Jornal Brasileiro de Pneumologia

ISSN (on-line): 1806-3756

ISSN (impressa): 1806-3713

Busca avançada

Ano 2008 - Volume 34  - Número 4  (/Abril)






Artigo Original

2 - Acampamento educacional para crianças asmáticas

Educational camp for children with asthma

Maria do Rosario da Silva Ramos Costa, Maria Alenita Oliveira, Ilka Lopes Santoro,Yara Juliano, José Rosado Pinto, Ana Luisa Godoy Fernandes

J Bras Pneumol.2008;34(4):191-195

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Avaliar o impacto de um programa de acampamento educacional para crianças asmáticas, com duração de cinco dias, em termos da melhora do nível de conhecimento sobre a asma e da melhora da destreza no uso de medicação inalatória e na execução de exercícios físicos. Métodos: Diariamente, as crianças recebiam 20 min de educação interativa, a técnica do uso do inalador dosimetrado era revista, realizavam-se duas medidas de pico de fluxo, e as crianças realizavam atividades físicas que incluíam exercícios respiratórios e de relaxamento. Um questionário que avaliava o conhecimento das crianças sobre a asma, os desencadeadores da crise, a medicação, os conceitos errôneos e o uso de espaçadores foi aplicado antes e após a intervenção. O uso correto da medicação inalatória e os sintomas relacionados às atividades físicas também foram avaliados antes e após a intervenção. Resultados: Um total de 37 crianças asmáticas, 15 meninas e 22 meninos (idade de 8 a 10 anos), foi avaliado. Desse total, 25% apresentaram melhora do nível de conhecimento específico sobre a asma, a qual foi demonstrada pelo maior número de acertos em três das doze questões analisadas (p < 0,05). Os escores de dispnéia relacionada à atividade física diminuíram significativamente após a intervenção (p < 0,05). A habilidade para usar corretamente a medicação inalatória foi significativamente maior após a intervenção (p < 0,05). Conclusões: O programa de acampamento educacional pode aumentar o conhecimento sobre questões específicas, encorajar a participação em atividades físicas e melhorar a habilidade das crianças no manejo da asma.

 


Palavras-chave: Asma; Asma/prevenção & controle; Modelos educacionais; Criança.

 

3 - Prevalência de transtornos emocionais e comportamentais em adolescentes com asma

Prevalence of emotional and behavioral disorders in adolescents with asthma

Cristina Gonçalves Alvim, Janete Ricas, Paulo Augusto Moreira Camargos, Laura Maria Belizário de Lima Facury Lasmar, Cláudia Ribeiro de Andrade, Cássio da Cunha Ibiapina

J Bras Pneumol.2008;34(4):196-204

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Determinar a prevalência de transtornos emocionais e comportamentais em adolescentes com asma e compará-la com a prevalência em adolescentes sem asma. Métodos: Estudo transversal através de um questionário de transtornos psicológicos ( Strengths and Difficulties Questionnaire) aplicado a adolescentes de 14 a 16 anos, com e sem asma, selecionados aleatoriamente em escolas municipais de Belo Horizonte (MG) Brasil. Resultados: A prevalência de transtornos emocionais e comportamentais em adolescentes com e sem asma foi 20,4% (IC95%: 14,5-27,8%) e 9% (IC95%: 6,1-12,8%), respectivamente. Entre os adolescentes com asma, 56,6% (IC95%: 48,3-64,5%) apresentavam escores dentro da faixa de normalidade e 23% (IC95%: 16,8-30,7%), valores limítrofes. Entre os que não tinham asma, 75% (IC95%: 69,7-79,6%) apresentavam escores normais e 16% (IC95%: 12,2-20,7%), limítrofes. A mediana no escore total do questionário foi 14 nos portadores de asma e 12 nos sem asma (p < 0,01). Na análise multivariada (regressão logística), controlado para variáveis socioeconômicas, permaneceram significativas as associações entre transtornos emocionais e comportamentais e as seguintes variáveis: sexo feminino (OR = 1,98; IC95%: 1,10-3,56, p = 0,02), e ter asma (OR = 2,66; IC95%: 1,52-4,64, p = 0,001). Conclusões: A prevalência de transtornos emocionais e comportamentais em adolescentes portadores de asma é significativamente maior do que naqueles que não tem asma, reforçando a necessidade de uma abordagem interdisciplinar e sistêmica.

 


Palavras-chave: Asma; Epidemiologia; Prevalência; Adolescente; Psicologia; Sintomas comportamentais.

 

4 - Toracoscopia no tratamento do empiema pleural em pacientes pediátricos

Thoracoscopy in the treatment of pleural empyema in pediatric patients

Davi Wen Wei Kang, José Ribas Milanez de Campos, Laert de Oliveira Andrade Filho, Fabiano Cataldi Engel, Alexandre Martins Xavier, Maurício Macedo, Karine Meyer

J Bras Pneumol.2008;34(4):205-211

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Apresentar resultados obtidos com a toracoscopia no tratamento do empiema pleural em pacientes pediátricos. Métodos: Foram avaliados 117 empiemas pleurais, utilizando-se o mediastinoscópio ou a videotoracoscopia, com anestesia geral e sonda de intubação simples. As indicações para a intervenção cirúrgica foram: derrame pleural com ausência de resposta clínica e radiológica ao tratamento clínico (antibióticos, fisioterapia e toracocentese) ou sepse grave, e derrame pleural loculado (documentado por ultrassonografia ou tomografia computadorizada do tórax). Resultados: De fevereiro de 1983 a julho de 2006, 117 toracoscopias foram realizadas em pacientes com idade entre 5 meses e 17 anos (média, 4 anos). O tempo médio de permanência do dreno torácico foi de 9 dias (2 a 33), e o tempo de internação hospitalar foi de 16,44 dias (4 a 49). Houve apenas um óbito (0,8%), e 33 pacientes (28%) tiveram como complicação fístula aérea prolongada. Em 7 pacientes (6%), houve necessidade de conversão para toracotomia com decorticação pulmonar em decorrência da organização do empiema. Conclusões: Não existe consenso para o tratamento do empiema pleural nesta faixa etária. A terapêutica cirúrgica é geralmente requisitada tardiamente no curso da doença, particularmente quando já existem múltiplas loculações ou quadro séptico grave. A toracoscopia indicada mais precocemente no tratamento do empiema pleural em pacientes pediátricos proporcionou uma melhor resposta à terapêutica clínica, aparentemente reduzindo o índice de morbi-mortalidade, o tempo de permanência do dreno torácico, o tempo de internação hospitalar e o tempo de antibioticoterapia.

 


Palavras-chave: Empiema pleural; Pediatria/instrumentação; Toracoscopia; Cirurgia torácica vídeo-assistida.

 

5 - Fluxo de saída de oxigênio fornecido por reanimadores manuais com balão auto-inflável em pacientes com ventilação espontânea

Oxygen outflow delivered by manually operated self-inflating resuscitation bags in patients breathing spontaneously

Armando Carlos Franco de Godoy, Ronan José Vieira, Ronan José Vieira Neto

J Bras Pneumol.2008;34(4):212-216

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Determinar o fluxo de saída de oxigênio fornecido por sete modelos diferentes de reanimadores manuais com balão auto-inflável (com e sem reservatório de oxigênio acoplado), que foram testados utilizando-se diferentes fluxos de entrada de oxigênio sem manipular o balão, simulando o uso em pacientes com respiração espontânea. Métodos: O fluxo de saída de oxigênio foi medido utilizando-se um fluxômetro de oxigênio de parede e um fluxômetro/respirômetro conectados ao balão e outro fluxômetro/respirômetro conectado à porta de conexão do paciente. Os reanimadores que permitem o acoplamento de um reservatório de oxigênio foram testados com e sem esse reservatório. Todos os reanimadores foram testados utilizando-se fluxos de entrada de oxigênio de 1, 5, 10 e 15 L/min. Para a análise estatística utilizaram-se análise de variância e o teste t. Resultados: Os reanimadores que permitem o acoplamento de um reservatório de oxigênio apresentaram maior fluxo de saída de oxigênio quando esse dispositivo estava acoplado. Todos os reanimadores forneceram maior fluxo de saída de oxigênio quando receberam 15 L/min de oxigênio. Entretanto, nem todos os modelos testados forneceram fluxo de saída de oxigênio suficiente mesmo quando as duas condições anteriores foram atendidas. Conclusões: Dos reanimadores estudados, os que permitem o acoplamento de um reservatório de oxigênio devem obrigatoriamente estar com esse reservatório acoplado ao balão quando utilizados como fonte de oxigênio em pacientes não intubados com respiração espontânea. Todos os modelos estudados devem receber um fluxo de oxigênio ≥ 15 L/min. Não é seguro utilizar reanimadores manuais com balão auto-inflável para esse propósito sem conhecer suas características.

 


Palavras-chave: Oxigênio/administração & dosagem; Ressuscitação; Equipamento; Respiração; Cuidados intensivos.

 

6 - Avaliação da adenosina desaminase no diagnóstico da tuberculose pleural: uma metanálise brasileira

Evaluation of adenosine deaminase in the diagnosis of pleural tuberculosis: a Brazilian meta-analysis

Patrizio Morisson, Denise Duprat Neves

J Bras Pneumol.2008;34(4):217-224

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Avaliar trabalhos brasileiros resumindo a acurácia da adenosina desaminase no diagnóstico da tuberculose pleural, com o intuito de contribuir para a concretização do exame como rotina na investigação dos derrames pleurais. Métodos: Depois de realizada uma busca por trabalhos brasileiros referentes à dosagem da adenosina desaminase no líquido pleural, estes foram avaliados e incluídos no estudo. A análise dos dados foi feita por meio da curva summary receiver operating characteristic (SROC) que possibilitou a reunião dos estudos quanto a acurácia para o diagnóstico. Com os valores globais de sensibilidade e especificidade foi aplicado o teorema de Bayes para calcular as probabilidades pós-teste em diferentes prevalências da doença. Resultados: Entre 1987 e 2005 foram encontrados 25 estudos contendo informações suficientes que poderiam ser utilizadas na metanálise. Após avaliação, foram incluídos nove estudos, totalizando 1.674 pacientes. De acordo com a curva SROC, foi encontrada uma sensibilidade de 91,8% (IC95%: 89,8-93,6%) e uma especificidade de 88,4% (IC95%: 86,0-90,5%), com uma área abaixo da curva de 0,969. O odds ratio global foi de 112,0 (IC95%: 51,6-243,2). Considerando uma prevalência da tuberculose pleural de 50% (considerada neutra), a probabilidade do diagnóstico pós-teste positivo é de 88,7% e sua exclusão após resultado negativo de 91,5%. Conclusões: Apesar das diferenças encontradas entre os estudos, é possível concluir que a adenosina desaminase possui alta acurácia no diagnóstico da tuberculose pleural, devendo ser utilizada de rotina em sua investigação.

 


Palavras-chave: Derrame pleural; Tuberculose; Diagnóstico; Adenosina desaminase; Metanálise.

 

7 - Completude dos dados do Programa de Controle da Tuberculose no Sistema de Informação de Agravos de Notificação no Estado do Espírito Santo, Brasil: uma análise do período de 2001 a 2005

Completeness of tuberculosis control program records in the case registry database of the state of Espírito Santo, Brazil: analysis of the 2001-2005 period

Cláudia Maria Marques Moreira, Ethel Leonor Noia Maciel

J Bras Pneumol.2008;34(4):225-229

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: analisar a completude dos dados do Programa de Controle da Tuberculose no Sistema de Informação de Agravos de Notificação do Estado do Espírito Santo no período de 2001 a 2005. Métodos: estudo descritivo de análise de dados secundários. As variáveis estudadas foram: raça/cor, escolaridade, tratamento supervisionado, encerramento de cultura de escarro, situação de HIV, baciloscopia de 6º mês e situação de encerramento. Resultados: Utilizando-se os parâmetros técnicos do Sistema de Informação de Agravos de Notificação do Ministério da Saúde que dizem respeito ao percentual de preenchimento dos campos das fichas de notificação, o banco de dados sobre tuberculose no estado do Espírito Santo pode ser considerado de regular a excelente. Há no estado do Espírito Santo 78 municípios, dos quais 8 são prioritários no controle da tuberculose. Os municípios não prioritários apresentaram maior completude do que os prioritários em relação às variáveis estudadas, exceto na situação de encerramento, com percentual idêntico de preenchimento. Conclusões: Os municípios prioritários são responsáveis por 70,2% do total de notificações, devendo, portanto, melhorar a qualidade dos registros em relação ao preenchimento dos campos e à atualização dos dados, primordiais para a confiabilidade da análise epidemiológica. Isto possibilitará o planejamento de ações de prevenção e controle da tuberculose no estado.

 


Palavras-chave: Tuberculose; Notificação de doenças; Sistemas de informação; Bases de dados.

 

Artigo de Revisão

8 - Rinite alérgica: aspectos epidemiológicos, diagnósticos e terapêuticos

Allergic Rhinitis: epidemiological aspects, diagnosis and treatment

Cássio da Cunha Ibiapina, Emanuel Savio Cavalcanti Sarinho, Paulo Augusto Moreira Camargos, Cláudia Ribeiro de Andrade, Álvaro Augusto Souza da Cruz Filho

J Bras Pneumol.2008;34(4):230-240

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Este estudo tem como objetivo revisar a literatura a respeito da rinite alérgica quanto aos aspectos epidemiológicos, clínicos, diagnósticos e terapêuticos. A revisão da bibliografia foi realizada utilizando-se as bases de dados Medline, Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde e HighWire, nos últimos trinta anos, utilizando-se os descritores allergic rhinitis, epidemiology, diagnosis, e treatment. Foram selecionados 60 artigos. Este estudo destaca o aumento na prevalência da rinite alérgica, sua associação com a asma, os critérios diagnósticos e seu tratamento. A classificação da rinite alérgica é apresentada, bem como as estratégias de tratamento. As modalidades terapêuticas apresentadas e discutidas são anti-histamínicos, corticóides, imunoterapia, antileucotrienos, cromoglicato dissódico e anticorpos anti-IgE, bem como a redução da exposição aos alérgenos. Finalmente, ressalta-se a importância da abordagem da rinite alérgica em saúde pública.

 


Palavras-chave: Rinite/terapia; Hipersensibilidade; Epidemiologia; Diagnóstico.

 

Relato de Caso

9 - Videotoracoscopia para remoção de corpo estranho da cavidade pleural

Video-assisted thoracoscopic removal of foreign bodies from the pleural cavity

Giovanni Antonio Marsico, André Luiz de Almeida, Dirceo Edson de Azevedo, Gustavo Carvalho Venturini, Alexandre Edson de Azevedo, Paula dos Santos Marsico

J Bras Pneumol.2008;34(4):241-244

Resumo PDF PT PDF EN English Text

A videotoracoscopia é considerada um procedimento cirúrgico minimamente invasivo. É o procedimento de escolha para o tratamento de algumas doenças pulmonares e pleurais. Cada vez mais vem sendo empregada na fase aguda do trauma torácico. Outra indicação de seu uso, pouco descrita na literatura, é para a remoção de corpos estranhos intratorácicos retidos. Relatamos o uso da videotoracoscopia para a remoção de projéteis intrapleurais em dois pacientes hemodinamicamente estáveis nos quais a toracotomia foi evitada.

 


Palavras-chave: Traumatismos torácicos; Ferimentos penetrantes; Cirurgia torácica vídeo-assistida; Corpos estranhos.

 

10 - Tratamento da actinomicose pulmonar com levofloxacina

Treatment of pulmonary actinomycosis with levofloxacin

Diva de Fátima Gonçalves Ferreira, Joana Amado, Sofia Neves, Natália Taveira, Aurora Carvalho, Rosete Nogueira

J Bras Pneumol.2008;34(4):245-248

Resumo PDF PT PDF EN English Text

A actinomicose é uma infecção bacteriana supurativa crônica caracterizada por múltiplos abcessos, trajetos fistulosos e fibrose envolvendo a face, o pescoço, o tórax e o abdômen. É causada por uma bactéria anaeróbia, Gram-positiva e saprófita ( Actinomyces). A actinomicose pulmonar primária é uma doença rara que resulta provavelmente da aspiração de secreções da orofaringe. Pode apresentar-se como uma doença respiratória crônica. O tratamento de escolha é a antibioticoterapia com penicilina. Os autores apresentam o caso clínico de uma mulher de 55 anos com diagnóstico de actinomicose pulmonar tratada com sucesso com levofloxacina.

 


Palavras-chave: Actinomicose; Infecção; Ofloxacino; Registros médicos.

 

 


O Jornal Brasileiro de Pneumologia está indexado em:

Latindex Lilacs SciELO PubMed ISI Scopus Copernicus pmc

Apoio

CNPq, Capes, Ministério da Educação, Ministério da Ciência e Tecnologia, Governo Federal, Brasil, País Rico é País sem Pobreza
Secretaria do Jornal Brasileiro de Pneumologia
SCS Quadra 01, Bloco K, Salas 203/204 Ed. Denasa. CEP: 70.398-900 - Brasília - DF
Fone/fax: 0800 61 6218/ (55) (61) 3245 1030/ (55) (61) 3245 6218
E-mails: jbp@jbp.org.br
jpneumo@jornaldepneumologia.com.br

Copyright 2017 - Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia

Logo GN1