Jornal Brasileiro de Pneumologia

ISSN (on-line): 1806-3756

ISSN (impressa): 1806-3713

SCImago Journal & Country Rank
Busca avançada

Ano 2010 - Volume 36  - Número 4  (Julho/Agosto)






Artigo Original

3 - Prevalência e gravidade da sibilância no primeiro ano de vida

Prevalence and severity of wheezing in the first year of life

Ana Caroline Cavalcanti Dela Bianca, Gustavo Falbo Wandalsen, Javier Mallol, Dirceu Solé

J Bras Pneumol.2010;36(4):

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Avaliar a prevalência e a gravidade da sibilância, bem como sua relação com o diagnóstico médico de asma, em lactentes no primeiro ano de vida, utilizando o protocolo padronizado do "Estudio Internacional de Sibilancias en Lactantes" (EISL, Estudo Internacional de Sibilâncias em Lactentes). Métodos: Entre março de 2005 e agosto de 2006, os pais ou responsáveis de lactentes que procuraram unidades básicas de saúde na região centro-sul de São Paulo (SP) para procedimentos de rotina e imunização responderam ao questionário escrito do EISL. Resultados: A amostra foi constituída por 1.014 lactentes (média de idade = 5,0 ± 3,0 meses), 467 (46,0%) dos quais apresentaram sibilância no primeiro ano de vida, sendo que 270 (26,6%) tiveram três ou mais episódios. Entre esses últimos, o uso de β2-agonista inalatório, corticosteroide inalatório e antileucotrieno, assim como a presença de sintomas noturnos, dificuldade para respirar, pneumonia, idas ao pronto socorro e internação por sibilância grave, foram significantemente mais frequentes (p < 0,05). Os pais de 35 (7,5%) dos 467 lactentes relataram o diagnóstico médico de asma, o qual foi associado ao uso de corticosteroide inalatório, percepção de falta de ar durante as crises e seis ou mais episódios de sibilância no primeiro ano de vida. Entretanto, menos de 40% desses lactentes recebiam corticosteroide inalatório ou antileucotrieno como tratamento. Conclusões: A prevalência da sibilância no primeiro ano de vida de lactentes no estudo foi alta e teve início precoce. A proporção de lactentes diagnosticados e tratados como asmáticos foi baixa.

 


Palavras-chave: Asma/diagnóstico; Asma/epidemiologia; Sons respiratórios.

 

4 - Eficácia e segurança de dois inaladores de pó seco usados para a aplicação de furoato de mometasona em pacientes com asma

Efficacy and safety of two dry-powder inhalers for the administration of mometasone furoate in asthma patients

Carlos Alberto de Castro Pereira, Flávia Fillardo Vianna, Alberto Cukier, Rafael Stelmach, Júlio César Abreu de Oliveira, Erich Vidal Carvalho, Edimar Pedrosa Gomes, Suzete Varela Mayo, Antônio Monteiro da Silva Chibante, Cláudia Patrícia Domingues

J Bras Pneumol.2010;36(4):

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: O furoato de mometasona (FM) é um novo corticosteroide inalatório sintético potente. Internacionalmente, o FM é fornecido em um inalador de pó seco que permite sua administração em múltiplas doses. Para se obter uma preparação com melhor relação custo-eficácia, foram desenvolvidas no Brasil formulações de FM em cápsulas de pó seco para serem administradas em dose única. O presente estudo teve como objetivo avaliar a eficácia e a segurança dos dois inaladores usados para a administração de FM em pacientes asmáticos. Métodos: Estudo clínico, aberto, comparativo, paralelo e multicêntrico com 74 adultos portadores de asma persistente e moderada, randomizados em dois grupos para receber FM em uma dose de aproximadamente 400 µg, fornecida por um inalador de dose múltipla ou pelo novo inalador de dose única, uma vez ao dia durante 60 dias. Resultados: Não foram observadas diferenças significantes entre os dois grupos estudados nos desfechos primários (VEF1 e frequência do uso de medicação de resgate) ou nos desfechos secundários (PFE matinal, tolerabilidade e segurança, essa última avaliada pelo estudo do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal). Conclusões: A administração de FM com o novo inalador de dose única desenvolvido no Brasil tem eficácia e segurança comparáveis à administração com o inalador de dose múltipla no tratamento de pacientes asmáticos.

 


Palavras-chave: Antiasmáticos; Pregnadienodióis; Inaladores dosimetrados. (ClinicalTrials.gov identifier: NCT00975741 [http://www.clinicaltrials.gov/])

 

5 - Versão brasileira do Paediatric Asthma Quality of Life Questionnaire: validação de campo

Field-test validation of the Brazilian version of the Paediatric Asthma Quality of Life Questionnaire

Edgar Enrique Sarria, Rosana Cardoso Manique Rosa, Gilberto Bueno Fischer, Vânia Naomi Hirakata, Neusa Sica da Rocha, Rita Mattiello

J Bras Pneumol.2010;36(4):

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Determinar as propriedades psicométricas da versão oficial em português do Brasil de Paediatric Asthma Quality of Life Questionnaire (PAQLQ) em uma amostra representativa de crianças e adolescentes brasileiros com asma. Métodos: Um total de 125 participantes com asma, com idades de 8-17 e monitorados em um ambulatório pediátrico de pneumologia em Porto Alegre (RS), responderam o PAQLQ. A validade foi avaliada através de validade convergente (correlação entre os domínios do PAQLQ e os domínios do Pediatric Quality of Life Inventory 4.0 (PedsQL 4.0). A confiabilidade foi avaliada através da consistência interna (coeficiente alfa de Cronbach), reprodutibilidade (coeficiente de correlação intraclasse), sensibilidade a mudança (tamanho do efeito) e discriminação (efeitos mínimo/máximo). Resultados: A idade média foi de 11 anos, e 75 (60%) eram meninos. A média do escore global do PAQLQ foi de 5.1, com efeitos mínimo/máximo < 10%. As correlações com os domínios do PedsQL 4.0 foram aceitáveis (r = 0,37-0,40). O coeficiente alfa de Cronbach do escore global foi 0,93, variando de 0,72 a 0,88 nos domínios. O tamanho do efeito global foi de 0,60 (variação: 0,45-0,60), e a correlação intraclasse global foi de 0,80 (variação: 0,66-0,79). Conclusões: A versão oficial em português do Brasil do PAQLQ demonstrou boa performance psicométrica do instrumento, confirmando sua adequação para uso no contexto cultural brasileiro.

 


Palavras-chave: Qualidade de vida; Asma; Estudos de validação.

 

6 - Deve-se extrapolar o tratamento de bronquiectasias em pacientes com fibrose cística para aqueles com bronquiectasias de outras etiologias?

Should the bronchiectasis treatment given to cystic fibrosis patients be extrapolated to those with bronchiectasis from other causes?

Rodrigo Abensur Athanazio, Samia Zahi Rached, Ciro Rohde, Regina Carvalho Pinto, Frederico Leon Arrabal Fernandes, Rafael Stelmach

J Bras Pneumol.2010;36(4):

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Conhecer o perfil de pacientes adultos com bronquiectasias, comparando portadores de fibrose cística (FC) com aqueles com bronquiectasias de outra etiologia, a fim de determinar se é racional extrapolar terapêuticas instituídas em fibrocísticos para aqueles com bronquiectasias de outras etiologias. Métodos: Análise retrospectiva dos prontuários de 87 pacientes adultos com diagnóstico de bronquiectasia em acompanhamento em nosso serviço. Pacientes com doença secundária a infecção por tuberculose corrente ou no passado foram excluídos. Foram avaliados dados clínicos, funcionais e terapêuticos dos pacientes. Resultados: Dos 87 pacientes com bronquiectasias, 38 (43,7%) tinham diagnóstico confirmado de FC através de dosagem de sódio e cloro no suor ou análise genética, enquanto 49 (56,3%) apresentavam a doença por outra etiologia, 34 (39,0%) desses com bronquiectasia idiopática. Os pacientes com FC apresentavam média de idade ao diagnóstico mais baixa (14,2 vs. 24,2 anos; p < 0,05). A prevalência de sintomas (tosse, expectoração, hemoptise e sibilância) foi semelhante entre os grupos. A colonização por Pseudomonas aeruginosa e a por Staphylococcus aureus foram mais comuns nos pacientes com FC (82,4 vs. 29,7% e 64,7 vs. 5,4%, respectivamente). Conclusões: As causas e as manifestações clínicas das bronquiectasias são heterogêneas, sendo importante a identificação dessas diferenças na abordagem do paciente. Reconhecer estas diferenças é crucial para o desenvolvimento de novas estratégias para o manejo de pacientes com bronquiectasias.

 


Palavras-chave: Fibrose cística; Bronquiectasia/diagnóstico; Bronquiectasia/terapia; Testes de função respiratória.

 

7 - Ocorrência de síndrome hepatopulmonar em pacientes cirróticos candidatos a transplante de fígado

Occurrence of hepatopulmonary syndrome in patients with cirrhosis who are candidates for liver transplantation

Liana Gonçalves Macêdo, Edmundo Pessoa de Almeida Lopes, Maria de Fátima Pessoa Militão de Albuquerque, Brivaldo Markman-Filho, Flávio Henrique Amaral Pires Véras, Ana Carolina Chiappetta Correia de Araújo, Álvaro Antônio Bandeira Ferraz

J Bras Pneumol.2010;36(4):

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Verificar a ocorrência da síndrome hepatopulmonar (SHP) em pacientes cirróticos candidatos a transplante de fígado; comparar as características demográficas, clínicas, laboratoriais e espirométricas, resultados de ecocardiografia, análise de gases arteriais e da gravidade da doença hepática nos pacientes com e sem SHP; e descrever a ocorrência de SHP no subgrupo de pacientes com cirrose associada à esquistossomose mansônica (doença hepática mista). Métodos: Entre janeiro e novembro de 2007, foram avaliados 44 pacientes inscritos no Ambulatório de Transplante Hepático do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco, em Recife (PE). Os critérios diagnósticos para SHP foram a presença de dilatações vasculares intrapulmonares, identificadas por ecocardiografia transtorácica, assim como diferença alveoloarterial de oxigênio ≥ 15 mmHg ou PaO2 < 80 mmHg. Resultados: A idade média foi 52 anos, e 31 pacientes (70%) eram do sexo masculino. A causa mais frequente de cirrose foi uso de etanol. A esquistossomose esteve presente em 28 pacientes (64%). Dos 44 pacientes, 20 (45,5%) foram diagnosticados com SHP. Não foram observadas diferenças significativas em relação às características estudadas. No subgrupo de pacientes com cirrose associada à esquistossomose, 10/28 (35,7%) receberam o diagnóstico de SHP. Conclusões: A SHP apresentou elevada prevalência nesta população estudada, não sendo observadas associações entre a sua ocorrência e as variáveis analisadas.

 


Palavras-chave: Síndrome hepatopulmonar; Transplante de fígado; Cirrose hepática; Hipertensão portal; Esquistossomose mansoni; Ecocardiografia.

 

8 - Risco aumentado de sintomas respiratórios e bronquite crônica em mulheres que utilizam biocombustíveis na Nigéria

Increased risk of respiratory symptoms and chronic bronchitis in women using biomass fuels in Nigeria

Olufemi Olumuyiwa Desalu, Adebowale Olayinka Adekoya, Bolawale Adedeji Ampitan

J Bras Pneumol.2010;36(4):

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Determinar a associação de sintomas respiratórios e bronquite crônica com o uso de biocombustíveis entre mulheres habitantes de áreas rurais do estado de Ekiti, sudoeste da Nigéria. Métodos: De janeiro a junho de 2009, realizou-se um estudo transversal com uma amostra de 269 mulheres adultas. Um questionário adaptado do European Community Respiratory Health Survey foi aplicado para a obtenção de dados sobre características sociodemográficas, tipo de combustível utilizado para a preparação de alimentos, sintomas respiratórios e história de tabagismo. Todas as participantes foram convidadas a realizar espirometria. Resultados: Das 269 mulheres no estudo, 161 (59,9%) utilizavam biocombustíveis para a preparação de alimentos. As mulheres que utilizavam biocombustíveis relataram mais sintomas respiratórios que aquelas que não os utilizavam - tosse (13,7% vs. 3,7%); sibilância (8,7% vs. 2,8%); dor no peito (7,5% vs. 1,9%); falta de ar (11,8% vs. 6,5%); sintomas nasais (9,3% vs. 4,6%); e bronquite crônica (10,6% vs. 2,8%). A análise multivariada por regressão logística confirmou que o uso de biocombustíveis está associado às seguintes variáveis: tosse (OR = 4,82; p = 0,01); bronquite crônica (OR = 3,75; p = 0,04); sibilância (OR = 2,22; p = 0,23); dor no peito (OR = 3,82; p = 0,09); falta de ar (OR = 1,54; p = 0,35); e sintomas nasais (OR = 2,32; p = 0,20). Todos os parâmetros espirométricos avaliados (VEF1, CVF, VEF1/CVF e PFE) foram menores nas mulheres que utilizavam biocombustíveis do que naquelas que não os utilizavam. Conclusões: Nossos resultados enfatizam a necessidade de se substituir o uso de biocombustíveis nos domicílios pelo de um tipo de combustível atóxico, como eletricidade ou gás.

 


Palavras-chave: Sinais e sintomas respiratórios; Biocombustíveis; Bronquite crônica; Poluição do ar em ambientes fechados.

 

9 - O índice BODE correlaciona-se com a qualidade de vida em pacientes com DPOC?

Does the BODE index correlate with quality of life in patients with COPD?

Zênia Trindade de Souto Araujo, Gardenia Holanda

J Bras Pneumol.2010;36(4):

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Determinar se há uma correlação entre o índice Body mass index, airway Obstruction, Dyspnea, and Exercise capacity (BODE; IMC, obstrução das vias aéreas, dispneia e capacidade de exercício) e a qualidade de vida relacionada à saúde em pacientes com DPOC. Métodos: Foram avaliados 42 pacientes com DPOC quanto a parâmetros de função pulmonar; variáveis antropométricas; capacidade de exercício através da distância máxima percorrida no teste de caminhada de seis minutos; dispneia através da escala modificada Medical Research Council (MRC); índice BODE; e a qualidade de vida através do questionário do Saint George's Respiratory Questionnaire modificado (SGRQm). Os pacientes foram alocados em dois grupos de acordo com a estratificação de gravidade da doença: VEF1 ≥ 50% e VEF1 < 50%. Resultados: Os valores médios do índice BODE para os grupos VEF1 ≥ 50% e VEF1 < 50% foram, respectivamente, 2,58 ± 1,17 e 4,15 ± 1,81. Houve diferença significativa na comparação das variáveis VEF1 e VEF1/CVF entre os grupos. Houve correlações moderadas e significativas entre os escores do índice BODE e todos os domínios do SGRQm no grupo de pacientes com VEF1 < 50%. Conclusões: Houve correlação entre o escore do índice BODE e os escores de todos os domínios do SGRQm nos pacientes com DPOC com VEF1 < 50%. Portanto, os pacientes DPOC com VEF1 < 50% morrem mais rápido e têm pior qualidade de vida.

 


Palavras-chave: Doença pulmonar obstrutiva crônica; Qualidade de vida; Índice de gravidade de doença; Prognóstico.

 

10 - Função pulmonar de crianças e adolescentes com bronquiolite obliterante pós-infecciosa

Pulmonary function in children and adolescents with postinfectious bronchiolitis obliterans

Rita Mattiello, Javier Mallol, Gilberto Bueno Fischer, Helena Teresinha Mocelin, Belkys Rueda, Edgar Enrique Sarria

J Bras Pneumol.2010;36(4):

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Descrever a função pulmonar de crianças e adolescentes com bronquiolite obliterante pós-infecciosa (BOPI) e avaliar potenciais fatores de risco para pior função pulmonar. Métodos: A função pulmonar de 77 participantes, com idades de 8-18 anos, foi avaliada por meio de espirometria e pletismografia. Os seguintes parâmetros foram analisados: CVF, VEF1, FEF25-75%, VEF1/CVF, VR, CPT, VR/CPT, volume de gás intratorácico e specific airway resistance (sRaw, resistência específica das vias aéreas). Foi utilizada a regressão de Poisson para investigar os seguintes potenciais fatores de risco para pior função pulmonar: sexo, idade do primeiro sibilo, idade ao diagnóstico, história familiar de asma, exposição ao tabaco, tempo de hospitalização e tempo de ventilação mecânica. Resultados: A idade média foi de 13,5 anos. Houve uma diminuição importante de VEF1 e FEF25-75%, assim como um aumento de VR e sRaw, característicos de doença obstrutiva das vias aéreas. Os parâmetros mais afetados e as médias percentuais dos valores previstos foram VEF1 = 45,9%; FEF25-75% = 21,5%; VR = 281,1%; VR/CPT = 236,2%; e sRaw = 665,3%. Nenhum dos potenciais fatores de risco avaliados apresentou uma associação significativa com pior função pulmonar. Conclusões: As crianças com BOPI apresentaram um padrão comum de comprometimento grave da função pulmonar, caracterizado por uma obstrução importante das vias aéreas e um expressivo aumento de VR e sRaw. A combinação de medidas espirométricas e pletismográficas pode ser mais útil na avaliação do dano funcional, assim como no acompanhamento desses pacientes. Fatores de riscos conhecidos para doenças respiratórias não parecem estar associados a pior função pulmonar em BOPI.

 


Palavras-chave: Testes de função respiratória; Obstrução das vias respiratórias; Bronquiolite obliterante.

 

11 - Predizendo redução da CPT em pacientes com CVF reduzida e relação VEF1/CVF normal ou elevada

Predicting reduced TLC in patients with low FVC and a normal or elevated FEV1/FVC ratio

Luiz Carlos D'Aquino, Sílvia Carla Sousa Rodrigues, João Adriano de Barros, Adalberto Sperb Rubin, Nelson Augusto Rosário Filho, Carlos Alberto de Castro Pereira

J Bras Pneumol.2010;36(4):

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Utilizar os dados clínicos e espirométricos para distinguir entre os padrões restritivo e inespecífico dos resultados dos testes de função pulmonar em pacientes com CVF reduzida e relação VEF1/CVF normal ou elevada. Métodos: Foram avaliados resultados de testes de função pulmonar de 211 pacientes adultos submetidos à espirometria e a medidas de volumes pulmonares. O diagnóstico clínico na solicitação do exame e diversos dados funcionais foram utilizados para diferenciar pacientes com o padrão restritivo "verdadeiro" (CPT reduzida) daqueles com o padrão inespecífico (CPT normal). Resultados: Na amostra estudada, a CPT estava reduzida em 144 casos e estava dentro da faixa normal em 67. As causas mais comuns do padrão inespecífico foram doenças pulmonares obstrutivas, insuficiência cardíaca congestiva, obesidade, bronquiolite, doenças intersticiais e doenças neuromusculares. Em pacientes com hipótese diagnóstica de fibrose pulmonar, doenças pleurais ou doenças da parede torácica, o valor preditivo positivo (VPP) para restrição foi ≥ 90%. Em homens, a CVF ≤ 60% do previsto teve um VPP para restrição de 98,8%. Em mulheres, o padrão restritivo foi encontrado em 84,4% daquelas com CVF ≤ 50% do previsto. Uma diferença entre VEF1% e CVF% ≥ 0% teve um VPP para restrição de 89,5%. Após regressão logística, uma escala de pontos foi desenvolvida para predizer o padrão restritivo. Conclusões: O padrão restritivo pode ser identificado com segurança em diversos casos com VEF1 e CVF reduzidos e relação VEF1/CVF normal usando-se um algoritmo que leva em conta o diagnóstico clínico e alguns achados espirométricos.

 


Palavras-chave: Espirometria; Resistência das vias respiratórias; Testes de função respiratória; Capacidade vital.

 

12 - Dosagem de proteínas totais e desidrogenase lática para o diagnóstico de transudatos e exsudatos pleurais: redefinindo o critério clássico com uma nova abordagem estatística

Determination of total proteins and lactate dehydrogenase for the diagnosis of pleural transudates and exudates: redefining the classical criterion with a new statistical approach

Bernardo Henrique Ferraz Maranhão, Cyro Teixeira da Silva Junior, Antonio Monteiro da Silva Chibante, Gilberto Perez Cardoso

J Bras Pneumol.2010;36(4):

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Propor um novo critério de classificação para a diferenciação entre exsudatos e transudatos pleurais através da dosagem de proteínas totais no líquido pleural (PT-LP) e de desidrogenase lática no líquido pleural (DHL-LP) exclusivamente, assim como comparar o rendimento diagnóstico entre esse novo critério com o critério clássico. Métodos: Estudo observacional, transversal de tipo individualizado, no qual foram selecionados 181 pacientes com derrame pleural tratados em dois hospitais universitários no estado do Rio de Janeiro (RJ) entre 2003 e 2006. Os parâmetros diagnósticos incluídos no critério clássico, assim como os do novo critério, foram determinados. Resultados: Dos 181 pacientes, 152 e 29 foram diagnosticados, respectivamente, com exsudato pleural e transudato pleural. A sensibilidade, especificidade e acurácia do critério clássico para o diagnóstico de exsudato pleural foram, respectivamente, de 99,8%, 68,6% e 94,5%, enquanto, para o diagnóstico de transudato pleural, essas foram de 76,1%, 90,1% e 87,6%. Utilizando-se os pontos de corte de 3,4 g/dL para a dosagem de PT-LP e de 328,0 U/L para aquela de DHL-LP (novo critério), a sensibilidade, especificidade e acurácia foram de, respectivamente, 99,4%, 72,6% e 99,2%, para o diagnóstico de exsudato, e de 98,5%, 83,4% e 90,0%, para o diagnóstico de transudato. A acurácia do novo critério proposto para o diagnóstico de exsudato pleural foi significativamente maior que aquela do critério clássico (p = 0,0022). Conclusões: O rendimento diagnóstico dos dois critérios estudados foi semelhante. Portanto, esse novo critério de classificação pode ser utilizado na prática diária.

 


Palavras-chave: Derrame pleural/diagnóstico; Derrame pleural/classificação; Exudatos e transudatos.

 

13 - Características clínicas e evolução de pacientes imunocomprometidos não HIV com diagnóstico intra-hospitalar de tuberculose

Clinical characteristics and evolution of non-HIV-infected immunocompromised patients with an in-hospital diagnosis of tuberculosis

Denise Rossato Silva, Diego Millán Menegotto, Luis Fernando Schulz, Marcelo Basso Gazzana, Paulo de Tarso Roth Dalcin

J Bras Pneumol.2010;36(4):

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Objetivo: Investigar as características de pacientes imunocomprometidos não HIV com diagnóstico intra-hospitalar de tuberculose e determinar os fatores de risco para mortalidade. Métodos: Durante um período de dois anos, foi realizado um estudo de coorte retrospectivo que incluiu os pacientes com diagnóstico de tuberculose após a internação. Os fatores preditores de mortalidade foram coletados. Resultados: Durante o período do estudo, 337 pacientes foram internados e diagnosticados com TB, e desses, 61 apresentavam imunossupressão não decorrente da infecção pelo HIV. A tuberculose extrapulmonar estava presente em 47,5% dos casos. Nesse grupo, a taxa de mortalidade intra-hospitalar foi de 21,3%, e a mortalidade após a alta foi de 18,8%. Os pacientes imunocompetentes tiveram sobrevida em um ano maior que os pacientes com HIV (p = 0,008) e que os imunocomprometidos não HIV (p = 0,015), mas não houve diferença na sobrevida entre esses dois últimos grupos (p = 0,848). Entre os pacientes imunocomprometidos não HIV, o único fator estatisticamente associado à mortalidade foi a necessidade de ventilação mecânica. Entre os maiores de 60 anos, dispneia e presença de fibrose/atelectasias na radiografia de tórax foram mais comuns, enquanto febre e consolidações foram menos frequentes nesse grupo. A febre também foi um sintoma encontrado menos comumente nos pacientes com neoplasias. O tempo até o início do tratamento foi significativamente maior nos pacientes maiores de 60 anos, nos diabéticos e nos pacientes renais crônicos. Nos pacientes diabéticos e naqueles usuários de corticosteroides, o emagrecimento foi um sintoma menos frequentemente relatado. Conclusões: A menor prevalência de sintomas clássicos, a ocorrência de tuberculose extrapulmonar, o atraso no início do tratamento e a alta taxa de mortalidade refletem o desafio diagnóstico e terapêutico da tuberculose em pacientes imunocomprometidos não HIV.

 


Palavras-chave: Hospitalização; Imunossupressão; Fatores de risco; Tuberculose/mortalidade; Hospedeiro imunocomprometido.

 

Comunicação Breve

14 - Aminoguanidina reduz o estresse oxidativo e as alterações estruturais pulmonares em diabetes mellitus experimental

Aminoguanidine reduces oxidative stress and structural lung changes in experimental diabetes mellitus

Fabio Cangeri Di Naso, Luiz Alberto Forgiarini Junior, Luiz Felipe Forgiarini, Marilene Porawski, Alexandre Simões Dias, Norma Anair Possa Marroni

J Bras Pneumol.2010;36(4):

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Avaliamos o efeito da aminoguanidina sobre o estresse oxidativo pulmonar e a estrutura pulmonar em um modelo experimental de diabetes mellitus. Foram determinados thiobarbituric acid reactive substances (TBARS, substâncias reativas ao ácido tiobarbitúrico), histologia e gasometria arterial em animais com diabetes mellitus (DM), animais com diabetes mellitus tratados com aminoguanidina (DM+AG) e controles. O nível de TBARS foi significativamente maior no grupo DM que nos grupos controle e DM+AG (2,90 ± 1,12 vs. 1,62 ± 0,28 e 1,68 ± 0,04 nmol/mg proteína, respectivamente), o mesmo ocorrendo com PaCO2 em relação ao grupo controle (49,2 ± 1,65 vs. 38,12 ± 4,85 mmHg), e PaO2 foi significativamente maior no grupo controle (104,5 ± 6,3 vs. 69,48 ±16,30 e 97,05 ± 14,02 mmHg, respectivamente). Neste modelo experimental de diabetes mellitus, a aminoguanidina reduziu o estresse oxidativo, alterações estruturais teciduais pulmonares e a troca gasosa no modelo experimental.

 


Palavras-chave: Estresse oxidativo; Diabetes mellitus experimental; Pulmão.

 

15 - Modelo experimental de perfusão pulmonar isolada em ratos: técnica e aplicações em estudos de preservação pulmonar

Experimental model of isolated lung perfusion in rats: technique and application in lung preservation studies

Paulo Manuel Pêgo-Fernandes, Eduardo de Campos Werebe, Paulo Francisco Guerreiro Cardoso, Rogério Pazetti, Karina Andrighetti de Oliveira, Paula Roberta Otaviano Soares, Fabio Biscegli Jatene

J Bras Pneumol.2010;36(4):

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Estudos de preservação pulmonar em modelos experimentais realizados em animais de pequeno porte são de realização mais simples e barata. Esta comunicação tem o enfoque de descrever tecnicamente um modelo de perfusão pulmonar ex vivo em ratos, com o uso de um equipamento disponível comercialmente que foi o primeiro a ser instalado em um laboratório de pesquisa em cirurgia torácica no Brasil. Descrevemos detalhadamente o modelo e sua preparação, assim como suas aplicações para estudos de preservação pulmonar. Os detalhes técnicos da preparação podem ser observados também em um vídeo postado no site do Jornal Brasileiro de Pneumologia.

 


Palavras-chave: Transplante de pulmão; Traumatismo por reperfusão; Ratos; Modelos animais.

 

16 - Heterogeneidade de resposta por IFN-γ a cepas clínicas de Mycobacterium tuberculosis em humanos

Heterogeneidade de resposta por IFN-γ a cepas clínicas de Mycobacterium tuberculosis em humanos

Vinícius Ribeiro Cabral, Cláudia Ferreira de Souza, Fernanda Luiza Pedrosa Guimarães, Maria Helena Feres Saad

J Bras Pneumol.2010;36(4):

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Mycobacterium tuberculosis é um dos mais bem sucedidos patógenos do homem. As cepas virulentas são mais facilmente transmitidas, induzindo respostas imunes variáveis. Avaliamos a resposta celular tipo Th1, através da produção de IFN-γ, como resposta a cepas com padrões diversos em voluntários sadios. Nossos resultados mostraram que indivíduos com teste tuberculínico (TT) negativo já tiveram contato com algumas das cepas testadas, ao passo que indivíduos com TT positivo não responderam a todas as cepas testadas. Cepas resistentes induziram uma média menor de produção de IFN-γ que aquelas sensíveis. Uma possível aplicação prática disto seria que a produção de IFN-γ, em relação a uma cepa isolada específica, poderia auxiliar na previsão da resposta ao tratamento dos pacientes.

 


Palavras-chave: Tuberculose; Polimorfismo de fragmento de restrição; Mycobacterium tuberculosis; Imunidade celular; Interferon gama.

 

Artigo de Revisão

17 - Monitorização portátil no diagnóstico da apneia obstrutiva do sono: situação atual, vantagens e limitações

Portable monitoring devices in the diagnosis of obstructive sleep apnea: current status, advantages, and limitations

Jéssica Fábia Polese, Rogério Santos-Silva, Rafael Freire Kobayashi, Indira Nunes de Paula Pinto, Sérgio Tufik, Lia Rita Azeredo Bittencourt

J Bras Pneumol.2010;36(4):

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Nos últimos anos, é crescente o interesse pela utilização de aparelhos de monitoramento portáteis para o diagnóstico da síndrome da apneia obstrutiva do sono, como uma alternativa mais simples e confortável à polissonografia, que é o exame considerado o padrão ouro para o diagnóstico dessa condição relativamente prevalente. A liberação do uso desses equipamentos pelo Center of Medicare and Medicaid Services, agência federal que administra os serviços médicos nos Estados Unidos da América, em 2008, resultou em ampla discussão sobre a utilidade e validade desses equipamentos para o diagnóstico de síndrome da apneia obstrutiva do sono. Apesar de haver vários modelos de equipamentos de monitorização portátil, há pouca informação na literatura a respeito de como cada equipamento deveria ser utilizado em grupos etários específicos, portadores de comorbidades e pacientes assintomáticos. Além disso, estudos de custo-efetividade desse método diagnóstico são escassos e conflitantes. Portanto, o objetivo do presente estudo foi revisar a evolução dos conhecimentos no uso de equipamentos de monitorização portátil, bem como examinar os avanços recentes, vantagens, limitações e aplicações desses equipamentos para o diagnóstico de apneia obstrutiva do sono em diferentes grupos de pacientes.

 


Palavras-chave: Apneia do sono tipo obstrutiva/diagnóstico; Polissonografia; Equipamentos para diagnóstico; Monitorização ambulatorial.

 

18 - Termoplastia brônquica em asma

Bronchial thermoplasty in asthma

Adalberto Sperb Rubin, Paulo Francisco Guerreiro Cardoso

J Bras Pneumol.2010;36(4):

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Os modernos tratamentos disponíveis para a asma proporcionam um bom controle da doença na maioria dos casos. Um número significativo de pacientes, no entanto, não responde a esses tratamentos, ou seja, não apresenta um alívio sintomático importante. A termoplastia brônquica é uma nova modalidade terapêutica, na qual a musculatura lisa das vias aéreas é especificamente tratada. Esse procedimento broncoscópico libera energia através de radiofrequência para as vias aéreas buscando a redução da broncoconstrição mediada pela musculatura lisa. Neste artigo, apresentamos a técnica da termoplastia, sumarizamos os resultados dos principais estudos clínicos randomizados do procedimento e discutimos seus mecanismos de ação e potenciais efeitos adversos. Também propomos estratégias para o futuro uso clínico desse novo tratamento.

 


Palavras-chave: Asma/prevenção & controle; Asma/terapia; Broncoscopia.

 

Relato de Caso

19 - Intoxicação grave por paraquat: achados clínicos e radiológicos em um sobrevivente

Severe paraquat poisoning: clinical and radiological findings in a survivor

Fábio Fernandes Neves, Romualdo Barroso Sousa, Antônio Pazin-Filho, Palmira Cupo, Jorge Elias Júnior, Marcello Henrique Nogueira-Barbosa

J Bras Pneumol.2010;36(4):

Resumo PDF PT PDF EN English Text

O paraquat é um herbicida não seletivo que possui grande importância toxicológica, sendo associado a altas taxas de letalidade, devidas principalmente à insuficiência respiratória. Este é o relato do caso de um homem de 22 anos admitido no departamento de emergência com queixa de dor de garganta, disfagia, hemoptise e dor retroesternal. Ele relatava a ingestão de cerca de 50 mL de uma solução de paraquat quatro dias antes da admissão hospitalar. A TC de tórax exibia opacidades pulmonares, pneumomediastino, pneumotórax e enfisema subcutâneo. O paciente foi submetido a dois ciclos de terapia imunossupressora com ciclofosfamida, metilprednisolona e dexametasona. Os parâmetros gasométricos progressivamente melhoraram, e o paciente recebeu alta hospitalar após quatro semanas. Decorridos quatro meses da alta, o paciente foi submetido a controles clínico e tomográfico, os quais confirmaram a melhora clínica. Apresentamos também uma revisão sucinta da literatura, bem como uma discussão do processo de decisão terapêutica para intoxicação grave por paraquat.

 


Palavras-chave: Paraquat/envenenamento; Fibrose pulmonar; Pneumotórax.

 

20 - Tumor de células gigantes do esterno

Giant cell tumor of the sternum

Ricardo Alexandre Faria, Carlos Maciel da Silva, José Elias Abrão Miziara, Fernando Yaeda de Melo, Sandra Regina Morini da Silva, Cristiano Ribeiro Viana

J Bras Pneumol.2010;36(4):

Resumo PDF PT PDF EN English Text

Relatamos o caso de uma paciente de 74 anos portadora de tumor de células gigantes em osso esterno. A apresentação clínica e radiológica indicava neoplasia primária de osso esterno. A paciente realizou exames complementares e cirurgia. O exame patológico confirmou o diagnóstico. Comumente observado em ossos longos no esqueleto apendicular, esse tipo de tumor caracteriza-se por sua agressividade local e pelo potencial metastático. Também fazemos uma revisão sobre o tema.

 


Palavras-chave: Descritores: Esterno; Tumores de células gigantes; Tórax.

 

 


O Jornal Brasileiro de Pneumologia está indexado em:

Latindex Lilacs SciELO PubMed ISI Scopus Copernicus pmc

Apoio

CNPq, Capes, Ministério da Educação, Ministério da Ciência e Tecnologia, Governo Federal, Brasil, País Rico é País sem Pobreza
Secretaria do Jornal Brasileiro de Pneumologia
SCS Quadra 01, Bloco K, Salas 203/204 Ed. Denasa. CEP: 70.398-900 - Brasília - DF
Fone/fax: 0800 61 6218/ (55) (61) 3245 1030/ (55) (61) 3245 6218
E-mails: jbp@jbp.org.br
jpneumo@jornaldepneumologia.com.br

Copyright 2017 - Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia

Logo GN1