Jornal Brasileiro de Pneumologia

ISSN (on-line): 1806-3756

ISSN (impressa): 1806-3713

SCImago Journal & Country Rank
Busca avançada

Ano 2006 - Volume 32  - Número 2  (Março/Abril)






Editorial

Artigo Original

3 - Técnica de oscilações forçadas na análise da resposta broncodilatadora em voluntários sadios e indivíduos portadores de asma brônquica com resposta positiva

Using the forced oscillation technique to evaluate bronchodilator response in healthy volunteers and in asthma patients presenting a verified positive response

Juliana Veiga Cavalcanti, Agnaldo José Lopes, José Manoel Jansen, Pedro Lopes de Melo

J Bras Pneumol.2006;32(2):91-98

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Analisar, através da técnica de oscilações forçadas, pacientes asmáticos com resposta broncodilatadora positiva pelo laudo espirométrico e comparar esses resultados com os obtidos em indivíduos sadios. Métodos: Foram analisados 53 indivíduos não tabagistas, sendo 24 sadios sem história de doença pulmonar e 29 asmáticos com resposta broncodilatadora positiva segundo o laudo espirométrico. Todos foram submetidos à técnica de oscilações forçadas e a espirometria antes e após vinte minutos da administração de salbutamol spray (300 g). Os parâmetros derivados da técnica de oscilações forçadas foram: resistência total, reatância total, resistência extrapolada para o eixo y, coeficiente angular da reta de resistência e complacência dinâmica. Na espirometria, os parâmetros utilizados foram o volume expiratório forçado no primeiro segundo e a capacidade vital forçada. Resultados: No grupo controle, a utilização do broncodilatador produziu alteração significativa na resistência extrapolada para o eixo y (p < 0,001), embora o coeficiente angular da reta de resistência e a complacência dinâmica não tenham apresentado diferenças estatisticamente significativas. A análise dos asmáticos mostrou que a diferença entre as medidas pré e pós-broncodilatador foi significativa, tanto para os parâmetros espirométricos quanto para os de técnica de oscilações forçadas. Valores de p < 0,001 foram obtidos em todas as comparações relacionadas aos asmáticos. Conclusão: As alterações nos parâmetros obtidos a partir da técnica de oscilações forçadas mostraram-se em estreita concordância com a fisiopatologia da resposta broncodilatadora em asmáticos, indicando que a técnica de oscilações forçadas pode ser útil como análise complementar à espirometria nesses pacientes.

 


Palavras-chave: Asma; Hiper-reatividade brônquica; Espirometria/métodos; Testes de provocaçao brônquica; Volume expiratório forçado/fisiologia; Oscilometria

 

4 - Avaliação muscular respiratória nas toracotomias e laparotomias superiores eletivas

Respiratory muscle evaluation in elective thoracotomies and laparotomies of the upper abdomen

Laryssa Milenkovich Bellinetti, João Carlos Thomson

J Bras Pneumol.2006;32(2):99-105

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Verificar se existe associação entre a função muscular respiratória pré-operatória abaixo dos valores previstos e a incidência de complicações pós-operatórias e o óbito, nas laparotomias superiores e toracotomias eletivas. Métodos: Estudo de coorte prospectivo, no qual 70 pacientes acima de dezoito anos foram acompanhados, em dois hospitais similares. A avaliação durante a internação pré-operatória classificou-os em não expostos (50) ou expostos (20), estes quando os valores das pressões respiratórias máximas foram abaixo de 75% dos valores previstos. O acompanhamento foi feito até a alta hospitalar, verificando-se a incidência de pneumonia, insuficiência respiratória aguda, broncoespasmo, ventilação mecânica prolongada, atelectasia, derrame pleural, pneumotórax e óbito nos dois grupos. Realizou-se análise comparativa entre os grupos e cálculo do risco relativo. Resultados: A incidência total de complicações pós-operatórias da amostra foi de 22,86% (16/70); no grupo exposto foi de 55% (11/20) e no grupo não exposto de 10% (5/50). Os pacientes expostos apresentaram risco relativo de 5,5 (intervalo de confiança de 95% entre 2,19 e 13,82). Conclusão: Os resultados indicaram que a função muscular respiratória pré-operatória abaixo do valor previsto esteve associada a um risco relativo maior de complicações pós-operatórias nas cirurgias pesquisadas.

 


Palavras-chave: Complicações pós-operatórias; Toracotomia; Laparotomia; Músculos respiratórios; Insuficiência respiratória

 

5 - Avaliação da capacidade de exercício em portadores de doença pulmonar obstrutiva crônica: comparação do teste de caminhada com carga progressiva com o teste de caminhada com acompanhamento

Evaluating physical capacity in patients with chronic obstructive pulmonary disease: comparing the shuttle walk test with the encouraged 6-minute walk test

Fernanda Warken Rosa, Aquiles Camelier, Anamaria Mayer, José Roberto Jardim

J Bras Pneumol.2006;32(2):106-113

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Avaliar a aplicabilidade do teste de caminhada com carga progressiva em portadores de doença pulmonar obstrutiva crônica, e comparar o desempenho desses pacientes durante esse teste e o de caminhada de seis minutos com acompanhamento. Métodos: Foi realizado um estudo de corte descritivo, em que foram selecionados 24 portadores de doença pulmonar obstrutiva crônica. Em ordem aleatória, realizou-se um teste de caminhada com carga progressiva e um de caminhada de seis minutos com acompanhamento, após um período de prática inicial. Resultados: Os pacientes alcançaram no teste de caminhada com carga progressiva, em média, uma freqüência cardíaca máxima de 76,4 ± 9,7%, valor inferior aos 84,1 ± 11,4% alcançados no de caminhada de seis minutos com acompanhamento, em relação ao máximo previsto para idade e gênero (p = 0,003). A sensação de dispnéia ao final do teste (escala de Borg) também foi maior no de caminhada de seis minutos com acompanhamento. Os pacientes caminharam, em média, 307,0 ± 89,3 metros no teste de caminhada com carga progressiva, contra 515,5 ± 102, 3 metros no de caminhada de seis minutos com acompanhamento (p < 0,001). Houve boa correlação entre as distâncias percorridas entre os dois testes (r = 0,80, p < 0,001). Conclusão: O teste de caminhada com carga progressiva é simples e fácil de ser realizado em portadores de doença pulmonar obstrutiva crônica. O teste de caminhada de seis minutos com acompanhamento levou a uma maior freqüência cardíaca e a maior sensação de dispnéia ao seu final.

 


Palavras-chave: Doença pulmonar obstrutiva crônica/reabilitação; Teste de esforço: Atividade motora; Reprodutibilidade de resultados; Caminhada; Tolerância ao exercício

 

6 - Avaliação da qualidade de vida pelo Questionário do Hospital Saint George na Doença Respiratória em portadores de doença pulmonar obstrutiva crônica: validação de uma nova versão para o Brasil

Using the Saint George's Respiratory Questionnaire to evaluate quality of life in patients with chronic obstructive pulmonary disease: validating a new version for use in Brazil

Aquiles Camelier, Fernanda Warken Rosa, Christine Salim, Oliver Augusto Nascimento, Fábio Cardoso, José Roberto Jardim

J Bras Pneumol.2006;32(2):114-122

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: O objetivo deste estudo foi avaliar a aplicabilidade da versão modificada do Questionário do Hospital Saint George na Doença Respiratória. Esta versão possui adaptação nas respostas de algumas perguntas com duplas negativas, substituindo as respostas "sim" e "não" por "concordo" e "não concordo", com o intuito de facilitar a compreensão destas questões, e o período de recordação de sintomas passando de um ano para três meses. Métodos: Foram avaliados 30 pacientes com diagnóstico de doença pulmonar obstrutiva crônica, estáveis clinicamente. Foram aplicados o Questionário do Hospital Saint George na Doença Respiratória e a sua versão modificada em duas situações, separadas por quinze dias. Resultados: Todos os indivíduos apresentaram alteração da qualidade de vida relacionada à saúde. A comparação de médias das pontuações dos domínios dos dois questionários mostrou maior alteração no domínio Sintomas do questionário original em relação a sua versão modificada. Os demais domínios e a pontuação total não apresentaram diferenças significativas. Todos os domínios apresentaram correlações significativas: Sintomas, r = 0,71 (p < 0,001); Atividade, r = 0,75 (p < 0,001); Impacto, r = 0,73 (p < 0,001) e Total r = 0,86 (p <0,001). Conclusão: A versão do SGRQm possui propriedades de mensuração de qualidade de vida semelhantes à versão original, porém deve-se escolher qual o melhor tempo de recordação de sintomas a ser utilizado na avaliação.

 


Palavras-chave: Doença pulmonar obstrutiva crônica; Qualidade de vida; Reprodutibilidade de resultados; Comparação transcultural; Questionários

 

7 - Influência do método Reequilíbrio Toracoabdominal sobre a força muscular respiratória de pacientes com fibrose cística

Influence of the technique of re-educating thoracic and abdominal muscles on respiratory muscle strength in patients with cystic fibrosis

Renata Claudia Zanchet, Aline Mayara Azevedo Chagas, Juliana Sarmento Melo, Patricia Yuki Watanabe, Augusto Simões-Barbosa, Gilvânia Feijó

J Bras Pneumol.2006;32(2):123-129

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Avaliar o efeito do método Reequilíbrio Toracoabdominal na força dos músculos respiratórios de pacientes com fibrose cística, acompanhados no Ambulatório de Fibrose Cística da Universidade Católica de Brasília. Métodos: A amostra, constituída de 29 fibrocísticos, foi caracterizada com base em dados antropométricos, genéticos e de colonização bacteriana. Espirometria, manovacuometria e antropometria foram realizadas antes e depois do tratamento fisioterapêutico, no qual se utilizou o método Reequilíbrio Toracoabdominal, duas vezes por semana, durante quatro meses. Resultados: Houve aumento da pressão inspiratória máxima e da pressão expiratória máxima após o tratamento fisioterapêutico em todos os pacientes, naqueles sem distúrbio ventilatório obstrutivo e naqueles com distúrbio ventilatório obstrutivo leve (p < 0,05). Foi encontrada correlação positiva entre a idade e a pressão expiratória máxima para a maioria dos grupos. A pressão inspiratória máxima só apresentou correlação positiva com a idade no grupo com distúrbio ventilatório obstrutivo leve (p = 0,012; r = 0,817). Para o sexo feminino e para o grupo sem distúrbio ventilatório obstrutivo houve correlação negativa entre a pressão expiratória máxima e a colonização por Pseudomonas aeruginosa (p = 0,036; r = -0,585). Conclusão: Para os fibrocísticos avaliados, o método Reequilíbrio Toracoabdominal aumentou a força dos músculos respiratórios, o que reafirma a importância do tratamento fisioterapêutico para estes pacientes.

 


Palavras-chave: Fibrose cística/reabilitação; Técnicas de fisioterapia, Músculos respiratórios; Volume expiratório forçado; Capacidade inspiratória; Capacidade vital

 

8 - Ioga versus atividade aeróbia: efeitos sobre provas espirométricas e pressão inspiratória máxima

Yoga versus aerobic activity: effects on spirometry results and maximal inspiratory pressure

Dagoberto Vanoni de Godoy, Raquel Lonchi Bringhenti, Andréi Severa, Ricardo de Gasperi, Leonardo Vieira Poli

J Bras Pneumol.2006;32(2):130-135

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Esclarecer se, em indivíduos saudáveis, a prática de ioga pode modificar a pressão inspiratória máxima e os índices espirométricos quando comparada com a prática de ginástica aeróbia. Métodos: Ensaio clínico controlado. Foram alocados consecutivamente 31 voluntários hígidos, formando-se dois grupos: um que praticou ginástica aeróbia (n = 15) e outro que praticou ioga (n = 16). Os indivíduos do primeiro grupo serviram como controles e praticaram ginástica aeróbia em duas sessões semanais com duração de 45 a 60 minutos por três meses. Os indivíduos do segundo grupo praticaram posturas selecionadas de ioga em duas sessões semanais com a mesma duração, também por três meses. Capacidade vital forçada, volume expiratório forçado no primeiro segundo e pressão inspiratória máxima foram medidos antes e ao final dos três meses de treinamento. Resultados: Os índices espirométricos não apresentaram alterações significativas. As práticas de ioga ou ginástica aeróbia resultaram em pequenos aumentos da pressão inspiratória máxima, não significativos estatisticamente. Contudo, o delta absoluto da pressão inspiratória máxima (final menos inicial) do grupo que praticou ioga demonstrou uma variação positiva significativa para ambos os sexos em relação ao grupo controle: sexo masculino 19,5 cm H2O versus 2,8 cm H2O (p = 0,05), e sexo feminino 20 cm H20 versus 3,9 cm H2O (p = 0,01), respectivamente. Conclusão: A pressão inspiratória máxima de indivíduos que praticaram ioga ou ginástica aeróbia não aumentou de maneira estatisticamente significativa após três meses de treinamento. Entretanto, a variação absoluta da pressão inspiratória máxima foi maior entre os praticantes de ioga.

 


Palavras-chave: Ioga; Exercício; Músculos respiratórios; Testes de função respiratória; Ventilação voluntária máxima; Espirometria; Capacidade inspiratória/fisiologia

 

9 - Abscesso pulmonar de aspiração: análise de 252 casos consecutivos estudados de 1968 a 2004

Lung abscess: analysis of 252 consecutive cases diagnosed between 1968 and 2004

José da Silva Moreira, José de Jesus Peixoto Camargo, José Carlos Felicetti, Paulo Roberto Goldenfun, Ana Luiza Schneider Moreira, Nelson da Silva Porto

J Bras Pneumol.2006;32(2):136-143

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Apresentar a experiência de um serviço especializado em doenças respiratórias no manejo de casos de abscesso pulmonar de aspiração. Métodos: Descrevem-se aspectos diagnósticos e resultados terapêuticos de 252 casos consecutivos de pacientes com abscesso de pulmão, hospitalizados de 1968 a 2004. Resultados: Dos 252 casos, 209 ocorreram em homens e 43 em mulheres, com média de idade de 41,4 anos. Eram alcoolistas 70,2% dos pacientes. Tosse, expectoração, febre e comprometimento do estado geral ocorreram em mais de 97% dos casos, 64% tinham dor torácica, 30,2% hipocratismo digital, 82,5% apresentavam dentes em mau estado de conservação, 78,6% tiveram episódio de perda de consciência e 67,5% apresentavam odor fétido de secreções broncopulmonares. Em 85,3% dos casos as lesões localizavam-se nos segmentos posterior de lobo superior ou superior de lobo inferior, 96,8% delas unilateralmente. Em 24 pacientes houve associação de empiema pleural (9,5%). Flora mista foi identificada em secreções broncopulmonares ou pleurais em 182 pacientes (72,2 %). Todos os doentes foram inicialmente tratados com antibióticos (principalmente penicilina ou clindamicina) e 98,4 % deles foram submetidos à drenagem postural. Procedimentos cirúrgicos foram efetuados em 52 (20,6%) pacientes (24 drenagens de empiema, 22 ressecções pulmonares e 6 pneumostomias). Cura foi obtida em 242 pacientes (96,0%) e 10 faleceram (4,0%). Conclusão: O abscesso pulmonar de aspiração ocorreu predominantemente em indivíduos adultos masculinos com doença dentária e episódio antecedente de perda de consciência (especialmente por alcoolismo). A maioria dos pacientes foi tratada clinicamente (antibióticos e drenagem postural). Um quinto deles submeteu-se a algum procedimento cirúrgico.

 


Palavras-chave: Abscesso pulmonar; Pneumonia aspirativa; Bactérias anaeróbias; Infecções bacterianas; Drenagem postural

 

10 - Prevalência de fatores de risco para a síndrome da apnéia obstrutiva do sono em motoristas de ônibus interestadual

Prevalence of risk factors for obstructive sleep apnea syndrome in interstate bus drivers

Carlos Alberto de Assis Viegas, Haroldo Willuweit de Oliveira

J Bras Pneumol.2006;32(2):144-149

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Verificar a prevalência de fatores de risco para a síndrome da apnéia obstrutiva do sono em motoristas de ônibus interestadual. Métodos: Foram avaliados 262 motoristas profissionais de ônibus interestadual, de empresa brasileira baseada no Distrito Federal, por questionário para avaliar distúrbios respiratórios do Sono, Escala de Sonolência de Epworth, testes de atenção concentrada e difusa, e medidas antropométricas. Resultados: Encontravam-se com o peso acima do ideal 68% da amostra estudada, dos quais 34% apresentaram circunferência do pescoço = 42 cm. Durante o trabalho os motoristas referiram uso de tabaco (27%), refrigerantes à base de cola (55%), álcool (65%) e café (88%), e 28% dos motoristas apresentaram mais de dez pontos na Escala de Sonolência de Epworth. Houve ainda 36% de roncadores, 5% referiram paradas respiratórias durante o sono, 12% apresentaram sensação de sufocamento, 29% sono agitado e 48% referiram sentir sono ao dirigir. Já se envolveram em acidentes de trânsito 42% dos motoristas e em 7,6% dos casos o acidente foi devido a sonolência excessiva. Aqueles com mais de dez pontos na Escala de Sonolência de Epworth apresentaram nível de atenção concentrada comprometido e quanto maior a circunferência do pescoço e a hipersonolência, menor a atenção difusa. Conclusão: No grupo de motoristas estudados, há uso alarmante de substâncias estimulantes e alta prevalência de hipersonolência diurna, que leva a diminuição da atenção.

 


Palavras-chave: Condução de veículo; Apnéia do sono tipo obstrutiva; Tolerância ao trabalho programado; Psicometria; Fatores de risco; Questionários

 

Artigo de Revisão

11 - Manifestações extra-esofágicas da doença do refluxo gastroesofágico

Extraesophageal manifestations of gastroesophageal reflux disease

Richard Ricachenevski Gurski, André Ricardo Pereira da Rosa, Enio do Valle, Marcelo Antonio de Borba, André Alves Valiati

J Bras Pneumol.2006;32(2):150-160

Resumo PDF PT PDF EN English Text

A doença do refluxo gastroesofágico freqüentemente se apresenta com pirose e regurgitação, os chamados sintomas típicos. Porém, um subgrupo de pacientes apresenta um conjunto de sinais e sintomas que não estão relacionados diretamente ao dano esofágico. A esse conjunto dá-se o nome de manifestações extra-esofágicas da doença do refluxo gastroesofágico. Compreendem, principalmente, broncoespasmo, tosse crônica e alterações inflamatórias na laringe (chamados manifestações atípicas). Apesar de essas manifestações formarem um grupo heterogêneo, algumas considerações gerais englobam todos os subgrupos: embora a associação entre a doença do refluxo gastroesofágico e as manifestações extra-esofágicas esteja bem estabelecida, uma relação entre causa e efeito definitiva ainda não está elucidada; em relação à patogênese das manifestações extra-esofágicas, os principais mecanismos propostos são a injúria direta do tecido extra-esofágico pelo conteúdo ácido gástrico refluído e o reflexo esôfago-brônquico mediado pelo nervo vago; a doença do refluxo gastroesofágico pode não ser incluída no diagnóstico diferencial do grupo de pacientes que apresenta somente os sintomas atípicos. Este artigo revisa as manifestações extra-esofágicas da doença do refluxo gastroesofágico encontradas na literatura, discutindo a epidemiologia, patogênese, diagnóstico e tratamento, com foco nas apresentações mais estudadas e estabelecidas.

 


Palavras-chave: Refluxo gastroesofágico/complicações; Asma; Laringite; Tosse; Fundoplicatura; Transtornos respiratórios/etiologia

 

12 - Manifestações sistêmicas na doença pulmonar obstrutiva crônica

Systemic manifestations in chronic obstructive pulmonary disease

Victor Zuniga Dourado, Suzana Erico Tanni, Simone Alves Vale, Márcia Maria Faganello, Fernanda Figueirôa Sanches, Irma Godoy

J Bras Pneumol.2006;32(2):161-171

Resumo PDF PT PDF EN English Text

A doença pulmonar obstrutiva crônica é progressiva e está relacionada a uma resposta inflamatória anormal dos pulmões à inalação de partículas e/ou gases tóxicos, sobretudo a fumaça de cigarro. Embora acometa primariamente os pulmões, diversas manifestações extrapulmonares relacionadas a esta enfermidade têm sido descritas. O aumento do número de células inflamatórias, que resulta em produção anormal de citocinas pró-inflamatórias, e o desequilíbrio entre a formação de radicais livres e a capacidade antioxidante, resultando em sobrecarga oxidativa, provavelmente são mecanismos envolvidos na inflamação local e sistêmica. Além disso, a diminuição do condicionamento físico secundária às limitações ventilatórias pode estar envolvida no desenvolvimento de alterações musculares. A doença pulmonar obstrutiva crônica apresenta diversas manifestações sistêmicas que incluem a depleção nutricional, a disfunção dos músculos esqueléticos, que contribui para a intolerância ao exercício, e as manifestações relacionadas a co-morbidades comumente observadas nestes pacientes. Essas manifestações têm sido relacionadas à sobrevida e ao estado geral de saúde dos pacientes. Nesse sentido, esta revisão tem como objetivo discutir os achados da literatura relacionados às manifestações sistêmicas da doença pulmonar obstrutiva crônica, ressaltando o papel da inflação sistêmica, e algumas perspectivas de tratamento.

 


Palavras-chave: Doença pulmonar obstrutiva crônica/complicações; Estado nutricional; Toterância ao exercício;

 

Relato de Caso

13 - Ressecção de schwannoma mediastinal por cirurgia torácica videoassistida

Resection of a mediastinal schwannoma using video-assisted thoracoscopy

Leonardo Ortigara, Nelson Rosemberg, Rafael Siqueira, Francisco Neto

J Bras Pneumol.2006;32(2):172-175

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Os schwannomas são tumores em sua maioria benignos, derivados das células de Schwann (células da glia pertencentes ao sistema nervoso periférico que ajudam a separar e isolar neurônios de estruturas adjacentes), normalmente localizados em nervos intracranianos, principalmente no VIII par (neuroma acústico). Quando extradurais, sua apresentação mais comum é através de massas tumorais que podem comprimir estruturas adjacentes, tornando-se sintomático, como é o caso dos schwannomas intratorácicos (presentes mais comumente no mediastino posterior). Este trabalho apresenta o relato de caso de um schwannoma tratado por videotoracoscopia e uma revisão literária sobre o assunto.

 


Palavras-chave: Neoplasias do mediastino/cirurgia; Neurilemoma; Cirurgia torárica video-assistida; Relatos de casos

 

14 - Síndrome de Claude Bernard-Horner associada ao empiema pleural

Claude Bernard-Horner syndrome resulting from pleural empyema

Fernando Luiz Westphal, Luiz Carlos de Lima, Arteiro Queiroz Menezes, Dirany Leite Sacramento e Silva

J Bras Pneumol.2006;32(2):176-179

Resumo PDF PT PDF EN English Text

A síndrome de Claude Bernard-Horner apresenta várias etiologias, ocorre por interrupção do estímulo nervoso em qualquer ponto do trajeto do nervo e pode ser intra ou extratorácica. É relatado um caso dessa síndrome causado por empiema pleural septado, localizado em região paravertebral, no terço superior do hemitórax direito. O paciente foi submetido à toracotomia para drenagem da cavidade pleural. A evolução foi satisfatória, com regressão do quadro infeccioso, expansão pulmonar e remissão da síndrome.

 


Palavras-chave: Empiema pleural/complicações; Síndrome de Horner/etiologia; Blefaroptose; Toracotomia;

 

15 - Síndrome de Mounier-Kühn

Mounier-Kuhn syndrome

Fabrício Piccoli Fortuna, Klaus Irion, Cesare Wink, Jorge Luis Boemo

J Bras Pneumol.2006;32(2):180-183

Resumo PDF PT PDF EN English Text

A síndrome de Mounier-Kühn, ou traqueobroncomegalia congênita, é uma entidade clínica rara caracterizada pela dilatação anormal de traquéia e brônquios principais. O diagnóstico geralmente pode ser realizado através da mensuração do diâmetro traqueal. Os autores apresentam o caso de um homem de 40 anos com pneumonia refratária ao tratamento, no qual a traqueobroncomegalia foi confirmada através de tomografia computadorizada.

 


Palavras-chave: Traqueobroncomegalia/diagnostico; Tomografia computadorizada por raios X; Traqueobroncomegalia/reabilitação; Relatos de casos [tipo de publicaçao]

 

 


O Jornal Brasileiro de Pneumologia está indexado em:

Latindex Lilacs SciELO PubMed ISI Scopus Copernicus pmc

Apoio

CNPq, Capes, Ministério da Educação, Ministério da Ciência e Tecnologia, Governo Federal, Brasil, País Rico é País sem Pobreza
Secretaria do Jornal Brasileiro de Pneumologia
SCS Quadra 01, Bloco K, Salas 203/204 Ed. Denasa. CEP: 70.398-900 - Brasília - DF
Fone/fax: 0800 61 6218/ (55) (61) 3245 1030/ (55) (61) 3245 6218
E-mails: jbp@jbp.org.br
jpneumo@jornaldepneumologia.com.br

Copyright 2017 - Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia

Logo GN1