Jornal Brasileiro de Pneumologia

ISSN (on-line): 1806-3756

ISSN (impressa): 1806-3713

Busca avançada

Ano 2010 - Volume 36  - Número 3  (Maio/Junho)






2 - Hemoptise

Hemoptysis

Miguel Abidon Aidé

J Bras Pneumol.2010;36(3):

PDF PT PDF EN English Text


Artigo Original

3 - Múltiplas doses de vacina BCG podem proteger contra asma?

Can multiple doses of BCG vaccine protect against asthma?

Emanuel Sarinho, Fernanda Correia Kunz, Newton Bellesi, Paula Ferdinanda Conceição de Mascena Diniz Maia, José Ângelo Rizzo, Almerinda Rego Silva

J Bras Pneumol.2010;36(3):281-285

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Comparar a vacinação com uma única dose de BCG intradérmica com a vacinação com múltiplas doses, uma das quais pela técnica de multipuntura, em relação ao efeito protetor contra o aparecimento posterior de asma. Métodos: Estudo de coorte retrospectivo com 2.311 pessoas vacinadas com BCG. Os indivíduos foram classificados de acordo com o número de doses de vacina BCG recebidas (uma dose, duas doses e três ou mais doses). O tempo mínimo de acompanhamento para verificar se houve algum efeito protetor da vacina BCG em relação ao diagnóstico de asma foi de 10 anos. Resultados: A amostra incluiu 1.317 pessoas (56,99%) que receberam apenas uma dose do BCG, 644 (27,87%) que receberam duas doses e 350 (15,14%) com três ou mais doses. O número de pacientes diagnosticados com asma entre aqueles que receberam uma dose de BCG, duas doses e três ou mais doses foi, respectivamente, 216 (16,40%), 107 (16,61%) e 50 (14,28%). Não houve diferenças significativas entre os grupos. Conclusões: Na amostra estudada, não foi observada uma redução na prevalência de diagnóstico de asma com a revacinação ou com o uso de múltiplas doses da vacina BCG.

 


Palavras-chave: Descritores: Asma; Vacina BCG; Imunização secundária.

 

4 - Prevalência de sintomas de asma, rinite e eczema atópico em escolares de 6 e 7 anos na cidade de Londrina (PR)

Prevalence of symptoms of asthma, rhinitis and atopic eczema among students between 6 and 7 years of age in the city of Londrina, Brazil

Luci Keiko Kuromoto de Castro, Alcindo Cerci Neto, Olavo Franco Ferreira Filho

J Bras Pneumol.2010;36(3):

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Determinar a prevalência de sintomas de asma, rinite e eczema atópico em escolares de 6 e 7 anos na cidade de Londrina (PR). Métodos: Estudo de prevalência de base populacional, utilizando o questionário padronizado do International Study of Asthma and Allergies in Childhood (ISAAC) validado para uso no Brasil (módulos de asma, rinite e eczema atópico) em escolares de 6 e 7 anos de escolas públicas. Resultados: Dos 3.963 questionários recuperados, 3.600 (90,8%) estavam completos e foram utilizados na análise. A prevalência de sintomas de asma, rinite e eczema nos últimos 12 meses foi de 22,0%, 27,3% e 9,6%, respectivamente. A prevalência de diagnóstico médico de asma, rinite e eczema atópico foi de 10,4%, 23,4% e 11,4%, respectivamente. A prevalência de rinoconjuntivite e de eczema em local específico foi de 13,6% e 6,6%, respectivamente. Os sintomas de asma e rinite predominaram no sexo masculino, mas não houve diferença nos sintomas de eczema atópico entre os gêneros. Conclusões: A prevalência de sintomas de asma, rinite e eczema em nossa amostra está dentro da variação encontrada nos centros brasileiros que participaram das fases I e III do ISAAC. A baixa prevalência de diagnóstico médico de asma sugere que esta ainda é subdiagnosticada.

 


Palavras-chave: Saúde pública; Epidemiologia; Asma.

 

5 - Asma e gravidez: repercussões no recém-nascido

Asthma and pregnancy: repercussions for neonates

Maria Luiza Doria Almeida, Priscila Andrade Santana, Alzira Maria d'Ávila Nery Guimarães, Ricardo Queiroz Gurgel, Elcio Oliveira Vianna

J Bras Pneumol.2010;36(3):

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Descrever, numa coorte de nascimentos, aspectos socioeconômicos e comportamentais de gestantes com asma e analisar as repercussões desta sobre alguns parâmetros perinatais. Métodos: Estudo observacional, transversal e analítico a partir de informações de parturientes da coorte de nascimentos ocorridos no período entre 8 de março e 15 de julho de 2005 nas maternidades da Grande Aracaju (SE). A identificação de asma nas gestantes foi obtida segundo informação destas a partir do diagnóstico emitido anteriormente por um médico. Foram analisadas variáveis epidemiológicas, obstétricas e perinatais. Resultados: Das 4.757 parturientes incluídas no estudo, 299 (6,3%) eram asmáticas. As mães asmáticas tinham menor renda familiar e mais frequentemente procuraram assistência no pré-natal e no parto em serviços públicos que as mães sem asma. Embora somente 9,4% das gestantes asmáticas fumaram, e 27,6% ingeriram bebidas alcoólicas, as proporções em relação ao grupo controle foram significativamente maiores. Não se detectou associação entre asma e problemas obstétricos ou do recém-nascido. Não foi encontrada associação entre asma e parto cesariano, prematuridade ou recém-nascido sendo pequeno para a idade gestacional. Conclusões: O nível socioeconômico inferior parece ser um fator de risco para a asma.

 


Palavras-chave: Descritores: Asma; Gravidez; Fatores socioeconômicos; Recém-nascido.

 

6 - Pneumonia necrosante em crianças submetidas à toracoscopia por empiema pleural: incidência, tratamento e evolução clínica

Necrotizing pneumonia in children submitted to thoracoscopy due to pleural empyema: incidence, treatment and clinical evolution

Maurício Macedo, Karine Furtado Meyer, Tatiana Cristina Miranda Oliveira

J Bras Pneumol.2010;36(3):

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Analisar a incidência de pneumonia necrosante (PN) em crianças submetidas a toracoscopia e comparar pacientes com e sem PN em relação às diferentes apresentações e evolução clínica. Métodos: Estudo retrospectivo de crianças portadoras de empiema e submetidas a toracoscopia. A toracoscopia foi realizada em pacientes não submetidos a drenagem torácica prévia e evidência de derrame septado ou pneumotórax, assim como naqueles submetidos previamente a drenagem torácica e pneumotórax persistente ou febre e secreção purulenta. Baseado na presença de PN durante a toracoscopia, os pacientes foram divididos em dois grupos: com PN e sem PN. Resultados: Participaram do estudo 52 pacientes. Dos 24 pacientes com PN, 19 (79%) foram submetidos a drenagem torácica anterior à toracoscopia, 11 (46%) apresentaram pneumotórax, e 16 (67%) evoluíram com fístula broncopleural. Neste grupo, as medianas do tempo de drenagem e de hospitalização foram, respectivamente, 18 e 19 dias. Dos 28 pacientes sem PN, 10 (36%) foram submetidos a drenagem torácica anterior à toracoscopia, 9 (32%) apresentaram pneumotórax, e 5 (18%) evoluíram com fístula broncopleural. Neste grupo, as medianas do tempo médio de drenagem e de hospitalização foram, respectivamente, 6 e 10 dias. Conclusões: A PN deve ser suspeitada na presença de pneumotórax. A toracoscopia precoce pode ser uma opção terapêutica de grande valor na PN da infância, pois acelera a recuperação quando comparada ao tratamento médico isolado e evita ressecções pulmonares extensas da toracotomia tardia.

 


Palavras-chave: Empiema pleural; Toracoscopia; Pneumonia; Criança.

 

7 - Novos valores de referência para pressões respiratórias máximas na população brasileira

New reference values for maximal respiratory pressures in the Brazilian population

Dirceu Costa, Helena Amaral Gonçalves, Luciana Peraro de Lima, Daniela Ike, Karina Maria Cancelliero, Maria Imaculada de Lima Montebelo

J Bras Pneumol.2010;36(3):

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Comparar PImáx e PEmáx medidas em indivíduos saudáveis com os valores previstos utilizando-se as equações propostas em outro estudo e, se necessário, sugerir novas equações para PImáx e PEmáx para a população brasileira. Métodos: Participaram do estudo 60 homens e 60 mulheres saudáveis com idades entre 20 e 80 anos (20 indivíduos por faixa etária de 10 anos). As pressões respiratórias máximas foram determinadas segundo um protocolo padronizado. Resultados: Os valores medidos de PImáx foram significativamente menores que aqueles previstos tanto para homens (31%) e mulheres (24%). Não houve diferenças significativas entre a PEmáx medida e prevista nos dois gêneros. A idade provou ser a variável com melhor poder preditivo para PImáx e PEmáx nos dois gêneros. Novas equações foram propostas. Conclusões: As equações propostas no estudo prévio não foram capazes de predizer PImáx e PEmáx de todos os indivíduos de nossa amostra. Portanto, os resultados deste estudo podem facilitar a predição da força muscular respiratória de adultos saudáveis no Brasil. Novos estudos, com indivíduos de diferentes regiões do país, poderão contribuir para o desenvolvimento de melhores tabelas ou equações para as pressões respiratórias máximas na população brasileira.

 


Palavras-chave: Músculos respiratórios; Força muscular; Valores de referência.

 

8 - Treinamento de músculos inspiratórios em pacientes com quadriplegia

Inspiratory muscle training in quadriplegic patients

Janne Marques Silveira, Ada Clarice Gastaldi, Cristina de Matos Boaventura, Hugo Celso Souza

J Bras Pneumol.2010;36(3):

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Determinar se o treinamento de músculos inspiratórios pode aumentar a força e endurance desses músculos em pacientes com quadriplegia. Métodos: Oito pacientes quadriplégicos (7 homens e 1 mulher) com lesão medular cervical entre C4 e C7 foram submetidos ao treinamento de músculos inspiratórios utilizando-se um resistor de carga linear ajustado em 30% da PImáx. As sessões de treinamento foram realizadas com os pacientes sentados 5 vezes por semana por 8 semanas. Tempo de endurance, PImáx, PEmáx e CVF foram medidos antes do treinamento e nas semanas 4 e 8. Resultados: Em comparação ao valor basal médio, houve um aumento da PImáx, mensurada na posição sentada, nas semanas 4 e 8 (−83,0 ± 18,9 cmH2O vs. −104,0 ± 19,4 e −111,3 ± 22,7 cmH2O). Houve aumento da PEmáx, também na posição sentada, na semana 4 (de 36,8 ± 8,1 a 42,6 ± 8,8 cmH2O). Houve uma melhora na FVC na 4ª semana (de 2,1 ± 0,8 a 2,5 ± 0,6 L, representando um incremento de 24 ± 22%). O tempo de endurance (sentado) não apresentou um aumento significativo entre o momento basal e a semana 8 (29,8 ± 21,0 min vs. 35,9 ± 15,5 min; aumento de 173 ± 233%). Conclusões: Pacientes com quadriplegia podem se beneficiar com o treinamento com baixas cargas (30% da PImáx), com melhora da força dos músculos inspiratórios, CVF e efetividade dos músculos expiratórios.

 


Palavras-chave: Mecânica respiratória; Quadriplegia; Exercícios respiratórios.

 

9 - Hemoptise em hospital de referência em pneumologia

Hemoptysis in a referral hospital for pulmonology

Fernando Luiz Cavalcanti Lundgren, Ana Maria Costa, Lícia Caldas Figueiredo, Paola Colares Borba

J Bras Pneumol.2010;36(3):

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Determinar as principais causas de hemoptise e classificar esse sintoma quanto ao volume de sangue expectorado em pacientes internados em um hospital de referência em pneumologia. Métodos: Foram incluídos 50 pacientes com hemoptise internados na enfermaria de pneumologia de um hospital geral na cidade do Recife (PE) no período entre julho de 2005 e fevereiro de 2006. Os dados de interesse foram analisados e comparados aos da literatura mundial. Resultados: As infecções foram principais causas de hemoptise - em 39 pacientes (78%) - a maioria delas relacionadas a sequelas de tuberculose pulmonar ou secundárias a tuberculose ativa. Em relação ao grau de hemoptise, as hemoptises moderadas, diagnosticadas em 28 pacientes (56%), foram as mais encontradas. Conclusões: Nossos resultados sugerem que todos os pacientes com hemoptise devam ser investigados quanto a infecções.

 


Palavras-chave: Hemoptise/classificação; Hemoptise/etiologia; Comorbidade.

 

10 - Fatores associados à tosse seca, tosse produtiva e tosse noturna em adultos jovens na Nigéria

Factors associated with nocturnal, productive and dry cough in the young adult population of Nigeria

Olufemi Olumuyiwa Desalu, Alakija Kazeem Salami, Olufunto Anthony Seidu, Abdulfatai Bamidele Olokoba, Abayomi Fadeyi

J Bras Pneumol.2010;36(3):

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Determinar os fatores associados à tosse seca, tosse produtiva e tosse noturna entre jovens adultos na Nigéria. Métodos: Foram avaliados 498 indivíduos com 20-44 anos de idade em Ilorin, Nigéria, utilizando-se o questionário European Community Respiratory Health Survey (ECRHS), administrado por entrevistadores treinados. Resultados: A tosse noturna apresentou associações com asma (OR = 10,87; p < 0,01), alergia nasal (OR = 6,33; p < 0,01), tabagismo (OR = 3,10; p < 0,01), trabalho manual e trabalho não manual especializados (OR = 2,86 e 2,10, respectivamente; p < 0,01 para ambos) e gênero feminino (OR = 1,33; p = 0,17). A tosse produtiva apresentou associações com trabalho manual e trabalho não manual especializados (OR = 3,82 e 3,03, respectivamente; p < 0,01 para ambos), tabagismo (OR = 3,10; p < 0,01), asma (OR = 3,27; p < 0,01) e alergia nasal (OR = 5,81; p < 0,01). A tosse seca apresentou associações com asma (OR =5,18; p < 0,01) obesidade (OR =1,88; p = 0,19), tabagismo (OR = 1,77; p = 1,44), alergia nasal (OR = 1,45; p = 0,26) e gênero feminino (OR =1,36; p = 0,33). A idade, o gênero, o tipo de residência e a obesidade não se associaram significativamente a nenhum tipo de tosse (p > 0,05). Conclusões: A prevenção precoce e o tratamento de condições associadas à tosse, assim como a modificação de fatores sociais comumente associados à tosse, são necessários a fim de reduzir a morbidade respiratória.

 


Palavras-chave: Tosse; Tabagismo; Asma; Rinite; Nigéria.

 

11 - Avaliação da concentração de monóxido de carbono no ar exalado em tabagistas com DPOC

Evaluation of the exhaled carbon monoxide levels in smokers with COPD

Gustavo Chatkin, José Miguel Chatkin, Gabriel Aued, Guilherme Oliveira Petersen, Edna Thais Jeremias, Flávia Valladão Thiesen

J Bras Pneumol.2010;36(3):

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Medir os níveis de monóxido de carbono no ar exalado (COex) em tabagistas com e sem DPOC. Métodos: Tabagistas frequentadores dos ambulatórios do Hospital São Lucas em Porto Alegre (RS) entre setembro de 2007 e março de 2009 foram convidados a participar do estudo. Os participantes responderam a um questionário com características demográficas e epidemiológicas e realizaram espirometria, medição de cotinina urinária e de COex. Os participantes foram agrupados conforme a presença de DPOC. Resultados: Foram incluídos 294 tabagistas, 174 (59,18%) diagnosticados com DPOC. Todos os participantes apresentavam níveis de cotinina urinária > 50 ng/mL. Os fumantes com DPOC apresentaram medianas significativamente superiores as do grupo sem DPOC para as variáveis idade e maços-ano (p < 0,001 e p = 0,026, respectivamente). Não houve diferença significativa nas demais variáveis. Quando ajustados para sexo, início do tabagismo, cigarros/dia e cotinina urinária, os valores médios de COex foram mais altos no grupo DPOC que no grupo sem DPOC, mas sem significância estatística (17,8 ± 0,6 ppm e 16,6 ± 0,7 ppm, respectivamente; p = 0,200). As diferenças permaneceram não significativas quando o método de base logarítmica foi usado. Uma ampla dispersão dos valores de COex foi encontrada quando os participantes foram classificados conforme os valores de VEF1 (r = −0,06; p = 0,53) ou o sistema de classificação de Global Initiative for Chronic Obstructive Lung Disease (r = 0,08; p = 0,34). As proporções de resultados falso-negativos para tabagismo foram de 18,4% e 6,7%, respectivamente, nos grupos com e sem DPOC (p = 0,007). Conclusões: Esse estudo mostrou que os valores de COex não apresentaram diferenças significativas em fumantes com ou sem DPOC. Desse modo, parece não haver nenhuma restrição relevante para a sua aplicabilidade em fumantes com DPOC.

 


Palavras-chave: Monóxido de carbono; Abandono do hábito de fumar; Doença pulmonar obstrutiva crônica.

 

12 - Tabagismo em idosos internados em instituições de longa permanência

Smoking in elderly patients admitted to long-term care facilities

Anderson Albuquerque de Carvalho, Lucy Gomes, Altair Macedo Lahud Loureiro

J Bras Pneumol.2010;36(3):

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Determinar a prevalência de tabagismo entre idosos internados em instituições de longa permanência para idosos (ILPIs) e verificar a associação do grau de dependência nicotínica com variáveis sociodemográficas, vínculo afetivo, motivação para cessação e depressão. Métodos: Estudo transversal de base populacional, incluindo 573 idosos com idade ≥ 60 anos, internados em 13 ILPIs no Distrito Federal. Foram analisadas as seguintes variáveis: tipo de ILPI, gênero, idade, escolaridade, renda mensal, estado civil, condição previdenciária, vínculo afetivo, motivação para a cessação, depressão provável e o grau de dependência nicotínica. Para a obtenção dos dados, foram utilizados os seguintes instrumentos: questionário sociodemográfico, Escala de Qualidade de Vida de Flanagan, Miniexame do Estado Mental, Escala de Depressão Geriátrica, teste de Richmond e Teste de Fagerström para Dependência de Nicotina. Resultados: A prevalência geral de fumantes na amostra (573 indivíduos) foi de 23,0%. Dos 132 fumantes, havia 81 homens (24,9%) e 35 mulheres (20,1%). Foram incluídos no estudo 116 fumantes, dos quais 70 (60,3%) apresentavam depressão provável. Houve significativas associações entre o grau de dependência nicotínica e as seguintes variáveis: escolaridade, renda mensal, vínculo afetivo, motivação para a cessação e depressão provável. Não houve associações significativas entre a dependência de nicotina e as seguintes variáveis: tipo de ILPI, gênero, idade, condição previdenciária e estado civil. Conclusões: Nos idosos institucionalizados em ILPIs no Distrito Federal, constatamos uma elevada prevalência de tabagismo, havendo entre eles baixa motivação para a cessação tabágica.

 


Palavras-chave: Tabagismo; Instituição de longa permanência para idosos; Serviços de saúde para idosos.

 

13 - Monitoramento epidemiológico da tuberculose em um hospital geral universitário

Epidemiological monitoring of tuberculosis in a general teaching hospital

Berenice das Dores Gonçalves, Luciana Tricai Cavalini, Joaquim Gonçalves Valente

J Bras Pneumol.2010;36(3):

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Descrever o monitoramento epidemiológico da exposição à tuberculose realizado em ambiente hospitalar e analisar o perfil da doença em um hospital geral universitário. Métodos: Estudo descritivo e retrospectivo dos casos diagnosticados de tuberculose no período entre 2000 e 2006, com a determinação de indicadores de morbidade e mortalidade, que foram comparados a população geral de pacientes atendidos no hospital e com o total de funcionários do hospital que desenvolveram tuberculose ativa. Resultados: Foram atendidos 763 pacientes com tuberculose ativa (média, 109 pacientes/ano), sendo 481 (63,1%) do sexo masculino. A faixa etária mais atingida foi a de 30 a 59 anos. As formas clínicas pulmonares e extrapulmonares exclusivas foram predominantes. Entretanto, entre os pacientes internados, as formas pulmonares associadas às extrapulmonares e as formas pulmonares não bacilíferas exclusivas foram mais frequentes. A presença de comorbidades foi mais prevalente entre os pacientes internados e entre os que evoluíram para óbito. Apenas 52,8% dos casos atendidos no hospital foram notificados. Os indicadores hospitalares gerais demonstraram maior tempo de internação hospitalar e mortalidade entre os pacientes com tuberculose. Conclusões: A incidência e prevalência indicam um alto risco de exposição à tuberculose no hospital no período estudado. Os indicadores propostos apresentam um potencial de padronização dos procedimentos de monitoramento da tuberculose hospitalar, e o perfil epidemiológico aqui descrito poderá contribuir para um melhor entendimento da situação da doença no país.

 


Palavras-chave: Tuberculose/epidemiologia; Infecção hospitalar/prevenção & controle; Vigilância epidemiológica/estatística & dados numéricos; Controle de risco.

 

Série de Casos

14 - Associação entre paracoccidioidomicose e câncer

Association between paracoccidioidomycosis and cancer

Gustavo da Silva Rodrigues, Cecília Bittencourt Severo, Flávio de Mattos Oliveira, José da Silva Moreira, João Carlos Prolla, Luiz Carlos Severo

J Bras Pneumol.2010;36(3):

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Analisar a associação entre paracoccidioidomicose (Pcm) e câncer e realizar uma revisão da literatura sobre esse tópico. Métodos: Revisão retrospectiva de 25 casos diagnosticados com Pcm e câncer, extraídos de uma série de 808 casos consecutivos de pacientes adultos diagnosticados com Pcm com base nos testes realizados no Laboratório de Micologia da Santa Casa Complexo Hospitalar de Porto Alegre (RS), entre 1972 e 2007. O diagnóstico de Pcm foi confirmado através de exame microscópico direto, exame histopatológico ou imunodifusão. Todos os casos de câncer foram confirmados por exame histopatológico ou citopatológico. Resultados: Sintomas respiratórios foram as principais queixas dos pacientes. O envolvimento pulmonar foi o achado mais predominante, seguido pelo tegumentar e linfático. O tipo de tumor mais prevalente foi o carcinoma brônquico, em 15 casos, seguido de outros tipos de carcinoma, e 1 paciente apresentou linfoma de Hodgkin. Em 16 pacientes (64%), o sítio de Pcm era o mesmo do tumor. Na maioria dos casos, o tratamento de Pcm consistiu na administração isolada de sulfanilamida, sulfametoxazol-trimetoprim, cetoconazol, itraconazol ou anfotericina B. A cirurgia foi o tratamento mais comum para o câncer, seguida de radioterapia e quimioterapia. Dos 25 pacientes, 12 foram curados para Pcm, e 4 faleceram. Em 9, o desfecho final era desconhecido. A prevalência de câncer de pulmão na população geral na área em estudo foi significativamente maior em fumantes com Pcm que em fumantes sem Pcm (p < 0,001). Conclusões: .O diagnóstico de Pcm parece aumentar o risco de câncer de pulmão.

 


Palavras-chave: Paracoccidioides; Paracoccidioidomicose; Neoplasias.

 

Artigo de Revisão

15 - Citoesqueleto e mecanotransdução na fisiopatologia da lesão pulmonar induzida por ventilador

Cytoskeleton and mechanotransduction in the pathophysiology of ventilator-induced lung injury

Leandro Utino Taniguchi, Elia Garcia Caldini, Irineu Tadeu Velasco, Elnara Márcia Negri

J Bras Pneumol.2010;36(3):

Resumo PDF PT PDF EN English Text

A ventilação mecânica é uma terapia importante, mas pode resultar em complicações. Uma das mais relevantes é a lesão pulmonar induzida por ventilador. Devido à hiperdistensão alveolar, o pulmão inicia um processo inflamatório, com infiltrado neutrofílico, formação de membrana hialina, fibrogênese e prejuízo de troca gasosa. Nesse processo, a mecanotransdução da hiperdistensão celular é mediada através do citoesqueleto da célula e de suas interações com a matriz extracelular e com as células vizinhas, de modo que o estímulo mecânico da ventilação se traduz em sinalização bioquímica intracelular, desencadeando ativação endotelial, permeabilidade vascular pulmonar, quimiotaxia leucocitária, produção de citocinas e, possivelmente, lesão de órgãos à distância. Estudos clínicos demonstram essa relação entre distensão pulmonar e mortalidade em pacientes com lesão pulmonar induzida por ventilador. Entretanto, apesar de o citoesqueleto ter um papel fundamental na patogênese da lesão pulmonar induzida por ventilador, a literatura carece de estudos utilizando modelos in vivo sobre as alterações do citoesqueleto e de suas proteínas associadas durante esse processo patológico.

 


Palavras-chave: Respiração artificial; Citoesqueleto; Moléculas de adesão celular; Aderências focais; Mecanotransdução celular.

 

16 - Celularidade do líquido de LBA em crianças e adolescentes saudáveis e com doenças pulmonares

Cell profile of BAL fluid in children and adolescents with and without lung disease

Isabela Furtado de Mendonça Picinin, Paulo Augusto Moreira Camargos, Christophe Marguet

J Bras Pneumol.2010;36(3):

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Este estudo teve como objetivo rever a literatura existente sobre a celularidade do LBA em crianças e adolescentes saudáveis, bem como sobre sua utilização como método propedêutico e de acompanhamento nas afecções pulmonares neste grupo etário. Para tanto, utilizamos o banco de dados médico Medline com a seleção de artigos publicados entre 1989 e 2009 utilizando os seguintes descritores MeSH com operadores boolianos: bronchoalveolar lavage AND cytology OR cell AND child. Em crianças saudáveis, a celularidade é composta por macrófagos alveolares (> 80%), linfócitos (cerca de 10%), neutrófilos (cerca de 2%) e eosinófilos (< 1%). O perfil celular sofre alterações de acordo com a doença estudada. Ocorre uma elevação no número de neutrófilos em sibilantes, especialmente os não atópicos, bem como em indivíduos com quadros infecciosos e inflamatórios pulmonares, incluindo fibrose cística e doenças intersticiais pulmonares. Os eosinófilos se elevam em crianças/adolescentes com asma e podem atingir níveis acentuados na aspergilose broncopulmonar alérgica e nas síndromes hipereosinofílicas. A elevação dos linfócitos pode ocorrer em um grupo heterogêneo de doenças. Conclui-se que a celularidade do líquido de LBA, juntamente com dados clínicos e de imagem, tem se mostrado um instrumento essencial de investigação de diversas afecções pulmonares. O LBA possui uma grande utilidade clínica e é menos invasivo que a biópsia pulmonar transbrônquica e a céu aberto. Estudos sobre a celularidade normal do líquido de LBA utilizando-se protocolos internacionalmente padronizados e em diversas faixas etárias para a verificação de valores de referência são necessários para a interpretação mais acurada de resultados em crianças e adolescentes com pneumopatias.

 


Palavras-chave: Lavagem broncoalveolar; Líquido da lavagem broncoalveolar/citologia; Criança; Adolescente.

 

Relato de Caso

17 - Síndrome respiratória aguda grave causada por influenza A (subtipo H1N1)

Severe acute respiratory syndrome caused by the influenza A (H1N1) virus

Sandra Aparecida Ribeiro, Graziela Sgreccia Brasileiro, Luciana Novaes Campello Soleiman, Cristiano Cruz Silva, Cláudio Shoki Kavaguti

J Bras Pneumol.2010;36(3):

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Frente à pandemia causada por um novo vírus, influenza A (H1N1), descrevemos o caso de um paciente de 56 anos com síndrome respiratória aguda grave causada por influenza A (H1N1) sem fatores de risco importantes. Os resultados dos exames laboratoriais e de imagem (radiografia e TC de tórax) são apresentados aqui. O paciente teve boa evolução e recebeu alta hospitalar em 14 dias.

 


Palavras-chave: Vírus da influenza A subtipo H1N1; Síndrome respiratória aguda grave; Assistência ao paciente.

 

18 - Tumor glômico endobrônquico com atelectasia de lobo superior direito

Bronchial glomus tumor with right upper lobe atelectasis

Artur Eugênio de Azevedo-Pereira, Moacyr Pezati Rigueiro, Fernando Conrado Abrão

J Bras Pneumol.2010;36(3):

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Tumores glômicos são raras neoplasias benignas de tecidos moles. Relatamos o caso de um paciente de 32 anos de idade que apresentava atelectasia em lobo superior direito devido a um tumor endobrônquico. O paciente foi submetido a lobectomia superior direita e broncoplastia em cunha. O diagnóstico patológico foi de tumor glômico endobrônquico. Até onde sabemos, essa apresentação com atelectasia em lobo superior direito nunca foi relatada. O tumor glômico deve ser considerado no diagnóstico diferencial de lesões endobrônquicas que causam atelectasia lobar.

 


Palavras-chave: Tumor glômico; Neoplasias pulmonares; Procedimentos cirúrgicos torácicos.

 

Resposta do autor

20 - Resposta ao autor

Author`s reply

Cinthia Pedrozo, Clemax Couto Sant'Anna, Maria de Fátima B. Pombo March, Sheila Cunha Lucena

J Bras Pneumol.2010;36(3):

PDF PT PDF EN English Text


Artigo Original

89 - teste

teste

teste

J Bras Pneumol.2010;36(3):89

Resumo PDF PT English Text Vídeo

teste

 


Palavras-chave: teste

 

 


O Jornal Brasileiro de Pneumologia está indexado em:

Latindex Lilacs SciELO PubMed ISI Scopus Copernicus pmc

Apoio

CNPq, Capes, Ministério da Educação, Ministério da Ciência e Tecnologia, Governo Federal, Brasil, País Rico é País sem Pobreza
Secretaria do Jornal Brasileiro de Pneumologia
SCS Quadra 01, Bloco K, Salas 203/204 Ed. Denasa. CEP: 70.398-900 - Brasília - DF
Fone/fax: 0800 61 6218/ (55) (61) 3245 1030/ (55) (61) 3245 6218
E-mails: jbp@jbp.org.br
jpneumo@jornaldepneumologia.com.br

Copyright 2017 - Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia

Logo GN1