Jornal Brasileiro de Pneumologia

ISSN (on-line): 1806-3756

ISSN (impressa): 1806-3713

SCImago Journal & Country Rank
Busca avançada

Ano 2001 - Volume 27  - Número 1  (Janeiro/Fevereiro)






Editorial

1 - Jornal de Pneumologia: agora também on-line

Thais Helena A. Thomaz Queluz

J Bras Pneumol.2001;27(1):5-7

PDF PT


Artigo Original

2 - Bronquiectasia localizada e multissegmentar: perfil clínico-epidemiológico e resultado do tratamento cirúrgico em 67 casos

Localized and multisegmental bronchiectasis: clinical-epidemiological profile and surgical treatment results in 67 cases

Antero Gomes Neto, Marcos Lima de Medeiros, José Mauro Mendes Gifoni

J Bras Pneumol.2001;27(1):1-6

Resumo PDF PT English Text

A bronquiectasia, doença rara no Primeiro Mundo, tem alta prevalência nos países em desenvolvimento. No Brasil, as principais causas são infecções respiratórias, virais ou bacterianas na infância e tuberculose. A antibioticoterapia diminui consideravelmente a morbidade, mas nos pacientes com sintomatologia persistente, a ressecção cirúrgica oferece maior possibilidade de cura ou melhor qualidade de vida. Objetivos: Avaliar prospectivamente o perfil clínico-epidemiológico de pacientes com bronquiectasia e o resultado do tratamento cirúrgico em dois hospitais da rede pública de saúde de Fortaleza (CE), na região Nordeste do Brasil. Casuística e método: Foram estudados dados demográficos, etiologia da doença e complicações e sucesso terapêutico da cirurgia de 67 portadores de bronquiectasia operados de agosto de 1989 a março de 1999. Resultados: Os pacientes, 39 mulheres e 28 homens, tinham idade média de 32,5 ± 14,1 anos e as causas mais freqüentes da bronquiectasia foram infecções bacterianas ou virais (44,8%) e tuberculose (31,3%). A doença era localizada em 46 pacientes e multissegmentar em 21, sendo bilateral em seis. Não houve óbito cirúrgico e as complicações pós-operatórias foram mais freqüentes nos pacientes com bronquiectasia multissegmentar (9/21 versus 6/46, p = 0,011). Dos 62 pacientes com seguimento, 49 foram curados, dez melhoraram e três não obtiveram benefícios. O resultado foi excelente em 39 pacientes com doença localizada e em dez com doença multissegmentar (p < 0,001). Conclusão: O resultado mostra dois grupos distintos de pacientes: os com bronquiectasia localizada, que apresentam menos complicações cirúrgicas e melhores resultados pós-operatórios, e os com bronquiectasia multissegmentar.

 


Palavras-chave: Bronquiectasia. Perfis epidemiológicos. Diagnóstico clínico. Resultado de tratamento. Procedimentos cirúrgicos operatórios.

 

3 - Aprendizado do uso do inalador dosimetrado após explicação por pneumologista

Metered-dose inhaler technique learning after explanation given by pulmonologist

Alessandra Sandrini, Andréia Jacomossi, Sonia Maria Farensin, Ana Luisa Godoy Fernandes, José Roberto Jardim

J Bras Pneumol.2001;27(1):7-10

Resumo PDF PT English Text

Introdução: O uso do inalador dosimetrado para administração de drogas inalatórias tem sido preconizado há vários anos. Apesar disso, um grande número de pacientes deixa de ser tratado por essa via de administração. Médicos deixam de prescrever drogas inalatórias por esse dispositivo por acreditar que os pacientes serão incapazes de realizar a técnica corretamente. Por outro lado, os médicos não despendem tempo apropriado para ensinar a técnica correta de uso dos inaladores dosimetrados. Objetivo: Avaliar a percentagem de pacientes, nunca ensinados a usar inalador dosimetrado, que aprendem a utilizar corretamente este dispositivo, após explicação fornecida por pneumologista. Material e métodos: Foram estudados, prospectivamente, 119 pacientes em uma clínica privada em São Paulo. Os pacientes eram ensinados exaustivamente a utilizar o dispositivo na primeira consulta e orientados a retornar em dez dias, quando eram solicitados a realizar a técnica exatamente como estavam fazendo no domicílio. Foi classificada em quatro categorias a técnica de uso: correto, pouco errado, erro intermediário, muito errado. Resultados: Foram excluídos 26 pacientes, devido ao não comparecimento à consulta de retorno no tempo previsto. A amostra resultou em 93 pacientes. A idade dos pacientes variou de 9 a 81 anos, com média de 42,6 (± 21) anos; 59,2% eram do sexo masculino e 40,8% do feminino. Após dez dias, 45 pacientes (48,4%) realizaram a técnica correta. Usaram de forma totalmente errada o inalador dosimetrado 16,2% dos pacientes; 19,3% apresentaram técnica pouco errada e 16,2%, erro intermediário. Os erros mais freqüentes foram: colocação do dispositivo dentro da boca; inspiração antes de acionar o jato; inspiração rápida; inspiração pelo nariz. Apenas 33,3% dos pacientes abaixo de 15 anos e acima de 75 anos souberam realizar a técnica de forma totalmente correta. Conclusão: Este estudo demonstrou que a maioria dos pacientes aprende a usar corretamente ou quase corretamente a medicação por esse dispositivo após uma primeira explicação, desde que exaustivamente ensinada.

 


Palavras-chave: Nebulizadores e vaporizadores. Administração por inalação. Aprendizagem.

 

4 - Apresentação clínica da alergia ao leite de vaca com sintomatologia respiratória

Clinical presentation of cow milk allergy symptoms

Fábio Ferreira de Carvalho Junior

J Bras Pneumol.2001;27(1):17-24

Resumo PDF PT English Text

Os alérgenos do leite de vaca são os primeiros antígenos a entrar em contato com a criança. A sintomatologia, em geral multissistêmica, pode estar relacionada ao trato gastrointestinal, à pele e, raramente, ao aparelho respiratório. Objetivo: Descrever algumas características clínicas e epidemiológicas de crianças com alergia ao leite de vaca com sintomas respiratórios. Casuística e método: Foram avaliadas retrospectivamente 17 crianças com acometimento do trato respiratório imediato à ingestão de leite de vaca que, com a exclusão deste tipo de alimento por quatro a seis semanas, se tornaram assintomáticas e, posteriormente, voltaram a apresentar sintomas respiratórios com a reintrodução, em ambiente hospitalar, do leite de vaca. Resultados: Não houve diferença quanto ao sexo e 14 das 17 crianças tinham antecedentes atópicos familiares. O tempo médio do aleitamento materno exclusivo foi de 2,9 meses e o do início dos sintomas, de 3,6 meses. Oito dos dez testes de hipersensibilidade cutânea imediata ao leite de vaca foram positivos. As manifestações clínicas foram: lactente chiador (nove), asma (cinco), otite de repetição (duas), deficiência seletiva de IgA associada com broncoespasmo (duas), rinoconjuntivite alérgica (uma). Conclusão: Em lactentes chiadores a alergia ao leite de vaca deve ser incluída no diagnóstico diferencial e em pacientes com antecedentes familiares atópicos deve ser estimulado o aleitamento materno exclusivo. Entretanto, o diagnóstico preciso é importante para evitar privações alimentares desnecessárias.

 


Palavras-chave: Hipersensibilidade ao leite. Substitutos do leite humano. Sinais e sintomas respiratórios. Doenças respiratórias.

 

5 - Sensibilidade a antimicrobianos de bactérias isoladas do trato respiratório de pacientes com infecções respiratórias adquiridas na comunidade: resultados brasileiros do Programa SENTRY de Vigilância de Resistência a Antimicrobianos dos anos de 1997 e 1

usceptibility to respiratory tract isolated bacteria to antimicrobial agents in patients with community-acquired respiratory tract infections: 1997 and 1998 Brazilian data of the SENTRY surveillance program of resistance to antimicrobial agents

Hélio S. Sader, Ana C. Gales, Adriana O. Reis, Cassia Zoccoli, Jorge Sampaio, Ronald N. Jones

J Bras Pneumol.2001;27(1):25-34

Resumo PDF PT English Text

O tratamento da pneumonia adquirida na comunidade (PAC) é habitualmente empírico e o uso de antimicrobianos é baseado em estudos de vigilância. O programa SENTRY foi desenhado para monitorar a resistência a antimicrobianos através de uma rede internacional de laboratórios. Três centros no Brasil participaram do Programa SENTRY em 1997 e em 1998. Métodos: Um total de 344 isolados bacterianos coletados de pacientes com PAC em 1997 e 1998 foram testados contra mais de 20 agentes antimicrobianos pelo método de microdiluição em caldo. Resultados: Entre os S. pneumoniae (176 isolados), 71,6% foram sensíveis à penicilina. Alto nível de resistência à penicilina e resistência à cefotaxima foram encontrados em 2,3 e 4,0%, respectivamente. As novas quinolonas levofloxacina (MIC90, 2mg/mL) e gatifloxacina (MIC90, 0,5mg/mL) foram ativas contra 100% dos isolados testados. Entre os outros antimicrobianos não b-lactâmicos testados, os mais ativos foram (% de sensibilidade): cloranfenicol (97,5%) > clindamicina (94%) > azitromicina (90,3%) > claritromicina (89,4%) > tetraciclina (76,4%) > sulfametoxazol/trimetoprim (60,2%). A percentagem de Haemophilus influenzae (101 isolados) resistentes à amoxicilina foi de 90,1%, enquanto entre Moraxella catarrhalis (67 isolados) somente 9,0% foram sensíveis. O ácido clavulânico restaurou a atividade de amoxicilina contra H. influenzae e M. catarrhalis. Porém, H. influenzae demonstrou níveis aumentados de resistência para sulfametoxazol/trimetoprim (55,1% de sensibilidade), claritromicina (80,4% de sensibilidade) e cefaclor (88,2% de sensibilidade). Todos os isolados de H. influenzae e M. catarrhalis foram sensíveis à levofloxacina (MIC90, £ 0,5mg/mL para ambos) e gatifloxacina (MIC90, £ 0,06mg/mL para ambos) apresentando MICs muito baixos. Conclusões: Os resultados indicam que a prevalência de S. pneumoniae com alto grau de resistência à penicilina é ainda baixa no Brasil; porém, a prevalência de S. pneumoniae com resistência intermediária à penicilina e resistência cruzada a outras classes de antimicrobianos é relativamente alta em nosso meio. Por outro lado, as novas quinolonas são altamente ativas contra S. pneumoniae e outros patógenos responsáveis por infecções respiratórias adquiridas na comunidade.

 


Palavras-chave: Infecções respiratórias. Pneumonia bacteriana. Resistência microbiana a drogas. Avaliações de programas. Vigilância de resistência. Teste de sensibilidade.

 

6 - Resposta a broncodilatador na espirometria: que parâmetros e valores são clinicamente relevantes em doenças obstrutivas?

Spirometric response to bronchodilators: which parameters and values are clinically relevant in obstructive diseases?

Roberto Rodrigues Jr., Carlos Alberto de Castro Pereira

J Bras Pneumol.2001;27(1):35-47

Resumo PDF PT English Text

Respostas estatísticas dos parâmetros funcionais são largamente utilizadas após administração de broncodilatador (Bd) nos laboratórios de função pulmonar em doenças com obstrução ao fluxo aéreo. Sua relevância clínica é discutível. Objetivo: Determinar que parâmetros espirométricos refletem a melhora na tolerância ao exercício e na dispnéia em resposta a broncodilatador em doenças pulmonares obstrutivas. Métodos: 50 pacientes com DPOC e/ou asma (VEF1/CVF = 41 ± 11%) realizaram manobras de CV lenta e forçada, VVM e um teste de caminhada em corredor de seis minutos após treinamento, antes e após salbutamol, 400mcg fornecido por spray com espaçador. As respostas a broncodilatador foram expressas em valores absolutos, como incremento em relação ao valor inicial e em relação aos valores previstos. Resposta após Bd foi considerada clinicamente significante quando a distância percorrida se elevou 30m ou mais e/ou a dispnéia foi reduzida dois ou mais pontos com qualquer aumento na caminhada. Resultados: 32 pacientes foram considerados respondedores (R) e 18 não respondedores (NR). Como a distância caminhada em seis minutos se correlacionou com a idade (rs = -0,38; p < 0,01), análise dos dados espirométricos foi realizada incluindo a idade como covariada e expressa como x ± EPE. O incremento do VEF1 não diferiu nos dois grupos: R = 255 ± 57ml, NR = 256 ± 43ml. Idem para a VVM: R = 11 ± 2L/min, NR = 10 ± 2L/min. A melhor separação (p < 0,01) foi dada pela mudança da capacidade inspiratória (CI) seguida da mudança da capacidade vital lenta (CV): CI% da inicial nos R = 23 ± 3% e os NR = 3 ± 4%; CI absoluta: R = 411 ± 58ml, NR = 163 ± 77ml; CI% previsto: R = 19 ± 3% e NR = 3 ± 4%. Para a CV os valores observados foram: CV% do inicial - R = 18 ± 2% e NR = 9 ± 3%; CV absoluta - R = 448 ± 52ml e NR = 256 ± 70ml. Incrementos para a CI > 15% do inicial e 0,3L e da CV > 15% da inicial e 0,4L separaram os respondedores com valor preditivo positivo (VPP) em torno de 90%. Conclusão: A melhora do VEF1, CVF e VVM não prediz melhora na capacidade de exercício após Bd. Esta é melhor refletida por aumentos na CI e/ou CV acima de 15% dos valores iniciais.

 


Palavras-chave: Pneumopatias obstrutivas. Espirometria. Valor preditivo dos testes. Broncodilatadores. Tolerância ao exercício. Dispnéia.

 

Relato de Caso

7 - Pneumonite de hipersensibilidade ao tabaco

Hypersensitivity pneumonitis to tobacco

Sílvia E.C. Macedo, Elicarlos Zago, Vítor F. Torres, Fabiano Bergamaschi

J Bras Pneumol.2001;27(1):48-51

Resumo PDF PT English Text

Pneumonite de hipersensibilidade (PH) é decorrente da inalação de antígenos orgânicos e/ou inorgânicos por indivíduos suscetíveis. Relata-se o caso de uma mulher de 18 anos, plantadora de tabaco em Pelotas, no Sul do Brasil, com dispnéia progressiva, tosse seca e emagrecimento havia 35 dias. Apresentava crepitações finas no tórax e a radiografia evidenciou infiltrado intersticial difuso. O diagnóstico de PH foi estabelecido pela história de exposição, achados tomográficos e exame anatomopatológico de pulmão obtido por biópsia a céu aberto. Estabeleceram-se como causa antígenos provenientes do cultivo de tabaco. Com prednisona e o afastamento do plantio do tabaco houve boa resposta clínica e funcional.

 


Palavras-chave: Terapêutica. Alveolite alérgica extrínseca. Tabaco. Diagnóstico.

 

8 - Síndrome hepatopulmonar em paciente com cirrose por vírus C e SIDA

Hepatopulmonary syndrome in a patient with AIDS and virus C cirrhosis (viral cirrhosis type C)

Maria Angélica Pires Ferreira, Marcelo Basso Gazzana, Sérgio Saldanha Menna Barreto, Marli Maria Knorst

J Bras Pneumol.2001;27(1):52-55

Resumo PDF PT English Text

A síndrome hepatopulmonar consiste na tríade de doença hepática, dilatações vasculares intrapulmonares e hipoxemia. Não há relatos de síndrome hepatopulmonar associada com SIDA. Relatamos o caso de uma mulher de 43 anos portadora de SIDA e de cirrose hepática por hepatite C, em uso de cotrimoxazol profilático para pneumocistose e de terapia anti-retroviral, com dispnéia progressiva, cianose, baqueteamento digital, aranhas vasculares e exame do tórax normal. A radiografia do tórax mostrava infiltrado retículo-nodular, o gradiente alvéolo-arterial de oxigênio estava aumentado e a função hepática alterada. Shunt intrapulmonar foi evidenciado por ecocardiografia bidimensional transtorácica e por cintilografia pulmonar perfusional, confirmando-se a síndrome hepatopulmonar.

 


Palavras-chave: Síndrome hepatopulmonar. Síndrome da imunodeficiência humana adquirida. Hepatite viral humana. Anoxemia. Cirrose hepática.

 

Cartas ao Editor

9 - Manoel de Abreu

Rubens Bedrikow

J Bras Pneumol.2001;27(1):56-58

PDF PT


 


O Jornal Brasileiro de Pneumologia está indexado em:

Latindex Lilacs SciELO PubMed ISI Scopus Copernicus pmc

Apoio

CNPq, Capes, Ministério da Educação, Ministério da Ciência e Tecnologia, Governo Federal, Brasil, País Rico é País sem Pobreza
Secretaria do Jornal Brasileiro de Pneumologia
SCS Quadra 01, Bloco K, Salas 203/204 Ed. Denasa. CEP: 70.398-900 - Brasília - DF
Fone/fax: 0800 61 6218/ (55) (61) 3245 1030/ (55) (61) 3245 6218
E-mails: jbp@jbp.org.br
jpneumo@jornaldepneumologia.com.br

Copyright 2017 - Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia

Logo GN1