Jornal Brasileiro de Pneumologia

ISSN (on-line): 1806-3756

ISSN (impressa): 1806-3713

SCImago Journal & Country Rank
Busca avançada

Ano 2009 - Volume 35  - Número 11  (/Novembro)






Artigo Original

2 - Prevalência de asma em adolescentes na cidade de Fortaleza, CE

Prevalence of asthma among adolescents in the city of Fortaleza, Brazil

Maria de Fátima Gomes de Luna, Paulo César de Almeida, Marcelo Gurgel Carlos da Silva

J Bras Pneumol.2009;35(11):1160-1167

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Avaliar a prevalência de asma em adolescentes (13-14 anos) na cidade de Fortaleza, CE. Métodos: Estudo transversal utilizando o questionário do International Study of Asthma and Allergies in Childhood e envolvendo 3.015 adolescentes de escolas públicas e privadas entre 2006 e 2007. Resultados: As prevalências de "sibilos alguma vez na vida", "sibilos nos últimos doze meses" (asma ativa) e "asma alguma vez na vida" (asma diagnosticada) foram, respectivamente, 44,1%, 22,6% e 11,6%. As prevalências de "sibilos alguma vez na vida" (p = 0,001), "1-3 crises de sibilos nos últimos 12 meses" (p = 0,001); asma ativa (p = 0,002); "sono interrompido por sibilos menos que uma vez por semana" (p < 0,001) e "tosse seca noturna" (p < 0,001) foram maiores nas adolescentes. Alunos de escolas privadas apresentaram maior prevalência de "sibilos alguma vez na vida", asma ativa, "1-3 crises de sibilos nos últimos 12 meses", "4-12 crises de sibilos nos últimos 12 meses" e asma diagnosticada (p < 0,001 para todos), além de "sibilos após exercícios" (p = 0,032). Conclusões: A prevalência de asma e de sintomas associados em escolares de 13-14 anos na cidade de Fortaleza mostrou-se elevada, predominando no sexo feminino e no grupo das escolas privadas. A diferença entre as prevalências de asma diagnosticada e a de asma ativa sugere que a asma foi subdiagnosticada na população estudada.

 


Palavras-chave: Asma/diagnóstico; Asma/epidemiologia; Asma/prevalência.

 

3 - Utilização conjunta de mediastinoscopia cervical e videotoracoscopia para a avaliação linfática mediastinal em pacientes com carcinoma de pulmão não-pequenas células

Joint use of cervical mediastinoscopy and video-assisted thoracoscopy for the evaluation of mediastinal lymph nodes in patients with non-small cell lung cancer

Darcy Ribeiro Pinto Filho, Alexandre José Gonçalves Avino, Suzan Lucia Brancher Brandão, Wilson Paloschi Spiandorello

J Bras Pneumol.2009;35(11):1068-1074

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Avaliar a eficácia da utilização conjunta de mediastinoscopia cervical e videotoracoscopia para a amostragem linfonodal mediastinal em pacientes com câncer de pulmão não-pequenas células (CPNPC) candidatos à ressecção pulmonar. Métodos: Uma amostra de 62 pacientes com diagnóstico de CPNPC foi submetida à mediastinoscopia cervical e à videotoracoscopia. As amostras obtidas (das cadeias paratraqueais, cadeia subcarinal anterior e posterior, cadeias paraesofágicas e ligamento pulmonar) foram submetidas a exame de congelação. Foram também avaliadas as seguintes variáveis: idade, sexo, perda ponderal, método diagnóstico, achados tomográficos, tipo histológico, estadiamento, localização e tamanho do tumor primário. Resultados: Em 11 pacientes, a mediastinoscopia não apresentou comprometimento da cadeia subcarinal, enquanto esse envolvimento foi detectado na videotoracoscopia: valor preditivo positivo = 88,89% (IC95%: 51,75-99,72); valor preditivo negativo = 94,34% (IC95%: 84,34-98,82); prevalência = 17,74% (IC95%: 9,2-29,53); sensibilidade = 72,73% (IC95%: 39,03-93,98); e especificidade = 98,77% (IC95%: 93,31-99,97). Em 60% dos pacientes com comprometimento da porção posterior da cadeia subcarinal, o tumor primário estava no lobo inferior direito (p = 0,029).Conclusões: A utilização conjunta da mediastinoscopia cervical e videotoracoscopia para avaliação linfática mediastinal posterior se mostrou um método eficaz. Quando o acesso às cadeias posteriores não for possível através de ultrassom com biópsia transbrônquica ou transesofágica, que prescinde de anestesia geral, esse deve ser o método de escolha para a correta avaliação linfática mediastinal em pacientes com CPNPC.

 


Palavras-chave: : Estadiamento de neoplasias; Mediastinoscopia; Biópsia; Metástase linfática.

 

4 - Prevalência da apneia obstrutiva do sono em crianças e adolescentes portadores da anemia falciforme

Prevalence of obstructive sleep apnea in children and adolescents with sickle cell anemia

Cristina Salles, Regina Terse Trindade Ramos, Carla Daltro, Andréa Barral, Jamocyr Moura Marinho, Marcos Almeida Matos

J Bras Pneumol.2009;35(11):1075-1083

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Estimar a prevalência da síndrome da apneia obstrutiva do sono (SAOS) em crianças e adolescentes com anemia falciforme (AF) e investigar a possível correlação entre hemoglobina anual média e tempo total de sono com SpO2 < 90% e tempo total de sono com SpO2 < 80%, assim como investigar a possível correlação entre o índice de apneia-hipopneia (IAH) e episódios de crise álgica. Métodos: Participaram 85 pacientes com AF, que responderam a um questionário, foram avaliados por um pediatra e um otorrinolaringologista, e submetidos a estudo polissonográfico. O diagnóstico de SAOS foi definido como IAH > 1. Resultados: A prevalência da SAOS foi 10,6%. Observou-se uma correlação negativa entre hemoglobina anual média e tempo total de sono com SpO2 < 90% (r = −0,343; p = 0,002) e tempo total de sono com SpO2 < 80% (r = −0,270; p = 0,016). Não foi observada associação entre IAH e episódios de crise álgica. Conclusões: A prevalência da SAOS nesta população foi alta (10,6%). Portanto, é importante identificar precocemente os sinais de SAOS e avaliar hemoglobina anual média, devido à correlação inversa entre essa e o tempo total de sono com SpO2 < 90% ou < 80%.

 


Palavras-chave: Prevalência; Apneia do sono tipo obstrutiva; Anemia falciforme; Polissonografia; Síndromes da apneia do sono.

 

5 - Pneumonia associada à ventilação mecânica: epidemiologia e impacto na evolução clínica de pacientes em uma unidade de terapia intensiva

Ventilator-associated pneumonia: epidemiology and impact on the clinical evolution of ICU patients

Pedro Mendes de Azambuja Rodrigues, Edgard do Carmo Neto, Luiz Rodrigo de Carneiro Santos, Marcos Freitas Knibel

J Bras Pneumol.2009;35(11):1084-1091

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Apesar de representar uma das principais causas de infecção nosocomial, o papel da pneumonia associada à ventilação mecânica (PAVM) no prognóstico ainda permanece indefinido. O objetivo deste estudo foi avaliar o impacto dessa doença na evolução clínica dos pacientes. Métodos: Estabeleceu-se uma coorte prospectiva de 233 pacientes sob ventilação mecânica (grupo PAV, n = 64; grupo controle, n = 169). Os desfechos primários foram tempo de ventilação mecânica (TVM), tempo de permanência na UTI (TUTI), tempo de permanência hospitalar (TH) e mortalidade na UTI. Os desfechos secundários foram mortalidade hospitalar, perfil microbiológico, uso prévio de antibióticos e fatores de risco para PAVM. Resultados: Os desfechos dos grupos controle e PAVM foram, respectivamente, os seguintes: mediana do TVM (dias), 9 (intervalo interquartílico [II]: 5-15) e 23 (II: 15-37; p < 0,0001); mediana do TUTI (dias), 12 (II: 8-21) e 27 (II: 17-42; p < 0,0001); mediana do TH (dias), 33 (II: 18-64) e 46 (II: 25-90; p = 0,02); e mortalidade na UTI, 38% (IC95%: 31-45) e 55% (IC95%: 42-67; p = 0,02). A PAVM foi um preditor de mortalidade na UTI (OR = 3,40; IC95%: 1,54-1,78). O TVM (OR = 2,27; IC95%: 1,05-4,87) e o uso prévio de antibióticos (OR = 1,07; IC95%: 1,04-1,10) foram fatores de risco para PAVM. A PAVM não afetou a mortalidade hospitalar. Acinetobacter spp. foi o isolado mais frequente (28%). Antibioticoterapia empírica inadequada foi administrada em 48% dos casos. Conclusões: No presente estudo, houve uma alta incidência de bactérias resistentes e de antibioticoterapia inicial inadequada. TVM longo e o uso prévio de antibióticos são fatores de risco para PAVM.

 


Palavras-chave: Pneumonia associada à ventilação mecânica; Infecção hospitalar; Unidades de terapia intensiva; Mortalidade hospitalar; Fatores de risco.

 

6 - Análise bacteriológica do escarro induzido para o diagnóstico de tuberculose pulmonar na prática clínica de um hospital geral terciário

Bacteriological analysis of induced sputum for the diagnosis of pulmonary tuberculosis in the clinical practice of a general tertiary hospital

Sabrina Bollmann Garcia, Christiano Perin, Marcel Muller da Silveira, Gustavo Vergani, Sérgio Saldanha Menna-Barreto, Paulo de Tarso Roth Dalcin

J Bras Pneumol.2009;35(11):1092-1099

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Verificar a sensibilidade diagnóstica da análise bacteriológica do escarro induzido (EI) para o diagnóstico de tuberculose (TB) pulmonar e identificar as variáveis clínicas associadas com o diagnóstico confirmado. Além disso, avaliar o rendimento diagnóstico da broncoscopia realizada se a pesquisa de BAAR for negativa no EI. Métodos: Estudo transversal e retrospectivo de pacientes com suspeita de TB pulmonar ativa, encaminhados ao serviço para a indução de escarro. Foram revisados consecutivamente os registros laboratoriais de todos os pacientes submetidos à indução de escarro entre junho de 2003 e janeiro de 2006, assim como o prontuário eletrônico de cada caso. Também foram revisados os resultados bacteriológicos das amostras broncoscópicas coletadas dos pacientes cujos resultados de BAAR em EI foram negativos. Resultados: Dos 417 pacientes estudados, 83 (19,9%) tiveram resultados positivos (BAAR e/ou cultura) no EI. Na análise de regressão logística, os achados radiológicos de cavitação pulmonar (OR = 3,8; IC95%: 1,9-7,6) e de infiltrado de padrão miliar (OR = 3,7; IC95%: 1,6-8,6) associaram-se mais significativamente com o diagnóstico de TB pulmonar. A broncoscopia foi realizada, após resultado de BAAR negativo no EI, em 134 pacientes e acrescentou 25 (64,1%) diagnósticos confirmados de TB pulmonar. Conclusões: Na prática clínica, a frequência de diagnósticos confirmados de TB pulmonar por EI (19,9%) foi menor do que aquela previamente relatada em ensaios controlados. Cavitação e infiltrado miliar aumentam a probabilidade diagnóstica de TB pulmonar no EI. O uso de broncoscopia quando EI é negativo para BAAR melhora significativamente a sensibilidade para o diagnóstico de TB.

 


Palavras-chave: Tuberculose pulmonar; Diagnóstico; Escarro.

 

7 - Tratamento de tuberculose: integração entre assistência hospitalar e rede básica na cidade de São Paulo

Tuberculosis treatment: integration between hospitals and public health care clinics in the city of São Paulo, Brazil

Mirtes Cristina Telles Perrechi, Sandra Aparecida Ribeiro

J Bras Pneumol.2009;35(11):1100-1106

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Avaliar o nível de acesso aos serviços de saúde de uma população de pacientes internados por tuberculose (TB) em dois hospitais no município de São Paulo, comparando-os com pacientes com TB submetidos somente a tratamento ambulatorial. Métodos: Foram levantados dados sociodemográficos e clínico-epidemiológicos de pacientes internados por TB em dois hospitais do município de São Paulo entre janeiro e dezembro de 2007, utilizando-se um questionário estruturado. Foram também identificados os locais de tratamento ambulatorial para os quais os pacientes foram transferidos após a alta hospitalar. As mesmas variáveis foram obtidas para pacientes ambulatoriais em tratamento de TB na mesma época, por meio de um banco de dados. Resultados: Foram estudados 474 pacientes (166 internados e 308 ambulatoriais), com média de idade de 41,0 e 39,1 anos, respectivamente. A análise univariada mostrou associações positivas entre internação por TB e as seguintes variáveis: faixa etária 30-39 anos (OR = 2,17), faixa etária 50-59 anos (OR = 2,17), forma clínica pulmonar associada à extrapulmonar (OR = 5,31), retratamento de TB (OR = 2,66), procura a outro serviço antes do diagnóstico (OR = 2,05), tempo de sintomas maior que 12 semanas (OR = 2,23) e diagnóstico realizado em hospitais ou prontos-socorros (OR = 4,68). A proporção de pacientes internados que residiam na mesma região da respectiva Coordenadoria Regional de Saúde dos dois hospitais foi, respectivamente, de 77,6% e 36,8%. A proporção de pacientes, após a alta, encaminhados a Unidades Básicas de Saúde nas mesmas regiões dos dois hospitais foi, respectivamente, de 67,1% e 39,7%. Conclusões: Os pacientes internados por TB devem ser monitorados após alta hospitalar até a sua chegada à Unidade Básica de Saúde.

 


Palavras-chave: Tuberculose; Acesso aos serviços de saúde; Pacientes internados; Pacientes ambulatoriais.

 

Comunicação Breve

8 - Perfusão pulmonar ex vivo: experiência nacional inicial

Ex vivo lung perfusion: initial Brazilian experience

Paulo Manuel Pêgo-Fernandes, Israel Lopes de Medeiros, Alessandro Wasum Mariani, Flávio Guimarães Fernandes, Fernando do Valle Unterpertinger, Marcos Naoyuki Samano, Eduardo de Campos Werebe, Fábio Biscegli Jatene

J Bras Pneumol.2009;35(11):1107-1111

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Nos últimos 20 anos, o transplante pulmonar tornou-se o tratamento padrão para algumas pneumopatias graves em estágio terminal. Menos de 20% dos pulmões doados para transplante são realmente utilizados. Essa desproporção entre o crescente número de candidatos ao transplante pulmonar e o reduzido número de doadores resulta em aumento da mortalidade nas filas de espera. Estratégias, como o uso de órgãos de doadores marginais, não se mostraram efetivas em aumentar o número de transplantes. Em 2000, na Suécia, foi desenvolvido um método novo para recondicionar pulmões humanos rejeitados para transplante. Descrevemos nossa experiência inicial com a perfusão pulmonar ex vivo.

 


Palavras-chave: : Transplante de pulmão; Preservação de órgãos; Soluções para preservação de órgãos; Cirurgia torácica.

 

9 - Reabilitação respiratória na DPOC: do treinamento de exercício para a "vida real"

Pulmonary rehabilitation in COPD: from exercise training to "real life"

Susana Alves Ferreira, Miguel Guimarães, Natália Taveira

J Bras Pneumol.2009;35(11):1112-1115

Resumo PDF PT PDF EN English Text

O objetivo deste estudo foi avaliar a eficácia do treinamento de exercício com protocolo de marcha. Foram incluídos 20 doentes com DPOC em estádios III/IV segundo Global Initiative for Chronic Obstructive Lung Disease. Os pacientes foram avaliados no início e ao final do programa de exercício quanto à dessaturação de oxigênio, sensação de dispneia/fadiga, qualidade de vida e distância percorrida no teste da caminhada de seis minutos. O efeito de treinamento evidenciou-se na comparação das distâncias percorridas antes e após o treinamento, com diminuição da dessaturação para maiores distâncias e na sensação de dispneia. Esse programa de treinamento é facilmente exequível.

 


Palavras-chave: Atividades cotidianas; Doença pulmonar obstrutiva crônica; Reabilitação; Terapia por exercício; Teste de esforço.

 

Artigo de Revisão

10 - Pneumonia nosocomial: importância do microambiente oral

Nosocomial pneumonia: importance of the oral environment

Simone Macedo Amaral, Antonieta de Queiróz Cortês, Fábio Ramôa Pires

J Bras Pneumol.2009;35(11):1116-1124

Resumo PDF PT PDF EN English Text

A pneumonia nosocomial, em especial aquela associada à ventilação mecânica, é uma infecção frequente nas UTIs. Seus principais fatores etiológicos incluem bactérias colonizadoras e oportunistas da cavidade oral. Manobras de higiene oral, com o uso de antissépticos orais, como a clorexidina, têm se mostrado úteis na diminuição de sua incidência. O objetivo deste trabalho foi revisar a literatura sobre a importância do microambiente oral no desenvolvimento da pneumonia nosocomial.

 


Palavras-chave: Cuidados intensivos; Higiene bucal; Infecção hospitalar; Pneumonia.

 

11 - Métodos de avaliação da fadigabilidade muscular periférica e seus determinantes energético-metabólicos na DPOC

Methods for the assessment of peripheral muscle fatigue and its energy and metabolic determinants in COPD

Rafaella Rezende Rondelli, Simone Dal Corso, Alexandre Simões, Carla Malaguti

J Bras Pneumol.2009;35(11):1125-1135

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Está bem estabelecido que, além do acometimento pulmonar, a DPOC apresenta consequências sistêmicas que podem convergir para a disfunção muscular periférica, com maior fadigabilidade muscular, menor tolerância ao exercício e menor sobrevida nesses pacientes. Tendo em vista as repercussões negativas da fadiga muscular precoce na DPOC, esta revisão teve como objetivo discutir os principais achados da literatura relacionados aos seus determinantes metabólicos e bioenergéticos e suas repercussões funcionais, bem como seus métodos de identificação e de quantificação. O substrato anatomofuncional da maior fadigabilidade muscular na DPOC parece incluir a redução dos níveis de fosfatos de alta energia, a redução da densidade mitocondrial, a lactacidemia precoce, o aumento da amônia sérica e a perfusão muscular reduzida. Essas alterações podem ser evidenciadas por falência de contração, redução da taxa de disparo das unidades motoras e maior recrutamento de unidades motoras numa dada atividade, exteriorizando-se funcionalmente por redução da força, potência e resistência musculares. Esta revisão mostra também que diversos tipos de regimes contráteis e protocolos têm sido utilizados com o intuito de detectar fadiga nessa população. A partir de tais conhecimentos, estratégias reabilitadoras podem ser traçadas visando o aumento da resistência à fadiga muscular nessa população.

 


Palavras-chave: Doença pulmonar obstrutiva crônica; Manifestações neuromusculares; Fadiga muscular; Tolerância ao exercício; Metabolismo energético; Avaliação.

 

Curso de Atualização - Micoses

12 - Capítulo 3 - Criptococose pulmonar

Chapter 3 - Pulmonary cryptococcosis

Cecília Bittencourt Severo, Alexandra Flávia Gazzoni, Luiz Carlos Severo

J Bras Pneumol.2009;35(11):1136-1144

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Criptococose é uma micose sistêmica causada por duas espécies do basidiomiceto encapsulado, Cryptococcus neoformans e C. gattii, que, respectivamente, causam infecção em indivíduos imunocomprometidos e em hospedeiros imunocompetentes, respectivamente. Pacientes com deficiência em células T são mais suscetíveis. A infecção se inicia por lesões pulmonares assintomáticas e a doença disseminada frequentemente cursa com meningoencefalite. A importância médica da criptococose aumentou significativamente em consequência da epidemia da AIDS e dos transplantes de órgãos.

 


Palavras-chave: Cryptococcus neoformans; Pneumonia; Síndrome da imunodeficiência adquirida; Anfotericina B; Fluconazol.

 

13 - Capítulo 4 - Histoplasmose

Chapter 4 - Histoplasmosis

Miguel Abidon Aidé

J Bras Pneumol.2009;35(11):1145-1151

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Histoplasmose é uma micose sistêmica causada por um pequeno fungo, Histoplasma capsulatum var. capsulatum, cujo habitat é o solo rico em excrementos de pássaros e morcegos. A incidência da histoplasmose é mundial. No Brasil, a doença incide em todas as regiões; porém, o estado do Rio de Janeiro é responsável pelo maior número de microepidemias descritas até hoje. A infecção humana ocorre pela inalação de esporos do H. capsulatum. A forma clínica mais freqüente é a assintomática. Na histoplasmose aguda ou epidêmica, os sintomas são febre alta, tosse, astenia, dor retroesternal, acompanhados de aumento dos linfonodos cervicais, fígado e do baço. Os achados radiológicos mais frequentes são o infiltrado reticulonodular difuso em ambos os pulmões, associados a linfonodomegalias hílares e mediastinais. Na forma pulmonar crônica, o quadro clínico e radiológico é idêntico ao da tuberculose pulmonar do adulto. O diagnóstico da histoplasmose é feito pela identificação do fungo ou crescimento em cultura de escarro ou de material obtido por fibrobroncoscopia. A histopatologia identifica o fungo dentro e fora do macrófago em meio à lesão granulomatosa com ou sem necrose caseosa. A imunodifusão em duplo gel de ágar é o teste sorológico mais fácil e disponível para o diagnóstico imunológico. As formas agudas com sintomas prolongados, as formas disseminadas e a forma pulmonar crônica requerem tratamento. A droga de escolha é o itraconazol.

 


Palavras-chave: Micoses; Histoplasmose; Pneumopatias fúngicas.

 

Relato de Caso

14 - Caso raro de coinfecção tuberculose pulmonar e actinomicose oronasal

A rare case of co-infection with pulmonary tuberculosis and oronasal actinomycosis

Vitor Alexandre Oliveira Fonseca, Gustavo Reis, Carlos Alves, Maria José Simões, Elvira Camacho, António Pinto Saraiva

J Bras Pneumol.2009;35(11):1152-1155

Resumo PDF PT PDF EN English Text

A actinomicose oronasal é uma infecção raramente descrita na literatura, especialmente na forma de coinfecção com tuberculose pulmonar. Descrevemos o caso de um paciente de 48 anos de idade, admitido em enfermaria de isolamento por tuberculose pulmonar bacilífera, com história de diabetes e alcoolismo. Durante a internação, o paciente referiu queixas de disfagia e regurgitação alimentar por via nasal. O exame da cavidade oral revelou uma fístula oronasal. O agente infeccioso foi identificado, e o tratamento foi realizado com sucesso. Apresentamos também uma breve revisão da literatura e uma descrição e discussão completa do processo de investigação deste raro caso clínico.

 


Palavras-chave: Actinomicose cervicofacial; Tuberculose pulmonar; Fístula bucal.

 

15 - Tratamento endoscópico de fístulas da árvore traqueobrônquica com dispositivos para a correção de defeitos do septo interatrial: resultados preliminares

Endoscopic treatment of tracheobronchial tree fistulas using atrial septal defect occluders: preliminary results

Paulo Rogério Scordamaglio, Miguel Lia Tedde, Hélio Minamoto, Carlos Augusto Cardoso Pedra, Fábio Biscegli Jatene

J Bras Pneumol.2009;35(11):1156-1160

Resumo PDF PT PDF EN English Text

As fístulas da árvore traqueobrônquica, sejam elas broncopleurais ou traqueoesofágicas, apresentam etiologia multifatorial, com incidência variável na literatura. Em geral, apresentam alta morbidade e mortalidade, com indicação formal de correção cirúrgica. Entretanto, a condição clínica dos pacientes muitas vezes não permite uma reintervenção cirúrgica de grande porte. Além disso, as tentativas de fechamento endoscópico raramente têm sucesso, principalmente em fístulas de grande diâmetro. Relatamos os casos de três pacientes submetidos ao fechamento endoscópico de fístulas, sendo duas maiores que 10 mm, com a aplicação de dispositivos oclusores utilizados na cardiologia intervencionista, de forma minimamente invasiva e com resultados iniciais positivos. Esses dados sinalizam que essa pode ser uma técnica promissora na resolução de fístulas da árvore traqueobrônquica.

 


Palavras-chave: Fístula brônquica; Fístula traqueoesofágica; Broncoscopia; Terapia respiratória.

 

16 - Histoplasmose pulmonar cavitária crônica

Chronic cavitary pulmonary histoplasmosis

José Wellington Alves dos Santos, Gustavo Trindade Michel, Mônica Lazzarotto, Juliana Kaczmareck Figaro, Daniel Spilmann, Gustavo Köhler Homrich

J Bras Pneumol.2009;35(11):1161-1164

Resumo PDF PT PDF EN English Text

A histoplasmose é uma micose sistêmica causada pelo fungo dimórfico térmico Histoplasma capsulatum, que pode ser isolado a partir de solo contaminado com excrementos de aves e morcegos. Dentre as apresentações clínicas dessa doença, a histoplasmose pulmonar cavitária crônica (HPCC) é uma manifestação rara. O diagnóstico diferencial com tuberculose deve ser realizado em pacientes que apresentam lesões cavitadas nos segmentos pulmonares superiores. É relatado um caso de uma paciente com HPCC que apresentou dispneia progressiva e piora do padrão radiológico em quatro anos de evolução da doença.

 


Palavras-chave: Histoplasmose; Cavitação; Enfisema pulmonar.

 

 


O Jornal Brasileiro de Pneumologia está indexado em:

Latindex Lilacs SciELO PubMed ISI Scopus Copernicus pmc

Apoio

CNPq, Capes, Ministério da Educação, Ministério da Ciência e Tecnologia, Governo Federal, Brasil, País Rico é País sem Pobreza
Secretaria do Jornal Brasileiro de Pneumologia
SCS Quadra 01, Bloco K, Salas 203/204 Ed. Denasa. CEP: 70.398-900 - Brasília - DF
Fone/fax: 0800 61 6218/ (55) (61) 3245 1030/ (55) (61) 3245 6218
E-mails: jbp@jbp.org.br
jpneumo@jornaldepneumologia.com.br

Copyright 2017 - Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia

Logo GN1