Jornal Brasileiro de Pneumologia

ISSN (on-line): 1806-3756

ISSN (impressa): 1806-3713

Busca avançada

Ano 2003 - Volume 29  - Número 1  (Janeiro/Fevereiro)

Aprimoramento

1 - Publicações em Pneumologia - Novos ou velhos rumos?

Carlos Alberto de Castro Pereira

J Bras Pneumol.2003;29(1):1-

PDF PT


Editorial

2 - Uma simples infecção por pneumococo...

Anna Sara S. Levin

J Bras Pneumol.2003;29(1):2-3

PDF PT


Artigo Original

3 - Prevalência de resistência à penicilina do Streptococcus pneumoniae em dois hospitais de Caxias do Sul

Prevalence of Streptococcus pneumoniae resistance to penicillin in two hospital from Caxias do Sul

Wilson Paloschi Spiandorello, Fernanda Morsch, Franca Stedile Angeli Spiandorello

J Bras Pneumol.2003;29(1):15-20

Resumo PDF PT

Foi realizado um estudo transversal em dois hospitais de Caxias do Sul, Rio Grande do Sul, Brasil, para verificar a resistência do Streptococcus pneumoniae à penicilina, no período entre maio de 1998 e novembro de 2001. Foram identificadas 176 cepas invasivas de Streptococcus pneumoniae com 2,28% (IC 0,62-5,74) de resistência intermediária e 3,42% (IC 1,26-7,31) de alta resistência. Concluiu-se que, nesses locais, ainda não se justifica o uso de outras drogas para o tratamento da pneumonia pneumocócica em substituição à penicilina, como vem acontecendo em outros centros. Com isso, ficaram confirmadas as diretrizes da IDSA (Infectious Diseases Society of America) para o tratamento das pneumonias de adultos adquiridas na comunidade, em que o antimicrobiano empregado deve ser guiado pela prevalência local ou regional da resistência microbiana do S. pneumoniae à penicilina.

 


4 - Hospitalização por tuberculose em hospital universitário

Hospitalization due to tuberculosis at a university hospital

Sandra Aparecida Ribeiro, Thaís Nemoto Matsui

J Bras Pneumol.2003;29(1):9-14

Resumo PDF PT

Os pacientes com tuberculose (Tb) ativa podem ser internados por outros problemas e não ter Tb como diagnóstico principal. Neste estudo analisam-se 141 casos internados de Tb notificados ao Serviço de Vigilância Epidemiológica do Hospital São Paulo, no período de agosto de 1999 a abril de 2001, identificando causas, fatores de risco e tempo de internação. Do total de pacientes, 63% eram do sexo masculino e 37% do feminino, com média de idade de 38,1 anos. Destes, 28% eram fumantes, 23% etilistas e 17% usuários de drogas. Referiram tuberculose prévia 23% dos pacientes. A sorologia para HIV foi positiva em 42% dos pacientes. Do total, 54,6% tinham Tb pulmonar, dos quais 67,5% com BAAR positivo no escarro. Vinte e dois por cento dos pacientes apresentaram efeitos colaterais aos esquemas de Tb durante a internação, sendo mais freqüente a hepatite medicamentosa (65,7%) e a intolerância gástrica (25,7%). Necessitaram internação em UTI 8,5% dos pacientes e lá permaneceram em média por 11 dias e 54% ficaram em enfermaria com isolamento respiratório. Foram a óbito 17,7% dos casos; destes, 52% por Tb. Os pacientes permaneceram internados em média 29 dias e em isolamento (quando necessário) por 18 dias. Pacientes usuários de drogas e tabagistas apresentaram maior tempo de internação. O mesmo não ocorreu com pacientes soropositivos ao HIV ou com baciloscopia de escarro positiva.

 


6 - Características de personalidade e dependência nicotínica em universitários fumantes da UFMT

Psychological profile and nicotine dependence in smoking undergraduate students of UFMT

Regina de Cássia Rondina, Clovis Botelho, Ageo Mário Cândido da Silva, Ricardo Gorayeb

J Bras Pneumol.2003;29(1):21-27

Resumo PDF PT

Introdução: Dados sobre a relação entre perfil de personalidade e dependência nicotínica podem subsidiar o trabalho de profissionais na área de saúde na elaboração e aperfeiçoamento dos programas de tratamento e prevenção da dependência. Objetivo: Investigar a relação entre perfil de personalidade e dependência nicotínica em um grupo de universitários fumantes. Casuística e métodos: Foram selecionados aleatoriamente 1.245 universitários, dentre os 10.500 matriculados na UFMT - campus Cuiabá, em 2001. Foi aplicado questionário padronizado, para caracterização social e padrão de consumo de tabaco, sendo considerados como fumantes 80 universitários. A seguir, foi aplicado o teste de Fagerström (1978), de dependência nicotínica e a versão revisada das Escalas de Personalidade de Comrey (CPS), que investiga dimensões de personalidade. Resultados: A análise das médias dos escores (t de Student) revelou associação marginal ou borderline inversamente proporcional entre dependência e a escala de Ordem x Falta de Compulsão (O) (p = 0,06) e associação negativa ou inversamente proporcional entre as escalas de Extroversão x Introversão (E) do CPS (p = 0,002) e Controle de Validade (V) (p = 0,04) do CPS. A regressão linear para pontuação no teste de Fagerström confirmou a associação borderline inversamente proporcional entre dependência e as escalas de Ordem x Falta de Compulsão (O) (p = 0,06) e Extroversão x Introversão (E) do CPS (p = 0,02). Porém, controlando a interferência do consumo diário de cigarros, apenas a escala de Extroversão x Introversão (E) permanece associada à dependência (p = 0,001). Conclusões: Conclui-se que universitários fumantes e dependentes são menos extrovertidos que os fumantes não dependentes.

 


7 - Validação do questionário de vias aéreas 20 ("Airways questionnaire 20" - AQ20) em pacientes portadores de doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) no Brasil

Validation of the Airways questionnaire 20 - AQ20 in patients with chronic obstructive pulmonary disease (COPD) in Brazil

Aquiles Camelier, Fernanda Rosa, Paul Jones, José Roberto Jardim

J Bras Pneumol.2003;29(1):28-35

Resumo PDF PT

Introdução: A análise da qualidade de vida relacionada à saúde (ou estado de saúde) nos pacientes portadores de DPOC é de grande importância e questionários foram desenvolvidos para sua mensuração. Objetivo: O presente estudo descreve a adaptação para a língua e cultura brasileira de questionário sobre estado de saúde doença-específico desenvolvido para DPOC: O Questionário de Vias Aéreas 20 (Airways Questionnaire 20 - AQ20). Métodos: O processo de tradução inicial e retrógrada foi realizado, além da adaptação cultural para a língua e cultura brasileira. O coeficiente de correlação intraclasse foi utilizado para testar a reprodutibilidade do AQ20. Foram realizadas correlações com o Questionário do Hospital Saint George na Doença Respiratória (SGRQ), espirometria e saturação de oxigênio. Resultados: O coeficiente de correlação intraclasse para a pontuação total do questionário foi de a = 0,90 para a variabilidade intra-observador e a = 0,93, para a variabilidade interobservador (p < 0,05 para ambos). A correlação com a pontuação total do SGRQ foi de 0,76 (p < 0,001). O tempo médio de resposta do AQ20 foi de quatro minutos e seis segundos. Conclusão: A versão brasileira do AQ20 é reprodutível, de rápida aplicação e com boa correlação com o SGRQ, sendo um instrumento válido para medir o estado de saúde em pacientes com doenças de vias aéreas obstrutivas no Brasil.

 


Artigo de Revisão

8 - O crescimento de crianças com asma

Linear growth in asthmatic children

Maria Ângela Reis de Góes Monteiro Antonio, José Dirceu Ribeiro, Adyléia Aparecida Dalbo Contrera Toro, Aquiles Eugenico Piedrabuena, André Moreno Morcillo

J Bras Pneumol.2003;29(1):36-42

Resumo PDF PT

A asma é a doença inflamatória crônica mais freqüente na infância, cuja prevalência vem aumentando sensivelmente nas últimas décadas, motivos que têm despertado interesse da comunidade científica para estudar o crescimento dessas crianças. A relação entre asma e crescimento sofre a influência do quadro clínico, da terapêutica e os diferentes métodos de estudo dificultam discernir entre os fatores responsáveis pela desaceleração do crescimento detectada por alguns autores. Esta revisão tem por objetivo fornecer uma visão global do assunto.

 


Relato de Caso

9 - Condrossarcoma de esterno

Sternal chondrosarcoma

Nelson Perelman Rosenberg, Ivo Leuck Jr., Celso Schuler, Fernando Delgiovo, Eduardo Spadari de Araújo, Paula Vasconcelos Martini

J Bras Pneumol.2003;29(1):43-44

Resumo PDF PT

As neoplasias do esterno são patologias extremamente raras. A falta de grandes séries na literatura faz com que avaliações prospectivas de tratamento sejam muito difíceis. Relata-se o caso de uma paciente septagenária possuidora de um grande condrossarcoma de esterno, tratada cirurgicamente.

 


10 - Coccidioidomicose: causa rara de síndrome do desconforto respiratório agudo

Coccidioidomycosis: an unusual cause of acute respiratory distress syndrome

Kelson Nobre Veras, Bruno C. de Souza Figueirêdo, Liline Maria Soares Martins, Jayro T. Paiva Vasconcelos, Bodo Wanke

J Bras Pneumol.2003;29(1):45-48

Resumo PDF PT

Lavrador, masculino, zona rural do Estado do Piauí, desenvolveu infecção respiratória aguda. Apesar de antibioticoterapia de amplo espectro, cursou com piora, necessitando ventilação mecânica. As radiografias mostraram infiltrados pulmonares difusos. A razão PaO2/FiO2 era de 58. A microscopia direta e o cultivo do aspirado traqueal revelaram a presença de Coccidioides immitis. Apenas recentemente foram descritos casos autóctones de coccidioidomicose no Brasil, a maioria deles do Estado do Piauí. O fungo já foi isolado de seres humanos, cães e tatus (Dasypus novemcinctus) e também de amostras do solo. Falha à antibioticoterapia e a proveniência de área endêmica reconhecida devem alertar para a possibilidade de coccidioidomicose pulmonar aguda.

 


Cartas ao Editor

11 - Tratamento compulsório da tuberculose: avanço ou retrocesso?

Sandra Aparecida Ribeiro

J Bras Pneumol.2003;29(1):50-52

PDF PT


Ano 2003 - Volume 29  - Número 2  (Março/Abril)

Editorial

1 - Pleurodese: qual agente deve ser utilizado?

Richard W. Light

J Bras Pneumol.2003;29(2):53-54

PDF PT


2 - Fatores de risco para tuberculose multirresistente adquirida

Afrânio Lineu Kritski

J Bras Pneumol.2003;29(2):55-56

PDF PT


Artigo Original

3 - Pleurodese induzida pela injeção intrapleural de nitrato de prata ou talco em coelhos: há perspectivas para o uso em humanos?

Pleurodesis induced by intrapleural injection of silver nitrate or talc in rabbits. Can it be used in humans?

Francisco S. Vargas, Leila Antonangelo, Marcelo A.C. Vaz, Evaldo Marchi, Vera Luiza Capelozzi, Eduardo H. Genofre, Lisete R. Teixeira

J Bras Pneumol.2003;29(2):57-63

Resumo PDF PT

Objetivo do estudo: Avaliar as alterações pleuropulmonares causadas pela injeção intrapleural de talco ou nitrato de prata em modelo experimental, com o intuito de considerar sua utilização em humanos. Método: 112 coelhos foram aleatoriamente escolhidos para receber, no espaço pleural, 400mg/kg de talco em 2ml de solução salina ou 2ml de nitrato de prata a 0,5%, sendo oito animais, em cada grupo, sacrificados após um, dois, quatro, seis, oito, 10 ou 12 meses. Em relação à cavidade pleural, foram analisados o grau de pleurodese macroscópica (aderências) e as alterações microscópicas representadas por inflamação e fibrose dos folhetos pleurais. O parênquima foi avaliado quanto ao grau de colapso alveolar, edema dos septos interalveolares e celularidade em escore de 0 a 4. Resultados: A injeção intrapleural de nitrato de prata produziu pleurodese mais precoce e mais intensa do que a injeção de talco. A lesão parenquimatosa foi mais evidente com nitrato de prata, sendo considerada de grau moderado e restrita à primeira avaliação (um mês). A partir do segundo mês, e durante todo o seguimento de um ano, a lesão parenquimatosa foi semelhante com ambas as substâncias, sendo apenas as aderências pleurais mais intensas com nitrato. Conclusões: O nitrato de prata intrapleural produz melhor e mais duradoura pleurodese do que a injeção intrapleural de talco. As alterações parenquimatosas, apesar de discretas, são mais pronunciadas com o uso de nitrato de prata, sendo, porém, mínimas após dois meses e semelhantes, durante todo o período de observação de um ano, às encontradas com o uso do talco. Esses efeitos sobre o parênquima pulmonar não contra-indicam seu uso em seres humanos. Dessa forma, o uso do nitrato de prata intrapleural, com o intuito de produzir rápida e efetiva pleurodese, pode ser considerado nos pacientes em que se deseja a sínfise da cavidade pleural.

 


Palavras-chave: Pleurodese. Talco. Nitrato de prata. Derrame pleural.

 

4 - Padrão do sono em pacientes portadores de doença pulmonar obstrutiva crônica e correlação entre variáveis gasométricas, espirométricas e polissonográficas

Sleep pattern in patients with COPD and correlation among the gasometric, spirometric, and polysomnographic variants

Carlos Eduardo Ventura Gaio dos Santos, Carlos Alberto de Assis Viegas

J Bras Pneumol.2003;29(2):69-74

Resumo PDF PT

Objetivos: Pouco se investigou o sono de pacientes portadores de doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) estabelecendo comparações entre parâmetros funcionais e polissonográficos. Este estudo objetiva descrever o sono desses indivíduos e correlacionar variáveis espirométricas, gasométricas e polissonográficas. Métodos: Estudo transversal em portadores de DPOC, avaliando espirometria, gasometria arterial e polissonografia. Resultados: Avaliados 21 pacientes masculinos com idade = 67 ± 9 anos, na escala de sonolência de Epworth (ESE) = 7 ± 4 pontos, índice de Tiffenau (VEF1/CVF) = 54 ± 13,0%, PaO2 = 68 ± 11mmHg, PaCO2 = 37 ± 6mmHg. A eficiência do sono foi diminuída (65 ± 16%) com redução do sono de ondas lentas (8 ± 9%) e da fase do sono de movimento rápido dos olhos (REM) (15 ± 8%). T90 médio = 43 ± 41% . Índice de apnéia-hipopnéia médio = 2,9 ± 5,2/h, sendo que dois pacientes (9,5%) apresentaram apnéia obstrutiva do sono. Observou-se correlação significativa entre PaO2 e T90 (p < 0,01), PaCO2 e T90 (p < 0,05) e IAH e freqüência cardíaca durante o REM (p < 0,01). Foi também observado elevado número de despertares e de mudanças de estágio. Não houve correlações lineares entre variáveis espirométricas e polissonográficas. Conclusões: Observou-se má qualidade de sono nesses pacientes, caracterizada por baixa eficiência do sono e elevado número de despertares e mudanças de estágios. Não foram observadas correlações entre variáveis espirométricas e polissonográficas.

 


4 - Perfil de uma população brasileira com doença pulmonar obstrutiva crônica grave

Profile of a Brazilian population with chronic obstructive pulmonary disease

Mateo Sainz Yaksic, Mauro Tojo, Alberto Cukier, Rafael Stelmach

J Bras Pneumol.2003;29(2):64-68

Resumo PDF PT

A doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) é um problema de saúde pública. O tabagismo é a principal causa, porém não a única. Poluição ambiental, exposição a químicos, fumaça inalada, tabagismo passivo, infecções virais e bacterianas também são considerados fatores de risco importantes. Sexo e peso correlacionam-se com a gravidade da doença. Co-morbidades são freqüentes. Objetivo: Caracterizar uma população de pacientes com DPOC acompanhados de forma ambulatorial em um serviço terciário de saúde. Material e métodos: Foram aplicados questionários padronizados em pacientes com DPOC. Os dados coletados incluíram: sexo, idade, peso, índice de massa corpórea (IMC), VEF1 e uso de oxigênio domiciliar, tabagismo, contato com fumaça de lenha, antecedentes de tuberculose pulmonar e moléstias associadas. Resultados: Dos 70 pacientes incluídos, 70% eram homens. A média de idade foi de 64 ± 10 anos; de peso, 63 ± 16kg e o IMC médio, de 22 ± 5kg/m². O VEF1 médio do grupo foi 35 ± 14% e 45,7% eram dependentes de oxigênio. Nove (12,8%) nunca fumaram, 78,8% eram ex-tabagistas, com tempo médio de tabagismo de 38 ± 11 anos/maço e nove haviam fumado cigarro de palha. Dezoito (25,7%) tiveram exposição à fumaça de lenha. Onze (15,7%) relataram tuberculose; 5,7% apresentaram sinais e sintomas de asma; 2,8%, bronquiectasias; 11,4%, diabetes melito; 51,4%, hipertensão arterial e 20%, cor pulmonale. Conclusão: Outras etiologias possíveis de DPOC devem ser investigadas. A fumaça inalada associada a infecções pulmonares pregressas podem ser determinantes na injúria pulmonar. Homens com menor massa corpórea representam essa população com DPOC grave. Hipertensão sistêmica e cor pulmonale são achados freqüentes.

 


6 - Inalantes no tratamento da asma: avaliação do domínio das técnicas de uso por pacientes, alunos de medicina e médicos residentes

Inhaled medication on asthma management: evaluation of how asthma patients, medical students, and doctors use the different devices

Janaína Barbosa Muniz, Carlos Roberto Padovani, Irma Godoy

J Bras Pneumol.2003;29(2):75-81

Resumo PDF PT

A asma resulta da combinação de três características essenciais: obstrução das vias aéreas, hiper-responsividade brônquica e inflamação. O uso dos inalantes com técnica inadequada tem sido apontado como um dos responsáveis pelo fracasso terapêutico. O objetivo deste estudo foi avaliar o domínio da técnica de uso das medicações inalatórias de 20 estudantes do 6º ano médico, 36 médicos residentes em Clínica Médica/Pediatria e de 40 pacientes. Os pacientes eram acompanhados no Ambulatório de Pneumologia do HC/Unesp e estavam em uso de medicação inalatória durante pelo menos seis meses. Os dispositivos avaliados foram: nebulímetros pressurizados (NEPS), nebulímetros com espaçadores (ESP) e inaladores de pó seco (IPS). A técnica foi observada e pontuada por examinador único, de acordo com protocolo apropriado. Os profissionais de saúde demonstraram a técnica com os três tipos de inalantes citados, enquanto os pacientes foram avaliados somente nos que faziam parte do seu tratamento. O NEP foi o dispositivo mais conhecido tanto por médicos quanto por pacientes. Para o NEP, os erros mais comuns, em todos os grupos estudados, foram os relacionados com a coordenação entre a inspiração e o acionamento do dispositivo. Para o IPS, foi a não realização da expiração máxima antes da inalação do medicamento. Foi observado que os pacientes apresentavam grande carência de informações precisas quanto ao uso dos dispositivos e que os profissionais desconheciam a técnica ou sentiam-se inseguros quanto à melhor forma de ensinar seus pacientes, optando, muitas vezes, por não orientá-los.

 


7 - Mortalidade por pneumoconioses nas macrorregiões do Brasil no período de 1979-1998

Mortality due to pneumoconioses in macro regions of Brazil in the 1979-1998 period

Hermano Albuquerque de Castro, Genésio Vicentin, Kellen Cristina Xavier Pereira

J Bras Pneumol.2003;29(2):82-88

Resumo PDF PT

As pneumoconioses representam um conjunto de doenças pulmonares relacionadas à exposição às poeiras minerais nos ambientes de trabalho. Constituem um problema de saúde pública, visto que poderia ser uma doença já erradicada em nosso meio com o uso de medidas de controle nesses ambientes. O objetivo deste trabalho foi realizar um mapeamento da distribuição de mortalidade das pneumoconioses nas regiões geográficas e nos Estados da Federação brasileira através de um estudo ecológico que utilizou como denominador a população ativa acima de 15 anos. Apresenta-se o resultado preliminar dessa investigação nas macrorregiões referente ao período de 1979 a 1998. Utilizou-se a informação de mortalidade do Sistema de Informações de Mortalidade (SIM) do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (Datasus), incluindo-se os códigos da Classificação Internacional de Doenças (CID) 9 e da CID 10. Verificou-se tendência crescente do coeficiente de mortalidade por penumoconioses/um milhão habitantes/ano ao longo do período estudado. A transição da CID 9 para a CID 10 mostrou elevação na freqüência dos óbitos, que duplicaram. Concluímos que os valores dos coeficientes de mortalidade por pneumoconioses não refletem adequadamente o problema, ofuscando a transcendência e magnitude da doença. Torna-se necessário o conhecimento da população efetivamente exposta e a localização territorial para a obtenção de indicadores mais representativos.

 


8 - Fatores de risco para tuberculose multirresistente adquirida

Risk factors associated to acquired multidrug resistant tuberculosis

Elizabeth Clara Barroso, Rosa Maria Salani Mota, Raimunda Oliveira Santos, Ana Lúcia Oliveira Sousa, Joana Brasileiro Barroso, Jorge Luís Nobre Rodrigues

J Bras Pneumol.2003;29(2):89-97

Resumo PDF PT

A tuberculose multirresistente (TBMR) é um problema grave, temido, de difícil controle e vem apresentando tendência crescente em todo o mundo. Objetivo: Fazer uma análise de fatores de risco para TBMR adquirida. Casuística e métodos: Foi feito um estudo caso-controle de base populacional de modo retrospectivo. Foi considerado multirresistente o bacilo resistente a pelo menos rifampicina (RFP) + isoniazida (INH) e tuberculose (TB) sensível o caso que tivesse feito o primeiro tratamento num período semelhante ao do primeiro tratamento do caso com TBMR, mas que estivesse curado no momento da entrevista. A seleção dos casos foi feita tomando como base a lista de testes de sensibilidade (TS) realizados no Laboratório Central de Saúde Pública do Estado do Ceará, no período de 1990 a 1999. Foi utilizado o método das proporções para pesquisar a resistência às seis drogas (isoniazida, rifampicina, pirazinamida, etambutol, etionamida, estreptomicina) antituberculose padronizadas no Brasil. Os controles foram selecionados do livro de registro do Programa de Controle da TB. Foi realizada análise univariada e multivariada e considerado significante um p < 0,05. Resultados: Dos 1.500 TSs realizados no período, 266 cepas eram multirresistentes. Foram identificados 153 pacientes. Desses, 19 foram excluídos. O grupo dos casos ficou composto por 134 pacientes e o dos controles, por 185. Após a análise multivariada encontraram-se os seguintes fatores de risco: falta de esgoto no domicílio, alcoolismo + tabagismo, nº de tratamentos anteriores, tratamentos irregulares e cavidades pulmonares. Conclusão: Esses cinco fatores têm importância no desenvolvimento da TBMR adquirida e uma tentativa de neutralizá-los poderia contribuir para o controle da TB.

 


Relato de Caso

9 - Pericardite tuberculosa em portadores da síndrome de imunodeficiência adquirida

Tuberculosis pericarditis in patients with AIDS

Ruggero Bernardo Guidugli, Paul Albert Hamrick, Nancy Figueiroa de Rezende

J Bras Pneumol.2003;29(2):98-100

Resumo PDF PT

Dois pacientes portadores do vírus HIV deram entrada no serviço de emergência bastante dispnéicos, exibindo sinais clínicos e de imagens sugestivos de derrame pericárdico. Realizada inicialmente a punção do líquido, sua análise não mostrou especificidade e os doentes não apresentavam evidência de melhora clínica. Foram, então, submetidos a uma janela pericárdica subxifóidea, foi drenado todo o líquido de efusão e realizada a biópsia do tecido pericárdico, o que revelou processo granulomatoso. Logo após o início do tratamento específico, os pacientes apresentaram boa evolução. Tais achados chamaram a atenção para a etiologia tuberculosa como causa de sufusão pericárdica em portadores da síndrome de imunodeficiência adquirida. Essa associação pode ser mais importante no Brasil, onde existe alta prevalência de tuberculose. Os resultados mostraram também que a realização de uma janela pericárdica subxifóidea permitiu boa drenagem do fluido e, junto com a ministração do esquema tríplice, possibilitou a boa evolução dos pacientes.

 


Artigo de Revisão

10 - Edema pulmonar de reexpansão

Reexpansion pulmonary edema

Eduardo Henrique Genofre, Francisco S. Vargas, Lisete R. Teixeira, Marcelo Alexandre Costa Vaz, Evaldo Marchi

J Bras Pneumol.2003;29(2):101-106

Resumo PDF PT

O edema pulmonar de reexpansão é uma entidade rara, mas de notável mortalidade. Sua fisiopatologia ainda não é bem esclarecida, porém envolve fatores conhecidos, como a diminuição do surfactante pulmonar, e outros ainda incertos, como o papel dos mediadores inflamatórios na gênese e manutenção do processo. É imperativo o diagnóstico precoce, uma vez que o desfecho depende da agilidade no reconhecimento e tratamento dessa entidade. Tendo em vista a alta mortalidade, as medidas de prevenção ainda são a melhor estratégia no manuseio dos pacientes com doenças que podem levar ao edema pulmonar de reexpansão. Esta revisão discute os principais aspectos relacionados à fisiopatologia, diagnóstico, tratamento e prevenção do edema pulmonar de reexpansão, com recomendações práticas para o reconhecimento e adequada abordagem dessa entidade.

 


11 - Doença pulmonar obstrutiva crônica e desnutrição: por que não estamos vencendo a batalha?

Chronic obstructive pulmonary disease and malnutrition: why aren't we winning this battle?

Ivone Martins Ferreira

J Bras Pneumol.2003;29(2):107-115

Resumo PDF PT

Objetivos: Fazer uma revisão dos mecanismos envolvidos na gênese da desnutrição em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) e revisão sistemática dos artigos randomizados e controlados para esclarecer a contribuição de suplementação nutricional em pacientes com DPOC estável. Método: Revisão sistemática de artigos publicados na área de nutrição em todas as línguas, de várias fontes, incluindo Medline, Embase, Cinahl e Cochrane Registry, assim como trabalhos apresentados em congressos norte-americanos e europeus. Resultados: Estudos com suplementação nutricional maior que duas semanas mostraram que o efeito foi muito pequeno e não atingiu significância estatística. Estudo com regressão linear encontrou que idade avançada, anorexia relativa e resposta inflamatória elevada estão associadas a ausência de resposta à terapia nutricional. Conclusão: No momento não existe evidência de que suplementação nutricional seja realmente eficaz em pacientes com DPOC. Fatores associados com ausência de resposta sugerem relação com o grau de inflamação, incluindo altos níveis de TNF-alfa. Medida dos marcadores de inflamação pode ser útil na determinação do prognóstico e da terapia adequada. No futuro, tratamentos com citocinas antiinflamatórias ou inibidores de citocina são promissores.

 


Ano 2003 - Volume 29  - Número 3  (Maio/Junho)

Editorial

1 - Mortalidade por fibrose pulmonar idiopática

José Antônio Baddini Martinez

J Bras Pneumol.2003;29(3):1-2

PDF PT


Artigo Original

2 - Mortalidade por fibrose pulmonar idiopática no Rio Grande do Sul

Mortality due to idiopathic pulmonary fibrosis in the State of Rio Grande do Sul (Brazil)

Fabrício Picolli Fortuna, Christiano Perin, Letícia Cunha, Adalberto Sperb Rubin

J Bras Pneumol.2003;29(3):121-124

Resumo PDF PT

Os dados epidemiológicos referentes à fibrose pulmonar idiopática são relativamente escassos; suas reais incidência e prevalência são desconhecidas. Alguns estudos recentes sugerem que a mortalidade decorrente da fibrose pulmonar idiopática está aumentando nos países desenvolvidos. Objetivos: Descrever a mortalidade por fibrose pulmonar idiopática no Estado do Rio Grande do Sul (RS) no período de 1970 a 2000, analisando sua tendência e comparando-a com a de outros países. Métodos: Estudo de prevalência utilizando dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, analisando certificados de óbito em que a fibrose pulmonar idiopática foi citada como causa determinante. Resultados: A mortalidade anual média ajustada à população foi de 0,22/100.000 na década de 70, de 0,3/100.000 na de 80 e de 0,48/100.000 na de 90. A mortalidade total aumentou 36% da década de 70 para a de 80, e 73% dessa para a de 90. A taxa ajustada à população aumentou 36% da década de 70 para a de 80, e 60% dessa para a de 90. O aumento tanto na mortalidade total por fibrose pulmonar idiopática como na mortalidade ajustada à população foi estatisticamente significativo (p < 0,05). A taxa média de mortalidade por 100.000 habitantes no intervalo de 1996 a 1998, entretanto, foi de 0,683, correspondendo a aumento da ordem de 70% em relação à dos três anos anteriores, que foi de 0,4 (p = 0,0002), provavelmente por práticas de codificação. Conclusão: Houve aumento significativo da mortalidade por fibrose pulmonar idiopática no RS no período de 1970 a 2000, em parte secundário a alterações nas práticas de codificação. Esse aumento está em acordo com os resultados de estudos semelhantes em outros países, embora as taxas de mortalidade por fibrose pulmonar idiopática no RS sejam consideravelmente menores.

 


Palavras-chave: Fibrose pulmonar. Mortalidade.

 

3 - Perfil epidemiológico da tuberculose infecção e doença entre usuários de cocaína internados em serviços hospitalares da Grande São Paulo

Epidemiological profile of lung tuberculosis infection and disease among cocaine users being treated in hospitals of São Paulo, Brazil

Olavo Franco Ferreira Filho, Marilia Dalva Turchi, Ronaldo Laranjeiras, Adauto Castelo

J Bras Pneumol.2003;29(3):125-132

Resumo

Objetivo: Avaliar a prevalência e os fatores de risco para tuberculose (TB) infecção e doença entre usuários de drogas hospitalizados. Métodos: Estudo transversal em amostra de adictos maiores de 18 anos, internados em hospitais da região metropolitana da Grande São Paulo, com condições clínicas de responder a questionário padronizado e que concordaram em participar do estudo. A prevalência de TB infecção foi avaliada pela positividade ao teste tuberculínico (PPD) e de TB doença pelo achado de M. tuberculosis no escarro dos sintomáticos respiratórios. Resultados: Os sintomas respiratórios estavam presentes em 21,2% dos pacientes, sendo o emagrecimento e a tosse os mais freqüentes, os quais desapareciam com a interrupção do uso de cocaína. A prevalência geral de TB infecção foi de 28%. A prevalência de TB doença foi de 0,6%. Os fatores associados com PPD positivo foram: idade, cor/raça, tempo passado na prisão e antecedentes de uso de drogas na prisão. Conclusões: Não se encontrou prevalência aumentada de TB infecção e doença nesses pacientes. Adictos com maior idade tinham maior probabilidade de ter TB infecção, bem como aqueles com história de encarceramento.

 


Palavras-chave: Tuberculose, epidemiologia. Pacientes internados.

 

Ano 2003 - Volume 29  - Número 4  (Julho/Agosto)

Editorial

1 - Baixa estatura mas alta espirometria

Noé Zamel

J Bras Pneumol.2003;29(4):175-

PDF PT


2 - Monitoração da inflamação das vias aéreas na asma

Mark D. Inman

J Bras Pneumol.2003;29(4):176-

PDF PT


Artigo Original

3 - Questionário de qualidade de vida em pacientes com hiperidrose primária

Questionnaire of quality of life in patients with primary hyperhidrosis

José Ribas Milanez de Campos, Paulo Kauffman, Eduardo de Campos Werebe, Laert Oliveira Andrade Filho, Sergio Kuzniek, Nelson Wolosker, Fábio Biscegli Jatene, Mariane Amir

J Bras Pneumol.2003;29(4):178-181

Resumo PDF PT

Introdução: Hiperidrose ou sudorese excessiva é um distúrbio crônico associado a sofrimento subjetivo importante. Objetivo: Apresentar um questionário específico para avaliar a qualidade de vida em pacientes com hiperidrose. Métodos: De outubro de 1995 a março de 2002, 378 pacientes, com idade média de 26,8 anos, sendo 234 do sexo feminino, foram avaliados antes e depois da simpatectomia torácica por videotoracoscopia. Resultados: Sucesso terapêutico foi obtido em 90% dos procedimentos. A taxa de recorrência foi de 10% para hiperidrose palmar e 11% para hiperidrose axilar; 27% desses pacientes foram reoperados com sucesso. Nenhuma complicação séria foi registrada. Do número total de pacientes, 91% responderam ao questionário sobre qualidade de vida e, desses, 86% referiram melhora após o procedimento. Conclusões: A simpatectomia torácica é um método terapêutico capaz de mudar a qualidade de vida dos pacientes com hiperidrose, o que pôde ser comprovado pelo questionário utilizado.

 


Palavras-chave: Simpatectomia torácica. Qualidade de vida.

 

4 - Valores espirométricos de crianças e adolescentes com baixa estatura

Spirometric values in children and adolescents with short stature

Naiza Alessandra Dorneles, Nelson Augusto Rosário Filho, Carlos Antônio Riedi, Margareth Cristina Boguszewski, João Adriano de Barros

J Bras Pneumol.2003;29(4):182-187

Resumo PDF PT

Introdução: Vários fatores influenciam os valores de função pulmonar considerados normais. Existe dificuldade para a interpretação da função pulmonar de crianças com baixa estatura. Objetivo: Avaliar valores espirométricos em crianças e adolescentes com baixa estatura e identificar um fator de correção que possa prever de forma adequada os valores previstos para essa população. Método: Foram selecionados prospectivamente 77 pacientes com baixa estatura e sem doença pulmonar. Os pacientes foram submetidos a: espirometria, saturação transcutânea do oxigênio da hemoglobina, medida do perímetro torácico e testes de hipersensibilidade imediata. A idade óssea foi obtida por radiografia de punho. Os dados obtidos pela espirometria (CVF, VEF1 e FEF25-75%) foram comparados com os de Polgar e Promadhat (1971) previstos de três formas: a) pela estatura real; b) pela estatura estimada no percentil 50 para a idade cronológica (IC); c) pela estatura estimada no percentil 50 para a idade óssea (IO). Resultados: A média da estatura foi 133,3 ± 13,2cm e o déficit em relação ao 3º percentil, de 5,4 ± 6,0cm. Os valores de CVF, VEF1 e FEF25-75% obtidos foram significativamente maiores que os previstos pela estatura real. A média obtida da CVF foi de 2,42 ± 0,71L e a prevista (estatura real), de 2,10 ± 0,64L; pela estatura estimada para IO e IC, os valores foram, respectivamente, de 2,27 e 2,86L. A média do VEF1 foi de 2,20 ± 0,6L e o previsto, de 1,90 ± 0,55L. Com a estatura estimada para a IO e IC, os valores previstos foram de 2,10 e 2,60L, respectivamente. Conclusão: Crianças e adolescentes com baixa estatura têm valores de espirometria maiores que os previstos para a estatura real. Esses achados sugerem que a estatura estimada no percentil 50 para a idade óssea pode ser utilizada para avaliação da função pulmonar.

 


Palavras-chave: Espirometria. Baixa estatura.

 

5 - Inflamação das vias aéreas em asmáticos virgens de tratamento com esteróides: características do escarro induzido

Airway inflammation in steroid-naïve asthmatics: characteristics of induced sputum

Simone Van de Sande Lee, Marcia Margaret Menezes Pizzichini, Leila John Marques, Samira Cardoso Ferreira, Emilio Pizzichini

J Bras Pneumol.2003;29(4):188-195

Resumo PDF PT

Introdução: A inflamação das vias aéreas, reconhecida como uma importante característica da asma, pode ser avaliada através do exame do escarro induzido. Objetivo: Determinar o padrão de células inflamatórias no escarro de asmáticos estáveis virgens de tratamento com corticosteróides, em Florianópolis, Santa Catarina. Método: Analisou-se o escarro induzido de 34 asmáticos em uso exclusivo de broncodilatadores inalatórios por demanda. As características clínicas dos mesmos foram obtidas na visita 1 e o escarro foi induzido na visita 2. A contagem diferencial de células foi realizada em citospinas coradas pelo Giemsa. O escarro foi considerado eosinofílico na presença de ³ 3% de eosinófilos e neutrofílico na presença de ³ 65% de neutrófilos. Resultados: Os resultados são expressos através da mediana e amplitude do semiquartil. A contagem celular total foi de 3,4 (3,7) x 106 células/ml e a viabilidade celular, de 80,0 (16,4)%. A proporção de neutrófilos foi de 14,4 (22,1)%; de eosinófilos, 6,4 (17,2)%; de macrófagos, 60,3 (37,5)%; e de linfócitos, 1,1 (1,2)%. Escarro eosinofílico foi observado em 24 participantes (70,6%); nenhum apresentou escarro neutrofílico. Não houve diferença significativa entre os grupos eosinofílico e não-eosinofílico quanto aos desfechos clínicos medidos, contagem total e proporções de células no escarro, com exceção da proporção de eosinófilos (14,4 [19,3] vs. 0,4 [1,1], p < 0,001). Conclusões: Asmáticos virgens de tratamento com corticosteróides, em nosso meio, apresentam maior proporção de eosinófilos no escarro em relação a valores de referência estabelecidos. Os parâmetros clínicos e fisiológicos analisados foram incapazes de predizer a presença de inflamação eosinofílica das vias aéreas

 


Palavras-chave: Asma. Inflamação. Escarro. Eosinófilos. Neutrófilos.

 

6 - Relação entre alterações funcionais e radiológicas em pacientes com fibrose cística

Relationship between functional and X-ray alterations in patients with cystic fibrosis

Andréia Kist Fernandes, Felipe Mallmann, Ângela Beatriz John, Carlo Sasso Faccin, Paulo de Tarso Roth Dalcin, Sérgio Saldanha Menna Barreto

J Bras Pneumol.2003;29(4):196-201

Resumo PDF PT

Introdução: A fibrose cística é uma doença caracterizada pela inflamação das vias aéreas e obstrução de fluxos aéreos, ocasionando alçaponamento de ar nos pulmões. Objetivo: Verificar as associações entre a limitação do fluxo aéreo, volumes pulmonares e achados radiológicos em pacientes com fibrose cística. Método: Estudo transversal retrospectivo. Revisão dos achados espirométricos, pletismográficos e radiológicos do tórax de pacientes ambulatoriais (idade ³ 16 anos). Os achados no fluxo aéreo foram classificados como dentro dos limites da normalidade ou como obstrução ao fluxo aéreo: alteração obstrutiva leve, moderada ou grave. Resultados: Foram estudados 23 pacientes (15 masculinos e oito femininos; idade média de 21,0 ± 5,9 anos). Destes, seis estavam dentro dos limites da normalidade, havia alteração obstrutiva leve em quatro, moderada em cinco e grave em oito. Houve associação da limitação ao fluxo aéreo com o aumento do volume residual (p = 0,006) e com o escore de Brasfield (p = 0,001), mas não com a capacidade pulmonar total (p = 0,33). Houve correlação entre volume residual e escore de Brasfield (r = 0,73, p = 0,002), mas não com a capacidade pulmonar total. Adicionalmente, o alçaponamento aéreo, de acordo com critérios radiológicos, correlacionou-se apenas com aumento do volume residual (p = 0,006). Conclusão: Em pacientes com fibrose cística (idade ³ 16 anos), a progressiva limitação do fluxo aéreo é acompanhada de aumento no volume residual, enquanto a capacidade pulmonar total permanece normal ou tende a diminuir. O escore radiológico associou-se com a limitação do fluxo aéreo e volume residual, mas não com a capacidade pulmonar total.

 


Palavras-chave: Fibrose cística. Doença pulmonar. Capacidades pulmonares. Radiografia torácica.

 

7 - Doenças mediastinais: aspectos clínicos e terapêuticos

Mediastinal diseases: clinical and therapeutic aspects

Roberto Saad Júnior, Maria Elisa Ruffolo Magliari, Júlio Mott Ancona Lopez

J Bras Pneumol.2003;29(4):202-207

Resumo PDF PT

Introdução: As afecções do mediastino são comuns e abrangem grande quantidade de diagnósticos diferenciais. Objetivo: Analisar os aspectos clínicos e a resposta terapêutica em 114 doentes com doenças mediastinais, tratados no Serviço de Cirurgia Torácica da Santa Casa de São Paulo, entre 1979 e 1997. Método: Os doentes foram agrupados de acordo com a natureza benigna e maligna da afecção e os dois grupos foram comparados com relação ao sexo, faixa etária, sintomatologia, topografia da lesão, mortalidade e resposta ao tratamento. Resultados: Sessenta e três doentes eram portadores de neoplasias: 31 benignas e 32 malignas. Cinquenta e um não eram neoplásicos. Não foi observada diferença com relação ao sexo ou faixa etária entre os grupos. A metade dos doentes estava entre 20 e 49 anos. O mediastino anterior foi o compartimento mais acometido: 66 doentes, seguidos por 18 no mediastino superior, 16 no posterior e 14 no médio. Os tipos histológicos mais freqüentes eram: doenças benignas do timo (N = 40), tumores mesenquimais (N = 17), linfomas (N = 15), tumores neurais (N = 9), e tumores de células germinativas (N = 8). Houve freqüência maior de tumores malignos sintomáticos (91%) e maior freqüência de tumores benignos entre os doentes assintomáticos (92%). Os sintomas mais freqüentes eram relacionados à miastenia gravis, seguida de dispnéia e dor torácica. Perda ponderal, anorexia e febre foram significantemente mais freqüentes em portadores de neoplasias malignas. Conclusões: Em relação aos aspectos clínicos, podemos afirmar que: predominaram as afecções benignas, foi no adulto jovem a prevalência das doenças mediastinais e as afecções benignas foram mais freqüentes entre os pacientes assintomáticos. O tratamento (clínico/operatório) foi eficaz para a maioria dos doentes: aproximadamente 90% dos doentes portadores de afecções benignas e 45% dos portadores de tumores malignos se beneficiaram; em 73% das afecções benignas o tratamento operatório foi capaz de efetivar a cura. A mortalidade decorrente das complicações foi de 1,75%.

 


Palavras-chave: Descritores - Mediastino. Doenças do mediastino/epidemiologia. Neoplasias do mediastino.

 

8 - Comparação entre os valores de pico e sustentados das pressões respiratórias máximas em indivíduos saudáveis e pacientes portadores de pneumopatia crônica

Comparing peak and sustained values of maximal respiratory pressures in healthy subjects and chronic pulmonary disease patients

J Bras Pneumol.2003;29(4):208-212

Resumo PDF PT

Abstract

Background: The measurement of maximal inspiratory and expiratory pressures is useful for the evaluation of pulmonary function. However, the methods to obtain them are not always properly described. Objective: To identify the difference between the peak pressure values (Ppeak, the highest pressure reached) and the sustained pressure (Pmaxs, the highest pressure sustained for one second) in MIP and MEP evaluation. Method: 55 healthy individuals and 50 patients who were taking part in a pulmonary rehabilitation program, all of them with chronic pulmonary disease, were studied by recording their best maximal inspiratory pressure and maximal expiratory pressure tests. The peak and sustained pressure values were compared and analyzed to determine whether there was a difference between them. Results: The maximum inspiratory pressure records of healthy individuals showed that the maximal peak inspiratory pressure and the maximal inspiratory pressure found were, respectively, 102 ± 33 cmH2O and 92 ± 29 cmH2O (p < 0.001), and those of the patients participating in the pulmonary rehabilitation program were 75 ± 23 cmH2O and 67 ± 22 cmH2O (p < 0.001). The recorded values of maximal expiratory pressure, peak and maximal were 119 ± 42 cmH2O and 110 ± 39 cmH2O (p < 0.001), respectively, for healthy subjects, and 112 ± 40 cmH2O and 103 ± 36 cmH2O (p < 0.001) for the patients. Conclusion: There is a significant difference between Ppeak and Pmaxs, that can lead to different interpretations in the evaluation of the respiratory muscle strength. To minimize interpretation errors, the authors suggest the use of devices which record both values (peak and sustained).

 


Keywords: Pulmonary function tests. Respiratory muscles strength. Maximal respiratory pressures.

 

9 - Desenvolvimento de um modelo experimental de indução de resposta pulmonar neutrofílica em camundongos

Development of an experimental model of neutrophilic pulmonary response induction in mice

Leonardo Araújo Pinto, Camila Camozzato, Monique Avozani, Denise Cantarelli Machado, Marcus Herbert Jones, Renato Tetelbom Stein, Paulo Márcio Condessa Pitrez

J Bras Pneumol.2003;29(4):213-216

Resumo PDF PT

Introdução: Várias doenças pulmonares caracterizam-se por inflamação predominantemente neutrofílica. O melhor entendimento do mecanismo de ação de alguns medicamentos na inflamação das vias aéreas dessas doenças pode trazer avanços no tratamento. Objetivo: Desenvolver um método para induzir uma resposta neutrofílica pulmonar em camundongos, sem infecção ativa. Métodos: Foram utilizados oito camundongos Swiss adultos. O grupo em estudo (n = 4) recebeu um desafio intranasal com Pseudomonas aeruginosa (Psa) mortas, por congelamento, na concentração de 1 x 1012 UFC/ml. O grupo controle (n = 4) foi submetido a um desafio intranasal com soro fisiológico. Dois dias após o desafio intranasal, foi realizado lavado broncoalveolar (LBA), com realização de contagem total de células e celularidade diferencial. Resultados: A contagem total de células foi significativamente superior no grupo com Psa, em relação ao grupo controle (mediana de 1,17 x 106 e 0,08 x 106, respectivamente, p = 0,029). Além disso, foi encontrado predomínio absoluto de neutrófilos na celularidade diferencial dos camundongos que receberam o desafio com Psa. Conclusão: O modelo de indução de doença pulmonar neutrofílica com bactérias mortas, após congelamento, foi desenvolvido com sucesso. Este modelo de indução de resposta inflamatória neutrofílica no pulmão de camundongos Swiss pode ser um importante instrumento para testar o efeito antiinflamatório de alguns antimicrobianos na inflamação das vias aéreas inferiores.

 


Palavras-chave: Experimentação animal. Neutrófilos. Doenças pulmonares. Pseudomonas. Inflamação.

 

Relato de Caso

10 - Hemorragia alveolar difusa por capilarite pulmonar pauci-imune

Diffuse alveolar hemorrhage resulting from pauci-immune pulmonary capillaritis

Andreia Salarini Monteiro, Gabriela Addor, David Henrique Nigri, Wilhermo Torres, Carlos Alberto de Barros Franco

J Bras Pneumol.2003;29(4):217-220

Resumo PDF PT

Paciente de 27 anos, usuária de cocaína, apresentando hemoptise e dispnéia progressiva de início 48 horas antes da internação, sem outros sinais e sintomas. Sorologias para doenças infecciosas, doenças do colágeno e vasculites negativas. Exame de urina tipo I. Tomografia computadorizada de tórax com infiltrado alveolar difuso, principalmente em lobo inferior esquerdo. Submetida a biópsia pulmonar por toracoscopia para esclarecimento diagnóstico. Histopatológico mostrou capilarite e hemorragia alveolar difusa. Tratada com pulsoterapia com esteróide e ciclofosfamida, obteve boa resposta clínica e radiológica. Recentemente descrita, a capilarite pulmonar pauci-imune é caracterizada pela presença de capilarite pulmonar isolada e sorologias para doenças auto-imunes negativas.

 


Palavras-chave: Hemorragia. Alvéolos pulmonares/fisiopatologia.

 

11 - Associação de silicose e lúpus eritematoso sistêmico

Silicosis associated with systemic lupus erythematosus

Shirley Castro Holanda, Maria do Socorro T.M. Almeida, Antônio de Deus Filho

J Bras Pneumol.2003;29(4):221-224

Resumo PDF PT

A hipótese de que a exposição à sílica esteja associada a ampla gama de doenças auto-imunes, incluindo lúpus eritematoso sistêmico, tem sido discutida na última década. Porém, poucos casos de silicose e lúpus eritematoso sistêmico têm sido descritos na literatura. Relata-se o caso de um paciente masculino na 5ª década de vida, com antecedentes de exposição à sílica, tendo trabalhado como cavador de poços durante 10 anos. O paciente iniciou quadro articular, picos febris esporádicos, anemia, fator antinuclear positivo, padrão periférico (1/10) e homogêneo (1/500) e tosse produtiva. A tomografia computadorizada do tórax mostrou processo intersticial difuso, nódulos bilaterais, calcificações hilares, paraaórtica e paratraqueal, compatíveis com silicose pulmonar e ganglionar. Evoluiu para síndrome do desconforto respiratório agudo e óbito.

 


Palavras-chave: Lúpus eritematoso sistêmico. Silicose. Pneumoconiose. Doenças auto-imunes.

 

Artigo de Revisão

12 - Valor de citologia e biópsia pleural no diagnóstico diferencial dos derrames pleurais indeterminados

The value of cytology and pleural biopsy in the differential diagnostic of nonspecific pleural effusions

Vera Luiza Capelozzi, Danieli Cheke da Rosa, Aloísio S. Felipe da Silva

J Bras Pneumol.2003;29(4):225-234

Resumo PDF PT

Um percentual considerável de derrames pleurais fica sem esclarecimento diagnóstico; nessas situações, o resultado anatomopatológico de pleurite crônica inespecífica deveria ser revisto. O tema tem importância não somente para o patologista, mas predominantemente para o pneumologista, que acaba sendo aquele que, na prática, faz a correlação anatomoclínica. Ainda que se aceite a existência de critérios estabelecidos, estes são certamente subjetivos e dificultam o relacionamento através de uma linguagem comum, sobretudo entre os patologistas. Recentemente, os autores realizaram estudo com 311 biópsias pleurais cujo diagnóstico histopatológico havia sido pleurite crônica inespecífica. Todos os espécimes foram revisados e os parâmetros histopatológicos quantificados por estereologia. Os pacientes foram estratificados de acordo com o diagnóstico definitivo de sua doença, sendo incluídos casos de uremia, vasculite, pancreatite, tuberculose, câncer e insuficiência cardíaca congestiva, considerando neste caso a pleura como normal. Tal procedimento permitiu obter um modelo discriminante cujos subcritérios morfológicos, na pleurite crônica inespecífica, classificaram quase 90% das biópsias de acordo com o diagnóstico clínico definitivo, que incluiu pleurite crônica inespecífica verdadeira ou pleurite tuberculosa, paraneoplásica ou ainda pleura normal. Se a este modelo for incorporada a bioquímica ou a citologia diferencial do líquido pleural, o poder classificatório atinge 99% de acerto. Este estudo representa o resultado da experiência adquirida ao longo dos anos com a interpretação histopatológica da biópsia de pleura, que se fundamenta na correlação da morfologia com a bioquímica e a citologia do líquido pleural.

 


Palavras-chave: Biópsia por agulha. Pleura/patologia. Pleura/citologia. Derrame pleural.

 

13 - Remodelamento do tecido pulmonar na síndrome do desconforto respiratório agudo

Lung tissue remodeling in the acute respiratory distress syndrome

Alba Barros de Souza, Flavia Brandão dos Santos, Elnara Marcia Negri, Walter Araujo Zin, Patricia Rieken Macedo Rocco

J Bras Pneumol.2003;29(4):235-245

Resumo PDF PT

A síndrome do desconforto respiratório agudo caracteriza-se por lesão alveolar difusa (LAD), que cursa, progressivamente, com três fases: exsudativa, fibroproliferativa e fibrótica. Na fase exsudativa há edemas intersticial e alveolar com membrana hialina. A fase fibroproliferativa é caracterizada por organização de exsudato e fibroelastogênese. Há proliferação de pneumócitos tipo II para cobrir a superfície epitelial lesada e eles, posteriormente, se diferenciam em pneumócitos tipo I. A fase fibroproliferativa inicia-se precocemente e sua gravidade está relacionada ao prognóstico do paciente. As alterações observadas nos fenótipos de células do parênquima pulmonar direcionam o remodelamento tecidual para fibrose progressiva ou para restauração da arquitetura alveolar normal. A fase fibrótica é caracterizada por deposição anormal e excessiva de proteínas da matriz extracelular, principalmente colágeno. O controle dinâmico da deposição e degradação do colágeno é regulado pelas metaloproteinases e seus reguladores teciduais. A deposição de proteoglicanos na matriz extracelular de pacientes com SDRA necessita ser melhor estudada. A regulação do remodelamento da matriz extracelular, em condições normais e em numerosas doenças pulmonares como na SDRA, resulta de um complexo mecanismo integrativo da transcrição de elementos que degradam as proteínas da matriz e produzem ativação/inibição de diversos tipos celulares do tecido pulmonar. Neste artigo de revisão, serão analisados: a organização da MEC na SDRA, os diferentes mecanismos de remodelamento do parênquima pulmonar, bem como o papel das citocinas na regulação dos diferentes componentes da matriz durante o processo de remodelamento.

 


Palavras-chave: Síndrome do desconforto respiratório. Alvéolos pulmonares/lesões. Matriz extracelular. Citocinas/ultra-estrutura.

 

Aprimoramento

14 - Asma grave: uma questão de prescrição ou de diagnóstico?

Afrânio Kritski

J Bras Pneumol.2003;29(4):248-250

PDF PT


Ano 2003 - Volume 29  - Número 5  (Setembro/Outubro)

Editorial

1 - Bom para alguns, ótimo para outros

Sérgio Saldanha Menna Barreto

J Bras Pneumol.2003;29(5):251-

PDF PT


Artigo Original

2 - Tumores do mediastino em crianças

Mediastinal tumors in children

José Carlos Fraga, Marcia Komlós, Eliziane Takamatu, Luciano Camargo, Fábio Contelli, Algemir Brunetto, Carlos Antunes

J Bras Pneumol.2003;29(5):253-257

Resumo PDF PT

Introdução: Os tumores mediastinais na criança compreendem um grupo heterogêneo de lesões com origem embrionária distinta. Podem apresentar-se como cistos benignos ou lesões malignas. Objetivo: Descrever os procedimentos diagnósticos, tratamento e evolução de uma série de crianças e adolescentes com tumores do mediastino. Método: Análise retrospectiva de vinte crianças com tumores de mediastino, no período de julho de 1996 a julho de 2002 no Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Todos os pacientes foram submetidos a algum procedimento cirúrgico, seja diagnóstico, terapêutico ou ambos. Resultados: Doze meninos e oito meninas foram estudados. A idade média no momento do diagnóstico foi de seis anos e oito meses, variando entre três meses e 16 anos. Quatorze tumores (70%) ocorreram no mediastino anterior, sendo os mais comuns os linfomas de Hodgkin e não-Hodgkin; seis tumores (30%) ocorreram no mediastino posterior, sendo o neuroblastoma o mais freqüente. Nos tumores anteriores, a abordagem cirúrgica mais comum foi a toracotomia anterior de Chamberlain; nos posteriores, a toracotomia póstero-lateral. No período de seguimento ocorreram seis óbitos, todos sem nenhuma relação com o procedimento cirúrgico. Conclusão: Os tumores mediastinais em crianças são responsáveis por morbimortalidade. No mediastino anterior foram mais comuns os linfomas; no posterior, os tumores de origem neural. A cirurgia é um passo importante no diagnóstico e tratamento dessas lesões.

 


Palavras-chave: Tumores. Mediastino. Criança. Linfoma/cirurgia.

 

3 - Bronquiectasias: aspectos diagnósticos e terapêuticos Estudo de 170 pacientes

Bronchiectasis: diagnostic and therapeutic features A study of 170 patients

José da Silva Moreira, Nelson da Silva Porto, José de Jesus Peixoto Camargo, José Carlos Felicetti, Paulo Francisco Guerreiro Cardoso, Ana Luiza Schneider Moreira, Cristiano Feijó Andrade

J Bras Pneumol.2003;29(5):258-263

Resumo PDF PT

Introdução: Bronquiectasias são freqüentemente encontradas na prática médica no Brasil, levando a significativa morbidez e comprometimento da qualidade de vida de seus portadores. Objetivos: Analisar aspectos diagnósticos e terapêuticos em uma série de pacientes com bronquiectasias atendidos em um serviço de doenças pulmonares. Método: Sinais, sintomas, achados radiográficos e microbiológicos, e resultados terapêuticos foram estudados em 170 pacientes portadores de bronquiectasias hospitalizados no período de 1978 a 2001 - 62,4% do sexo feminino, 37,6% do masculino, com idade média de 37 anos, variando entre 12 e 88 anos. Resultados: Antecedente de pneumonia na infância foi detectado em 52,5% dos pacientes, de tratamento tisiológico em 19,8%; 8,8% tinham asma brônquica, e dois tinham síndrome de Kartagener. Os sintomas mais comuns foram tosse (100%), expectoração (96%) e estertores pulmonares (66%). As lesões eram unilaterais em 46,5% dos casos. Pneumococo, H. influenzae ou flora mista estiveram presentes em 85% das amostras de escarro examinadas. Os 170 pacientes receberam inicialmente tratamento clínico à base de antibióticos e fisioterapia respiratória; 88 deles (52%) - mais jovens, com lesões menores e boa reserva funcional - foram submetidos à cirurgia de ressecção pulmonar (82 unilaterais e seis bilaterais). Ocorreram dois óbitos hospitalares entre os pacientes que receberam tratamento exclusivamente clínico. Os pacientes tratados cirurgicamente tiveram acentuada melhora dos sintomas, raramente necessitando ser reinternados. Conclusões: Os prolongados sintomas broncopulmonares foram permanentemente aliviados na maioria dos pacientes com bronquiectasias que puderam ir à cirurgia de ressecção pulmonar, diferentemente dos que seguiram com o tratamento clínico.

 


Palavras-chave: Bronquiectasia/diagnóstico. Bronquiectasia/cirurgia. Bronquiectasia/terapia. Bronquiectasia/complicações. Tomografia computadorizada por raios X/métodos. Pacientes internados. Estudos retrospectivos.

 

4 - Tabagismo em amostra de adolescentes escolares de Salvador-Bahia

Smoking among school adolescents in Salvador (BA)

Adelmo Souza Machado Neto, Álvaro A. Cruz2

J Bras Pneumol.2003;29(5):264-272

Resumo PDF PT

Introdução: O hábito de fumar em geral se inicia na adolescência. No Brasil, as estimativas da freqüência deste hábito entre adolescentes variam de 1% até 35%. Objetivo: Estimar a prevalência do tabagismo entre os adolescentes da oitava série do ensino fundamental à terceira série do curso médio, em escolas de Salvador - Bahia, Brasil. Método: Feito um estudo do tipo corte transversal de caráter exploratório. Foram aplicados 3.500 questionários a alunos matriculados entre a 8ª série do ensino fundamental e a 3ª série do ensino médio, em cinco escolas da região metropolitana de Salvador (BA). Análise estatística: medidas descritivas e de associação (razão de prevalência) e o teste t de Student e o do qui-quadrado. Resultados: A prevalência do tabagismo entre adolescentes de Salvador (BA) foi de 9,6%, considerando-se os 3.180 questionários válidos, sendo maior no sexo masculino (14%) que no feminino (6%). À medida que aumentava a idade, elevava-se essa prevalência. A média de idade do início do tabagismo foi de 14 ± 2 anos. Dentre adolescentes, 46% experimentaram o cigarro e 20% destes continuaram fumando. Entre filhos de fumantes a freqüência foi maior. O número médio de cigarros consumidos por dia pelos adolescentes que fumavam diariamente (n = 132) foi de 7 ± 6, sendo maior no sexo masculino. Conclusão: A prevalência do tabagismo em uma amostra selecionada de adolescentes escolares de Salvador (BA) foi de 9,6%, sendo maior entre os indivíduos do sexo masculino. A experimentação e a influência dos pais foram associadas ao tabagismo nos adolescentes.

 


Palavras-chave: Tabagismo/epidemiologia. Adolescente. Estudantes. Tabaco.

 

5 - Timectomia estendida por cirurgia torácica videoassistida e cervicotomia no tratamento da miastenia

Extended thymectomy through video assisted thoracic surgery and cervicotomy in the treatment of myasthenia

Eduardo Haruo Saito, Cláudio Higa, Rodolfo Acatauassu Nunes, Gérson C. Magalhães, Luiz Carlos Aguiar Vaz, Vicente Faria Cervante

J Bras Pneumol.2003;29(5):273-279

Resumo PDF PT

Introdução: A relação entre a miastenia e o timo é evidente e o tratamento atual desta condição inclui a timectomia. No entanto, uma revisão de nossa experiência com a timectomia revelou a necessidade do uso de uma técnica mais radical. Objetivo: Analisar retrospectivamente pacientes portadores de miastenia gravis que foram submetidos a timectomia radical por videotoracoscopia, ressaltando vantagens do método, complicações, análise histopatológica e resultados em relação ao controle da doença. Material e método: Vinte e um pacientes miastênicos (18 do sexo feminino e três do sexo masculino, com idade variando de 17 a 51 anos) foram submetidos a timectomia por videotoracoscopia bilateral associada a cervicotomia transversa com ressecção da glândula tímica, dos tecidos peritímicos e das gorduras pericárdicas direita e esquerda. Todos os tecidos implicados foram analisados pela anatomia patológica separadamente. Houve acompanhamento por período médio de 39,2 meses. Resultados: Não houve mortalidade operatória. Ocorreram duas (9,5%) lesões vasculares e um (4,8%) paciente passou a apresentar disfonia leve permanente. Dezenove (90,4%) pacientes estão com boa evolução, sem medicação ou com dose reduzida da mesma. A histopatologia demonstrou 10 hiperplasias do timo, seis involuções tímicas e cinco timos normais. A presença de tecido tímico ectópico foi detectada em seis (28,6%) pacientes. Conclusão: A timectomia radical por videotoracoscopia ofereceu bom controle da miastenia gravis. Fez-se ressecção de tecido tímico ectópico em alguns pacientes.

 


Palavras-chave: Tórax. Cirurgia assistida por vídeo. Miastenia gravis. Timectomia.

 

6 - Controle da hemoptise maciça com broncoscopia rígida e soro fisiológico gelado

Management of massive hemoptysis with the rigid bronchoscope and cold saline lavage

Giovanni Antonio Marsico, Carlos Alberto Guimarães, Jorge Montessi, Antonio Miguel Martins da Costa, Levi Madeira

J Bras Pneumol.2003;29(5):280-286

Resumo PDF PT

Introdução: A hemoptise volumosa é uma condição com alta morbidade e mortalidade, independentemente do tratamento instituído. Vários métodos são utilizados para o controle do sangramento agudo. A instilação de soro fisiológico gelado através de broncoscópio rígido foi descrita em 1980. Objetivo: Determinar a eficácia de instilações repetidas de soro fisiológico gelado a 4oC através de broncoscópio rígido no controle agudo de hemoptise maciça. Método: Uma série de 94 pacientes, com hemoptise maciça, foi tratada durante sangramento ativo com broncoscopia rígida e lavagem do pulmão sangrante com soro fisiológico gelado. Foi considerado sucesso terapêutico a ausência de sangramento nos 15 dias subseqüentes. Causas de hemoptise, com o respectivo número de pacientes: tuberculose pulmonar, 78 (83%), sendo tuberculose ativa em 48 e seqüela de tuberculose em 30; bronquiectasias, seis; câncer de pulmão, cinco; aspergiloma intracavitário, três, e desconhecida, dois. O sítio de sangramento foi localizado em 93 pacientes (99%). O volume médio de soro infundido durante a broncoscopia foi de 528ml e variou de 160ml a 2.500ml. Resultados: O sangramento cessou durante o procedimento em todos os pacientes. Em 15 pacientes foi feita alguma intervenção (cirurgia, embolização ou radioterapia) num prazo menor que 15 dias, e nestes a eficácia da lavagem não pôde ser avaliada. A hemoptise recorreu em 20 dos 79 pacientes acompanhados por mais de 15 dias. Houve necessidade de nova lavagem com soro fisiológico uma vez em 13 pacientes, duas vezes em seis e três vezes em um paciente. Conclusão: O controle imediato da hemorragia traqueobrônquica com a administração de soro fisiológico gelado através de broncoscopia rígida é efetivo e pode ser repetido em caso de recorrência do sangramento. O procedimento é seguro e permite que o tratamento definitivo possa ser realizado em melhores condições clínicas.

 


Palavras-chave: Hemoptise. Tuberculose. Broncoscopia.

 

7 - Efeitos de programa de exercícios físicos direcionado ao aumento da mobilidade torácica em pacientes portadores de doença pulmonar obstrutiva crônica

Effects of a physical exercises program designed to increase thoracic mobility in patients with chronic obstructive pulmonary disease

Elaine Paulin, Antonio Fernando Brunetto, Celso Ricardo Fernandes Carvalho

J Bras Pneumol.2003;29(5):287-294

Resumo PDF PT

ntrodução: A doença pulmonar obstrutiva crônica acarreta prejuízos na mecânica pulmonar e musculatura periférica. O treinamento físico dos pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica é geralmente voltado à melhora das condições aeróbias e são raros os programas que abordam especificamente as alterações da caixa e musculatura torácicas. Objetivo: Avaliar o efeito de um programa de exercícios físicos direcionados ao aumento da mobilidade da caixa torácica sobre a capacidade funcional e psicossocial de pacientes portadores de doença pulmonar obstrutiva crônica moderada e grave. Método: Foram estudados 30 pacientes portadores de doença pulmonar obstrutiva crônica moderada e grave, divididos aleatoriamente em dois grupos: controle (GC) e tratado (GT). O GC foi submetido a um programa de educação e o GT foi submetido ao mesmo programa educacional e a um programa de exercícios físicos objetivando o aumento da mobilidade torácica. Os efeitos dos programas foram avaliados pela espirometria, mobilidade torácica, qualidade de vida, níveis de ansiedade e depressão e teste da caminhada de seis minutos (TC6). Resultados: Após dois meses de treinamento, somente o GT apresentou aumento na expansibilidade torácica (de 4,20 ± 0,58cm para 5,27 ± 0,58cm; p = 0,05) e no TC6 (de 469,73 ± 31,99m para 500,60 ± 27,38m; p = 0,01). Foi observado também que o GT apresentou melhora na qualidade de vida avaliada pelo St. George's Respiratory Questionnaire (SGRQ) e Chronic Respiratory Questionnaire (CRQ), bem como nos níveis de depressão após dois meses de tratamento. Não houve melhora da função pulmonar em nenhum dos dois grupos estudados. Conclusão: Exercícios direcionados ao aumento da mobilidade da caixa torácica melhoram a expansibilidade torácica, a qualidade de vida e a capacidade submáxima de exercício, bem como reduzem a dispnéia e os níveis de depressão nos pacientes portadores de doença pulmonar obstrutiva crônica.

 


Palavras-chave: DPOC. Mobilidade torácica. Qualidade de vida. Capacidade de exercício. Dispnéia.

 

Aprimoramento

8 - Estudo sobre a eficácia da aerostasia pulmonar, em modelo animal, utilizando diferentes tipos de suturas

Study about the ability of the pulmonary aerostasia, in animal model, using differents parenchymal pulmonary types of the sutures

Darcy Ribeiro Pinto Filho

J Bras Pneumol.2003;29(5):295-301

Resumo PDF PT

Introdução: A busca de um modelo perfeito de aerostasia pulmonar, após cirurgias que envolvam ressecções parciais, permanece um desafio para a prática da cirurgia torácica. Objetivo: Avaliar e comparar, em um modelo animal (suínos), a eficácia de quatro diferentes tipos de sutura pulmonar em manter aerostasia. Método: Estudo experimental, ex vivo, em pulmões de suínos, realizado no biotério da Universidade de Caxias do Sul. Quatro tipos de sutura pulmonares foram avaliadas: tipo 1, sutura manual com fios cirúrgicos absorvíveis; tipo 2, grampeador exclusivo; tipo 3, grampeador recoberto por pericárdio bovino e tipo 4, grampeador recoberto por cola biológica. As suturas foram submetidas a níveis crescentes de pressão, que variaram de 10cmH2O a 60cmH2O. O teste do borracheiro avaliou o hermetismo das suturas. Resultados: A média de pressão em que se observou perda do hermetismo pulmonar foi de 29cmH2O no tipo 1 (n = 10); 38,5cmH2O no tipo 2 (n = 10); 44cmH2O no tipo 3 (n = 10) e 51,4cmH2O no tipo 4 (n = 10). A comparação entre as médias mostrou diferença estatística apenas entre as suturas tipo 1 e as suturas tipo 3 e 4, p = 0,04 e p < 0,01. Conclusão: As suturas pulmonares com grampeadores revestidos por pericárdio bovino ou recobertos por cola biológica, quando comparadas às suturas que utilizaram fio cirúrgico isoladamente, mostraram maior eficácia em manter aerostasia pulmonar em pulmões de suínos. No entanto, não há diferença na eficácia em manter aerostasia pulmonar de suínos, quando se utilizaram suturas com grampeadores isolados ou revestidos por pericárdio bovino ou cola biológica.

 


Palavras-chave: Cirurgia torácica. Cola biológica. Grampeadores.

 

Relato de Caso

9 - Sildenafil no tratamento da hipertensão pulmonar associada a lúpus eritematoso sistêmico e síndrome antifosfolipídio

Sildenafil for treatment of pulmonary hypertension in association with systemic lupus erythematosus and anti-phospholipid syndrome

Eduardo José do Rosário e Souza, Junia Rios Garib, Nasim Michel Garib, Paulo Madureira de Pádua

J Bras Pneumol.2003;29(5):302-304

Resumo PDF PT

Hipertensão pulmonar grave é uma doença debilitante, com expectativa de vida reduzida, que acomete adultos jovens. Complicações pleuropulmonares no lúpus eritematoso sistêmico ocorrem em 50% a 70% dos pacientes. A hipertensão pulmonar grave no lúpus eritematoso sistêmico é rara e tem prognóstico reservado. Descreve-se, pela primeira vez, um paciente com hipertensão pulmonar grave associada a lúpus eritematoso sistêmico e síndrome antifosfolipídio secundário que apresentou boa resposta ao uso do sildenafil oral, após falha do tratamento convencional com corticosteróides, ciclofosfamida, warfarin e diltiazem.

 


Palavras-chave: Vasodilatadores/uso terapêutico. Lúpus eritematoso sistêmico. Anticorpos antifosfolipídios. Inibidores da fosfodiesterase.

 

10 - Resolução do "shunt" direita-esquerda após uso do sildenafil como tratamento de hipertensão pulmonar primária

Resolution of right-to-left shunt after primary pulmonary hypertension treatment with sildenafil

Sérgio Marques da Silva, Carla Bastos Valeri, Humberto Bassit Bogossian, Carlos Jardim, Sérgio Eduardo Demarzo, Rogério Souza

J Bras Pneumol.2003;29(5):305-308

Resumo PDF PT

Hipertensão pulmonar primária é uma doença rara, progressiva e com alta mortalidade, cujo tratamento baseia-se em medicações de alto custo e pouco disponíveis em nosso meio. O sildenafil é um vasodilatador de fácil administração por via oral, com indicação primária para disfunção erétil e que recentemente tem sido descrito como opção terapêutica para a hipertensão pulmonar primária. Relata-se o caso de uma paciente de 21 anos com diagnóstico de hipertensão pulmonar primária, que apresentou piora abrupta da saturação de oxigênio, com abertura do forame oval e shunt direita-esquerda, evidenciados ao ecocardiograma. Foi introduzido sildenafil na dose de 225mg/dia com melhora progressiva da oxigenação e reversão do shunt após 40 dias. Os autores acreditam que o sildenafil seja uma opção no tratamento da hipertensão pulmonar primária, embora estudos clínicos que comprovem sua segurança e eficácia ainda sejam necessários.

 


Palavras-chave: Hipertensão pulmonar/terapia. Vasodilatadores/administração & dosagem.

 

Artigo de Revisão

11 - Síndrome pulmonar e cardiovascular por hantavírus

Hantavirus pulmonary and cardiovascular syndrome

Mariangela Pimentel Pincelli, Carmen Sílvia Valente Barbas, Carlos Roberto Ribeiro de Carvalho, Luiza Terezinha Madia de Souza, Luís Tadeu Moraes Figueiredo

J Bras Pneumol.2003;29(5):309-324

Resumo PDF PT

A síndrome pulmonar e cardiovascular por hantavírus é uma doença de conhecimento relativamente recente e freqüentemente fatal, apresentando-se como síndrome do desconforto respiratório agudo. No Brasil, desde o primeiro surto, relatado em novembro/dezembro de 1993, em Juquitiba, 226 casos já foram registrados pela Fundação Nacional da Saúde. A doença afeta indivíduos previamente hígidos, apresentando-se com pródromo febril e sintomas semelhantes aos de um resfriado comum, podendo rapidamente evoluir para edema pulmonar, insuficiência respiratória aguda e choque. A hemoconcentração e a plaquetopenia são comuns da síndrome pulmonar e cardiovascular por hantavírus, e o quadro radiológico típico é de um infiltrado intersticial bilateral difuso, que progride rapidamente para consolidações alveolares, paralelamente à piora do quadro clínico. A mortalidade inicial era em torno de 75% e declinou para aproximadamente 35%, nos últimos anos. Os pacientes que sobrevivem geralmente recuperam-se completamente, cerca de uma semana após o estabelecimento do quadro respiratório. O agente causal, não reconhecido até há pouco, foi identificado como um hantavírus, cujo reservatório natural são animais roedores da família Muridae, subfamília Sigmodontinae. O tratamento específico antiviral ainda não é bem estabelecido, estando em estudo a eficácia de ribavirina. Cuidados de terapia intensiva como ventilação mecânica e monitoramento hemodinâmico invasivo são necessários nas formas mais graves da doença. Essas medidas, se instituídas precocemente, podem melhorar o prognóstico e a sobrevida dos pacientes com síndrome pulmonar e cardiovascular por hantavírus.

 


Palavras-chave: Síndrome pulmonar por hantavírus/diagnóstico. Infecções por hantavirus/diagnóstico. Brasil.

 

12 - Óxido nítrico inalatório: considerações sobre sua aplicação clínica

Inhaled nitric oxide: clinical application

Gisele Limongeli Gurgueira, Werther Brunow de Carvalho

J Bras Pneumol.2003;29(5):325-331

Resumo PDF PT

O objetivo dos autores é relatar alguns aspectos da aplicação clínica e terapêutica do óxido nítrico inalatório em pediatria. As referências foram obtidas através do Medline® utilizando as palavras-chave: óxido nítrico inalatório e pediatria, e cuidados intensivos. Outras bases de pesquisa utilizadas foram obtidas na biblioteca da universidade e em arquivos pessoais. Na última década, os estudos clínicos com o óxido nítrico inalatório comprovaram sua eficácia somente em situações específicas e associação a uma variedade de efeitos adversos. A toxicidade do óxido nítrico inalatório inclui metahemoglobinemia, efeitos citotóxicos pulmonares, produção aumentada de dióxido de nitrogênio e peroxinitrito e alterações no sistema surfactante pulmonar. A administração do óxido nítrico inalatório a pacientes com disfunção ventricular esquerda grave e hipertensão pulmonar deve ser extremamente cautelosa, pois a vasodilatação determina elevação do fluxo sanguíneo pulmonar, podendo aumentar muito a pré-carga. Alguns estudos observaram efeitos clínicos relacionados com a retirada abrupta do óxido nítrico inalatório, como a hipertensão pulmonar rebote. Atualmente, de acordo com a literatura médica, o uso do óxido nítrico inalatório está aprovado na hipertensão pulmonar persistente do neonato (idade gestacional igual a ou acima de 34 semanas) para melhorar a oxigenação e evitar a necessidade de oxigenação por membrana extracorpórea e nas cardiopatias congênitas acompanhadas de hipertensão pulmonar, principalmente durante o pós-operatório imediato. Até hoje algumas pesquisas pediátricas e estudos multicêntricos em adultos não conseguiram demonstrar redução na mortalidade e no tempo de ventilação pulmonar mecânica com o uso do óxido nítrico inalatório na síndrome do desconforto respiratório agudo e na lesão pulmonar aguda. Investigações futuras são necessárias para esse uso. A hipertensão pulmonar persistente é a indicação mais importante para o uso do óxido nítrico inalatório. A Food and Drug Administration não aprova o uso do óxido nítrico inalatório para síndrome do desconforto respiratório agudo em crianças e adultos.

 


Palavras-chave: Óxido nítrico/uso terapêutico. Hipertensão pulmonar. Cuidados críticos. Pediatria.

 

Ano 2003 - Volume 29  - Número 6  (Novembro/Dezembro)

Editorial

1 - O espírito do Jornal de Pneumologia

Geraldo Lorenzi-Filho

J Bras Pneumol.2003;29(6):335-

PDF PT


2 - Prevendo a sobrevida da fibrose pulmonar idiopática: estamos melhorando?

Harold R. Collard, Talmadge E. King Jr.

J Bras Pneumol.2003;29(6):336-337

PDF PT


3 - Perfil dos pacientes portadores de Mycobacterium SP

Afrânio Lineu Kritski

J Bras Pneumol.2003;29(6):338-339

PDF PT


Artigo Original

4 - Pneumopatia causada por Mycobacterium kansasii

Lung disease caused by Mycobacterium kansasii

Nelson Morrone, Maria do Carmo Cruvinel, Nelson Morrone Junior, José Antonio dos Santos Freire, Lilia Maria Lima de Oliveira, Carla Gonçalves

J Bras Pneumol.2003;29(6):341-349

Resumo PDF PT

ntrodução: O Mycobacterium kansasii é uma micobactéria não tuberculosa que pode causar colonização ou infecção pulmonar. Objetivo: Relatar experiência com doença pulmonar causada pelo M. kansasii em uma série de seis pacientes diagnosticados ao longo de cinco anos. Método: Entre junho de 1995 e junho de 2000 foram admitidos 1.349 pacientes no Dispensário do Ipiranga Ari Nogueira da Silva-Sanatorinhos, com o diagnóstico de tuberculose pulmonar, dos quais seis tiveram cultura positiva para M. kansasii. Resultados: Cinco pacientes eram homens e a idade variou entre 25 e 77 anos. Todos apresentavam pneumopatia crônica e eram sintomáticos respiratórios com teste negativo para síndrome de imunodeficiência humana. As radiografias de tórax eram compatíveis com a presença de doença pulmonar prévia: cavidades de paredes finas foram notadas em todos e espessamento pleural subjacente às cavidades foi observado em dois pacientes. Todos foram tratados inicialmente com isoniazida, rifampicina, pirazinamida (INH-RMP-PZA) e etambutol (EMB) foi introduzido precocemente em dois pacientes por intolerância à pirazinamida, enquanto que em outros dois a introdução foi feita ao ser conhecido o resultado da cultura. Todos os pacientes foram tratados por mais de nove meses, tendo sido observada recidiva em um deles. Um paciente com silicose faleceu após dois anos por insuficiência respiratória, depois de ter sido considerado curado. Conclusões: A micobacteriose por M. kansasii foi encontrada com baixa freqüência, podendo estar relacionada às características dos pacientes encaminhados ao nosso serviço. O esquema INH-RMP-PZA, com substituição eventual da PZA por etambutol, mostrou sucesso terapêutico.

 


Palavras-chave: Mycobacterium kansasii. Pneumopatias. Insuficiência respiratória.

 

Editorial

4 - Quem espera nem sempre alcança

Daniel Deheinzelin

J Bras Pneumol.2003;29(6):340-

PDF PT


Artigo Original

6 - Fatores associados aos tratamentos inadequados em grupo de portadores de tuberculose multirresistente

Factors associated with inadequate treatment in a group of patients with multidrug-resistant tuberculosis

Elizabeth Clara Barroso, Rosa Maria Salani Mota, Maria Filomena Martiniano Morais, Creusa Lima Campelo, Joana Brasileiro Barroso, Jorge Luis Nobre Rodrigues

J Bras Pneumol.2003;29(6):350-357

Resumo PDF PT

Introdução: A tuberculose multirresistente é uma ameaça ao controle da tuberculose em todo o mundo. Tratamento inadequado é freqüentemente apontado como fator de risco para tuberculose multirresistente. Objetivo: Identificar fatores associados ao tratamento inadequado em portadores de tuberculose multirresistente. Método: Foram levantados e identificados os testes de sensibilidade para tuberculose, realizados no Laboratório Central do Estado do Ceará de 1990 a 1999. Foi realizado um estudo retrospectivo e prospectivo, em grupo de portadores de tuberculose multirresistente, comparando as características dos pacientes com tratamento adequado com as dos com tratamentos inadequados. Foi considerado multirresistente o bacilo resistente a pelo menos rifampicina + isoniazida e utilizado o método das proporções. Resultados: Dos 1.500 testes de sensibilidade realizados, 266 eram multirresistentes. Destes, identificaram-se apenas 153 pacientes, dos quais 19 foram excluídos, restando, no estudo, 134 pacientes. Pela análise univariada os fatores associados significativamente ao tratamento inadequado foram: não-adesão ao tratamento, pobreza extrema, intolerância medicamentosa, falha no atendimento, falta de medicação, dois ou mais tratamentos anteriores, lesões radiológicas bilaterais e grandes cavidades pulmonares. Foi encontrada ainda associação (p < 0,001) de alcoolismo e/ou tabagismo com a não-adesão. Na análise multivariada, permaneceram associados ao tratamento inadequado: dois ou mais tratamentos anteriores (p < 0,0001, OR = 5,9; IC 95%: 2,5-13,7), grandes cavidades pulmonares (p < 0,0217, OR = 2,7; IC 95%: 1,2-6,1) e lesões radiológicas bilaterais (p < 0,0226, OR = 3,2; IC 95%: 1,4-7,4). Conclusão: Neste estudo, observou-se que os fatores associados aos tratamentos inadequados são de grande abrangência. Deve existir uma tentativa para controlar melhor a doença, principalmente nos pacientes em retratamento e nos portadores de grandes cavidades e/ou lesões bilaterais na radiografia torácica.

 


Palavras-chave: Tuberculose resistente a múltiplas drogas. Fatores de risco.

 

7 - Retardo no diagnóstico e no tratamento cirúrgico do câncer de pulmão

Delay in the diagnosis and surgical treatment of lung cancer

Marli Maria Knorst, Rodrigo Dienstmann, Luciane Pankowski Fagundes

J Bras Pneumol.2003;29(6):358-364

Resumo PDF PT

Introdução: O câncer de pulmão é a principal causa de morte relacionada a câncer no mundo. Objetivo: Determinar o tempo despendido com o diagnóstico, o estadiamento e o tratamento cirúrgico do câncer de pulmão em um hospital universitário. Método: Entre janeiro de 1990 e dezembro de 1998, 69 pacientes receberam diagnóstico de câncer de pulmão e foram tratados com cirurgia no Hospital das Clínicas de Porto Alegre. Os prontuários destes pacientes (53 homens e 16 mulheres) foram revisados, sendo coletados dados clínicos, histológicos, datas de consultas ambulatoriais, de internação hospitalar, de exames e de procedimentos, assim como o local de investigação. Resultados: Quinze pacientes foram investigados em ambulatório (grupo I), 28 em ambulatório e durante internação (grupo II) e 26 durante internação (grupo III). A idade dos pacientes variou entre 43 e 79 anos (média de 61 ± 10 anos). Quarenta e três pacientes eram tabagistas atuais e 23 ex-tabagistas. O tempo médio do aparecimento dos sintomas até a primeira consulta foi de 110 dias e da primeira consulta até o diagnóstico foi de 33 dias. Vinte e cinco dias transcorreram entre o diagnóstico e a cirurgia. A média de tempo da primeira consulta até a cirurgia (tempo total) foi de 58 dias. A média do tempo total foi de 72 dias no grupo I, 72 dias no grupo II e 35 dias no grupo III (p < 0,01). Não houve diferença significativa no tempo total, considerando-se os diferentes estádios da doença (p = 0,16). Conclusões: Os resultados mostraram retardo na procura de atendimento médico e retardo adicional no tratamento do câncer de pulmão em pacientes cuja investigação foi ambulatorial.

 


Palavras-chave: Neoplasias pulmonares/cirurgia. Avanços da doença.

 

8 - Perfil e seguimento dos pacientes portadores de Mycobacterium sp. do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais

Profile and follow-up of patients with Mycobacterium sp. at the Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais

Giselle Carvalho Froes, Rosane Luiza Coutinho, Marcelo Nardy de Ávila, Leandra Rocha Cançado, Silvana Spíndola de Miranda

J Bras Pneumol.2003;29(6):365-370

Resumo PDF PT

ntrodução: Em levantamentos feitos no Laboratório de Micobactérias do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais, em anos anteriores, constatou-se que cerca de 42% dos pacientes portadores de micobacterioses não haviam iniciado o tratamento por desconhecerem o diagnóstico. Objetivo: Avaliar o perfil dos pacientes portadores de micobacterioses do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais. Descrever o seguimento desses pacientes e sua inserção no sistema de saúde, comparando com a proposta do Programa Nacional de Controle da Tuberculose. Método: A partir dos registros do Laboratório Central do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais de janeiro a dezembro de 2002, os autores selecionaram os pacientes com diagnóstico bacteriológico de micobacterioses e efetuaram a busca ativa e o seguimento desses pacientes. Resultados: De um total de 66 pacientes, 62 (94%) tinham cepas do Mycobacterium tuberculosis e quatro (6%), micobactéria não tuberculosa; quatro desses 62 pacientes (6%) foram transferidos para outras instituições. Após a busca ativa, de um total de 58 pacientes, 37 (63%) estavam curados, 11 (19%) faleceram, sendo que destes, sete (64%) eram positivos para o vírus da imunodeficiência humana (HIV), um (2%) recusou tratamento e nove (16%) não foram encontrados. Conclusão: Não foi a falta de diagnóstico o que impossibilitou o paciente de receber seu tratamento e, sim, uma estrutura inadequada, com baixa conscientização de todos os envolvidos, demonstrando a desorganização no controle da tuberculose em nível hospitalar. A cura dos pacientes foi aquém da exigida pelo Ministério da Saúde, devido à grande quantidade de soropositivos para o HIV. Os óbitos foram relacionados ao HIV e ao desconhecimento da doença. É fundamental que os profissionais que atuam em nível laboratorial realizem pesquisas operacionais em tuberculose em conjunto com profissionais da área clínica, pois somente dessa forma serão identificadas respostas aos problemas da prática clínico-laboratorial em nosso meio.

 


Palavras-chave: Tuberculose/diagnóstico. Micobacteriose/complicações.

 

9 - Achados histológicos e sobrevida na fibrose pulmonar idiopática

Histological features and survival in idiopathic pulmonary fibrosis

Ester Nei Aparecida Martins Coletta, Carlos Alberto de Castro Pereira, Rimarcs Gomes Ferreira, Adalberto Sperb Rubin, Lucimara Sonja Villela, Tatiana Malheiros, João Norberto Stávale

J Bras Pneumol.2003;29(6):371-378

Resumo PDF PT

Introdução: A fibrose pulmonar idiopática foi recentemente redefinida como pneumonia intersticial usual de etiologia desconhecida. O valor prognóstico dos achados histológicos deve ser reavaliado. Objetivo: Neste estudo foram correlacionados os achados histológicos e alguns dados clínicos e funcionais (duração dos sintomas, capacidade vital forçada, idade, sexo, hábito de fumar) com a sobrevida. Método: Foram estudados 51 pacientes portadores de fibrose pulmonar idiopática. A média de idade foi de 66 ± 8 anos. Vinte e um pacientes eram do sexo feminino; 26 eram fumantes ou ex-fumantes. Todos apresentavam quadro de pneumonia intersticial usual na histologia. Grau de faveolamento, fibrose estabelecida, descamação, celularidade, espessamento vascular miointimal e focos fibroblásticos foram graduados por método semiquantitativo. Resultados: A mediana do tempo de sintomas foi de 12 meses e a capacidade vital forçada inicial foi de 72 ± 21%. Por análise de risco proporcional de Cox, a sobrevida correlacionou-se, de maneira significativa (p < 0,05) e inversa, com o tempo de história, com a extensão dos focos fibroblásticos e com o espessamento miointimal da parede dos vasos. Focos fibroblásticos esparsos e espessamento miointimal envolvendo menos de 50% dos vasos foram preditivos de maior sobrevida. Sexo, idade, capacidade vital forçada, grau de inflamação e celularidade não se correlacionaram com a sobrevida. Conclusão: A análise semiquantitativa da biópsia pulmonar em portadores de fibrose pulmonar idiopática fornece informações prognósticas relevantes.

 


Palavras-chave: Fibrose pulmonar. Doenças pulmonares intersticiais. Análise de sobrevivência.

 

10 - Efeitos da suplementação oral de L-carnitina associada ao treinamento físico na tolerância ao exercício de pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica

Influence of oral L-carnitine supplementation combined with physical training on exercise tolerance in patients with chronic obstructive pulmonary disease

Audrey Borghi Silva, Valéria Amorim Pires Di Lorenzo, Maurício Jamami, Luciana Maria Malosá Sampaio, Aureluce Demonte, Leonardo Cardello, Dirceu Costa

J Bras Pneumol.2003;29(6):379-385

Resumo PDF PT

ntrodução: Pacientes portadores de doença pulmonar obstrutiva crônica apresentam redução da tolerância ao exercício físico, principalmente devido à limitação ventilatória. A L-carnitina tem sido utilizada com o objetivo de melhorar a capacidade aeróbia de pacientes com doenças crônicas, porém não existem estudos em pacientes portadores de doença pulmonar obstrutiva crônica. Objetivo: Avaliar a influência da suplementação de L-carnitina, associada ao treinamento físico por seis semanas, três vezes por semana em pacientes portadores de doença pulmonar obstrutiva crônica. Método: A amostra foi constituída de 30 pacientes portadores de doença pulmonar obstrutiva crônica (69 ± 7 anos) com volume expiratório forçado no primeiro segundo < 65% do previsto, dividida em três grupos de 10 pacientes: grupo 1 com treinamento físico e suplementação com 2g/dia de L-carnitina, grupo 2 que recebeu treinamento físico e placebo e grupo 3 que não foi submetido a treinamento físico e recebeu 2g/dia de L-carnitina. Os pacientes foram submetidos a avaliação espirométrica, a teste de caminhada de seis minutos e à mensuração dos níveis plasmáticos de carnitina livre no inicio e no final do estudo. Resultados: Foi constatado aumento significativo (p < 0,05) da distância percorrida no teste de caminhada de seis minutos somente nos pacientes dos dois primeiros grupos (de 421 ± 100 para 508 ± 80,7 e de 496 ± 78,7 para 526 ± 64,3 respectivamente). Além disso, com intensidade de exercício semelhante, a subida da freqüência cardíaca foi menor no grupo 1 quando comparado com o grupo 2. As variáveis espirométricas, a saturação da oxihemoglobina e a dispnéia não se alteraram em nenhum dos grupos estudados. Os valores de L-carnitina livre no plasma aumentaram somente nos pacientes do terceiro grupo (59,2 ± 13,8 para 102,3 ± 15,32mmol/L). Conclusão: A L-carnitina associada ao treinamento físico pode proporcionar maior tolerância ao exercício em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica.

 


Palavras-chave: Pneumopatias obstrutivas. Carnitina/uso terapêutico. Exercício. Espirometria/métodos. Caminhada.

 

11 - Interferência da coloração de esmaltes de unha e do tempo na oximetria de pulso em voluntários sadios

Interference of nail polish colors and time on pulse oximetry in healthy volunteers

Mara Harumi Miyake, Solange Diccini, Ana Rita de Cássia Bettencourt

J Bras Pneumol.2003;29(6):386-390

Resumo PDF PT

Introdução: A oximetria de pulso é um método não invasivo de mensuração da saturação periférica da oxiemoglobina (SpO2). É freqüentemente utilizado em unidades de emergência, de terapia intensiva e em centro cirúrgico. A leitura da oximetria de pulso tem acurácia limitada na presença de metaemoglobina, carboxiemoglobina, anemia, vasoconstrição periférica, esmalte de unha, luz fluorescente e movimentação. Objetivo: Avaliar a interferência da coloração de esmalte de unha e do tempo sobre a SpO2 em indivíduos sadios. Método: Participaram do estudo 61 voluntárias sadias, com idades entre 18 e 32 anos. Foi avaliada SpO2 nas seguintes colorações de esmaltes: base (dedo mínimo), rosa claro (dedo anular), rosa claro com cintilante (dedo médio) e vermelha (polegar). O indicador não recebeu esmalte. Foi analisado o tempo para cada coloração de esmalte, a cada minuto até completar cinco minutos. Resultados: Quando comparadas as medidas da SpO2 com o controle, as colorações base (p = 0,56), rosa claro (p = 0,56) e rosa claro com cintilante (p = 0,37) não apresentaram diferença estatisticamente significante. A SpO2 apresentou variação significante na cor vermelha (p < 0,001), porém manteve-se dentro dos parâmetros de normalidade. Não houve variação significativa da SpO2 ao longo do tempo. Conclusão: Apesar da diferença encontrada com o uso de esmalte vermelho, todas as medidas da SpO2 obtidas encontraram-se dentro do intervalo de normalidade, para indivíduos normais. A análise de cada cor de esmalte de unha em relação ao tempo mostrou que não houve variação na leitura da SpO2 .

 


Palavras-chave: Esmalte de unha. Saturação de oxigênio. Oximetria de pulso.

 

Relato de Caso

12 - Granulomatose broncocêntrica idiopática em jovem não asmática

Idiopathic bronchocentric granulomatosis in a nonasthmatic young woman

José Wellington Alves dos Santos, Carlos Renato Mello, Gustavo Trindade Michel, Claudius Wladimir Cornelius de Figueiredo, Jader Miletho, Alessandro Zordan

J Bras Pneumol.2003;29(6):391-394

Resumo PDF PT

Granulomatose broncocêntrica é um achado histopatológico descritivo, caracterizado pela inflamação granulomatosa necrosante, centrada em brônquios e bronquíolos, e que ocorre associada a doenças infecciosas, imunológicas e neoplásicas, ou de forma idiopática. Este trabalho relata o caso de uma jovem não asmática de 26 anos com dor torácica, febre e tosse produtiva havia um mês, que apresentou consolidação e cavitação em segmento lingular, observadas na radiografia e na tomografia computadorizada de tórax. Punção aspirativa transbrônquica evidenciou lesão inflamatória inespecífica, sem etiologia identificada. O exame histológico de material obtido por biópsia pulmonar a céu aberto foi compatível com granulomatose broncocêntrica idiopática. Após tratamento com prednisona, houve melhora clínica, sem recidivas.

 


Palavras-chave: Granulomatose broncocêntrica. Brônquios. Aspergilose broncopulmonar alérgica. Prednisona/uso terapêutico.

 

13 - Pneumonite intersticial em paciente sob tratamento com leflunomide: toxicidade da droga?

Interstitial pneumonia in a patient undergoing treatment with leflunomide: drug-induced toxicity?

Jonatas Reichert, Adriane Reichert, Luci Iolanda Bendhack, Lucia de Noronha, Dante Escuissato, Acir Rachid Filho

J Bras Pneumol.2003;29(6):395-400

Resumo PDF PT

O leflunomide é uma droga anti-reumática com ação imunomoduladora. Pneumonia intersticial granulomatosa nunca foi descrita com o uso de leflunomide. Relata-se o caso de uma mulher de 33 anos que apresentou dor torácica, emagrecimento e síndrome infecciosa respiratória no quinto mês de monoterapia com leflunomide para artrite reumatóide, progredindo para insuficiência respiratória no sexto mês. A radiografia de tórax revelou infiltrado pulmonar intersticial e alveolar bilateral predominando em lobos superior e médio, micronódulos esparsos e ausência de alterações mediastinais. Suspendeu-se o leflunomide. Após a resolução da infecção persistiram lesões intersticiais retículo-nodulares predominantemente na periferia dos terços superiores do pulmão direito e terço médio do pulmão esquerdo, entremeadas por padrão de vidro fosco em lobos superiores. Biópsia pulmonar a céu aberto revelou granulomas tuberculóides sem necrose central. Foi realizada extensa investigação etiológica, que resultou negativa. Ocorreu resolução espontânea do quadro após quatro meses. O quadro sugere que as manifestações pulmonares neste caso foram causadas pelo leflunomide.

 


Palavras-chave: Doenças pulmonares intersticiais/induzido quimicamente. Pulmão/efeito de drogas.

 

14 - Hemorragia alveolar associada a nefrite lúpica

Alveolar hemorrhage associated with lupus nephritis

Ricardo Henrique de Oliveira Braga Teixeira, Marcel Hiratsuka, Flávia Calderini Rosa, Rogério Souza, Carlos Roberto Ribeiro de Carvalho

J Bras Pneumol.2003;29(6):401-404

Resumo PDF PT

Hemorragia alveolar, como causa de insuficiência respiratória, é pouco freqüente, com diversas etiologias possíveis. Entre elas, o lúpus eritematoso sistêmico, que se apresenta geralmente como síndrome pulmão-rim, possui alta morbimortalidade. Acredita-se que a patogênese da microangiopatia, tanto renal como pulmonar, esteja associada ao depósito de imunocomplexos, que ativariam as vias de apoptose celular. Relatam-se dois casos de pacientes com nefrite lúpica que evoluíram com hemorragia alveolar associada à insuficiência respiratória necessitando de ventilação mecânica com evoluções totalmente distintas frente às terapias farmacológicas. O achado de anticorpos antimembrana basal em um dos casos evidencia a multiplicidade de mecanismos fisiopatológicos possivelmente envolvidos, que poderiam justificar as respostas heterogêneas frente aos tratamentos disponíveis.

 


Palavras-chave: Lúpus eritematoso sistêmico/etiologia. Nefrite lúpica/etiologia. Insuficiência respiratória/complicações.

 

Artigo de Revisão

15 - Inibidores de fosfodiesterases: novas perspectivas de uma antiga terapia na asma?

Phosphodiesterase inhibitors: new perspectives on an old therapy for asthma?

Hisbello Campos, Debora Xisto, Walter A. Zin, Patricia R.M. Rocco

J Bras Pneumol.2003;29(6):405-412

Resumo PDF PT

A asma é uma doença inflamatória crônica com níveis variados de obstrução ao fluxo aéreo e diferentes formas de apresentação. Seu tratamento vem sendo modificado com a evolução do conhecimento sobre sua patogenia. A inflamação das vias aéreas, que é modulada por determinantes genéticos e ambientais, resulta na alteração definitiva da arquitetura da via aérea (remodelamento). O padrão inflamatório da asma é de natureza multicelular, envolvendo mastócitos, neutrófilos, eosinófilos, linfócitos T, células musculares e epiteliais. Diversas citocinas e quimiocinas contribuem para a orquestração do processo inflamatório. O reconhecimento do papel crítico da inflamação, que está associada à gravidade da doença, vem direcionando o eixo do tratamento para a prevenção ou para o bloqueio das alterações inflamatórias. Nesse sentido, além dos agentes b2-adrenérgicos, da teofilina e dos corticosteróides, novos fármacos vêm sendo estudados. Dentre eles, os inibidores específicos de fosfodiesterases vêm apresentando resultados promissores. A partir dos resultados obtidos com a segunda geração dessas substâncias, pode-se imaginar que, em breve, elas representarão uma nova opção para o tratamento da asma.

 


Palavras-chave: Inibidores de fosfodiesterase/uso terapêutico. Mediadores da inflamação. Asma/patologia.

 

16 - Abordagem diagnóstica da tosse crônica em pacientes não-tabagistas

Chronic cough in non-smokers: diagnostic approach

Márcia Jacomelli, Rogério Souza, Wilson Leite Pedreira Júnior

J Bras Pneumol.2003;29(6):413-420

Resumo PDF PT

A tosse, como mecanismo fisiológico, tem fundamental importância na remoção das secreções respiratórias, constituindo, assim, um dos mecanismos de defesa pulmonar. No entanto, os quadros de tosse crônica constituem uma das principais causas de procura por assistência médica no mundo, o que ressalta o significado da correta identificação e tratamento dos fatores desencadeantes e/ou perpetuadores. Dentre os vários fatores relacionados aos quadros de tosse crônica, alguns assumem papel de relevada importância, tais como o refluxo gastroesofágico, a rinorréia posterior ou a asma, já que, isolada ou conjuntamente, constituem cerca de 95% das causas. O passo fundamental para o sucesso terapêutico nos quadros de tosse crônica é uma abordagem diagnóstica racional, que investigue a tosse crônica de maneira progressiva, permitindo, assim, a instituição do tratamento de forma mais custo-efetiva. Para isso, a proposta de um algoritmo a ser seguido serve como base para essa investigação inicial.

 


Palavras-chave: Tosse crônica. Algoritmo diagnóstico. Asma. Gotejamento posterior. Refluxo gastroesofágico.

 

 


O Jornal Brasileiro de Pneumologia está indexado em:

Latindex Lilacs SciELO PubMed ISI Scopus Copernicus pmc

Apoio

CNPq, Capes, Ministério da Educação, Ministério da Ciência e Tecnologia, Governo Federal, Brasil, País Rico é País sem Pobreza
Secretaria do Jornal Brasileiro de Pneumologia
SCS Quadra 01, Bloco K, Salas 203/204 Ed. Denasa. CEP: 70.398-900 - Brasília - DF
Fone/fax: 0800 61 6218/ (55) (61) 3245 1030/ (55) (61) 3245 6218
E-mails: jbp@jbp.org.br
jpneumo@jornaldepneumologia.com.br

Copyright 2017 - Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia

Logo GN1