Jornal Brasileiro de Pneumologia

ISSN (on-line): 1806-3756

ISSN (impressa): 1806-3713

Busca avançada

Ano 2005 - Volume 31  - Número 4  (Julho/Agosto)






Artigo Original

3 - Avaliação de um programa de treinamento físico por quatro meses para crianças asmáticas

Evaluation of a four-month program of physical training designed for asthmatic children

Cristiane Soncino Silva, Lídia Alice Gomes Monteiro Marins Torres, Abel Rahal, João Terra Filho, Elcio Oliveira Vianna

J Bras Pneumol.2005;31(4):279-285

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Avaliar condicionamento físico e força muscular de crianças asmáticas antes e depois de quatro meses de participação num programa de exercícios físicos. Métodos: Dois grupos de crianças com asma moderada e idade entre oito e onze anos foram formados. Ambos realizaram testes pré e pós-treinamento físico, duas vezes por semana, por quatro meses, em sessões de 90 minutos, com exercícios em solo e em água. Orientações sobre asma, seu controle e tratamento foram fornecidos a ambos os grupos. Resultados: Na avaliação final, observou-se aumento das variáveis antropométricas em ambos os grupos. O grupo exercício apresentou melhora significativa na distância percorrida em nove minutos (inicial 1,333 + 0,03 km e final 1,440 + 0,03 km; p < 0,05), número de flexões abdominais (inicial 24,3 + 1,4 abdominais e final 33,2 + 1,1 abdominais; p < 0,05), pressão inspiratória máxima (inicial 73 + 5 cmH2O e final 103 + 5 cmH2O; p < 0,05), pressão expiratória máxima (inicial 75 + 4 cmH2O e final 102 + 4 cmH2O; p < 0,05) e na freqüência cardíaca de repouso (inicial 84,3 + 1,6 bpm e final 77,1 + 2,7 bpm; p < 0,05). O grupo controle não mostrou variação significativa em nenhum desses parâmetros. Conclusão: Um programa de treinamento físico com menor freqüência e maior duração de cada sessão, para facilitar a participação das crianças, propicia melhora do condicionamento físico e aumento de força muscular em crianças asmáticas.

 


4 - Estudo da hiper-responsividade brônquica em pacientes portadores de refluxo gastroesofágico

Bronchial hyperresponsiveness in patients with gastroesophageal reflux disease

Mônica Silveira Lapa, Roberto Rodrigues Júnior, Elie Fiss

J Bras Pneumol.2005;31(4):286-291

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: O intuito deste trabalho foi evidenciar a existência desse reflexo vagal, através de uma broncoprovocação, em pacientes portadores de refluxo gastroesofágico. Métodos: Onze pacientes com endoscopia sem evidências de refluxo gastroesofágico ou hérnia hiatal (grupo controle) e dez pacientes com hérnia hiatal ou refluxo gastroesofágico foram submetidos à broncoprovocação com carbacol. Resultados: O teste foi positivo em 5 dos pacientes com hérnia hiatal ou refluxo gastroesofágico (50%), e em 3 do grupo controle (27%) (p = 0,64). Conclusão: A hipótese de que as vias aéreas de pacientes com refluxo gastroesofágico sem sintomas asmatiformes anteriores possam ser mais responsivas do que as de pacientes sem refluxo gastroesofágico permanece não comprovada.

 


Palavras-chave: Asma/complicações; Refluxo gastroesofágico/complicações; Hérnia hiatal. Pico do fluxo expiratório; Hiper-responsividade brônquica; Volume expiratório forçado; Carbacol/uso diagnóstico

 

5 - Escalas de risco de Torrington e Henderson e de Epstein: aplicabilidade e efetividade nas ressecções pulmonares

Torrington and Henderson and Epstein risk assessment scales: applicability and effectiveness in lung resection

Fabiana Stanzani, Maria Alenita de Oliveira, Vicente Forte, Sônia Maria Faresin

J Bras Pneumol.2005;31(4):292-299

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Comparar a incidência de complicações pulmonares e cardiopulmonares estimadas, respectivamente, pelas escalas de Torrington e Henderson e de Epstein, em amostra populacional submetida à ressecção pulmonar para tratamento de câncer de pulmão. Métodos: Dados de doentes submetidos à ressecção de um lobo pulmonar ou mais foram retirados de dois bancos de dados montados de forma prospectiva, oriundos de dois hospitais terciários. As medidas de desfecho analisadas foram complicações pulmonares, cardíacas e óbito. Teste exato de Fisher foi usado para avaliar a concordância das taxas de complicações obtidas com as estimadas previamente. Resultados: A escala de Torrington e Henderson foi aplicada em 50 doentes (12 apresentaram risco leve, 32 moderado e 6 grave) e subestimou a taxa de complicações pulmonares nas categorias leve e moderado (p = 0,0003 e p = 0,0006, respectivamente), porém foi capaz de reconhecer os pacientes com alto risco de desenvolver complicações. A escala de Epstein foi aplicada em 38 doentes (4 apresentaram risco alto e 34 baixo) e também subestimou a taxa de complicações cardiopulmonares pós-operatórias da categoria de risco leve, que continha a maioria dos doentes (p < 0,0001), mas reconheceu, também, os pacientes com chance alta de complicar. Conclusão: As duas escalas não foram adequadas para estimar ocorrência de complicações pulmonares e cardiopulmonares na maioria dos doentes.

 


Palavras-chave: Complicações pós-operatórias; Cuidados pré-operatórios; Procedimentos cirúrgicos torácicos; Neoplasias pulmonares/cirurgia; Pneumonectomia; Testes de função respiratória; Fatores de risco; Medição de risco

 

6 - Comprometimento do interstício pulmonar em portadores de esclerose sistêmica progressiva. Estudo de uma série de 58 casos

Interstitial lung disease in patients with progressive systemic sclerosis. A study of 58 cases

Sergio Fernandes de Oliveira Jezler, Mittermayer Barreto Santiago, Thamine Lessa Andrade, César Araujo Neto, Helio Braga, Álvaro Augusto Cruz

J Bras Pneumol.2005;31(4):300-306

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Estimar a freqüência de doença intersticial pulmonar em um grupo de indivíduos com esclerose sistêmica progressiva e descrever suas características clínicas, funcionais e radiológicas. Métodos: Após confirmação diagnóstica, 58 pacientes com esclerose sistêmica progressiva foram estudados com tomografia computadorizada de alta resolução, provas de função pulmonar, bem como pesquisa do anti-Scl 70. Foram feitas comparações entre os pacientes com e sem comprometimento intersticial pulmonar e pesquisados possíveis fatores preditivos deste acometimento através de análise multivariada. Resultados: Do total, 51,7% apresentaram evidências de doença intersticial pulmonar na tomografia computadorizada de alta resolução. Dispnéia e tosse foram os sintomas mais relatados, (65,5% e 39,7%, respectivamente). Bronquiolectasias e faveolamento foram as anormalidades tomográficas mais comuns (83,3% e 80,0% respectivamente). Quando comparados com os indivíduos sem doença intersticial pulmonar, os pacientes com este acometimento apresentaram freqüência semelhante de sintomas pulmonares e extrapulmonares, porém apresentaram esclerose sistêmica progressiva de maior duração, estertores crepitantes mais freqüentes, maior positividade de anti-Scl 70, e capacidade vital forçada e pulmonar total reduzidas. Somente uma capacidade vital forçada < 80% apresentou tendência a predizer presença de doença intersticial pulmonar. Conclusão: Doença intersticial pulmonar foi freqüente neste grupo com esclerose sistêmica progressiva. Não ocorreu associação com sintomas. Houve associação entre doença intersticial pulmonar e presença de estertores crepitantes e anti-Scl 70. Contudo, somente redução da capacidade vital forçada foi preditora de doença intersticial pulmonar.

 


7 - Mediastinite aguda. Análise retrospectiva de 21 casos

Acute mediastinitis. Restropective analysis of 21 cases

Marcelo Cunha Fatureto, Milton Alves das Neves-Júnior, Thassio Cunha de Santana

J Bras Pneumol.2005;31(4):307-311

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Avaliar aspectos epidemiológicos e clínicos da mediastinite aguda, além das características de seu tratamento. Métodos: Estudo retrospectivo realizado através da revisão de prontuários de pacientes com diagnóstico de mediastinite aguda, no Hospital Escola da Faculdade de Medicina do Triângulo Mineiro, no período entre 1987 e 2004. Resultados: Dos 21 pacientes estudados, a maioria era do sexo masculino (76,2%). A média de idade dos pacientes foi de 52,5 anos. Seis pacientes faleceram (28,6%). A esternotomia mediana foi a causa mais freqüente, responsável por 38,1% dos casos, seguida pela ruptura esofágica em 33,3% e pelas infecções cervicais em 14,3% dos casos. O Staphylococcus aureus e o Staphylococcus epidermidis foram os agentes causadores de mediastinite mais freqüentemente isolados, sendo a cultura unimicrobiana na maioria dos casos (42,9%). O tratamento cirúrgico associado a antibioticoterapia foi a terapêutica preferencial na maioria dos casos. As complicações mais freqüentes da mediastinite aguda foram o derrame pleural (23,8%) e a osteomielite (19%). O tempo médio de internação foi de 26,6 dias. Conclusão: A mediastinite aguda é uma complicação grave de algumas doenças ou procedimentos. Apesar da baixa incidência, a taxa de mortalidade é elevada. O Staphylococcus aureus e o Staphylococcus epidermidis são os agentes causadores mais freqüentes. O tratamento de escolha foi a antibioticoterapia associada ao tratamento cirúrgico.

 


8 - Estudo fenotípico e genotípico da resistência aos macrolídeos de "Streptococcus pneumoniae" isolados em hospitais de Porto Alegre - RS

Phenotypic and genotypic study of macrolide resistance of Streptococcus pneumoniae strains isolated in hospitals in Porto Alegre, in the state of Rio Grande do Sul, Brazil

Fabiana Rowe Zettler, Eduardo Walker Zettler, Virginia Minghelli Schmitt, Marina Tagliaro Jahns, Cícero Armídio Gomes Dias, Carlos Cezar Fritscher

J Bras Pneumol.2005;31(4):312-317

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: O objetivo deste estudo foi determinar a prevalência do S. pneumoniae resistente aos macrolídeos e identificar suas características fenotípicas e genotípicas. Métodos: Amostras de S. pneumoniae isoladas entre maio de 2002 e agosto de 2004, em Porto Alegre (RS), a partir de materiais clínicos coletados de diferentes sítios anatômicos foram analisadas. Para o teste de difusão em ágar foram utilizados discos de eritromicina, claritromicina, azitromicina e clindamicina. As concentrações inibitórias mínimas de eritromicina foram determinadas nos isolados resistentes aos macrolídeos pelo método de diluição em ágar. Os fenótipos dos isolados resistentes aos macrolídeos foram investigados pelo teste de difusão em ágar e a genotipagem pela reação em cadeia da polimerase. Resultados: Foram avaliados 229 isolados de pneumococos, e 12 mostraram-se resistentes aos macrolídeos (5,2%). Entre estes, 9 apresentaram o fenótipo MLSB (75%) e 3 o fenótipo M (25%). A reação em cadeia da polimerase indicou que 8 isolados com o fenótipo MLSB portavam apenas o gene ermB, enquanto que o gene mefE estava presente em todos os 3 isolados com o fenótipo M. Um isolado com o fenótipo MLSB apresentou ambos os genes. Conclusão: A resistência aos macrolídeos do S. pneumoniae em Porto Alegre permanece baixa, sendo devida principalmente à presença do gene ermB, com expressão do fenótipo MLSB.

 


9 - Histoplasmose pulmonar cavitária crônica simulando tuberculose

Chronic pulmonary histoplasmosis mimicking tuberculosis

Gisela Unis, Luiz Carlos Severo

J Bras Pneumol.2005;31(4):318-324

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Avaliar os casos de histoplasmose pulmonar crônica ocorridos nos últimos anos, atendidos no Complexo Hospitalar Santa Casa de Porto Alegre (RS). Métodos: Foram revisados os casos atendidos nos últimos 25 anos no Complexo Hospitalar Santa Casa de Porto Alegre e descritos quatro casos diagnosticados por cultivo e/ou achado histopatológico, corroborados por teste soromicológico. São comentados os casos da literatura brasileira. Resultados: As manifestações clínicas preponderantes foram tosse produtiva, dispnéia, febre, anorexia e emagrecimento. Nos achados radiológicos pulmonares predominaram enfisema, cavidades cistóides, bronquiectasias e espessamento pleural. Os pacientes apresentaram história epidemiológica de contato com fezes de galinha. Num paciente, houve colonização de cavidade por Aspergillus fumigatus. Conclusão: A histoplasmose pulmonar crônica deve ser considerada na presença de lesões cavitárias em lobos superiores em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica, baciloscopia negativa no escarro e não reatores à tubeculina. Hemoptise em vigência de lesões tardias ou doença curada sugerem colonização aspergilar.

 


Palavras-chave: Histoplasmose/diagnóstico; Histoplasmose/quimioterapia; Histoplasma/isolamento & purificação; Tuberculose pulmonar/diagnóstico; Itraconazol/quimioterapia; Escarro/microbiologia; Diagnóstico diferencial

 

10 - Soroprevalência da infecção pelo vírus da imunodeficiência humana em pacientes com tuberculose, em Londrina, Paraná

Human immunodeficiency virus seroprevalence in patients with tuberculosis in the city of Londrina, in the state of Paraná, Brazil

Arilson Akira Morimoto, Ana Maria Bonametti, Helena Kaminami Monimoto, Tiemi Matsuo

J Bras Pneumol.2005;31(4):325-331

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Estimar a prevalência da soropositividade da infecção pelo vírus da imunodeficiência humana em pacientes com tuberculose ativa, atendidos no serviço de Pneumologia Sanitária da 17a Regional de Saúde do Estado do Paraná, em Londrina, e comparar os pacientes co-infectados com aqueles que apresentavam somente tuberculose, em relação à baciloscopia de escarro, exame radiológico de tórax, e forma clínica e esquema terapêutico para tratamento da tuberculose. Métodos: Estudo transversal com 188 pacientes com tuberculose ativa. Os diagnósticos de tuberculose e de infecção pelo vírus da imunodeficiência humana foram realizados de acordo com os critérios adotados pelo Ministério da Saúde. Para a obtenção de informações clínicas e epidemiológicas, aplicou-se um questionário, além dos dados das fichas individuais de investigação de tuberculose. Resultados: A prevalência de soropositividade da infecção pelo vírus da imunodeficiência humana nos pacientes com tuberculose foi de 14,9%. O índice de positividade da baciloscopia de escarro foi maior no grupo sem a co-infecção (p = 0,0275) e a proporção de pacientes tratados com esquema alternativo foi significativamente maior no grupo com co-infecção (p = 0042). Em 32,1% dos pacientes co-infectados, realizou-se teste sorológico para diagnóstico de infecção pelo vírus da imunodeficiência humana simultaneamente ou depois do diagnóstico de tuberculose. Conclusão: Os resultados ressaltam a importância da realização rotineira do teste para detecção de anticorpos contra o vírus da imunodeficiência humana em todos os pacientes com tuberculose.

 


Palavras-chave: Tuberculose/complicações; Tuberculose/diagnóstico; Soropositividade; HIV/imunologia; Infecções por HIV/complicações; Infecções por HIV/epidemiologia; Infecções por HIV/quimioterapia; Rifampicina/uso terapêutico; Avanço da doença

 

Artigo de Revisão

11 - Posição prona

Prone position

Kelly Cristina de Albuquerque Paiva, Osvaldo Shigueomi Beppu

J Bras Pneumol.2005;31(4):332-340

Resumo PDF PT PDF EN English Text

A posição prona é uma manobra utilizada para combater a hipoxemia nos pacientes com síndrome do desconforto respiratório agudo. Apesar de hoje ser considerada um modo eficaz de melhorar a oxigenação, os mecanismos fisiológicos que levam à melhora da função respiratória ainda não estão completamente esclarecidos. O objetivo principal desta revisão é discutir os aspectos fisiológicos e clínicos da posição prona na síndrome do desconforto respiratório agudo.

 


Palavras-chave: Decúbito ventral/fisiologia; Síndrome do desconforto respiratório do adulto; Pulmão/lesões; Postura/fisiologia;

 

12 - Corticóide inalatório: efeitos no crescimento e na supressão adrenal

Inhaled corticosteroids: effects on growth and adrenal suppression

Elisete E. Arend, Gilberto Bueno Fischer, Helena Mocelin, Lídia Medeiros

J Bras Pneumol.2005;31(4):341-349

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Este artigo é uma revisão da literatura médica sobre os corticosteróides inalatórios e seus efeitos no crescimento e na supressão adrenal em crianças e adolescentes. Utilizaram-se o Medline e artigos publicados em jornais científicos nacionais e internacionais, principalmente nos últimos cinco anos, para a revisão da literatura. Há controvérsias acerca dos efeitos colaterais dos corticóides inalatórios. Nos 21 estudos sobre crescimento e uso de corticóides inalatórios, notou-se que houve diferença significativa no primeiro ano (retardo de 1 a 1,5 cm) quando se utilizou principalmente beclometasona e budesonida inalatórias, mas não se verificou diferença na altura final adulta quando estudos de mais longa duração foram conduzidos, fazendo-se relação com a altura dos pais. Entretanto, em dez artigos sobre uso de corticóide inalatório e supressão adrenal, foram relatadas hipoglicemia, parada de ganho de peso e altura, e alterações nos exames de cortisol sérico matinal e urinário de 24 h, principalmente com uso de doses altas de corticóide inalatório. Corticóides inalatórios podem diminuir o crescimento no primeiro ano de uso, mas não a altura final adulta. São necessárias mais pesquisas com longo tempo de acompanhamento de crianças em uso de corticóide inalatório para se avaliar o impacto sobre o crescimento final. Monitorar a altura é uma medida para se avaliar eficácia e segurança no uso de corticóide inalatório em crianças. Exames que avaliam o eixo hipotalâmico pituitário adrenal e a insuficiência adrenal devem ser correlacionados com sintomas clínicos ou efeitos colaterais.

 


Relato de Caso

14 - Condroma pulmonar isolado: caso incompleto da tríade de Carney?

Isolated pulmonary chondroma: a case of incomplete Carney triad?

Raul Lopes Ruiz Júnior, Júlio Defaveri, Antonio José Maria Cataneo, Rogério Cardoso da Silva, Sérgio Marrone Ribeiro, Cristiano Ventorim de Barros

J Bras Pneumol.2005;31(4):356-359

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Um homem, de 45 anos, com infecções pulmonares de repetição havia quatro anos apresentou-se com tosse, secreção amarelada, escarros hemópticos e dor torácica não pleural. A tomografia revelou nódulo calcificado ocluindo brônquio lobar inferior direito. Realizada bilobectomia inferior e média, o exame histopatológico revelou condroma endobrônquico, bem circunscrito. O condroma pulmonar é um tumor raro, em geral associado à tríade de Carney (condroma, leiomiossarcoma gástrico e paraganglioma extra-adrenal), sendo o menos freqüente dos três componentes. No presente caso, os outros dois componentes não foram observados. Podem, entretanto, se manifestar tardiamente, sendo, assim, necessário seguimento clínico em longo prazo do paciente.

 


Palavras-chave: Condroma; Neoplasias pulmonares/radiografia; Neoplasias pulmonares/cirurgia; Leiomiossarcoma;

 

15 - Hemangiomatose capilar pulmonar, uma rara causa de hipertensão pulmonar. Primeiro caso brasileiro

Pulmonary capillary hemangiomatosis. A rare cause of pulmonary hypertension. The first Brazilian case

Helano Neiva de Castro, Mara Rúbia Fernandes de Figueiredo, Norma Selma Santos, Teresa Neuma Albuquerque Gomes Nogueira, Maria da Penha Uchoa, Marcelo Alcântara Holanda

J Bras Pneumol.2005;31(4):360-364

Resumo PDF PT PDF EN English Text

A hemangiomatose capilar pulmonar é uma doença rara, caracterizada por proliferação de capilares que invadem o interstício pulmonar e o septo alveolar. Documentamos o primeiro caso brasileiro: um paciente do sexo masculino, de 21 anos, com hipertensão pulmonar grave, que evoluiu para óbito. Na tomografia computadorizada de alta resolução apresentava pequenas opacidades intersticiais nodulares maldefinidas, bilateralmente. Foi realizada biópsia pulmonar post-mortem e encontrada intensa proliferação multifocal de capilares nas paredes alveolares, septos interlobulares e tecido conjuntivo peribrônquico. O diagnóstico de hemangiomatose capilar pulmonar deve ser considerado nos pacientes com hipertensão pulmonar e alterações sugestivas na tomografia computadorizada de alta resolução.

 


Palavras-chave: Hemangioma capilar/etiologia; Hemangioma capilar/diagnóstico; Hipertensão pulmonar/complicações; Tomografia computadorizada de emissão; Relato de caso

 

16 - Tratamento cirúrgico de cisto broncogênico paratraqueal por mediastinoscopia cervical

Surgical treatment of a paratracheal bronchogenic cyst using cervical mediastinoscopy

Daniel Sammartino Brandão, Carlos Henrique Ribeiro Boasquevisque, Rui Haddad, Eduardo de Souza Ponzio

J Bras Pneumol.2005;31(4):365-364

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Os cistos broncogênicos do mediastino são lesões benignas congênitas, usualmente descobertas na idade adulta. O tratamento cirúrgico clássico, quando indicado, é a ressecção da lesão por toracotomia ou por videotoracoscopia. Descrevemos aqui um caso em que foi realizada a ressecção completa de um cisto broncogênico paratraqueal por mediastinoscopia cervical, com uma breve revisão e discussão da literatura.

 


Cartas ao Editor

19 - Tabagismo, saúde e educação

Smoking, health and education

Renata Carone Sborgia, Antonio Ruffino-Netto

J Bras Pneumol.2005;31(4):371-372

PDF PT PDF EN English Text


 


O Jornal Brasileiro de Pneumologia está indexado em:

Latindex Lilacs SciELO PubMed ISI Scopus Copernicus pmc

Apoio

CNPq, Capes, Ministério da Educação, Ministério da Ciência e Tecnologia, Governo Federal, Brasil, País Rico é País sem Pobreza
Secretaria do Jornal Brasileiro de Pneumologia
SCS Quadra 01, Bloco K, Salas 203/204 Ed. Denasa. CEP: 70.398-900 - Brasília - DF
Fone/fax: 0800 61 6218/ (55) (61) 3245 1030/ (55) (61) 3245 6218
E-mails: jbp@jbp.org.br
jpneumo@jornaldepneumologia.com.br

Copyright 2017 - Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia

Logo GN1