido por biópsia a céu aberto. Estabeleceram-se como causa antígenos provenientes do cultivo de tabaco. Com prednisona e o afastamento do plantio do tabaco houve boa resposta clínica e funcional.

 


Palavras-chave: Terapêutica. Alveolite alérgica extrínseca. Tabaco. Diagnóstico.

 

8 - Síndrome hepatopulmonar em paciente com cirrose por vírus C e SIDA

Hepatopulmonary syndrome in a patient with AIDS and virus C cirrhosis (viral cirrhosis type C)

Maria Angélica Pires Ferreira, Marcelo Basso Gazzana, Sérgio Saldanha Menna Barreto, Marli Maria Knorst

J Bras Pneumol.2001;27(1):52-55

Resumo PDF PT

A síndrome hepatopulmonar consiste na tríade de doença hepática, dilatações vasculares intrapulmonares e hipoxemia. Não há relatos de síndrome hepatopulmonar associada com SIDA. Relatamos o caso de uma mulher de 43 anos portadora de SIDA e de cirrose hepática por hepatite C, em uso de cotrimoxazol profilático para pneumocistose e de terapia anti-retroviral, com dispnéia progressiva, cianose, baqueteamento digital, aranhas vasculares e exame do tórax normal. A radiografia do tórax mostrava infiltrado retículo-nodular, o gradiente alvéolo-arterial de oxigênio estava aumentado e a função hepática alterada. Shunt intrapulmonar foi evidenciado por ecocardiografia bidimensional transtorácica e por cintilografia pulmonar perfusional, confirmando-se a síndrome hepatopulmonar.

 


Palavras-chave: Síndrome hepatopulmonar. Síndrome da imunodeficiência humana adquirida. Hepatite viral humana. Anoxemia. Cirrose hepática.

 

Cartas ao Editor

9 - Manoel de Abreu

Rubens Bedrikow

J Bras Pneumol.2001;27(1):56-58

PDF PT


Ano 2001 - Volume 27  - Número 2  (Março/Abril)

Artigo Original

1 - Perfil de sensibilidade a antimicrobianos de bactérias isoladas do trato respiratório baixo de pacientes com pneumonia internados em hospitais brasileiros - Resultados do Programa SENTRY, 1997 e 1998

Hélio S. Sader, Rodrigo E. Mendes, Ana C. Gales, Ronald N. Jones, Michael A. Pfaller, Cássia Zoccoli, Jorge Sampaio

J Bras Pneumol.2001;27(2):59-67

Resumo PDF PT

Introdução: Pneumonia hospitalar é a mais fatal das infecções hospitalares, com taxas de mortalidade de 30 a 60%. Estima-se que 15% de todas as mortes associadas à hospitalização estejam diretamente relacionadas a pneumonias hospitalares. O SENTRY é um estudo de vigilância de resistência a antimicrobianos envolvendo centros médicos em todo o mundo. Objetivo: Avaliar a sensibilidade a antimicrobianos de bactérias isoladas no trato respiratório baixo de pacientes com pneumonia internados em hospitais brasileiros. Material e métodos: Foram avaliadas 525 amostras bacterianas de 11 hospitais brasileiros, como parte do programa SENTRY. Os isolados foram testados por microdiluição em caldo contra um grande número de antimicrobianos. Resultados: As cinco espécies mais freqüentes foram (n/%): Pseudomonas aeruginosa (158/30,1%), Staphylococcus aureus (103/19,6%), Acinetobacter spp. (68/13,0%), Klebsiella spp. (50/9,5%), e Enterobacter spp. (44/8,4%). Essas cinco espécies representam mais de 80% de toda a amostragem. A P. aeruginosa apresentou altas taxas de resistência à maioria dos antimicrobianos testados. As maiores taxas de sensibilidade foram apresentadas por piperacilina/tazobactam (71,5%) e meropenem (69,0%). Os compostos com maior atividade in vitro contra Acinetobacter spp. foram imipenem e meropenem (80,9% de sensibilidade) seguido pela tetraciclina (63,2%). A sensibilidade das amostras de Klebsiella spp. foi muito baixa. MICs ≥ 2μg/mL para ceftriaxona ou ceftazidima, indicando produção de ESBL, foram encontrados em 36,0% das amostras. Os antimicrobianos mais ativos contra Klebsiella spp. foram os carbapenens (100% de sensibilidade) e as quinolonas (92,0% de sensibilidade). Ceftriaxona foi ativa contra somente 56,8% das amostras de Enterobacter spp. (MIC50, 1μg/mL), enquanto a cefepima foi ativa contra 88,6% destes isolados (MIC50, ≤ 0,12μg/mL). A resistência à oxacilina foi detectada em 43,7% dos isolados de S. aureus. As drogas mais ativas contra essa espécie foram: vancomicina, teicoplanina, quinupristin-dalfopristin e linezolida. Conclusões: Os resultados do presente estudo mostraram alta prevalência de Acinetobacter spp. e altas taxas de resistência entre bacilos gram-negativos quando comparados com resultados de estudos norteamericanos e europeus.

 


Palavras-chave: Testes de sensibilidade microbiana. Resistência microbiana a drogas. Análise bacteriana. Pneumonia bacteriana. Infecção hospitalar.

 

2 - Endoscopia respiratória em 89 pacientes com neoplasia pulmonar

Respiratory endoscopy in 89 patients of lung neoplasms

Paulo José Lorenzoni, Maria Ilizabeti Donatti, Paulo de Tarso Muller, Pedro Nango Dobashi

J Bras Pneumol.2001;27(2):

Resumo PDF PT

Objetivos: As neoplasias pulmonares são uma das mais freqüentes causas de mortalidade no Brasil. Objetivou-se com o presente estudo avaliar o diagnóstico dessas neoplasias através da fibrobroncoscopia. Método: Foram analisados, retrospectivamente, 89 pacientes no período de cinco anos, divididos em dois grupos: grupo 1 (n = 53) - presença de lesão visível à endoscopia, grupo 2 (n = 36) - ausência de lesões na endoscopia. Na revisão dos prontuários retiraram-se os dados epidemiológicos, os achados endoscópicos, os exames cito e anatomopatológicos, bem como o exame que proporcionou o diagnóstico final. Resultados: Os achados endoscópicos indiretos de neoplasia corresponderam a 59,5% e a presença de tumor na luz brônquica a 48,8%. O tipo histológico mais freqüente foi o carcinoma epidermóide (59,5%), seguido do adenocarcinoma (15,7%), carcinoma indiferenciado de pequenas células (10,1%) e outros (14,7%). Nos tumores visíveis ou não na endoscopia o estudo anatomopatológico da biópsia brônquica e/ou da citopatologia do lavado e do escovado brônquico mostrou sensibilidade de 83,1% no diagnóstico de neoplasia pulmonar. Quando a lesão era visível à inspeção endoscópica, a sensibilidade atingiu percentual de 96,2%, sendo a biópsia positiva em 94,2% e a citologia em 43,75%. Quando não se observava lesão brônquica o rendimento foi sensivelmente menor (63,8%): a biópsia mostrou percentual de 72,7% e a citopatologia de 38,4%. As complicações menores decorrentes do exame endoscópico ocorreram em 11,2% dos pacientes; não ocorreram complicações graves. Conclusão: A fibrobroncoscopia foi um excelente método para investigação de pacientes com suspeita de neoplasia pulmonar com sensibilidade de 83,1%; sua sensibilidade foi maior nas lesões visíveis. Nas lesões não visíveis a sensibilidade aumentou com a biópsia endobrônquica.

 


Palavras-chave: Neoplasias pulmonares. Broncoscopia. Carcinoma broncogênico. Técnicas de diagnóstico e procedimentos.

 

3 - Mudança da tendência da mortalidade por asma em crianças e adolescentes no Rio Grande do Sul: 1970-1998

Change in asthma mortality trends in children and adolescents in Rio Grande do Sul: 1970-1998

José Miguel Chatkin, Jussara Fiterman, Nivalvo Almeida Fonseca, Carlos Cezar Fritscher

J Bras Pneumol.2001;27(2):89-93

Resumo PDF PT

Introdução: A mortalidade por asma aumentou no Rio Grande do Sul no período 1970-92 em crianças e adultos jovens. Este trabalho visou avaliar a tendência do fenômeno no mesmo grupo etário, agora incluindo o período de 1970-98. Métodos: Foram revisados os 157 certificados de óbitos ocorridos entre 1970 e 1998 em pessoas de cinco a 19 anos de idade nos quais asma foi considerada a causa básica de morte. As tendências foram testadas usando os modelos log-linear, logístico (S curve) e quadrático. Resultados: A mortalidade por asma variou entre 0,04 e 0,399/100.000. Entre os modelos testados, o logístico mostrou os melhores valores de acurácia para a série temporal analisada: r2 = 0,59, percentual de erro médio absoluto (MAPE) = 23,48, desvio médio absoluto (MAD) = 0,035 e desvio mínimo quadrático = 0,0021. Esses resultados significam que possivelmente um platô foi atingido. O modelo quadrático mostrou também bons valores de acurácia, significando que uma possibilidade alternativa seja a de que um decréscimo nos coeficientes esteja iniciando. Neste modelo, o valor máximo calculado foi no 25º ano (1994). Conclusões: A mortalidade por asma no Rio Grande do Sul está-se estabilizando, após um período de importante aumento. É possível, inclusive, que uma tendência ao decréscimo esteja iniciando.

 


Palavras-chave: Asma. Mortalidade. Brasil.

 

Artigo de Revisão

4 - Sonolência e acidentes automobilísticos

Sleepiness and motor vehicle accidents

Simone Fagondes Canani, Sérgio Saldanha Menna Barreto

J Bras Pneumol.2001;27(2):94-96

Resumo PDF PT

Objetivo: Este artigo tem por finalidade apresentar uma sucinta revisão sobre as repercussões da sonolência excessiva no desempenho dos motoristas no trânsito, enfatizando a necessidade da maior valorização do tema abordado. Métodos: Revisão bibliográfica da literatura nacional e internacional, abrangendo artigos originais e publicações oficiais da American Thoracic Society e da American Sleep Apnea Association. Resultados: As evidências de que a sonolência é um fator que pode contribuir de forma decisiva para a ocorrência de acidentes automobilísticos são crescentes. As dificuldades com relação à caracterização da sonolência precedendo o acidente são discutidas no texto. Muitas são as causas de sonolência excessiva; felizmente, sua maioria é passível de identificação e manejo adequado. Conclusões: É importante que haja maior entendimento do problema em nosso meio, para que possam ocorrer modificações na abordagem do paciente com sonolência excessiva e também discussões acerca das leis de trânsito vigentes e das obrigações legais do médico com relação a este problema.

 


Palavras-chave: sonolência; acidentes automobilísticos

 

Artigo Original

4 - Prevalência de infecção pelo "Mycobacterium tuberculosis" entre alunos da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro

Prevalence of mycobacterium tuberculosis infection among medical students of Federal University of Rio de Janeiro

Vania Maria Carneiro da Silva, Jaqueline R. Oliveira, Flávia Matos Silva dos Santos, Clarisse Moreira de Araújo, Afrânio Lineu Kritski

J Bras Pneumol.2001;27(2):77-82

Resumo PDF PT

Introdução: O Hospital Universitário da Universidade Federal do Rio de Janeiro (HUCFF), na região Sudeste do Brasil, recebe aproximadamente 300 casos de tuberculose por ano e é nesse hospital que os alunos da Faculdade de Medicina exercem suas atividades. Objetivos: Determinar a prevalência de infecção pelo Mycobacterium tuberculosis (Mtb) entre alunos da Faculdade de Medicina da UFRJ. Desenho do estudo: Estudo transversal entre estudantes de medicina em diferentes níveis de treinamento. Informações sobre características sociodemográficas, vacinação pelo BCG e exposições potenciais à tuberculose foram obtidas através de questionário padronizado. O teste tuberculínico foi usado para determinar a prevalência de infecção pelo Mtb. Resultados: Os estudantes de medicina tiveram prevalência crescente de positividade ao teste tuberculínico de acordo com o progredir de suas atividades práticas (4,6%, 7,8%,16,2%; P = 0,002). Os riscos foram maiores durante os anos de treinamento clínico, quando os estudantes de medicina tiveram contato mais freqüente com pacientes. Conclusões: Os estudantes de medicina que desenvolvem seu treinamento no HUCFF/UFRJ podem estar sob aumentado risco de se infectar pelo Mycobacterium tuberculosis. Faz-se necessário um programa de realização de teste tuberculínico, de rotina, para confirmação de viragem tuberculínica, combinado com intervenções para reduzir o risco de transmissão nosocomial no local da prática clínica.

 


Palavras-chave: Infecção hospitalar. Estudantes de medicina. Fatores de risco. Estudos transversais.

 

Artigo de Revisão

5 - Fatores de risco e medidas profiláticas nas pneumonias adquiridas na comunidade

Risk factors and prophylaxis of community-acquired pneumonias

Lucy Gomes

J Bras Pneumol.2001;27(2):97-114

Resumo PDF PT

Este artigo revisa os efeitos do envelhecimento, tabagismo, DPOC, insuficiência cardíaca, colonização da orofaringe, aspiração (micro e macro), alcoolismo, cirrose hepática, deficiência nutricional, imunossupressão e fatores ambientais sobre o risco de adquirir pneumonia na comunidade e sua gravidade. Na segunda parte, é feita revisão sobre a ação profilática das vacinas antiinfluenza e antipneumococo, assim como a ação das drogas antivirais, na profilaxia e tratamento das pneumonias adquiridas na comunidade.

 


Palavras-chave: Pneumonia pneumocócica. Influenza. Vacina contra influenza. Vacinas virais. Fatores de risco.

 

Relato de Caso

7 - Síndrome de Jó ou hiperimunoglobulinemia E

Job's syndrome or hyperimmunoglobulinemia E

Ricardo Coelho Reis, Marcelo Alcântara Holanda, Juvêncio Paiva Câmara, José Humberto Araújo, Micheline Paiva Aquinos, Laryssa Braga Cavalcante Santana

J Bras Pneumol.2001;27(2):115-118

Resumo PDF PT

A síndrome de Jó ou hiperimunoglobulinemia E é uma rara condição de imunodeficiência, sem etiologia definida, caracterizada por infecções de repetição dos tratos respiratórios superior e inferior e da pele associadas a níveis elevados de imunoglobulina E, eosinofilia e alterações faciais peculiares. Relata-se o caso de um homem de 22 anos, portador da doença, complicada com empiema pleural e cistos pulmonares e boa evolução.

 


Palavras-chave: Síndrome de Jó. Infecções respiratórias. Recidiva.

 

8 - Fístula traqueoesofágica como complicação tardia de traqueostomia

Tracheoesophageal fistula as a late complication of tracheostomy

Marlos de Souza Coelho, José Antônio Zampier, Sérgio Augusto Zanin, Elisângela de Mattos e Silva, Paulo de Souza Fonseca Guimarães

J Bras Pneumol.2001;27(2):119-122

Resumo PDF PT

A fístula traqueoesofágica como complicação tardia de traqueostomia é uma ocorrência rara, com incidência menor do que 1%, mas que deve ser conhecida, diagnosticada e tratada rapidamente, para que se evite evolução desfavorável. Relata-se o caso de uma mulher de 41 anos que permaneceu com traqueostomia prolongada, devido a acidente vascular cerebral. Após a alta hospitalar, apresentou insuficiência respiratória aguda e observou-se a saída de material da sonda nasogástrica traqueostomia. O diagnóstico de fístula traqueoesofágica foi feito por exame endoscópico e a paciente foi submetida a uma traqueoplastia, com boa evolução.

 


Palavras-chave: Fístula traqueoesofágica. Traqueostomia. Unidades de terapia intensiva.

 

Cartas ao Editor

9 - Hérnia diafragmática traumática transpericárdica

Antonio Sebastião Porto

J Bras Pneumol.2001;27(2):19-21

PDF PT


Ano 2001 - Volume 27  - Número 3  (Maio/Junho)

Editorial

1 - Jornal de Pneumologia

Luiz Carlos Corrêa da Silva

J Bras Pneumol.2001;27(3):5-

PDF PT


Artigo Original

2 - Motivos e tempo de internação e o tipo de saída em hospitais de tuberculose do Estado de São Paulo, Brasil - 1981 a 1995

Reasons for the admission, length of stay and type of discharge in tuberculosis hospitals in the State of São Paulo, Brazil - 1981 to 1995

Péricles Alves Nogueira

J Bras Pneumol.2001;27(3):123-129

Resumo PDF PT

Introdução: A partir de 1981, a Secretaria da Saúde assumiu o tratamento e a internação de todos os casos de tuberculose no Estado de São Paulo, na região Sudeste do Brasil. Nesses anos foi observada a diminuição da incidência e da percentagem de internações por essa doença. Objetivo: Analisar a evolução dos motivos que levaram os doentes de tuberculose a internação e correlacionar esses motivos com o tempo de internação e com o tipo de alta. Material e métodos: Uma amostra de 1.805 prontuários pertencentes a cinco hospitais de tisiologia, que tratam de tuberculosos, entre os anos de 1981 e 1995 foi analisada. Resultados: O principal motivo de internação foi o mau estado geral seguido pela caquexia, tendo sido registrado o crescimento do alcoolismo. Entre os que ficaram internados menos de uma semana, destacaram-se aqueles com "outras patologias" e "insuficiência respiratória". Os motivos que levaram ao maior tempo médio de internação foram o social e a falência do tratamento. Os pacientes com insuficiência respiratória apresentaram o maior abandono e óbito. Os internados devido à intolerância medicamentosa e motivo social apresentaram maior proporção de alta a pedido; o motivo social e o alcoolismo tiveram maior taxa de alta disciplinar. O hospital que internou pacientes do sexo feminino teve o maior número de altas a pedido e os do sexo masculino se destacaram por apresentar maior freqüência de alta disciplinar e abandono.

 


Palavras-chave: Tuberculose pulmonar. Tempo de internação. Pesquisa sobre serviços de saúde. Hospitais especializados. Alta do paciente.

 

3 - Avaliação evolutiva da espirometria na fibrose cística

Spirometry evolution assessment of cystic fibrosis

Elenara da Fonseca Andrade, Deisi Letícia Oliveira da Fonseca, Fernando Antônio de Abreu e Silva, Sérgio Saldanha Menna-Barreto

J Bras Pneumol.2001;27(3):130-136

Resumo PDF PT

Objetivo do estudo: Avaliar o padrão da evolução dos fluxos e volumes pulmonares dinâmicos dos pacientes com fibrose cística (FC), assim como analisar a relação entre a gravidade do comprometimento ventilatório com a idade, sexo, genótipo e colonização pulmonar. Material e método: Na Unidade de Pneumologia Infantil e Serviço de Pneumologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, foram avaliadas 243 espirometrias de 52 pacientes portadores de FC maiores de quatro anos realizadas no período de 1987 a 1999. Do prontuário médico foram extraídas informações sobre idade ao diagnóstico, pesquisa genética, colonização brônquica e os valores absolutos e percentuais para fluxos e volumes da melhor espirometria de cada ano. Resultados: A idade dos pacientes variou de quatro a 26 anos (média = 13,04 ± 4,82). Dos 52 pacientes, 49 (94%) tiveram pelo menos uma cultura de escarro com P. aeruginosa, 45 (86%) com S. aureus e 13 (25%) com B. cepacia. Na avaliação inicial dos quatro aos seis anos (n = 40), os valores médios da CVF e do VEF1 foram de 114,24% e 112,25%, respectivamente. A média da CVF manteve-se acima do normal até os 18 anos, quando apresentou queda súbita para 67,2% (p = 0,0002). A média do VEF1 atingiu valores abaixo de 80% aos dez anos, estando em 50% aos 18 anos (p < 0,00001). A relação VEF1/CVF%, índice mais sensível de obstrução, mostrou-se diminuída já na primeira avaliação, sendo 85% entre os quatro e seis anos, com declínio lento progressivo, chegando a 63% aos 18 anos. Os valores médios do FEF50, FEF75 e FMEF inicialmente foram normais (94%, 80% e 90%, respectivamente), mostraram queda maior e mais precoce, estatisticamente significativa, atingindo valores médios aos 18 anos de 37%, 12,5% e 19%, respectivamente. Embora houvesse tendência para fluxos terminais mais baixos para as meninas, as diferenças não tiveram valor estatístico. Também não foram detectadas correlações estatisticamente significativas entre a função pulmonar e o germe colonizador da via aérea ou o genótipo. Conclusão: O padrão evolutivo das alterações funcionais pulmonares encontrado nos pacientes está de acordo com o descrito na literatura, onde predomina o distúrbio ventilatório obstrutivo com redução precoce dos fluxos terminais e acometimento tardio da CVF.

 


Palavras-chave: Espirometria. Fibrose cística. Ventilação pulmonar.

 

4 - Resposta cardiorrespiratória na asma induzida pelo exercício máximo com incrementos progressivos

Cardiorespiratory response to incremental progressive maximal exercise in asthmatic patients

Ruy Amazonas Lamar Filho, Antonio Augusto Soares da Fonseca, Maria Alice Melo Neves, Laércio Moreira Valença

J Bras Pneumol.2001;27(3):137-142

Resumo PDF PT

Objetivo: Verificar a ocorrência de broncoconstrição induzida por exercício e verificar a resposta cardiorrespiratória durante o exercício máximo em pacientes asmáticos. Pacientes e métodos: Quatorze asmáticos (VEF1 basal de 86,3%), conforme os critérios da American Thoracic Society, foram submetidos a teste de exercício máximo. Foram realizadas curvas fluxo-volume antes, sete e 15 minutos após esforço progressivo máximo. Seis indivíduos (43%) apresentaram queda do VEF1 igual ou maior que 15% após esforço máximo (grupo I). Os demais constituíram o grupo II. No grupo I, observou-se redução no VEF1 de 40,9% e 26,7% sete e 15min após o exercício, enquanto no grupo II ocorreu diminuição de 2,6% e aumento de 1,2%. No pico do exercício, os dois grupos atingiram FCmax acima de 91% do valor de referência; a carga máxima foi de 82,7% e 62,5%, o VO2max (mL/kg/min) de 93,5% e 58,9% e a VEmax de 91,5% e 63,8%, respectivamente, nos grupos I e II. Essas diferenças foram estatisticamente significativas. A correlação da queda percentual do VEF1 (7min pós-exercício) com a VEmax (%predito) mostrou um coeficiente r = 0,8989 para o grupo I e um r = 0,3629 para o grupo II. Não se observou correlação estatisticamente significativa entre o delta VEF1 e o VO2max (% predito). Conclusão: Nos pacientes com asma induzida pelo exercício, a ocorrência de broncoconstrição correlacionou-se com o nível de ventilação máxima, mas não com a aptidão física (VO2 máximo).

 


Palavras-chave: Asma induzida pelo exercício. Broncoconstrição. Volume de ventilação pulmonar. Teste de função respiratória.

 

5 - Diagnóstico endoscópico de estridor na infância

Endoscopic diagnosis of stridor in childhood

Vítor Emanuel Cassol

J Bras Pneumol.2001;27(3):143-147

Resumo PDF PT

Objetivo: Determinar os principais diagnósticos endoscópicos identificados em crianças que apresentam estridor, no Serviço de Pediatria do Hospital Universitário de Santa Maria. Métodos: Estudo descritivo, do tipo transversal, não controlado, com dados obtidos de protocolos preenchidos quando realizada a endoscopia respiratória, no período de março/93 a novembro/99. Resultados: Foram realizadas 56 endoscopias respiratórias e identificadas 59 alterações compatíveis com o diagnóstico clínico de estridor, sendo 63% pacientes do sexo masculino. Lesões congênitas e adquiridas foram diagnosticadas em 45% e 50% dos casos, respectivamente, com 5% de endoscopias normais. Os diagnósticos mais comuns foram laringomalacia, estenose subglótica, traqueobroncomalacia e edema de laringe. Conclusões: A investigação da via respiratória pela endoscopia demonstrou ser importante para o correto diagnóstico do estridor. Doenças congênitas ou adquiridas tiveram freqüência similar como causa de estridor. A investigação endoscópica revelou-se de grande valor, com elevado percentual de diagnóstico.

 


Palavras-chave: Toracoscopia. Diagnóstico. Sons respiratórios.

 

6 - Oxigenoterapia domiciliar em crianças: relato de sete anos de experiência

Home oxygen therapy in children: seven years experience

Helena Teresinha Mocelin, Gilberto Bueno Fischer, Lilian Cristine Ranzi, Rosângela Dias Rosa, Maria Regina Philomena

J Bras Pneumol.2001;27(3):148-152

Resumo PDF PT

Objetivo: Descrever os resultados de uma experiência de sete anos com uso de oxigenoterapia domiciliar em crianças com hipoxemia decorrente de doença pulmonar crônica. Pacientes e métodos: É um estudo retrospectivo e descritivo realizado no Hospital de Crianças Santo Antonio, de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, na região Sul do Brasil. No geral, avaliaram-se as características das crianças com oxigenoterapia domiciliar acompanhadas durante o período de janeiro de 1993 a janeiro de 2000. Resultados: Dos 40 pacientes estudados, 29 (72,5%) eram meninos. A idade de início do oxigênio no domicílio variou de dois meses a 13 anos e seis meses, sendo que 18 (45%) eram menores de um ano (média: 24,8 meses; mediana: 13 meses). As enfermidades mais prevalentes foram: bronquiolite obliterante, 31 (77,5%); pneumopatia obstrutiva crônica secundária à aspiração, três; hipogamaglobulinemia, dois; pneumopatia supurativa crônica, dois; proteinose alveolar e tuberculose, um caso cada. O tempo da última internação antes de iniciar oxigênio domiciliar variou de nove a 240 dias (média: 64 dias; mediana 50 dias). A maioria dos pacientes recebeu oxigênio por aparelho concentrador, 30 (75%), e os demais, por cilindro. O tempo de uso variou de 27 a 1.620 dias, mediana de 392,5 dias. Ocorreram cinco óbitos por complicações da doença de base e um por retirada acidental da traqueostomia. Dos 19 pacientes em que o oxigênio foi suspenso, o diagnóstico era bronquiolite obliterante em 15, pneumonia aspirativa em dois e tuberculose e proteinose alveolar um caso cada. Conclusão: Apesar da necessidade de oxigênio por períodos prolongados, a evolução foi satisfatória na maioria das crianças. Oxigênio domiciliar para crianças oxigenodependentes é uma alternativa de tratamento que permite antecipar a alta hospitalar e o retorno ao ambiente familiar.

 


Palavras-chave: Anoxemia. Pneumopatias obstrutivas. Tratamento domiciliar.

 

7 - Tratamento cirúrgico do pneumotórax espontâneo primário no primeiro episódio

Surgical treatment of primary spontaneous pneumothorax on the first episode

Darcy Ribeiro Pinto Filho, André Germano Leite, Fabíola Délia Perin, Ronaldo Barbieri

J Bras Pneumol.2001;27(3):153-157

Resumo PDF PT

Objetivo: Avaliar os resultados do tratamento cirúrgico do PEP através da toracotomia axilar, ressecção de blebs e pleurodese abrasiva. Mediante os resultados e a comparação destes com as diversas opções de tratamento, discutir a abordagem cirúrgica como a primeira para os pacientes portadores de PEP, no primeiro episódio. Material e métodos: 35 toracotomias axilares com pleurodese abrasiva para tratamento do PEP foram realizadas no Serviço de Cirurgia Torácica da Universidade de Caxias do Sul entre janeiro de 1996 e março de 1999. Resultados: 23 pacientes foram tratados no primeiro episódio de PEP (65,7%) e 12 pacientes no segundo episódio. Os drenos pleurais permaneceram em média 2,7 ± 1,6 dias. O período médio de internação foi de 4,9 ± 2,4 dias. Morbidade de 8,5%, mortalidade zero. Não se evidenciou recidiva num período médio de 22 meses de acompanhamento. Conclusão: A indicação de toracotomia axilar com pleurodese abrasiva em pacientes portadores de pneumotórax espontâneo primário no primeiro ou segundo episódio mostrou baixos índices de morbidade, recidiva zero, além de curto período de permanência dos drenos pleurais e de hospitalização, comprovando sua eficácia terapêutica. A possibilidade de indicá-lo como primeiro método terapêutico para pacientes portadores de PEP deve ser considerada.

 


Palavras-chave: Pneumotórax. Toracotomia.

 

Relato de Caso

8 - Sarcoidose renal

Renal sarcoidosis

Maria Enedina Claudino de Aquino, Roberta Karla Barbosa de Sales, José Antônio Freire dos Santos, Ana Lidia Régis, Nelson Morrone

J Bras Pneumol.2001;27(3):163-166

Resumo PDF PT

Em uma mulher de 62 anos, branca, em avaliação pré-operatória de facectomia, foram detectadas alterações urinárias, tendo sido firmados os diagnósticos de calculose renal esquerda e exclusão renal homolateral. No pré-operatório da nefrectomia foram evidenciados processo pulmonar intersticial bilateral e adenopatia torácica, cuja investigação foi adiada para após a cirurgia. No rim retirado foram detectados granulomas epitelióides não necrotizantes, o mesmo ocorrendo posteriormente em biópsia transbrônquica. A paciente foi tratada com metilprednisolona, com discreta melhora pulmonar, o que não ocorreu com a função renal. O diagnóstico final foi de sarcoidose com envolvimento pulmonar, ganglionar torácico e renal.

 


Palavras-chave: Sarcoidose. Insuficiência renal. Sarcoidose pulmonar.

 

9 - Pneumonia em organização secundária ao uso de amiodarona

Organized pneumonia secondary to amiodarone use

Lia Augusta de Souza Gulmini, Carlos Alberto de Castro Pereira, Ester N.A.M. Coletta

J Bras Pneumol.2001;27(3):167-170

Resumo PDF PT

A pneumonia em organização secundária ao uso de amiodarona é rara, com apenas oito casos relacionados na literatura. No presente relato uma paciente de 75 anos, com uso cumulativo de 43g, apresentou tosse produtiva, dispnéia progressiva e infiltrados bilaterais na radiografia do tórax. A biópsia transbrônquica confirmou o diagnóstico. Com a retirada da droga houve melhora clínica e funcional.

 


Palavras-chave: Pneumonia por bronquiolite obliterante em organização. Amiodarona. Quimioterapia. Toxicidade de drogas.

 

10 - Infecção pulmonar por "Rhodococcus equi": relato dos dois primeiros casos brasileiros

Pulmonary Rhodococcus equi infection: report of the first two Brazilian cases

Luiz Carlos Severo, Patricia Ritter, Victor Flávio Petrillo, Cícero Armídio Gomes Dias, Nelson da Silva Porto

J Bras Pneumol.2001;27(3):

Resumo PDF PT

O Rhodococcus equi, principal agente da rodococose, é um cocobacilo pleomórfico, gram-positivo e aeróbio, que infecta humanos por via inalatória ou transcutânea e se manifesta clinicamente como abscesso pulmonar. Relatam-se os dois primeiros casos brasileiros da doença. Ambos os pacientes eram imunocomprometidos e apresentavam quadro infeccioso pulmonar. O primeiro tinha AIDS e apresentava pneumonia cavitada em lobo superior esquerdo, que teve evolução fatal. O segundo tinha doença de Goodpasture, insuficiência renal crônica e fazia uso de corticosteróides. Apresentava uma lesão pulmonar escavada no lobo superior direito, que foi tratada com sulfametoxazol-trimetoprim, com resolução do processo.

 


Palavras-chave: Infecções por actinomycetales. Tuberculose pulmonar. Síndrome de imunodeficiência adquirida. Síndrome de Goodpasture. Brasil.

 

Ano 2001 - Volume 27  - Número 4  (Julho/Agosto)

Artigo Original

2 - Estudo comparativo entre tomografia computadorizada de alta resolução e radiografia de tórax no diagnóstico da silicose em casos incipientes

Comparative study of high resolution computer-assisted tomography with chest radiograph in the diagnosis of silicosis incipient cases

Ana Paula Scalia Carneiro, Arminda Lucia Siqueira, Eduardo Algranti, Cid Sérgio Ferreira, Jorge Issamu Kavakama, Maria Luiza Bernardes, Thaís Abreu de Castro, René Mendes

J Bras Pneumol.2001;27(4):

Resumo PDF PT

Introdução: A radiografia de tórax (RX) ainda é, no dias atuais, o principal método de diagnóstico da silicose, seguindo-se as normas da Organização Internacional do Trabalho (OIT). A interpretação radiológica de casos iniciais é difícil, podendo ocorrer divergências mesmo entre leitores experientes. Recentemente, tem sido considerada a possibilidade de utilização da tomografia computadorizada com técnica de alta resolução (TCAR) para avaliação de casos incipientes. Objetivo: Comparar os resultados da RX com a TCAR. Material e métodos: Foi avaliado um grupo inicial de 135 ex-mineiros, cujas radiografias foram examinadas por três leitores, no período de novembro de 1997 a dezembro de 1999. Indicou-se TCAR para 68 pacientes, cuja mediana de três leituras radiológicas foi menor ou igual a 1/0. As tomografias foram avaliadas por dois leitores e, em casos de divergência, houve participação de um terceiro leitor. As TCAR foram classificadas de acordo com a profusão de micronódulos em categorias de 0 a 3. Os resultados de TCAR e RX foram comparados através do teste de McNemar, coeficiente Kappa ponderado e modelos log-lineares. Resultados e conclusão: Houve boa concordância entre os métodos quanto à classificação na categoria 0, ou seja, os dois métodos mostraram-se equivalentes para excluir o diagnóstico de silicose. Porém, para o diagnóstico da doença, caracterizado por classificação na categoria 1 ou superior, não foi obtida boa concordância entre os métodos.

 


Palavras-chave: Silicose. Radiografia torácica. Tomografia computadorizada por raios X. Pneumoconiose.

 

3 - Avaliação da inflamação de vias aéreas em asmáticos após o teste de broncoprovocação com metacolina

Airway inflammation in asthmatic patients after methacholine challenge

Fabrício Lino de Matos, João Terra Filho, José Antonio Baddini Martinez, Tatiana Furlan Sala, Elcio Oliveira Vianna

J Bras Pneumol.2001;27(4):171-176

Resumo PDF PT

Introdução: O teste de broncoprovocação com metacolina é comumente empregado em pneumologia para medir a reatividade brônquica com finalidade de diagnóstico ou acompanhamento da asma. Objetivo: Pesquisar efeitos tardios da inalação de metacolina na inflamação brônquica avaliada pelo escarro induzido. Casuística e métodos: Foram selecionados dez pacientes com asma leve ou moderada, não tabagistas, com medicação e quadro clínico estáveis. Às 12:00h, os pacientes receberam inalação, aleatoriamente designada, de metacolina (broncoprovocação) ou soro fisiológico. Às 18:00h, foi realizada a indução de escarro. Em outro dia, com intervalo de uma semana, os pacientes completaram o protocolo, recebendo a outra inalação (metacolina ou soro fisiológico) e nova indução de escarro. Resultados: Após metacolina, obtiveram-se 8,6 ± 9g de escarro, 8,6 ± 6 milhões de células, sendo 78 ± 10% viáveis e 6,8 ± 7% eosinófilos. Esses dados não foram significativamente diferentes dos resultados obtidos após soro fisiológico: escarro = 7,6 ± 6g, células = 12,4 ± 12 milhões, 82 ± 10% viáveis e 6,6 ± 9% eosinófilos. A queda de pico de fluxo observada durante a indução de escarro também não diferiu: 21,4 ± 12% após metacolina e 18,4 ± 15% após soro fisiológico. A queda de pico de fluxo durante a indução correlacionou-se com a quantidade de escarro (p = 0,018) e percentagem de eosinófilos (p = 0,003). Outras correlações entre parâmetros funcionais e do escarro não foram significantes. Conclusão: O teste de broncoprovocação com metacolina realizado seis horas antes da indução de escarro não altera significativamente a quantidade e nem a constituição celular do escarro.

 


Palavras-chave: Asma. Cloreto de metacolina. Testes de provocação brônquica.

 

4 - Fatores preditivos para drenagem de derrames pleurais parapneumônicos em crianças

Predictive factors for pleural drainage in children with parapneumonic pleural effusion

Helena Teresinha Mocelin, Gilberto Bueno Fischer

J Bras Pneumol.2001;27(4):177-184

Resumo PDF PT

Objetivo: Avaliar os critérios de Light et al. para drenagem em derrames pleurais parapneumônicos (DPP) em crianças. Métodos: Estudo transversal prospectivo realizado com 85 crianças admitidas no Hospital da Criança Santo Antônio, Porto Alegre, no Estado do Rio Grande do Sul, região Sul do Brasil, que apresentaram pneumonia e derrame pleural confirmado por radiografia de tórax e/ou ultra-sonografia. Os critérios de exclusão foram: drenagem prévia, derrame associado com outras doenças. A análise do pH foi em aparelho de gasometria. Glicose e desidrogenase láctica foram analisadas por espectrofotometria. A indicação de drenagem foi feita pelo médico assistente sem participação dos pesquisadores. Resultados: Neste estudo, os DPP com pH menor que 7,2 e glicose igual ou inferior a 40mg/dl apresentaram índices de drenagem superiores aos da DHL > 1.000UI/l. O pH e a glicose apresentaram especificidades elevadas na predição de drenagem (89% e 88%) e superiores às da DHL (65%). Os mesmos resultados foram observados quando líquidos não purulentos foram analisados (pH < 7,2 - 94%; glicose < 40 - 88%; e DHL > 1.000 - 68%). Em pacientes com pH < 7, DHL > 1.000UI/l e glicose < 40mg/dl predominaram líquidos com aspecto turvo ou purulento. Em torno de 21% dos pacientes com indicação de drenagem, segundo os critérios bioquímicos, encontrou-se líquido com aspecto límpido. Conclusões: Estes dados indicam que os exames bioquímicos podem apoiar a decisão de drenagem torácica de derrame pleural parapneumônico em líquidos não purulentos. A especificidade para drenagem foi de 89% para o pH, 88% para glicose e em torno de 65% para DHL.

 


Palavras-chave: Derrame pleural. Empiema pleural. Drenagem postural.

 

5 - Má percepção da limitação aos fluxos aéreos em pacientes com asma moderada a grave

Poor perception of airflow limitation in patients with moderate to severe asthma

Adelmir Souza-Machado, Manuela N. Cavalcanti, Álvaro A. Cruz

J Bras Pneumol.2001;27(4):185-192

Resumo

Introdução: Este estudo avaliou a percepção da obstrução das vias aéreas em pacientes ambulatoriais com asma moderada a grave e a capacidade da ausculta torácica em identificar a limitação aos fluxos aéreos. Métodos: Trinta e três pacientes foram avaliados em sete visitas semanais usando escores de sintomas por meio de escala visual analógica de sintomas (EVAS, 0-100mm), índice clínico de hiper-reatividade brônquica (1-10), a classificação clínica de gravidade da asma (GINA, 1-4) e um escore de ausculta torácica (EAT, 0-5), espirometria e pico de fluxo expiratório (PFE), que foram correlacionados por meio do coeficiente de Spearman. Os pacientes foram classificados como percebedores (-1 £ r < 0) e não percebedores (0 £ r £ 1) através das correlações entre a EVAS para dispnéia e o VEF1. A correlação entre a ausculta e a obstrução brônquica foi considerada acurada quando um r £ -0,5 (EAT vs. VEF1) era observado. Resultados: Dezessete asmáticos (51,5%) não perceberam acuradamente o grau de obstrução das vias aéreas (não-percebedores). Nenhuma característica clínica pôde distinguir os grupos. Apenas 39,4% das correlações individuais entre EAT e VEF1 indicaram discriminação acurada pela ausculta. Asma grave não foi associada com ausculta não-acurada ou com má percepção neste estudo. Conclusão: Uma proporção significativa desta amostra de asmáticos não percebeu acuradamente a obstrução das vias aéreas. Além disso, o exame torácico mostrou ser um marcador inadequado da limitação aos fluxos aéreos em asmáticos moderados a graves, estáveis e ambulatoriais.

 


Palavras-chave: Asma. Obstrução das vias respiratórias. Auscultação. Pneumopatias obstrutivas.

 

6 - Doenças respiratórias como causa de internações hospitalares de pacientes do Sistema Único de Saúde num serviço terciário de clínica médica na região nordeste do Rio Grande do Sul

Hospital admissions caused by respiratory diseases in a tertiary internal medicine service in Northeastern Rio Grande do Sul State

Dagoberto Vanoni de Godoy, Crischiman Dal Zotto, Jamila Bellicanta, Rui Fernando Weschenfelder, Samira Barrentin Nacif

J Bras Pneumol.2001;27(4):193-198

Resumo

Objetivo: Levantamento epidemiológico das internações hospitalares por doenças respiratórias no Serviço de Clínica Médica do Hospital Geral de Caxias do Sul no Estado do Rio Grande do Sul, região sul do Brasil. Pacientes e métodos: Estudo retrospectivo realizado no Hospital Universitário entre novembro de 1998 e novembro de 1999. Os dados de: a) causa primária da internação; b) doenças associadas; c) variação sazonal; d) duração da internação; e) mortalidade foram obtidos do arquivo médico informatizado do SCM-HG. Resultados: De 1.200 internações no SCM-HG, 228 (19%) apresentaram como causa primária enfermidade respiratória. As causas mais freqüentes de admissão hospitalar foram DPOC - 94 pacientes (41,3%), pneumonias - 68 (29,8 %) e asma brônquica - 22 (9,6%). Cinqüenta (21,9%) indivíduos apresentaram comorbidades: insuficiência cardíaca - 18 (7,7%), hipertensão arterial sistêmica - 15 (6,4%) e diabetes melito - 10 (4,4%). As pneumonias tiveram maior prevalência no período compreendido entre setembro e novembro, a asma brônquica entre outubro e novembro e a DPOC entre maio a novembro. O tempo médio de internação foi de 10,4 ± 10 dias. A mortalidade da amostra, de 26 (11,4%) pacientes. Conclusões: 1) Doenças respiratórias foram responsáveis por aproximadamente 1/5 das internações no SCM-HG. 2) Portadores de DPOC representam a maior parcela dos pacientes. 3) A duração média de internação dos com doença respiratória foi maior do que o restante dos pacientes do hospital (10,4 dias versus 7,7 dias, respectivamente). 4) DPOC, pneumonias e asma brônquica apresentaram a variação sazonal esperada.

 


Palavras-chave: Pneumopatias obstrutivas. Asma. Pneumonia. Epidemiologia. Hospitais universitários. Admissão do paciente.

 

Artigo de Revisão

7 - Asbesto, asbestose e câncer: critérios diagnósticos

Asbestos, asbestosis and cancer: diagnostic criteria

Vera Luiza Capelozzi

J Bras Pneumol.2001;27(4):206-218

Resumo PDF PT

As doenças asbesto-induzidas constituem um grave problema de saúde em decorrência de grande número de trabalhadores expostos ao asbesto ao longo dos últimos 50 anos. Processos judiciais contra indústrias que lidam com asbesto somam centenas, com crescente adição de novos casos. O assunto relativo à asbestose é complexo e, muito embora a história natural das doenças induzidas esteja bem estabelecida, muitas áreas importantes, como a patologia, permanecem ainda pouco compreendidas. No Brasil, desde 1940, o asbesto é explorado comercialmente e nos últimos anos sua produção foi da ordem de 200.000 toneladas por ano, estimando-se que na atividade de mineração cerca de 10.000 trabalhadores foram expostos a essa fibra, desconhecendo-se a estimativa do número de pessoas expostas na produção de fibrocimento, especialmente telhas e caixas d'água. Um estudo, com metodologia de investigação científica apropriada, para avaliar as repercussões sobre a saúde dos trabalhadores nas minas de asbesto em nosso país, foi elaborado e intitulado "Morbidade e mortalidade entre trabalhadores expostos ao asbesto na atividade de mineração 1940-1996", de cunho interinstitucional. O objetivo deste trabalho foi fornecer uma visão ampla das doenças asbesto-induzidas, com ênfase nas dificuldades no diagnóstico histopatológico, através da experiência adquirida com o desenrolar desse projeto.

 


Palavras-chave: Patologia. Asbestose. Neoplasias. Diagnóstico.

 

Relato de Caso

8 - Pneumonia grave por "Chlamydia psittaci"

Severe pneumonia due to Chlamydia psittaci

Cristiane Moschioni, Henrique Pereira Faria, Marco Antônio Soares Reis, Estevão Urbano Silva

J Bras Pneumol.2001;27(4):219-222

Resumo PDF PT

A psitacose, também conhecida como ornitose, é causada pela Chlamydia psittaci; caracteriza-se por doença de início insidioso, sintomas brandos e inespecíficos, lembrando infecção de vias aéreas superiores. Acomete principalmente o pulmão, sendo raramente doença sistêmica e fatal. Descreve-se um caso raro de pneumonia por Chlamydia psittaci que evoluiu para insuficiência respiratória aguda, necessitando de ventilação mecânica. Destaca-se a importância em considerar o diagnóstico, especialmente em casos de pneumonia comunitária que evolui de modo insatisfatório, que não responde à terapia antimicrobiana e cuja epidemiologia é positiva para exposição às aves. O diagnóstico precoce é fundamental devido à excelente resposta terapêutica. O diagnóstico tardio pode levar a curso grave e fatal da doença.

 


Palavras-chave: Pneumonia por micoplasma. Ornitose.

 

9 - Hidatidose do esterno e musculatura peitoral

Sternal and pectoral musculature hydatidosis

NILTON HAERTEL GOMES1, DÉCIO VALENTE RENCK2, DANIEL ENGEL DA CUNHA3, LEANDRO PRETTO ORLANDINI3

J Bras Pneumol.2001;27(4):223-226

Resumo PDF PT

A hidatidose é uma infecção ciclozoonótica causada pela tênia Echinococcus granulosus, cuja forma larvária acomete acidentalmente o homem, formando cistos hidáticos, preferencialmente nos pulmões e no fígado. A hidatidose óssea é um evento raro, caracterizado por crescimento lento e com poucos sintomas. Relata-se o caso de um homem de 36 anos com história de nódulos na parte anterior do tórax havia nove anos. Os exames de diagnóstico por imagem evidenciaram massas expansivas, loculadas e de conteúdo espesso nos músculos peitorais e lesão lítica no esterno. O diagnóstico de hidatidose foi feito na exploração cirúrgica. Recebeu alta sob tratamento com albendazol 2.400mg/dia por 28 dias.

 


Palavras-chave: Técnicas de diagnóstico e procedimentos. Equinococose pulmonar. Esterno. Cirurgia.

 

Cartas ao Editor

10 - Hérnia diafragmática traumática transpericárdica (tréplica)

Antônio Sebastião Porto

J Bras Pneumol.2001;27(4):229-

PDF PT


Ano 2001 - Volume 27  - Número 5  (Setembro/Outubro)

Artigo Original

1 - Emprego da determinação de monóxido de carbono no ar exalado para a detecção do consumo de tabaco

Use of breath carbon monoxide as an indicator of smoking status

Ubiratan P. Santos, Silmar Gannam, Julie M. Abe, Patricia B. Esteves, Marco Freitas Filho, Thais B. Wakassa, Jaqueline S. Issa, Mario Terra-Filho, Rafael Stelmach, Alberto Cukier

J Bras Pneumol.2001;27(5):231-236

Resumo PDF PT

Introdução: O tabagismo é o principal fator de risco prevenível de morbidade e mortalidade em países desenvolvidos e está em ascensão nos países em desenvolvimento. Apesar deste fato, e do maior conhecimento sobre seus efeitos, a prevalência de tabagistas continua elevada. Com o objetivo de comparar o valor de monóxido de carbono no ar exalado (COex) entre indivíduos fumantes e não fumantes, avaliar fatores que influenciam estes valores entre os que fumam e também avaliar a possível influência do tabagismo passivo, foram medidos níveis de COex em funcionários e pacientes do Instituto do Coração HC-FMUSP. Materiais e métodos: Este estudo transversal incluiu 256 voluntários que responderam a um questionário e foram submetidos à mensuração de COex em aparelho micromedidor de CO. Resultados: Dos entrevistados, 106 eram do sexo masculino e 150 do feminino e a idade média foi de 43,4 anos (Vmin-max: 15-83). 107 informaram ser tabagistas, 118 não fumantes e 31 fumantes passivos. A média de COex dos fumantes foi de 14,01ppm (Vmin-max: 1-44), dos fumantes passivos 2,03ppm (Vmin-max: 0-5) e, dos não fumantes, 2,50ppm (Vmin-max: 0-9). Houve diferença estatisticamente significante ente o grupo de fumantes e os demais (p < 0,001), mas não entre os fumantes passivos e os não fumantes. Foi encontrada correlação positiva entre número de cigarros fumados por dia e valores de COex e negativa entre o intervalo após ter fumado o último cigarro e o valor de COex. Para um valor de corte de COex igual a 6ppm, foram encontradas sensibilidade de 77% e especificidade de 96%. Conclusão: A mensuração de COex constitui-se um indicador de fácil emprego, baixo custo, não invasivo e que permite a obtenção de resultado imediato, com o valor de corte de COex de 6ppm apresentando boa especificidade para aferir o hábito tabágico.

 


Palavras-chave: Tabagismo. Monóxido de carbono. Poluição por fumaça de tabaco.

 

2 - Variação na prevalência de asma e atopia em um grupo de escolares de Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Asthma and atopy prevalence in a group of students from Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Renata Wagner Fiore, Adriana Barbieri Comparsi, Cláudia Loss Reck, Jéferson Krawcyk de Oliveira, Karina Brasco Pampanelli, Carlos Cezar Fritscher

J Bras Pneumol.2001;27(5):237-242

Resumo

Introdução: Considerável aumento na prevalência da asma e da atopia vem sendo mundialmente observado ao longo das últimas décadas, porém, em nosso país, os dados epidemiológicos ainda são insuficientes. Objetivo: Este estudo foi realizado a fim de determinar a prevalência de asma e atopia em um grupo de escolares e comparar tais dados com outros dois levantamentos previamente realizados em Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Métodos: A prevalência de asma foi identificada através de um questionário aplicado a 855 alunos de cinco escolas de Porto Alegre. Foram considerados atópicos aqueles escolares que, submetidos a testes cutâneos, apresentaram pelo menos uma reação cutânea positiva. Assinatura do termo de consentimento pós-informação de um dos pais foi exigida para a realização dos testes cutâneos. Resultados: Foi identificada prevalência de 42,5% de asma cumulativa e 22% de asma ativa, com predominância nas meninas. Atopia foi identificada em 50,1% da amostra. Tais resultados foram significativamente superiores aos 6,7% (1980) e 16% (1989) de asma cumulativa, 10,9% (1989) de asma ativa e 15,8% (1980) de atopia encontrados nos dois estudos previamente realizados. Conclusões: Altas prevalências de asma e atopia foram identificadas em nossos estudantes. Futuros estudos deverão ser realizados a fim de elucidar o fenômeno aqui demonstrado.

 


Palavras-chave: Asma. Epidemiologia. Atopia.

 

3 - Tratamento do tabagismo com bupropiona e reposição nicotínica

Smoking cessation with bupropion and nicotine replacement

Fábio Maraschin Haggsträm, José Miguel Chatkin, Daniela Cavalet-Blanco, Vanessa Rodin, Carlos Cezar Fritscher

J Bras Pneumol.2001;27(5):255-261

Resumo

Introdução: Aproximadamente um terço da população adulta mundial usa produtos derivados do tabaco. Devido ao novo entendimento sobre o vício tabágico e ao surgimento de novas modalidades terapêuticas, as possibilidades de sucesso nas tentativas de abandono do fumo aumentaram significativamente. Objetivos: Avaliar os percentuais de sucesso/fracasso entre os fumantes tratados no Ambulatório de Auxílio ao Abandono do Tabagismo da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (AAAT-PUCRS) e analisar possíveis fatores de risco para o fracasso no abandono do tabagismo. Pacientes e métodos: Através de ensaio clínico aberto, não randomizado, avaliaram-se os fumantes que procuraram o AAAT-PUCRS entre julho de 1999 e outubro de 2000, submetidos ao programa padronizado de auxílio ao abandono do tabagismo utilizado na instituição. A análise estatística foi feita por medidas de tendência central para variáveis quantitativas, pelo cálculo do risco relativo (com intervalo de confiança de 95%) para fatores associados e pela análise da curva de Kaplan-Meier para estudo do desfecho ao longo do tempo. Resultados: O estudo incluiu 169 pacientes (67,5% mulheres), com idade média de 46,4 (± 10,4) anos; a maioria fumava em média 20 cigarros/dia por 30 anos. Mesmo sendo esta uma coorte muito recente, pode-se verificar que, em relação aos desfechos sucesso/fracasso pontuais, 49% pararam de fumar, 14% diminuíram significativamente o número de cigarros fumados e 37% fracassaram. Entre as variáveis estudadas, a dependência grave à nicotina foi a única que esteve associada a maior risco de fracasso. Conclusões: Foi possível a obtenção de índices de abandono ao fumo satisfatórios utilizando metodologia padronizada, mas particularizada para cada paciente. O uso de terapêutica farmacológica aliada a técnicas cognitivo-comportamentais foi associado a maiores proporções de sucesso.

 


Palavras-chave: Tabagismo. Tratamento. Abandono do uso de tabaco. Assistência ambulatorial.

 

4 - Estudo de casos hospitalizados por pneumonia comunitária no período de um ano

A study of community-acquired pneumonia inpatients in a period of a year

Ricardo de Amorim Corrêa, Regina Magalhães Lopes, Luciana Macedo Guedes de Oliveira, Frederico Thadeu Assis Figueiredo Campos, Marco Antônio Soares Reis, Manoel Otávio da Costa Rocha

J Bras Pneumol.2001;27(5):243-248

Resumo PDF PT

Introdução: Apesar dos avanços obtidos nos métodos propedêuticos, cerca de 50% dos casos de pneumonia adquirida na comunidade não têm sua etiologia esclarecida, inclusive os hospitalizados. Apesar disso, a terapêutica adequada proporciona baixas taxas de mortalidade na maioria dos casos. Objetivos: Descrever a epidemiologia, formas de apresentação, o rendimento dos testes diagnósticos, a permanência hospitalar, a morbidade e mortalidade de 42 pacientes consecutivos, internados para tratamento de PAC. Métodos: Foram incluídos pacientes com quadro clínico compatível com PAC, opacidade radiológica pulmonar recente e com dois itens entre febre, tosse produtiva e leucocitose. A solicitação de exames complementares obedeceu à necessidade de cada caso. Resultados: Dos 42 pacientes, com idade de 64,7 ± 16,8 anos, 27 (64,3%) masculinos, 27 (64%) apresentavam co-morbidades. Dezessete (40,5%) estavam em uso de antibióticos à admissão. Pneumonia grave ocorreu em oito casos (19%); não houve diferença quanto à gravidade (p = 0,57) e permanência hospitalar (p = 0,25) entre os grupos > de 60 ou £ de 60 anos. A permanência hospitalar média foi de 14,3 ± 7,6 dias. Diagnóstico etiológico definitivo foi obtido em três casos: Legionella sp em dois, S. aureus em um caso. Em 31 (74%), manteve-se o antibiótico inicial; em 11 (26%) houve troca, seis (54,5%) devido à má resposta clínica e cinco (45,5%) devido ao resultado microbiológico. Hemoculturas foram feitas em 16 casos (38%), positivas em apenas um (6,3%). Nove amostras de escarro (9/22, 41%) foram validadas. Ocorreu um óbito (2,4%), por pneumonia grave, em um paciente com neoplasia. Conclusões: O diagnóstico etiológico em PAC, mesmo em internados, é obtido em uma minoria de casos, contribuindo para isso o uso concorrente de antibióticos. A terapêutica empírica adequada proporciona baixas taxas de mortalidade. Os testes diagnósticos devem ser empregados de maneira individualizada.

 


Palavras-chave: Pneumonia. Infecções comunitárias adquiridas. Epidemiologia. Terapêutica.

 

5 - Efeito broncodilatador do salbutamol inalado através de espaçadores com e sem tratamento antiestático

The bronchodilatory effect of salbutamol administered through spacers with and without antistatic treatment

Luiz Eduardo Mendes-Campos, Clarissa Marina Biagioni

J Bras Pneumol.2001;27(5):249-254

Resumo PDF PT

Objetivos: Comparar o efeito broncodilatador do salbutamol inalado através de aerossol dosimetrado acoplado a espaçadores com e sem tratamento antiestático prévio. Pacientes e métodos: Estudo prospectivo, aleatório, aberto e cruzado, no Ambulatório de Pneumologia do Hospital Júlia Kubitschek-FHEMIG, Belo Horizonte, Minas Gerais. Onze pacientes com asma estável leve a moderada foram submetidos a quatro testes de inalação com 100mg de salbutamol: A) boca aberta, B) espaçador de pequeno volume (50ml) sem tratamento antiestático prévio, C) espaçador de pequeno volume (50ml) com tratamento antiestático prévio e D) espaçador de grande volume (750ml) Fisonair® com tratamento antiestático prévio. O tratamento antiestático consistiu em mergulhar o espaçador em uma solução de água e detergente por dez minutos e deixá-lo secar livremente, sem enxágüe. O principal parâmetro de avaliação foi a variação do pico de fluxo expiratório (PFE), 15 minutos após cada teste, em valores absolutos, % do previsto e % do basal. Resultados: A mediana (mín.-máx.) de variação absoluta do PFE foi de 25 (5-85), 40 (0-70), 70 (25-83) e 60 (15-90) l/min para os testes A, B, C e D, respectivamente. A mediana de variação do PFE % do basal foi de 7,6, 11,0, 15,0 e 13,3, e a mediana de variação do PFE % do previsto foi de 6,0, 8,7, 12,7 e 10,7 para os testes A, B, C e D, respectivamente. Os resultados dos testes C e D foram significativamente superiores aos dos testes A e B (p < 0,01) nos três métodos analisados. Não houve diferença significativa entre os resultados dos testes C e D. Conclusão: O tratamento antiestático de um espaçador de pequeno volume com solução de água e detergente pode aumentar o efeito antiasmático de drogas inaladas através de aerossol dosimetrado, como ocorreu com o salbutamol neste estudo. Tal fato pode tornar-se ainda mais relevante no tratamento da asma com corticóide inalatório.

 


Palavras-chave: Asma. Terapia respiratória. Albuterol. Aerossóis.

 

Artigo de Revisão

6 - Discinesia ciliar primária

Primary ciliary dyskinesia

José Wellington Alves dos Santos, Aland Waldow, Claudius Wladimir Cornelius de Figueiredo, Diego Rossi Kleinubing, Severo Salles de Barros

J Bras Pneumol.2001;27(5):262-268

Resumo PDF PT

Discinesia ciliar primária é uma doença autossômica recessiva caracterizada pela história de infecções repetidas do trato respiratório superior e inferior, otite média, bronquite e rinossinusite, associada a situs inversus na metade dos casos. O diagnóstico é estabelecido pela análise ciliar ultra-estrutural de espécimes respiratórios, após a exclusão inicial de outras doenças, como fibrose cística, deficiência de a-1-antitripsina, imunodeficiências (IgG, neutrófilos e complemento) e síndrome de Young. O propósito deste artigo é revisar os achados clínicos, o diagnóstico e o manejo da discinesia ciliar primária, incluindo um fluxograma diagnóstico.

 


Palavras-chave: Discinesia ciliar. Situs inversus. Diagnóstico.

 

Relato de Caso

7 - Pseudotumor inflamatório em criança pré-escolar

Inflammatory pseudotumor in childhood

Maura Malcon, Nilton Haertel Gomes, Valéria Jorge, Geraldo Geyer

J Bras Pneumol.2001;27(5):279-281

Resumo PDF PT

Descreve-se o caso de um menino de cinco anos, no qual, durante o controle de tratamento de pneumonia adquirida na comunidade, foi evidenciada uma massa circunscrita, heterogênea, no lobo superior esquerdo. Foi realizada lobectomia superior esquerda, com diagnóstico histológico pós-operatório de pseudotumor inflamatório histiocítico. Não se detectou recorrência nos quatro anos de pós-operatório. De etiologia ignorada, essas lesões podem ter comportamento local semelhante ao de sarcomas, razões que fazem da exérese com amplas margens cirúrgicas o método de eleição para diagnóstico e tratamento simultâneos.

 


Palavras-chave: Pseudotumor inflamatório. Pré-escolar. Granuloma pulmonar de células plasmáticas.

 

8 - Coccidioidomicose pulmonar em caçador de tatus

Pulmonary coccidioidomycosis in a armadillo hunter

Fabrício André Martins da Costa, Ricardo Coelho Reis, Fábio Benevides, Geraldo de Sousa Tomé, Marcelo Alcântara Holanda

J Bras Pneumol.2001;27(5):275-278

Resumo PDF PT

A coccidioidomicose, uma doença fúngica adquirida através da inalação do agente Coccidioides immitis sob forma de artroconídio, vem sendo descrita desde 1892. Restringe-se principalmente a áreas de clima árido, solo alcalino e regiões de baixo índice pluviométrico. Não por acaso, a maioria dos casos descritos no Brasil ocorreu na região Nordeste. Relata-se o caso de um homem de 19 anos, imunocompetente, com queixa de dor pleural bilateral, febre, adinamia e tosse seca havia dois meses. A radiografia de tórax evidenciou múltiplos nódulos bilaterais. O paciente participava de caçadas a tatus (Dasypus novemcinctus) e a pesquisa direta para fungos no escarro evidenciou Coccidioides sp. Tratado com anfotericina B, apresentou pneumotórax e insuficiência respiratória, indo a óbito. A biópsia pulmonar post mortem evidenciou Coccidioides immitis sob a forma de endósporos.

 


Palavras-chave: Coccidioidomicose. Exposição ocupacional. Tatus.

 

9 - Mediastinite descendente necrosante pós-angina de Ludwig

Necrotizing descending mediastinitis afetr Ludwig angina

Maricélia Brommelstroet, José Fioravante Tosatti da Rosa, Paulo César Buffara Boscardim, Carlos Augusto Schmidlin, Sérgio Shibata

J Bras Pneumol.2001;27(5):269-271

Resumo PDF PT

A angina de Ludwig é uma infecção do espaço submandibular originada, em geral, da infecção do 2º ou 3º molar inferior. Como conseqüência, pode causar mediastinite descendente necrosante, que representa uma forma grave e rara de infecção mediastinal, a qual exige diagnóstico precoce e tratamento cirúrgico para reduzir a alta mortalidade associada a esta doença. Dois casos de mediastinite descendente necrosante pós-angina de Ludwig foram tratados com excelentes resultados em nosso hospital. A drenagem mediastinal transcervical está justificada em pacientes com doença limitada ao mediastino superior. Porém, sepse com comprometimento extenso do mediastino requer drenagem através de toracotomia sem demora.

 


Palavras-chave: Angina de Ludwig. Mediastinite. Diagnóstico. Tratamento. Cirurgia.

 

10 - Ependimoma metastático de pulmão

Metastatic ependymoma of the lung

Paulo Manuel Pêgo-Fernandes, Roger Beltrati Coser, Rosana Seleri Fontes, Fábio B. Jatene

J Bras Pneumol.2001;27(5):282-284

Resumo PDF PT

Ependimomas são tumores raros de sistema nervoso central, sendo os de cauda eqüina mais freqüentes. Esses tumores raramente metastatizam. Descreve-se o caso de um homem de 35 anos que apresentou, nove anos após ressecção de ependimoma em região coccígea, queixa de dor pleurítica, dispnéia aos esforços, tosse e sudorese noturna. A radiografia pulmonar evidenciou derrame pleural e nódulos metastáticos nos pulmões. Os exames histopatológico e imuno-histoquímico de tecido obtido por biópsia pulmonar a céu aberto confirmaram o diagnóstico de ependimoma. Com quimioterapia o paciente tem boa evolução, com seguimento de 43 meses.

 


Palavras-chave: Ependimoma. Neoplasias pulmonares. Metástase neoplásica.

 

11 - Teratoma intrapulmonar

Intrapulmonary teratoma

Cleverson Winston de Liz Medeiros, William Kondo, Michelli Totti Dyckyj, Nelson Suzuki

J Bras Pneumol.2001;27(5):272-274

Resumo PDF PT

Teratoma intrapulmonar é uma doença rara com cerca de 43 casos descritos na literatura internacional. Descreve-se o caso de um homem de 28 anos com queixa de febre, tosse e hemoptise havia quatro meses. A radiografia de tórax e tomografia computadorizada evidenciaram opacificação de lobo superior esquerdo e a broncoscopia mostrou presença de pêlos nesta localização. Foi realizada lobectomia superior esquerda e o anatomopatológico foi compatível com teratoma cístico pulmonar maduro. O paciente evoluiu bem com o tratamento cirúrgico.

 


Palavras-chave: Teratoma. Neoplasias torácicas.

 

Cartas ao Editor

12 - Asma brônquica e a tolerância ao exercício incremental

José Alberto Neder

J Bras Pneumol.2001;27(5):285-286

PDF PT


Ano 2001 - Volume 27  - Número 6  (Novembro/Dezembro)

Artigo Original

1 - Timoma: discussão sobre tratamento e prognóstico

Thymoma: discussion about treatment and diagnosis

Paulo Manuel Pêgo-Fernandes, Gustavo Xavier Ebaid, Maurício Stanzione Galizia, Paulo Marchiori, Francisco Vargas Suso, Fábio Biscegli Jatene

J Bras Pneumol.2001;27(6):289-294

Resumo PDF PT

Objetivo: Mostrar uma casuística de pacientes com timoma, tratados cirurgicamente, com ou sem outra terapia associada, no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, São Paulo, Sudeste do Brasil, avaliando o prognóstico destes. Métodos: Entre 1965 e 1998 foram operados 104 pacientes com neoplasias do timo, sendo 69 (66,3%) do sexo masculino; a idade média ao diagnóstico foi de 47,9 ± 16,3 anos, com faixa de variação de 13 a 76 anos de idade. Resultados: Dos 104 operados, 89 (85,6%) foram submetidos a ressecção total do timoma, 6 (5,8%) a ressecção parcial e 9 (8,6%) a biópsia. O diagnóstico anatomopatológico (timoma x timoma maligno) e a cirurgia (biópsia x ressecção total x ressecção parcial) foram significativamente preditivos (p < 0,02) para o tempo médio de sobrevida. Conclusão: A ressecção completa é o tratamento de escolha para os timomas. Esses tumores, quando não invasivos e ressecados completamente, apresentam bom prognóstico imediato e tardio.

 


Palavras-chave: Timoma.

 

2 - Teste da caminhada de seis minutos em pacientes com DPOC durante programa de reabilitação

Six minute walk test in COPD patients under a rehabilitation program

Maria Auxiliadora Carmo Moreira, Maria Rosedália de Moraes, Rogério Tannus

J Bras Pneumol.2001;27(6):295-300

Resumo PDF PT

Objetivos: Relatar resultados obtidos em testes da caminhada de seis minutos (TC6) de pacientes com DPOC integrantes de programa de reabilitação pulmonar (PRP), com objetivo de contribuir para interpretação e adequada utilização deste teste. Paralelamente, estudar alguns fatores que interferem no treinamento físico durante a reabilitação pulmonar. Materiais e métodos: Foram avaliados, retrospectivamente, dados de 18 homens e cinco mulheres integrantes do PRP. Os pacientes foram submetidos a treinamento dos membros inferiores por três meses em três sessões por semana. Alguns parâmetros pré e pós-treinamento foram analisados: distância percorrida no TC6 e sua relação com os valores calculados pelas equações de Enright e Sherril para valores de referência, volume expiratório forçado no 1º segundo (VEF1), carga de treinamento, freqüência cardíaca (FC) freqüência respiratória (f), saturação do oxigênio por oximetria (SpO2), índice de massa corpórea (IMC). Resultados: Os valores obtidos durante o TC6 pré-treinamento nos pacientes não diferiram dos de referência resultantes das equações de Enright e Sherril (p = 0,777). Houve diferença significativa nesses valores, após treinamento (p = 0,001). O aumento médio, na distância percorrida no TC6, após treinamento, foi de 76m; contudo, três pacientes não atingiram o aumento mínimo significativo de 54m. A distância percorrida, pós-treinamento correlacionou-se positivamente com o VEF1 pré-treinamento (p = 0,012), mas não com o incremento de carga durante o treinamento (p = 0,693). Não se observou diferença significativa na f, SpO2 no TC6 antes e após treinamento. A FC aumentou significantemente no final do TC6 após treinamento. Nove pacientes (39%) apresentaram o IMC abaixo do limite inferior; destes, 6 (66%) atingiram 54m ou mais de incremento na distância caminhada após treinamento. Conclusão: Sugere-se utilizar-se metodologia padronizada e adequada para realização do TC6, inclusive quando o objetivo for obter valores de referência. As equações de Enright e Sherril para indivíduos normais parecem tender a valores subestimados, não diferindo estatisticamente dos valores obtidos pré-treinamento nesses pacientes com DPOC. Isso se deve, provavelmente, a diferenças na técnica de encorajamento utilizada pelos autores. Confirma-se o ganho de performance física, após reabilitação, independente do estado funcional inicial, justificando sua indicação mesmo para pacientes com limitação respiratória acentuada. A resposta heterogênea ao incremento de carga sugere a necessidade de analisar fatores preditivos da melhor resposta ao treinamento, para personalizá-lo e obter a melhor performance possível dos pacientes.

 


Palavras-chave: Teste de esforço. Pneumopatias obstrutivas. Reabilitação. Testes de função respiratória. Exercícios.

 

3 - Ventilação não-invasiva com pressão positiva em pacientes com insuficiência respiratória aguda: fatores associados à falha ou ao sucesso

Non-invasive positive pressure ventilation in patients with acute respiratory failure: factors associated with failure or success

Marcelo Alcantara Holanda, Carlos Henrique Oliveira, Emília Matos Rocha, Rita Moara Bandeira, Isabel Veras Aguiar, Waltéria Leal, Ana Karina Monte Cunha, Alexandre Medeiros Silva

J Bras Pneumol.2001;27(6):301-309

Resumo PDF PT

Objetivo: Determinar a eficiência da ventilação não-invasiva com pressão positiva (VNIPP) na insuficiência respiratória aguda e identificar fatores associados ao sucesso ou falha. Pacientes e métodos: Estudo aberto e prospectivo analisando 60 episódios de uso de VNIPP em 53 pacientes em insuficiência respiratória. Resultados: Em 37 episódios (62%) obteve-se sucesso sem intubação (grupo Sucesso, GS), enquanto em 23 ocasiões (38%) os pacientes foram intubados (grupo Falha, GF). Os pacientes do GF apresentaram escore de Apache II mais elevado do que os do GS (30,4 ± 9 versus 22,2 ± 8, p = 0,001). Após 2h de VNIPP houve redução da freqüência respiratória, sendo menos intensa no GF (de 33 ± 9 para 30 ± 8irpm, p = 0,094) do que no GS (de 39 ± 11 para 28 ± 9irpm, p < 0,001). Houve aumento da PaO2 (de 62 ± 22 para 101 ± 65mmHg, p < 0,001), sem diferenças entre os grupos. Nos pacientes com hipercapnia houve redução da PaCO2 no GS (de 76 ± 20 para 68 ± 21mmHg, p = 0,032) e não no GF (de 89 ± 23 para 93 ± 40mmHg, p = 0,54). O pH se elevou de 7,25 ± 0,10 e 7,34 ± 0,11, p = 0,007 no GS, mas não no GF (7,24 ± 0,07 e 7,21 ± 0,12, p = 0,48). A VNIPP foi utilizada por mais tempo no GS (3,4 ± 2,5 versus 2,3 ± 2 dias, p = 0,003) e com níveis mais altos de pressão respiratória positiva em via aérea (IPAP) (13,2 ± 3 versus 11 ± 4cmH2O, p = 0,02). Dez pacientes (17%) foram a óbito, todos no GF. A complicação mais freqüente foi lesão de pele no ponto de contato da máscara com o nariz (5, 8%). A VNIPP foi eficiente no tratamento da insuficiência respiratória aguda em cerca de 2/3 das vezes. Pacientes mais graves, menor eficiência em reduzir a freqüência respiratória, em reverter a acidose respiratória e o uso de níveis relativamente mais baixos de pressão respiratória positiva em via aérea (IPAP) associaram-se à falha. A alta mortalidade (10, 43%) nos casos de falha justifica esforços para otimizar sua utilização e ao mesmo tempo para reconhecer precocemente suas falhas, evitando-se protelar a intubação traqueal.

 


Palavras-chave: Ventilação não-invasiva com pressão positiva. Insuficiência respiratória. Apache II. Hipercapnia.

 

4 - Prevalência da tuberculose multirresistente no Estado do Ceará, 1990-1999*

Multidrug-resistant tuberculosis prevalence in Ceará State - Northeastern Brazil, 1990-1999

Elizabeth Clara Barroso, Jorge Luís Nobre Rodrigues, Valéria Góes Ferreira Pinheiro, Creuza L. Campelo

J Bras Pneumol.2001;27(6):310-314

Resumo PDF PT

Tuberculose multirresistente (TBMR) é uma preocupação mundial, mas sua magnitude era desconhecida no Estado do Ceará, região Nordeste do Brasil. Objetivos: Determinar a prevalência da TBMR em nosso meio, bem como a sensibilidade do M. tuberculosis às drogas antituberculose. Método: Estudo retrospectivo foi conduzido utilizando a lista de 1.500 testes de sensibilidade (TS) para rifampicina (RFP), isoniazida (INH), estreptomicina (SM), pirazinamida (PZA), etambutol (EMB) e etionamida (ETH) realizados no Laboratório Central de Saúde Pública do Estado do Ceará (Lacen), no período de 1990-1999. Foi utilizado o método das proporções. Resultados: Resistência primária ou adquirida a pelo menos uma droga foi observada em 404 de 1.500 (27%) cepas; 266 (17,7%) casos foram classificados como TBMR devido à resistência a pelo menos RFP + INH. O total de casos de tuberculose (TB) notificados no Estado no período de estudo foi de 41.073, a prevalência da TBMR foi, então, de 0,65%. Dos examinados, 62,3% eram do sexo masculino. A média etária foi de 40,17 ± 14,62. A resistência a uma droga isolada foi de 8,1%, para INH = 5,7%, SM = 1,5% e RFP = 0,9%. A resistência a duas, três, quatro, cinco e seis drogas foi, respectivamente, de 10,8; 3,1; 0,9; 1,5 e 2,9%. A sorologia anti-HIV foi realizada em todos os internados e alguns ambulatoriais, totalizando 86 pacientes. Foi negativa em todos. A probabilidade de sobrevivência em cinco anos (138 pacientes analisados) foi significantemente maior no grupo com TBMR tratado com medicamentos de terceira linha, mesmo para o grupo de falência a essas drogas, comparado com o grupo não tratado com esses fármacos. Conclusão: A prevalência da TBMR nesse estudo foi intermediária, quando comparada com o Brasil e outras partes do mundo. Medidas preventivas, diagnóstico precoce e incentivo à pesquisa de novas drogas efetivas e seguras devem ser estimulados no combate à TBMR.

 


Palavras-chave: Tuberculose multirresistente. Análise de sobrevivência.Prevalência.

 

5 - Comparação entre valores espirométricos de referência obtidos a partir das equações de Knudson e de Pereira - Adultos

Comparing reference spirometric values obtained from Knudson and Pereira equations - Adults

Waldemar Ladosky, Rogerson T. Andrade, Noel Guedes Loureiro, Jesus M.B. Gandar, Marcos M. Botelho

J Bras Pneumol.2001;27(6):315-320

Resumo PDF PT

Em revisão de 1991, a American Thoracic Society (ATS) recomenda que cada região defina equações próprias para obtenção dos valores teóricos (VTs) dos parâmetros espirométricos, que traduzam a realidade funcional para a população local. Quando dessa recomendação, os EUA já dispunham de diversos sistemas de equações próprios, bem como a Comunidade Européia e a Polônia em particular. Em 1992, Pereira et al., analisando 4.200 espirogramas de brasileiros normais, encontraram VT para capacidade vital forçada (CVF), volume expiratório forçado de 1 seg. (VEF1) e de fluxo expiratório médio (FEF25-75) diferentes dos descritos pelos autores americanos e europeus. Este estudo foi realizado para comparar as equações de Pereira et al., desenvolvida a partir de amostra de população brasileira, e as americanas de Knudson et al., bastante utilizadas em nosso meio. Foi também investigada a conseqüente influência nos laudos espirométricos, quando uma ou outra é empregada. Foram analisados 1.070 espirogramas de pacientes de ambos os sexos (389 homens e 681 mulheres) que vieram ao serviço para avaliação funcional de rotina. Não foi excluída qualquer patologia nem levada em conta a situação tabágica do paciente. Para cada paciente foi feito o cálculo do VT para CVF, VEF1 e FEF25-75 segundo as equações de Pereira (VT-P) e de Knudson 1983 (VT-K) e comparados as médias, desvios padrões e os laudos obtidos por um e por outro. Os VT-K para a CVF foram de 4,01% [p < 0,005] maiores entre as mulheres, levando a sobrevalorização das restrições respiratórias, mas entre os homens não houve diferença relevante. Quanto à VEF1, os VT-P foram superiores tanto em homens (4,76% [p < 0,005]) como em mulheres (5,04% [p < 0,05]), levando a maior sensibilidade na identificação de obstruções respiratórias. Não se observou diferença relevante entre os VT-P e VT-K para o FEF25-75 em nenhum dos sexos.

 


Palavras-chave: Espirometria. Valores de referência. Fluxo expiratório

 

Artigo de Revisão

6 - Entendendo o papel de marcadores biológicos no câncer de pulmão

Understanding the role of biological markers in lung cancer

Vera Luiza Capelozzi

J Bras Pneumol.2001;27(6):321-328

Resumo PDF PT

Marcadores biológicos são componentes celulares, estruturais e bioquímicos, que podem definir alterações celulares e moleculares tanto em células normais quanto aquelas associadas a transformação maligna. Podem ser de dois tipos: 1) marcadores intermediários, que medem alterações celulares e moleculares antes do aparecimento da malignidade; 2) marcadores diagnósticos, presentes em associação com a malignidade. O processo de identificação e validação para uso clínico do marcador tem diversas etapas: identificação inicial feita em linhagens celulares do tumor em questão; teste do marcador em tecido proveniente de biópsias de pacientes com diagnóstico estabelecido do tumor em questão; teste em biópsias de tecidos normais e com processo inflamatório; teste em escarro, sangue ou urina para validação como teste não-invasivo que possa ser usado em população de alto risco. Marcadores biológicos diagnósticos sorológicos e histológicos são componentes celulares, estruturais e bioquímicos, presentes não só em células tumorais como também em células normais, que podem ser medidos quantitativamente por métodos bioquímicos, imunológicos e moleculares nos fluidos ou nos tecidos corporais, respectivamente, associados a neoplasias e possivelmente ao órgão de origem da neoplasia. Marcadores biológicos são estudados em diferentes neoplasias primárias, porém poucos tiveram seu valor clínico definido. O papel dos marcadores biológicos em câncer de pulmão ainda é incerto, pois apenas um pequeno número de marcadores foi avaliado de maneira adequada. O objetivo deste trabalho é entender o papel dos marcadores biológicos sorológicos e diagnósticos no prognóstico e sobrevida de pacientes com câncer de pulmão baseado em uma coletânea de trabalhos realizada pela autora. Apresenta-se também uma perspectiva futura para a detecção precoce do câncer de pulmão baseada no papel dos marcadores biológicos intermediários.

 


Palavras-chave: Marcadores biológicos. Câncer de pulmão. Prognóstico. Sobrevida.

 

7 - Imagem em tuberculose pulmonar

Pulmonary tuberculosis imaging

Sidney Bombarda, Cláudia Maria Figueiredo, Marcelo Buarque de Gusmão Funari, José Soares Júnior, Márcia Seiscento, Mário Terra Filho

J Bras Pneumol.2001;27(6):329-340

Resumo PDF PT

A tuberculose é uma doença de alta incidência e prevalência no Brasil. Sinais sugestivos de atividade ou seqüela da tuberculose podem ser obtidos através dos métodos de imagem. Na radiografia de tórax, a tuberculose pulmonar ativa pode manifestar-se sob a forma de consolidações, cavitações, padrões intersticiais (reticulares/retículo-nodulares), linfonodomegalias hilares ou mediastinais e derrame pleural. Imagens compatíveis com doença ativa, como nódulos centrolobulares de distribuição segmentar, cavidades de paredes espessas, espessamento de parede brônquica ou bronquiolar, bronquiectasias e linfonodomegalias, podem ser observadas pela tomografia computadorizada do tórax; cavidades de paredes finas, bronquiectasias de tração e estrias são imagens sugestivas de seqüela da doença, assim como o enfisema e o aspecto em mosaico do parênquima pulmonar. A cintilografia com o citrato de gálio-67 é um método complementar útil na detecção de processos infecciosos, incluindo a tuberculose, especialmente em pacientes imunossuprimidos. Estudos de inalação e perfusão pulmonar são utilizados na avaliação pré-operatória de pacientes com seqüelas de tuberculose ou tuberculose multirresistente. A tomografia por emissão de pósitrons utilizando a deoxiglicose marcada com o flúor-18 permite a detecção do processo inflamatório que ocorre na fase ativa da tuberculose e que pode persistir, em menor intensidade, após o término do tratamento. Métodos de imagem constituem importantes recursos para o diagnóstico e acompanhamento da tuberculose pulmonar.

 


Palavras-chave: Tuberculose. Radiografia. Tomografia computadorizada. Cintilografia. Tomografia por emissão.

 

Relato de Caso

8 - Dispnéia aguda e morte súbita em paciente com má percepção da intensidade da obstrução brônquica

Acute breathlessness and sudden death in a patient with blunted perception of the intensity of bronchial obstruction

Adelmir Souza-Machado, Gustavo Alcoforado, Álvaro A. Cruz

J Bras Pneumol.2001;27(6):341-344

Resumo PDF PT

Asmáticos com doença grave e má percepção da intensidade da obstrução brônquica provavelmente apresentam risco elevado de morte por asma. Os autores descrevem o caso de uma mulher de 52 anos com asma, cujos testes, em um estudo prospectivo para identificação de pacientes com percepção alterada da intensidade da obstrução brônquica, haviam mostrado o escore mínimo da escala visual analógica na presença de VEF1 e PFE matinal reduzidos. Após o estudo, a paciente voltou ao ambulatório sem queixas e com exame físico normal, relatando estar sem uso de nenhuma medicação e, abruptamente, ainda no ambulatório, desenvolveu dispnéia não reversível. A má percepção da intensidade da obstrução brônquica provavelmente concorreu para a insuficiência respiratória aguda e a morte da paciente.

 


Palavras-chave: Dispnéia. Asma. Espasmo brônquico. Morte. Percepção.

 

9 - Estenose benigna dos brônquios principais

Bilateral benign mainstem bronchus stenosis

Manoel Ximenes-Netto, Marcos Amorim Piauilino, Ulisses Eduardo Ramiro, Clarice F.G. Santos

J Bras Pneumol.2001;27(6):345-348

Resumo PDF PT

É descrito o caso de uma paciente de 37 anos de idade atendida em virtude de dispnéia progressiva com duração de 18 meses. O diagnóstico inicial foi de asma brônquica. Teve 10 episódios de pneumonia envolvendo principalmente a língula nos últimos sete anos. Dezessete anos antes da admissão foi submetida a intubação orotraqueal por 15 dias, devido a coma por meningite meningocócica. A broncofibroscopia revelou alargamento da carina e estenose dos brônquios principais, confirmado pela broncoscopia virtual. A estenose era mais acentuada e curta à direita (1cm) e menos cerrada e mais longa à esquerda (2cm). Foi submetida a ressecção da carina e anastomose do brônquio principal direito à traquéia e do brônquio principal esquerdo ao brônquio intermediário. Quinze meses depois do procedimento a paciente apresenta boa evolução clínica, radiológica e funcional.

 


Palavras-chave: Estenose da carina. Estenose brônquios principais. Reconstrução da carina.

 

10 - Doença cística traqueobrônquica

Tracheobronchial cystic disease

Hugo Alejandro Vega Ortega, Nelson de Araújo Vega, Jece Comparini, Leonardo Vieira do Carmo, Luciano Penha Pereira

J Bras Pneumol.2001;27(6):349-354

Resumo PDF PT

Cistos aéreos que emergem anormalmente da traquéia e/ou brônquios de maior calibre são doença extremamente rara. Na literatura encontram-se poucas descrições de casos isolados de cistos paratraqueais associados a pneumopatias crônicas. Relatamos dois casos dessa entidade clínica, rara, em membros de uma mesma família: o pai das pacientes faleceu dessa doença com 43 anos de idade e as duas filhas encontram-se em tratamento. O quadro clínico é semelhante ao da supuração pulmonar crônica. O diagnóstico foi firmado através de broncovideoscopia e tomografia computadorizada de tórax com reconstrução em 3D e broncoscopia virtual. As pacientes estão sob observação e tratamento clínico paliativo.

 


Palavras-chave: Pneumopatias. Cistos. Traquéia. Brônquios. Broncoscopia. Tomografia computadorizada.

 

 


O Jornal Brasileiro de Pneumologia está indexado em:

Latindex Lilacs SciELO PubMed ISI Scopus Copernicus pmc

Apoio

CNPq, Capes, Ministério da Educação, Ministério da Ciência e Tecnologia, Governo Federal, Brasil, País Rico é País sem Pobreza
Secretaria do Jornal Brasileiro de Pneumologia
SCS Quadra 01, Bloco K, Salas 203/204 Ed. Denasa. CEP: 70.398-900 - Brasília - DF
Fone/fax: 0800 61 6218/ (55) (61) 3245 1030/ (55) (61) 3245 6218
E-mails: jbp@jbp.org.br
jpneumo@jornaldepneumologia.com.br

Copyright 2017 - Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia

Logo GN1