Jornal Brasileiro de Pneumologia

ISSN (on-line): 1806-3756

ISSN (impressa): 1806-3713

SCImago Journal & Country Rank
Busca avançada

Ano 1997 - Volume 23  - Número 5  (Setembro/Outubro)






Editorial

1 - Distúrbios do sono: o que os pneumologistas têm a ver com isto?

Luiz Eduardo Nery

J Bras Pneumol.1997;23(5):223-224

PDF PT


Artigo Original

2 - Função pulmonar na cirrose hepática

Pulmonary function in hepatic cirrhosis

Eduardo Garcia, Américo de Oliveira Silvério, Ajácio Bandeira de Melo Brandão, José Silva Moreira

J Bras Pneumol.1997;23(5):225-230

Resumo PDF PT English Text

A presença de hipoxemia arterial na cirrose hepática é fato bem documentado; seus mecanismos fisiopatogênicos têm sido muito estudados. Admite-se que haja, acompanhando a doença do fígado, alterações na vasculatura pulmonar que determinem pequenos e inúmeros shunts arteriovenosos. A presença de shunts anatômicos intrapulmonares, embora bem documentada, ocorre em pequena quantidade e dificilmente explicaria tão baixos níveis de oxigenação arterial vistos nos pacientes cirróticos. Postula-se que ocorram alterações na dinâmica pulmonar e que a difusão dos gases possa estar comprometida. Objetivo: avaliar a função pulmonar e os níveis de oxigenação arterial em 55 pacientes com cirrose hepática, nos quais se excluem comorbidez pulmonar, cardíaca ou hematológica graves. Eles foram submetidos à avaliação da função pulmonar através da medida da capacidade vital forçada, volume expiratório forçado, volume residual e medida de difusão do monóxido de carbono e, posteriormente, ao estudo da oxigenação arterial através da realização de gasometrias arteriais em repouso sob ar ambiente e com oxigênio a 100%. A análise dos resultados obtidos permitiu observar a presença de fluxos e volumes pulmonares normais (médias de: CVF = 104,6%; VEF1 = 102,4%; volume residual = 117,4%) e difusão diminuída (média = 70,8%) em relação ao previsto. Constatou-se uma PaO2 média de 81,20mmHg ao repouso e de 515,4mmHg quando inspirado oxigênio a 100%. Não foram observadas correlações entre os níveis de PaO2 (em repouso e com oxigênio) e a difusão. Neste estudo, os fluxos e volumes pulmonares foram normais em relação ao previsto; porém, a difusão do monóxido de carbono mostrou-se diminuída. Essa difusão diminuída permite corroborar a idéia até então existente do chamado distúrbio difusão-perfusão como um dos mecanismos envolvidos na fisiopatogenia da síndrome hepatopulmonar, mesmo sem evidência de shunt arteriovenoso morfológico intrapulmonar.

 


Palavras-chave: Síndrome hepatopulmonar. Função pulmonar. Cirrose hepática.

 

3 - Prevalência de depressão maior em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica

Prevalence of major depression in patients with chronic obstructive pulmonary disease

Marlise Heckler, Roger Weingartner, José da Silva Moreira, Sérgio Prezzi, Nélio Tombini

J Bras Pneumol.1997;23(5):231-236

Resumo PDF PT English Text

A depressão é o distúrbio psiquiátrico mais comum em pacientes hospitalizados por distúrbios orgânicos. A doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) é a forma mais freqüente de doença pulmonar e responsável por grande número de internações. O objetivo deste trabalho foi analisar a prevalência de depressão maior em pacientes internados com DPOC e correlacionar a depressão com o grau de obstrução funcional, PaCO2, PaO2, infecção respiratória e uso de corticóide. A depressão foi diagnosticada segundo os critérios do Manual de Estatística e Diagnóstico de Distúrbios Mentais IV (DSM IV) para transtornos orgânicos do humor e quantificada pela Escala de Depressão de Beck (BDI). A entrevista, espirometria e gasometria arterial foram realizadas entre o 3º e o 10º dia de internação. Participaram deste estudo prospectivo 51 pacientes (34 homens e 17 mulheres) com idade média de 61 ± 11 anos. Infecção respiratória foi o motivo mais freqüente para internação hospitalar. Depressão maior esteve presente em 26,9% dos pacientes, o que representa 8 mulheres e 3 homens (p = 0,003). A PaCO2 foi de 60,1 ± 18,0mmHg para os deprimidos e de 45,8 ± 10,0mmHg em não deprimidos (p = 0,004). Não se encontrou diferença entre os outros dados analisados. Os autores concluem que a depressão maior é comum nos pacientes com DPOC, especialmente nos hipercápnicos e do sexo feminino.

 


Palavras-chave: Doença pulmonar obstrutiva crônica. Corticóide. Hipercapnia. Hipoxemia. Depressão.

 

4 - Tuberculose multirresistente (TBMR): aspectos clínico-laboratoriais, epidemiológicos e terapêuticos

Multiresistant tuberculosis (MRTB): clinical, laboratorial, epidemiological, and therapeutic aspects

Márcia Seiscento, Fernando Augusto Fiuza de Melo, Jorge Ide Neto, Ana Maria Lobo Noronha, Jorge Barros Afiune, Tomiko Inomata, Maria Luiza Cruz

J Bras Pneumol.1997;23(5):237-244

Resumo PDF PT English Text

Objetivos: Avaliar aspectos clínico-laboratoriais, epidemiológicos e terapêuticos de pacientes portadores de tuberculose multirresistente (TBMR). Pacientes e métodos: Estudo prospectivo, não randomizado, de pacientes portadores de TBMR, caracterizados pela falência aos E-1 e E-3 do Ministério da Saúde e resistência à R e H, entre janeiro de 1993 e dezembro de 1994. Foram avaliados aspectos clínico-laboratoriais como idade, sexo, grupo étnico, tempo de doença, ocorrência de cavidades na radiologia convencional, resistência às drogas pelo método indireto segundo os critérios proporcionais de Canetti et al.; epidemiológicos como os fatores preditores de riscos para a multirresistência e os resultados do tratamento. Este constou de dois regimes quimioterápicos alternativos, associando um aminoglicosídeo, amicacina (grupo A) ou a S se sensível (grupo B), a ofloxacina, a clofazimina, além de outras drogas como a tiacetazona, o E ou a Z, de acordo com a sensibilidade ou uso limitado anterior, por um mínimo de 12 meses. Doentes com lesões radiológicas unilaterais, possibilidades funcionais e que aceitaram a indicação foram submetidos a cirurgia (grupo C). O tratamento foi ambulatorial, auto-administrado ou sob supervisão indireta, com a internação admitida por razões clínicas, por tempo limitado ou quando indicada a cirurgia. Excluídos os doentes com tratamento alternativo anterior, os infectados pelo HIV, as grávidas e os portadores de insuficiência renal. A avaliação estendeu-se até 12 meses após o término do tratamento. Resultados: Estudados 70 pacientes, idade média de 37 anos, 42 do sexo masculino, 44 brancos e 26 não brancos (2 amarelos), tempo médio de doença de 4 anos e lesões cavitárias bilaterais em 55 (78,6%). Resistência a duas drogas em 28,6%, a três em 51,4% e a quatro em 20%. O fator preditor de risco para a TBMR mais freqüente foi o abandono (54,3%), seguido da recidiva após cura com E-1 e falência no retratamento (14,3%), intolerância às drogas (11,4%), contato com TBMR (8,6%). Em 11% não foi possível determinar o fator preditor de risco, sendo a multirresistência adquirida considerada em 80% e a primária, em apenas 8,6% dos casos. A cura foi observada em 25 do grupo A (N = 39), 11 do B (N = 24) e 3 do C (N = 7). Somente 2 abandonaram o tratamento (A) e apenas 2 morreram durante o tratamento (C). No período de controle, 3 recidivaram (1 no A e 2 no B) e 7 morreram (3 no A, 2 no B e 2 no C). A eficácia do grupo A foi de 67,6% (25/37) no final do tratamento e 64,9% no controle pós-tratamento; do B, de 45,8% (11/24) e 37,5%; e do C, de 42,8% (3/7) ao final e no controle. A efetividade ao final do tratamento no grupo A caiu de 64,1 para 61,5% após 12 meses; no B, de 45,8 para 37,5%; permanecendo inalterada em 42,8% no C, no qual os 4 que faliram foram a óbito. Interrupção de drogas por efeitos adversos ocorreu tardiamente em 2 casos e outras adversidades foram anotadas sem necessidade de interromper o tratamento.

 


5 - Alterações morfológicas induzidas pelo ácido oléico em pulmões de ratos

Morphological lesions induced by oleic acid in lungs of rats

Thais Helena A.T. Queluz, Júlio Defaveri, Silene El-Fakhouri

J Bras Pneumol.1997;23(5):245-251

Resumo PDF PT English Text

O ácido oléico (AO) tem sido utilizado experimentalmente, devido a suas ações direta e indireta sobre o tecido pulmonar, como modelo de embolia gordurosa e de síndrome da angústia respiratória aguda (SARA). O objetivo deste trabalho foi estudar as alterações morfológicas agudas e crônicas causadas nos pulmões pela injeção intravenosa de AO em ratos. Ratos machos da linhagem Wistar foram injetados com 0,05ml de AO e grupos de cinco animais foram sacrificados 2, 24, 48 horas, 5, 10, 30 e 90 dias após a injeção. Os estudos de microscopia óptica revelaram edema alveolar difuso, focos de hemorragia intra-alveolar e focos de necrose isquêmica de 2 a 48 horas após a injeção. Nesse período, a microscopia eletrônica mostrou grave comprometimento endotelial e lesão de pneumócitos do tipo II. A partir do 5º dia após a injeção, observou-se resolução dessas lesões com discretas seqüelas morfológicas. Os pulmões dos ratos sacrificados nos 30º e 90º dias eram iguais aos dos grupos-controles. Este modelo permite a sobrevivência dos animais, sendo adequado para estudos de embolia gordurosa e de SARA.

 


Palavras-chave: Ácido oléico. Embolia gordurosa. Síndrome da angústia respiratória aguda, SARA. Modelo experimental.

 

Artigo de Revisão

6 - Cirurgia redutora de enfisema

Lung reduction surgery

Marco Aurélio Scarpinella-Bueno, Hélio Romaldini

J Bras Pneumol.1997;23(5):252-260

Resumo PDF PT English Text

A cirurgia redutora de volume pulmonar é um método terapêutico com o objetivo de melhorar a função pulmonar em um seleto grupo de pacientes com enfisema grave. Seu mecanismo de ação parece decorrer da melhora da mecânica diafragmática e de parede torácica. Cada vez mais surgem evidências científicas de que a cirurgia redutora oferece resultados paliativos razoáveis, com benefícios estendendo-se por pelo menos até dois anos. Medidas de função pulmonar têm mostrado melhora objetiva em variáveis fisiológicas como obstrução ao fluxo aéreo, recolhimento elástico e troca gasosa. Apesar de tudo isso, uma série de controvérsias persiste, basicamente quanto aos efeitos a longo prazo do procedimento, índices preditivos de sucesso, análise de custo-benefício e abordagem cirúrgica.

 


Palavras-chave: Enfisema. Cirurgia de redução volumétrica.

 

Relato de Caso

7 - Hidatidose pulmonar policística mimetizando lesões metastáticas: relato de caso

Pulmonary polycystic hydatid disease mimicking metastatic lesions: report of a case

Séfora Cristiane X. Almeida, Ricardo Luiz M. Martins, Mário A.P. Moraes, Carlos Alberto Viegas, Marcellus Grilo

J Bras Pneumol.1997;23(5):261-263

Resumo PDF PT English Text

É descrito um caso de doença hidática policística, oriundo de Brasília, DF, com alterações radiológicas pulmonares que sugeriam lesões metastáticas. As manifestações clínicas principais incluíam tosse seca, dor torácica e dispnéia progressiva, afora um episódio de hemoptise. No sangue havia leucocitose e eosinofilia elevada. Uma TC abdominal mostrou lesões hipodensas e calcificações no lobo direito do fígado. O diagnóstico da doença só foi possível mediante biópsia pulmonar a céu aberto. Protoscóleces, possivelmente de Echinococcus vogeli, estavam presentes no material removido. Como fonte provável de infecção serviu algum cão de caça alojado no canil mantido pelo paciente. A administração do albendazol não produziu efeitos significativos sobre as lesões pulmonares, após um ano de tratamento, ainda não interrompido.

 


Palavras-chave: Hidatidose policística. Doença hidática policística. Equinococose neotropical. Echinococcus vogeli.

 

8 - Sobre um caso de síndrome da apnéia obstrutiva de sono simulando narcolepsia

A case of obstructive sleep apnea syndrome simulating narcolepsy

R. Nonato D. Rodrigues, M. Guiot, P. Tavares

J Bras Pneumol.1997;23(5):264-266

Resumo PDF PT English Text

Descreve-se o caso de um paciente com síndrome da apnéia do sono obstrutiva (SASO), o qual apresentava também queixas sugestivas de narcolepsia. A propedêutica polissonográfica revelou a gravidade do quadro apnéico e o teste das múltiplas latências de adormecimento (TMLA) mostrou REM precoce em duas das cinco oportunidades. A polissonografia com CPAP nasal observou melhora do sono noturno e revelou, no TMLA realizado no dia seguinte, as características narcolépticas.

 


Palavras-chave: Síndrome da apnéia do sono obstrutiva (SASO). Narcolepsia. Privação de sono. CPAP.

 

9 - Pan-hipopituitarismo por metástases hipotálamo-hipofisárias de carcinoma escamoso de pulmão

Panhypopituitarism caused by hypothalamic-pituitary metastases of squamous cell carcinoma of the lung

Fernando Azevedo Pacheco, Luiz Claudio Lazzarini de Oliveira, Carlos Alberto de Barros Franco, Mário Vaisman

J Bras Pneumol.1997;23(5):267-270

Resumo PDF PT English Text

A incidência de doença metastática para a região hipotálamo-hipofisária é baixa (1 a 6% na maioria dos estudos), sendo o pulmão e a próstata os sítios primários mais freqüentes no sexo masculino. A manifestação clínica de pan-hipopituitarismo é rara (0,2 a 0,8%) nos pacientes com diagnóstico de carcinoma broncogênico. Relata-se o caso de um homem com diagnóstico de carcinoma escamoso de pulmão que durante sua evolução clínica apresentou evidências clínicas e laboratoriais de pan-hipopituitarismo, com imagem de lesão expansiva selar e supra-selar à tomografia computadorizada (TC).

 


Palavras-chave: Pan-hipopituitarismo. Carcinoma broncogênico. Metástases hipotálamo-hipofisárias.

 

10 - Doença alveolar infreqüente em mulher de 55 anos

Maria Conceição C.A.M. Queiroz, Maria Auxiliadora Carmo Moreira, Maurício Sérgio Brasil Leite, Karla C.M.A. Curado, Fernanda Miranda de Oliveira

J Bras Pneumol.1997;23(5):271-274

PDF PT


 


O Jornal Brasileiro de Pneumologia está indexado em:

Latindex Lilacs SciELO PubMed ISI Scopus Copernicus pmc

Apoio

CNPq, Capes, Ministério da Educação, Ministério da Ciência e Tecnologia, Governo Federal, Brasil, País Rico é País sem Pobreza
Secretaria do Jornal Brasileiro de Pneumologia
SCS Quadra 01, Bloco K, Salas 203/204 Ed. Denasa. CEP: 70.398-900 - Brasília - DF
Fone/fax: 0800 61 6218/ (55) (61) 3245 1030/ (55) (61) 3245 6218
E-mails: jbp@jbp.org.br
jpneumo@jornaldepneumologia.com.br

Copyright 2017 - Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia

Logo GN1