Jornal Brasileiro de Pneumologia

ISSN (on-line): 1806-3756

ISSN (impressa): 1806-3713

Busca avançada

Ano 2009 - Volume 35  - Número 4  (/Abril)






Artigo Original

2 - Prevalência do desenvolvimento de defeitos no esmalte dentário em crianças e adolescentes com asma

Prevalence of developmental defects of enamel in children and adolescents with asthma

Rodrigho Pelisson Guergolette, Cássia Cilene Dezan, Wanda Terezinha Garbelini Frossard, Flaviana Bombarda de Andrade Ferreira, Alcindo Cerci Neto, Karen Barros Parron Fernandes

J Bras Pneumol.2009;35(4):295-300

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Avaliou-se a prevalência de developmental defects of enamel (DDEs, defeitos de desenvolvimento do esmalte dentário) em pacientes pediátricos com asma e sua relação com a severidade da asma, o início dos sintomas e o tratamento medicamentoso. Métodos: Os participantes do estudo eram residentes do município de Londrina (PR), com 5 a 15 anos, sendo 68 asmáticos e 68 controles. Foram levantados dados retrospectivos da história médica e de saúde bucal da população do estudo através de um questionário estruturado. Todos os participantes foram submetidos a um exame dental. Para a avaliação dos defeitos de desenvolvimento do esmalte dentário, utilizou-se o Índice DDE. Resultados: Neste estudo, foi observado que 61 (89,7%) dos 68 pacientes asmáticos apresentavam defeitos do esmalte dentário quando comparado à ocorrência em 26 (38,2%) dos no grupo controle. Através da análise multivariada por regressão logística, foi observado que um paciente pediátrico com asma apresenta risco aumentado em 11 vezes para o aparecimento de DDEs em dentes permanentes (OR = 11,88, p = 0,0001). Além disso, foi observado uma associação entre defeitos do esmalte dentário e maior severidade da asma (p = 0,0001) e início dos sintomas mais precoce (p = 0,0001). Não se observou associação entre o início do tratamento (p = 0,08) ou frequência de uso da medicação (p = 0,93) com o aparecimento de defeitos do esmalte dentário. Conclusões: Pacientes pediátricos com asma apresentam risco aumentado para a ocorrência de defeitos do esmalte dentário relacionado à severidade da asma e início dos sintomas e, portanto, necessitam de atenção odontológica prioritária.

 


Palavras-chave: Asma/prevenção & controle; Broncodilatadores; Corticosteroides/uso terapêutico; Esmalte dentário; Amelogênese.

 

3 - A asma e a DPOC na visão do pneumologista

Asthma and COPD according to the pulmonologist

Hisbello da Silva Campos, Antonio Carlos Moreira Lemos

J Bras Pneumol.2009;35(4):301-309

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Avaliar como o pneumologista vê o impacto da asma e da DPOC na sua clientela, e como ele vem tratando essas doenças. Métodos: Inquérito com 227 pneumologistas participantes do VI Congresso de Asma e II Congressos Brasileiros de DPOC e de Tabagismo, realizados em 2007. Resultados: As respostas dos pneumologistas mostraram que a DPOC é um problema de saúde pública igual ou maior que a asma, e que a DPOC causa inúmeros transtornos para o doente e para seus familiares. Na escolha do dispositivo inalatório, a simplicidade de uso é mais importante que o custo, havendo discreta predileção pelos sistemas Aeroliser® e Diskus®. A associação entre budesonida e formoterol foi a conduta terapêutica mais citada para o tratamento continuado do asmático sintomático, enquanto o brometo de tiotrópio foi o medicamento preferido pela maior parte para o tratamento continuado do portador de DPOC. A escolha do esquema para o tratamento continuado do asmático e do portador de DPOC é especialmente influenciada pela publicação de resultados de ensaios terapêuticos na literatura. ­Conclusões: A opinião do pneumologista sobre os temas abordados está de acordo com a literatura especializada.

 


Palavras-chave: Questionários; Asma; DPOC; Condutas na prática dos médicos; Brasil.

 

4 - Avaliação dos descritores de asma grave em pacientes incluídos na portaria de saúde pública que regulamenta a distribuição gratuita de medicamentos para o tratamento de manutenção da asma

Evaluation of diagnostic criteria for severe asthma described in a public health directive regulating the free distribution of medications for the maintenance treatment of asthma

Maria Amélia Carvalho da Silva Santos, Ana Luisa Godoy Fernandes, Mara Marta Amorim, Patrícia Bueno Lima, Sonia Maria Faresin, Ilka Lopes Santoro

J Bras Pneumol.2009;35(4):310-317

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Avaliar a capacidade dos critérios descritos na Portaria Complementar SAS/MS n°12, de 12 de novembro de 2002, em identificar pacientes asmáticos graves, bem como descrever e comparar dados clínicos, funcionais e de tratamento destes pacientes. Métodos: Estudo caso-controle aninhado em um banco de dados estruturado de atendimento ambulatorial de asmáticos. Foram considerados casos os pacientes asmáticos que preencheram os critérios de inclusão determinados na portaria e considerados controles os que não preencheram os mesmos critérios. Foram coletados e comparados dados demográficos; história pregressa da asma; medicamentos em uso; presença de comorbidades; história de tabagismo; presença, no último ano, de exacerbações, de hospitalizações e de admissões em unidades de terapia intensiva devido à asma; e resultados de espirometria e de citologia de escarro. Resultados: Foram incluídos 29 e 31 pacientes, respectivamente, nos grupos caso e controle. O grupo caso apresentou maior número de exacerbações e maior número de visitas ao pronto-socorro no último ano, maior porcentagem de pacientes que receberam pelo menos um pulso de corticosteroide oral, assim como menores valores de CVF pré-broncodilatador em relação ao grupo controle. O grupo caso também apresentou um aumento significante de eosinófilos na citologia do escarro induzido. Conclusões: Os critérios de inclusão descritos na portaria são adequados para estratificar pacientes com asma grave.

 


Palavras-chave: Asma; Budesonida; Terapia combinada.

 

5 - Estudo comparativo entre dois questionários de qualidade de vida em pacientes com DPOC

Comparative study of two quality of life questionnaires in patients with COPD

Andréa Sória Buss, Luciano Müller Correa da Silva

J Bras Pneumol.2009;35(4):318-324

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Comparar dois questionários de avaliação de qualidade de vida-Saint George's Respiratory Questionnaire (SGRQ) e Medical Outcomes Study 36-item Short-Form Health Survey (SF-36)-em pacientes com DPOC quanto às suas propriedades discriminativas e correlacionar seus respectivos domínios com as seguintes variáveis: escore da escala modificada do Medical Research Council; escore do Inventário de Depressão de Beck; escore da escala visual analógica para percepção do estado geral da saúde; escore de Mini-Mental State Examination; e um escore clínico de DPOC criado especialmente para o estudo. Métodos: Foram entrevistados 30 pacientes com DPOC entre os meses de maio e setembro de 2006. Foram comparados e correlacionados os escores totais e os respectivos domínios dos questionários SF-36 e SGRQ. Resultados: Todos os domínios do SF-36 apresentaram correlação estatisticamente significativa com o escore total do SGRQ (r = −0,5 a −0,69; p < 0,01), exceto o domínio dor. O domínio sintomas do SGQR foi o único que apresentou correlações significativas com todas as variáveis (p < 0,05). Conclusões: A maioria das correlações que seriam esperadas entre o SGRQ e o SF-36 com as demais variáveis foi observada. O SGRQ apresenta melhores propriedades discriminativas em relação ao questionário genérico SF-36, notadamente o domínio sintomas. O SF-36 não é um instrumento adequado para medir o estado afetivo de pacientes com DPOC.

 


Palavras-chave: Doença pulmonar obstrutiva crônica; Qualidade de vida; Coleta de dados.

 

6 - Broncodilatação na DPOC: muito além do VEF1-efeito do salbutamol nas propriedades resistivas e reativas do sistema respiratório

Bronchodilation in COPD: beyond FEV1-the effect of albuterol on resistive and reactive properties of the respiratory system

Gerusa Marítimo da Costa, Alvaro Camilo Dias Faria, Ana Maria Gonçalves Tavares Di Mango, Agnaldo José Lopes, José Manoel Jansen, Pedro Lopes de Melo

J Bras Pneumol.2009;35(4):325-333

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Atualmente existem importantes debates na literatura sobre a resposta broncodilatadora em pacientes com DPOC e se a variação do VEF1 pode ser considerada uma indicação completa de reversibilidade neste caso particular. O objetivo deste estudo foi investigar o efeito do salbutamol nas propriedades resistivas e elásticas do sistema respiratório de portadores de DPOC. Métodos: Foram avaliados 70 indivíduos com DPOC, classificados através da espirometria em dois grupos: broncodilatador (BD)-negativo (n = 39); e BD-positivo (n = 31). Utilizou-se a técnica de oscilações forçadas (TOF) para avaliar os seguintes parâmetros: a resistência no intercepto (R0), associada à resistência total do sistema respiratório; a resistência média (Rm), relacionada à resistência de vias aéreas centrais; e a complacência dinâmica (Cdyn); assim como o coeficiente angular da resistência (S) e a reatância média (Xm), relacionados com a homogeneidade do sistema respiratório. Resultados: O uso do salbutamol resultou em reduções significativas de R0 (p < 0,00002) e Rm (p < 0,0002). Foram também observadas elevações significativas em S (p < 0,0001), Cdyn (p < 0,0001) e Xm (p < 0,00004). Estas alterações ocorreram tanto nos dois grupos, tendo sido observadas maiores modificações nos parâmetros da TOF do que nos parâmetros da espirometria. Conclusões: O uso de salbutamol melhorou o comportamento dos componentes resistivos e reativos do sistema respiratório dos pacientes com DPOC estudados. Estas mudanças ocorreram independentemente da classificação do exame empregando o VEF1, o que indica que a utilização deste parâmetro isoladamente pode não ser suficiente para identificar completamente os efeitos fisiológicos envolvidos.

 


Palavras-chave: Doença pulmonar obstrutiva crônica; Broncodilatadores; Espirometria; Salbutamol.

 

7 - Associação entre os polimorfismos dos genes MBL2, TGF-β1 e CD14 com a gravidade da doença pulmonar na fibrose cística

Association of MBL2, TGF-β1 and CD14 gene polymorphisms with lung disease severity in cystic fibrosis

Elisangela Jacinto de Faria, Isabel Cristina Jacinto de Faria, José Dirceu Ribeiro, Antônio Fernando Ribeiro, Gabriel Hessel, Carmen Sílvia Bertuzzo

J Bras Pneumol.2009;35(4):334-342

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Verificar a correlação entre os polimorfismos dos genes MBL2, TGF-β1 e CD14 com a gravidade da doença pulmonar em pacientes com fibrose cística (FC), bem como correlacionar a presença dos alelos ΔF508 com a gravidade da doença naqueles pacientes. Métodos: Estudo clínico-laboratorial, de corte transversal, com 105 pacientes fibrocísticos de um hospital universitário em 2005-2006. Foram analisados 202 doadores de sangue saudáveis como controles para a pesquisa dos polimorfismos no gene TGF-β1 e CD14. A análise de polimorfismos nos genes MBL2 e TGF-β1 no códon 10, posição +869, foi realizada pela técnica da PCR alelo-específica. A genotipagem do polimorfismo C-159T no gene CD14 foi realizada através de PCR e digestão enzimática. Resultados: Dos 105 pacientes com FC avaliados, 67 apresentavam doença pulmonar grave segundo o escore de Shwachman. Os polimorfismos do gene MBL2 não foram associados com a gravidade da doença nos fibrocísticos. A análise do polimorfismo T869C no gene TGF-β1 mostrou somente uma associação entre o heterozigoto TC com doença pulmonar leve. Para o polimorfismo C-159T no gene CD14, obtivemos um predomínio de pacientes com o genótipo TT, mas não houve diferença significativa com relação à gravidade do quadro pulmonar. Conclusões: Houve associação entre o genótipo TC do polimorfismo T869C (TGF-β1) e o quadro pulmonar leve nos fibrocísticos. No gene CD14, o genótipo TT parece ser um fator de risco para o quadro pulmonar, mas não um fator modulador da gravidade. Não existiu associação entre pacientes homozigotos para a mutação ΔF508 e a gravidade do quadro pulmonar.

 


Palavras-chave: Fibrose cística; Polimorfismo genético; Índice de gravidade de doença; Lectina de ligação a manose; Fator transformador de crescimento beta.

 

8 - Análise do lavado broncoalveolar em vítimas de queimaduras faciais graves

Bronchoalveolar lavage analysis in victims of severe facial burns

Eucir Rabello, Vera Flores Batista, Patrícia Martins Lago, Renata de Azevedo Gameiro Alvares, Cesônia de Assis Martinusso, José Roberto Lapa e Silva

J Bras Pneumol.2009;35(4):343-350

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Analisar o lavado broncoalveolar (LBA) de vítimas de queimaduras que inalaram fumaça a fim de identificar alterações que possam estar associadas à morte ou à sobrevida. Métodos: Dezoito vítimas de queimaduras faciais foram submetidas a LBA até 24 h após o evento, sendo realizadas a análise do conteúdo celular e proteico, incluindo TNF-α, HLA-DR, CD14, CD68 e iNOS. Resultados: Dos 18 pacientes submetidos à broncoscopia, 8 (44,4%) morreram durante o seguimento. A média de idade dos pacientes que morreram foi significativamente maior (44,7 vs. 31,5 anos). A superfície corporal queimada foi em média de 60,1% nos pacientes que morreram e de 26,1% nos sobreviventes (p < 0,0001). Entre os 18 pacientes submetidos à broncoscopia, 11 (61,1%) apresentaram sinais endoscópicos de lesão por inalação de fumaça, e 4 (36,4%) destes faleceram. Dos 7 pacientes sem sinais de lesão por inalação de fumaça, 4 (57,1%) faleceram. A média do número de células epiteliais ciliadas no LBA dos pacientes que morreram foi significativamente maior daquela dos sobreviventes (6,6% vs. 1,4%; p = 0,03). Os demais parâmetros analisados não mostraram diferença entre os grupos. Conclusões: A superfície corporal queimada mostrou ser um fator preditivo de mortalidade. O aumento do número de células epiteliais ciliadas no LBA, denotando descamação epitelial brônquica, esteve associado à maior mortalidade de pacientes com queimaduras faciais.

 


Palavras-chave: Queimaduras; Lesão por inalação de fumaça; Lavagem broncoalveolar; Células epiteliais brônquicas; Macrófagos; Fator de necrose tumoral alfa.

 

9 - Infecção por Mycobacterium tuberculosis entre agentes comunitários de saúde que atuam no controle da TB

Mycobacterium tuberculosis infection among community health workers involved in TB control

Patrícia Marques Rodrigues, Tiago Ricardo Moreira, Andressa Karla Luz de Moraes, Rafael da Cruz Araújo Vieira, Reynaldo Dietze, Rita de Cassia Duarte Lima, Ethel Leonor Noia Maciel

J Bras Pneumol.2009;35(4):351-358

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Avaliar a incidência de infecção por Mycobacterium tuberculosis através da prova tuberculínica em agentes comunitários de saúde (ACS) que acompanham pacientes em tratamento de TB no município de Cachoeiro de Itapemirim (ES). Métodos: Incluímos 30 ACS que atuam no Programa de Saúde da Família e 30 de seus familiares residentes no mesmo domicílio. Comparamos o resultado do teste tuberculínico de cada ACS e do membro familiar correspondente. Resultados: Entre os 30 ACS, 27 (90,0%) eram do sexo feminino, ao passo que entre os 30 familiares, 23 (76,7%) eram do sexo feminino (p = 0,299). A idade média do grupo ACS e do grupo dos familiares foi, respectivamente, 36,8 e 39,7 anos. Não houve diferença estatística no nível de escolaridade entre os grupos estudados. Na investigação da exposição ao M. tuberculosis, o mesmo número de indivíduos nos dois grupos afirmou conhecer ou já ter tido algum contato com paciente com TB (17 indivíduos; 56,7%). Houve diferença estatisticamente significativa quanto ao resultado positivo da prova tuberculínica nos dois grupos (26,7% no grupo ACS e 3,3% no grupo de familiares; p = 0,011). Conclusões: A infecção por M. tuberculosis entre os ACS foi significativamente maior que entre seus familiares, e isso contribui para o debate em torno do risco ocupacional envolvido nas atividades destes profissionais.

 


Palavras-chave: Auxiliares de saúde comunitária; Tuberculose; Teste tuberculínico.

 

10 - Comunicantes domiciliares jovens de pacientes com TB pulmonar na região da grande Vitória (ES): um estudo de coorte

Juvenile household contacts aged 15 or younger of patients with pulmonary TB in the greater metropolitan area of Vitória, Brazil: a cohort study

Ethel Leonor Noia Maciel, Luiza Werner Heringer Vieira, Lucília Pereira Dutra Molina, Rosana Alves, Thiago Nascimento do Prado, Reynaldo Dietze

J Bras Pneumol.2009;35(4):359-366

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Comparar aspectos clínicos, radiológicos e laboratoriais de contatos domiciliares, menores de 15 anos, de pacientes com cultura positiva para Mycobacterium tuberculosis. Métodos: Realizou-se um estudo de coorte comparando crianças e adolescentes (≤ 15 anos) que eram contatos domiciliares de casos de TB com baciloscopia e cultura positiva (grupo exposto, n = 100) ou com baciloscopia negativa e cultura positiva (grupo não-exposto, n = 55). Todos os contatos foram avaliados no período de julho de 2003 a dezembro de 2006, no programa de controle da TB de um hospital universitário na cidade de Vitória (ES). Resultados: Das 155 contatos avaliados, 87 (56,1%) eram do sexo feminino e 68 (43,9%) do masculino. Do total, 28 (18%) eram menores de 5 anos; 62 (40%), entre 5-9 anos; e 65 (42%), entre 10-15 anos. Foi detectada a presença de sintomas de TB em 17 (17%) dos 100 contatos no grupo exposto e em 9 (16%) dos 55 no grupo não-exposto (p = 0,86). A radiografia de tórax apresentou alterações em 20 (21%) e 2 (4%) dos contatos nos grupos exposto e não-exposto, respectivamente (RR = 6,9; p = 0,004). Nos grupos exposto e não-exposto, respectivamente, 35 (38%) e 10 (18%) dos contatos apresentaram prova tuberculínica positiva (RR = 2,8; p = 0,01). No total, 5 contatos (5%) do grupo exposto foram diagnosticados com TB, ao passo que não houve diagnóstico de TB no grupo não-exposto (p = 0,08). ­Conclusões: Apesar desta pesquisa não ter encontrado diferença significativa no surgimento de casos de TB entre os comunicantes dos grupos estudados, deve-se ressaltar que quanto maior a carga bacilar do caso índice, maior é a chance dos seus contatos virem a se infectar por M. tuberculosis.

 


Palavras-chave: Tuberculose; Mycobacterium tuberculosis; Tuberculose pulmonar; Criança; Adolescente.

 

11 - Transporte intra-hospitalar de pacientes sob ventilação invasiva: repercussões cardiorrespiratórias e eventos adversos

Intrahospital transport of patients on invasive ventilation: cardiorespiratory repercussions and adverse events

Lea Tami Suzuki Zuchelo, Paulo Antônio Chiavone

J Bras Pneumol.2009;35(4):367-374

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Verificar a ocorrência de alterações cardiorrespiratórias e identificar eventos adversos durante o transporte intra-hospitalar de pacientes sob ventilação invasiva. Métodos: Estudo observacional prospectivo não-randomizado, conduzido em dois hospitais terciários, entre abril de 2005 e dezembro de 2006. Foram incluídos pacientes sob ventilação invasiva que necessitaram de transporte intra-hospitalar durante o período do estudo. Os critérios de exclusão foram: estar sob suspeita de morte encefálica; ter sido submetido a períodos de ventilação mecânica e de nebulização em tubo T; e ter sido transportado para o centro cirúrgico. Antes e após o transporte, os seguintes parâmetros foram avaliados: gasometria arterial, sinais vitais, uso de medicamentos através de uma bomba de infusão contínua, parâmetros do ventilador mecânico, duração do transporte, distância percorrida e número de profissionais envolvidos. Resultados: Foram incluídos 48 pacientes, num total de 58 transportes. Observou-se alteração cardiorrespiratória importante em 39 transportes, totalizando 86 episódios, assim como 16 eventos adversos relacionados à falha de equipamento e falha da equipe, dentre eles problemas com baterias e falhas de comunicação. Conclusões: Durante o transporte intra-hospitalar de pacientes submetidos à ventilação invasiva, alterações cardiorrespiratórias foram frequentes (67,2%), e eventos adversos ocorreram em 75,7% dos transportes realizados

 


Palavras-chave: Transferência de pacientes; Cuidados intensivos; Respiração artificial; Respiradores mecânicos.

 

Artigo de Revisão

12 - Papel da imuno-histoquímica no diagnóstico do câncer de pulmão

Role of immunohistochemistry in the diagnosis of lung cancer

Vera Luiza Capelozzi

J Bras Pneumol.2009;35(4):375-382

Resumo PDF PT PDF EN English Text

O propósito da imuno-histoquímica é reconhecer antígenos e assim identificar e classificar células específicas dentro de uma população celular morfologicamente heterogênea (ou aparentemente homogênea). A visualização do complexo antígeno-anticorpo é possível pela adição de um fluorocromo conjugado ao anticorpo, que pode então ser observado ao microscópio, ou alternativamente uma enzima, cujo produto de reação pode igualmente ser visualizado. A imuno-histoquímica pode ser aplicada na rotina diagnóstica complementar do câncer de pulmão para a identificação de marcadores biológicos diagnósticos e prognósticos. Os painéis imuno-histoquímicos mínimos necessários para a complementação diagnóstica serão discutidos nesta revisão.

 


Palavras-chave: Imunoistoquímica; Marcadores biológicos de tumor; Neoplasias pulmonares.

 

Relato de Caso

13 - Tireoide ectópica no mediastino anterior

Ectopic thyroid in the anterior mediastinum

Maria José Araújo da Cunha Guimarães, Carla Manuela Silva Valente, Lèlita Santos, Manuel Fontes Baganha

J Bras Pneumol.2009;35(4):383-387

Resumo PDF PT PDF EN English Text

A ectopia de tireoide é rara, e a sua localização no mediastino anterior é excepcional, estando descritos apenas 5 casos nos últimos 30 anos. Os autores apresentam 2 casos clínicos, além de uma revisão da literatura abordando a etiologia, a embriologia e manifestações clínicas de ectopia de tireoide.

 


Palavras-chave: Disgenesia da tireoide; Mediastino; Bócio.

 

14 - Fístula linfática após tratamento cirúrgico de síndrome do desfiladeiro torácico à direita

Chylothorax after surgical treatment of right-sided thoracic outlet syndrome

Luiz Felipe Lopes Araujo, Alexandre Heitor Moreschi, Guilherme Baroni de Macedo, Laura Moschetti, Eduardo Lopes Machado, Maurício Guidi Saueressig

J Bras Pneumol.2009;35(4):388-391

Resumo PDF PT PDF EN English Text

A fístula linfática como complicação de correção de síndrome do desfiladeiro torácico é um evento muito raro. ­Relatamos um caso de fístula linfática à direita e apresentamos uma breve revisão do tratamento de quilotórax pós-­cirúrgico.

 


Palavras-chave: Quilotórax; Síndrome do desfiladeiro torácico; Síndrome da costela cervical; Complicações pós-operatórias.

 

15 - Pseudotumor pulmonar como apresentação inicial de granulomatose de Wegener

Lung pseudotumor as the initial presentation of Wegener's granulomatosis

Marcelo Fouad Rabahi, Ludmila Bertti Coelho, Eliza de Oliveira Borges, Marcella Stival Lemes, Weniskley Mendes de Castro, Siderley de Souza Carneiro

J Bras Pneumol.2009;35(4):392-395

Resumo PDF PT PDF EN English Text

A granulomatose de Wegener é uma doença inflamatória multissistêmica de etiologia desconhecida, que se caracteriza por vasculite de pequeno e médio calibre. As manifestações clínicas mais comuns envolvem o trato respiratório superior, pulmões e rins e as alterações encontradas nos exames de imagem são geralmente opacidades pulmonares ou nódulos múltiplos, bilaterais e, em 50% dos casos, cavitações. O tratamento é feito com corticoides e imunossupressores. Descreve-se um caso atípico de um homem de 61 anos cuja investigação inicial de um tumor pulmonar unilateral evidenciou, na verdade, Granulomatose de Wegener.

 


Palavras-chave: Granulomatose de Wegener; Vasculite; Diagnóstico diferencial; Neoplasias pulmonares.

 

Resposta do autor

17 - Resposta dos autores

Author's reply

Carlos Alberto de Assis Viegas

J Bras Pneumol.2009;35(4):397-398

PDF PT PDF EN English Text


 


O Jornal Brasileiro de Pneumologia está indexado em:

Latindex Lilacs SciELO PubMed ISI Scopus Copernicus pmc

Apoio

CNPq, Capes, Ministério da Educação, Ministério da Ciência e Tecnologia, Governo Federal, Brasil, País Rico é País sem Pobreza
Secretaria do Jornal Brasileiro de Pneumologia
SCS Quadra 01, Bloco K, Salas 203/204 Ed. Denasa. CEP: 70.398-900 - Brasília - DF
Fone/fax: 0800 61 6218/ (55) (61) 3245 1030/ (55) (61) 3245 6218
E-mails: jbp@jbp.org.br
jpneumo@jornaldepneumologia.com.br

Copyright 2017 - Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia

Logo GN1